468902351_1280x720

468902351_1280x720

Muitas foram as pautas que passaram pela minha cabeça quando fui convidada a escrever para a Think Olga. Mas para começar resolvi me apresentar de alguma forma, falar de mim e da minha vivência. Por acreditar que é uma forma de me aproximar de vocês e de mim mesma.

Escrevo para registrar o que os outros apagam quando falo, para reescrever as histórias mal escritas sobre mim, sobre você. Para me tornar mais íntima comigo mesma e consigo. Para me descobrir, preservar-me, construir-me, alcançar autonomia. Para desfazer os mitos de que sou uma profetisa louca ou uma pobre alma sofredora. Para me convencer de que tenho valor e que o que tenho para dizer não é um monte de merda. Para mostrar que eu posso e que eu escreverei, sem me importar com as advertências contrárias. – Gloria Anzaldua

Passei anos da minha vida acreditando ser atraída por homens. Sendo violentada por uma sociedade que não me deixava amar as mulheres. Sendo martirizada por uma hierarquia que parece invisível e que é silenciadora. Passei anos da minha vida acreditando que só existia uma orientação sexual: a heterossexual. Que no final, ali, nas convenções que somos obrigadas a celebrar, eu deveria me submeter a ficar e estar com um homem: mesmo se eu não quisesse, mesmo se eu não desejasse.

Entre abusos, agressões físicas e psicológicas é que se deu o meu despertar . E não foi nada fácil contextualizar as relações em que eu estava inserida. Era como estar, literalmente, presa ao meu opressor. Doía muito, muito. Mas quanto mais eu sabia de mim, mais eu me fortalecia e me desmembrava da alienação ao qual me enquadravam.

Eu descobri que existe amor de verdade quando me amei, amei e fui amada por outra mulher. Eu descobri as possibilidades do meu corpo quando me amei, amei e fui amada por outra mulher. Eu me sinto um ser potencialmente mais político me assumindo lésbica.

Sou uma mulher negra e lésbica.

Ser uma mulher negra e lésbica me torna cada vez mais combativa.

Luto diariamente para viver minha identidade. Me vejo diariamente abominando a coisificação, a objetificação e a erotização que fazem dos nossos corpos. Me vejo diariamente tendo que arrombar a porta para ocupar espaços que deveriam ser meus e de minhas irmãs por direito.

Ser mulher negra e lésbica me coloca num lugar de poucos privilégios.  Sou rejeitada e invisibilizada por uma sociedade branca e heteronormativa. Sou tudo que o patriarcado enoja. Tenho medo de ver verter meu sangue nas mãos de homens que querem me transformar em “mulher de verdade.” Tenho medo de virar estatística.  Por isso denuncio: a nossa voz precisa ecoar contra o machismo, o racismo e a lesbofobia. Contra as opressões que querem nos desestabilizar.

Tenho o direito de existir. Temos. 

Somos muitas com nossas múltiplas identidades.

Sou orgulhosa de ser quem eu sou.

Sou uma mulher negra e lésbica.

“Sermos mulheres juntas não era suficiente.

Nós éramos diferentes.

Sermos garotas lésbicas juntas não era suficiente.

Nós éramos diferentes.

Sermos negras juntas não era suficiente.

Nós éramos diferentes.

Sermos mulheres negras juntas não era suficiente.

Nós éramos diferentes.

Sermos lésbicas negras juntas não era suficiente

Nós éramos diferentes.

Demorou algum tempo até percebermos que nosso lugar

Era a casa da diferença ela mesma,

Ao invés da segurança de qualquer diferença em particular”

Audre Lorde


Dayana Pinto é educadora e Co-administradora da Arquivos Feministas.

