Por menos espaço na mídia para agressores

by Think Olga

 
Primeiramente, gostaríamos deixar a Folha de S.Paulo ciente quanto à sua mais recente contribuição à cultura do estupro ao publicar uma matéria irresponsável na qual coloca o agressor como um inocente e a vitima como culpada. Já falamos tantas vezes sobre assédio com esse veículo, mas parece que nada fica em memória: a matéria traz zero reflexão sobre o que esse caso representa, não contextualiza o que ele representa na luta das mulheres pelo fim do assédio. Apenas dá mais voz a quem já falou mais do que devia.
 
Sem esquecer também que as repórteres da Folha certamente sofrem e já sofreram assédio fazendo entrevistas. Como será que elas estão se sentindo ao ver um agressor ter tanto espaço na mídia para se defender? Resposta: indefesas!
 
Também gostaríamos que o cantor Biel estivesse ciente de que ele é o único responsável pelo desastre em sua carreira. Honestamente, estamos felizes que ele tenha perdido tantas oportunidades ao ter sido acusado de assédio. Já estávamos cansadas de viver em um mundo no qual esse tipo de homem sempre é perdoado. Um viva às consequências!
 
Você pode até não tê-lo conhecido antes dessa polêmica e achar ruim que isso o torne ainda mais famoso, mas não vemos problema nisso contanto que ele fique conhecido como o agressor que é. O Biel pode não fazer parte da sua playlist, mas sua música e personalidade o ajudaram a conquistar milhões de fãs em todo o país. A fama o torna uma influência para mentes em formação - sendo assim, por mais que seja um desagrado ver alguém tão inexpressivo ganhar tanto cartaz por um ato nefasto, tudo o que está acontecendo ajuda a educar uma geração de que esse tipo de "piada", "brincadeira" e "cantada" são agressões inaceitáveis.