Saiba se você já sofreu uma violência online

by Think Olga

A ideia de que o ambiente virtual não é um “mundo real” faz com que a violência sofrida cotidianamente na internet por meninas e mulheres seja encarada como menos grave. A verdade é que a internet não é um mundo paralelo. Pelo contrário. Ela é um reflexo do que vivemos offline. É justamente essa falsa sensação de impunidade e anonimato que faz com que meninas e mulheres sejam cada vez mais expostas a violências dos mais diversos tipos na web. E, muitas vezes, com consequências ainda mais devastadoras.
 
São meninas e mulheres que tiveram suas vidas transformadas, que tentaram o suicídio, que perderam emprego ou que precisaram mudar de cidade, por exemplo, depois de terem suas imagens íntimas expostas sem consentimento, que foram vítimas de perseguições, que sofreram agressão, ameaça ou intimidação. Discursos de ódio que se intensificam quando estão em cena outros fatores como raça, orientação sexual e classe social. E não são poucas mulheres, dados da ONU mostram que a cada dez mulheres conectadas à internet no mundo, pelo menos sete já sofreram algum tipo de violência online.
 
Apesar do número alarmante de mulheres que já viveram violência online, na dinâmica da internet, identificar essa violência  nem sempre é fácil. É por isso que na plataforma #ConexõesQueSalvam, parceria entre a Think Olga e o Facebook, disponibilizamos um teste que pode ajudar você a saber se foi ou não foi vítima de violência online. Mas, caso você tenha se sentido ofendida com algum conteúdo online que não se enquadre em nenhuma das questões abaixo, não deixe de buscar ajuda.
Confira os cards abaixo, e veja algumas das múltiplas formas desses tipos de agressões.
 
 

[igallery=10]

 
*O objetivo deste conteúdo não é limitar as possibilidades ou definição de violência. Caso você tenha se sentido ofendida com algum conteúdo online que não se enquadrou no quadro acima, não deixe de buscar ajuda.
 
O teste está disponível na plataforma Conexões que Salvam.
 
E não se esqueça que não importa qual o contexto da violência: a culpa NUNCA é sua.
 
Seja você também um agente para uma internet mais acolhedora.
 
#ConexõesQueSalvam