Arte: Taj Francis

Compartilhar
b93a8c7f84ee5ee911d58d0c469c0f88

A última semana foi uma das mais intensas do ano para nós do Think Olga. Lançamos a hashtag #primeiroassedio para saber das mulheres quando foi a primeira vez que foram abordadas sexualmente. A iniciativa foi uma resposta ao imenso número de mensagens de teor pedófilo que circularam no Twitter durante a estreia do programa Masterchef Júnior, na Band. Uma das meninas tornou-se alvo de homens que não se intimidaram em manifestar publicamente seu desejo sexual por uma criança.

 

Durante os dois anos de existência da Chega de Fiu Fiu, nossa campanha contra o assédio em locais públicos, e por experiência pessoal, sabemos que infelizmente o que estava acontecendo no Twitter e chamando atenção pelo absurdo nada mais eram que registros reunidos a refletir um comportamento familiar a muitas mulheres. O assédio começa na vida de uma mulher no momento em que algum homem decide que ela já tem idade suficiente para ver seu pênis, ouvir palavras sujas ou coisa pior. Para algumas, tão cedo quanto aos cinco anos de idade.

 

Outro evento recente que diz respeito às mulheres é a aprovação do Projeto de Lei 5069/13 pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. De autoria do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o próximo passo é a votação em Plenário da Câmara. O projeto de lei visa dificultar o acesso a métodos abortivos mesmo quando a profilaxia da gestação é permitida por lei, como em casos de estupro.

 

Para tal, segundo o texto do projeto, será negada às vítimas atendimento básico em casas de saúde logo após uma violência sexual. O ato deve ser violento o suficiente para causar danos físicos e psicológicos – a ser comprovados via exame de corpo de delito, em uma delegacia. Com o laudo que comprove o estupro em mãos, só então a pessoa poderá procurar auxílio em uma emergência hospitalar.

 

Tudo isso está superficialmente explicado em um texto aberto a interpretações e subjetividades que, em todos os níveis, prejudicam somente as mulheres. No Brasil, o acessoao aborto é limitado aos casos nos quais há risco de vida para a mulher causado pela gravidez, quando a gravidez é resultante de um estupro ou se o feto for anencefálico. Nas três circunstâncias, a mulher é vitima de fatores externos, mas em um deles ela ainda será obrigada a encontrar forças se quiser ter acesso aos procedimentos necessários para sua própria saúde. Antes de cuidar de si, a mulher deve cuidar de provar para o estado que foi vítima de um crime – uma tarefa que definitivamente não é fácil quando se conhece a realidade burocrática, fria e machista das delegacias brasileiras, inclusive as da mulher. Caso ela não consiga, será impedida de ter acesso ao kit estupro (medicamentos que incluem a pílula do dia seguinte e salvaguardam a vida da mulher após essa violência), correndo risco não apenas de gerar um bebê indesejado, mas também de contrair todo tipo de doença sexualmente transmissível.

 

O PL também se esforça para manter mulheres na escuridão. Segundo ele, estarão sujeitos à penas de reclusão os profissionais de saúde que ajudarem mulheres a abortar sem a comprovação obtida em uma delegacia e, se a vítima for menor de 18 anos, o tempo de cadeia é maior ainda. Além disso, o “anúncio de meio abortivo” também seria criminalizado para dificultar a educação das mulheres em relação a direitos reprodutivos.

 

Para entender o quanto esse projeto está descolado da realidade, basta olhar para os números. No Brasil, uma pessoa é estuprada a cada 10 minutos e mais da metade das vezes é apenas uma criança. Ter acesso ao aborto garantido por lei quando uma gravidez proveniente desse crime acontece já é difícil por si só. Em suma, as maiores prejudicadas por esse PL são meninas pobres e definitivamente nenhuma mulher sai ganhando. Seu maior beneficiário talvez seja o estuprador, que seguirá impune (e livre para fazer piadas sobre pedofilia na internet), ancorado por leis que afastam as vítimas da denúncia.

infografico pl 5069

O fato de todos esses absurdos terem meramente sido aprovados pela CCJ já constituem uma derrota na luta pelos direitos das mulheres, mas ainda não perdemos a guerra. No Brasil inteiro, mulheres estão se mobilizando para que o projeto não seja aprovado no Plenário. É possível assinar a petição online contra o projeto, participar dos atos que vão acontecer em São Paulo e entrar em contato com nossos deputados federais para colocar pressão e demonstrar que as mulheres repudiam esse PL.

 

Tomar iniciativa é apenas fazer valer direitos que já conquistamos. É triste perceber que a discussão sobre direitos reprodutivos no Brasil e o direito sobre os nossos próprios corpos ainda esteja tão atrasada e correndo risco de retroceder, mas não será desistindo de nos fazer ouvir que essa realidade mudará. Essa é uma lei que não faz qualquer sentido e não tem espaço na realidade atual do país que temos hoje e muito menos na do país que queremos um dia ser. Querem nos desinformar, nos intimidar e nos fazer pagar com nossas próprias vidas pelo crime dos outros. Temos 5069 razões para lutar contra essa lei e pelas nossas vidas – e a primeira delas é a nossa paixão pela liberdade.


Arte: Leah Reena Goren

Compartilhar
gg-e1427900532189

gg

Uma das grandes frustrações de boa parte das mulheres é lidar com tanto machismo nos meios de comunicação. Filmes, séries, livros, jornais e tantos outros produtos midiáticos colaboram na reprodução de discursos degradantes para as mulheres – e, infelizmente, em grande parte pela falta de mulheres em posições de poder na indústria do entretenimento, os maus exemplos ainda são maioria.

Para mudar essa realidade, algumas mulheres colocam mão na massa e se tornam, elas mesmas, produtoras de conteúdo de qualidade para o gênero feminino. Erika Lust estava na faculdade de ciências políticas quando assistiu a um filme pornô pela segunda vez na vida, com seu namorado, e não gostou do que viu – mulheres com corpos irreais, subjugadas a fantasias masculinas em roteiros estapafúrdios. Tudo muito fake e, na sua opinião, nem um pouco excitante. Foi quando ela decidiu trocar sua carreira de cientista política para se tornar diretora de filmes pornôs feministas.

Erika lançou seu primeiro filme, The Good Girl, em 2004, como parte de uma antologia de cinco curtas que ganharam diversos prêmios internacionais. Com o sucesso de sua empreitada, ela pôde fundar a Lust Films, uma produtora pornô dedicada a produzir filmes de alta qualidade. Atualmente, ela se dedica ao projeto XConfessions, no qual coleta fantasias enviadas anonimamente para o site do projeto e as transforma em pequenos filmes eróticos. Ela já lançou livros sobre o tema e acredita que o cinema pornô também é um espaço de empoderamento feminino, já que esses filmes representam, para ela, a educação sexual contemporânea.

Erika Camera Balcony

A que você credita o fato da pornografia feminista ser tão pouco conhecida e frequentemente tratada como uma novidade? Como tornar esse gênero mais popular? E como você acha que essa popularidade ajuda a mudar o momento social que estamos vivendo atualmente?

Eu diria que o erotismo feminista é um gênero que está crescendo em uma indústria dominada por homens. Hoje em dia a internet permite que projetos indie ganhem popularidade de maneiras que inimigináveis no passado. Ao mudarmos a imagem da pornografia, recuperando a sexualidade feminina como expressão artística, a maneira como as pessoas percebem as formas femininas na mídia também muda, criando assim uma imagem mais honesta e moderna das mulheres. Há vários grupos trabalhando pelo direito das mulheres de se expressar da maneira como elas quiserem.

 

Recentemente o Reino Unido baniu uma série de atividades sexuais em filmes pornográficos por serem considerados perigosos. Não apenas a censura do banimento é problemática, mas também o fato de que a maior parte dos atos proibidos eram mais prazerosos para a mulher do que para o homem. Por outro lado, a competitividade da indústria pornográfica tem desafiado os limites ao exibir cenas cada vez mais extremas, como gang bangs (tipo de orgia na qual uma mulher é o foco de vários homens) com centenas de participantes e prolapso retal (quando as paredes internas do reto entram em colapso e escorregam para fora do ânus após práticas extremas de sexo anal). Nesse cenário, onde fica o limite entre censura, liberdade e fantasia em filmes adultos?

A censura faz sentido se você está exibindo material muito forte e sensível. Eu acredito que a censura é muito útil quando o que vemos é violência, discriminação, maus tratos, machismo, abuso, ofensas contra a humanidade exibidas de maneira lúdica com propósitos comerciais. Eu não acho que o sexo e a sexualidade humana se enquadrem em nenhuma dessas categorias. Se o ato sexual hoje em dia é considerado pior que intensa violência gráfica e explícita, então tem algo de errado com o sistema de educação sexual, a mídia e o mundo.

 

Na sua palestra “It’s time for porn to change” (Tá na hora do pornô mudar) no TED, você fala sobre como a pornografia é a atual educação sexual e que “o sexo pode ser sujo, mas os valores devem ser limpos”. Como você acredita que a pornografia pode ajudar a construir esses valores sob uma luz positiva? Isso tem alguma coisa a ver com a sua decisão de não filmar cenas de anal?

Eu acredito firmemente que a pornografia pode ser uma ferramenta educacional. Hoje em dia o acesso à internet e à imagens explícitas são a primeira e principal fonte de informação dos adolescentes sobre sexo, antes mesmo que eles o tenham praticado. Não podemos evitar isso, está acontecendo. E proibindo, envergonhando e marginalizando a ideia de imagens explícitas sobre sexo só piora tudo. Nós temos que mudar a qualidade da pornografia, os valores por trás dela, para que os jovens não aprendam ideias de objetificação, derespeito e violência dela. O sexo dos filmes pornô tradicionais está longe da realidade, mas as crianças começam a acreditar que é assim que se faz sexo: que as mulheres atingem o orgasmo em qualquer posição que você quiser, estão sempre prontas para fazer sexo anal e absolutamente encantadas pela ideia do cara ejacular na cara delas.

A verdade é que mulheres gostam de sexo tanto quanto homens. Sexo é sobre experimentação, diversão e sacanagem! Isso não precisa mudar, o que precisamos é compatibilizar a sacanagem exibida nos filmes com respeito próprio, poder de decisão, consciência, intimidade e valores.

 

Como é para você, rotineiramente, reinventar um novo olhar sobre esse gênero? Você sente que deve estar sempre atenta para não cair de novo na abordagem tradicional, hábitos a evitar, ou isso é natural para você? Uma mulher dirigindo ou produzindo um filme pornô é suficiente para quebrar o paradigma? Por quê?

Os filmes adultos que faço têm uma pegada mais cinematográfica, e pelo aumento da qualidade da produção, o produto final se torna mais que um filme pornô padrão, ele se torna arte. Eu faço erotismo indie. Para quebrar os paradigmas da indústria pornô precisamos de mais mulheres escrevendo, dirigindo e produzindo. Precisamos incrementar os valores que defendem o empoderamento feminino e tomar de volta o controle do que queremos que seja feito com nossas fantasias e desejos.

 

Ativistas anti-pornografia como Shelley Lubben, da Pink Foundation, criticam as condições de trabalho dos atores, especialmente as atrizes. Em uma indústria tão machista, pouco regulada e por vezes despreocupada com questões de saúde, quais são as preocupações da Lust Filmes com a saúde e bem estar dos seus atores?

Aqui na Lust Films colocamos a segurança em primeiro lugar, trabalhamos com profissionais. Nós providenciamos que todos os nossos atores e atrizes façam um check up médico completo. Trabalhos com escalas que funcionam para ambos, e garantimos que todas as condições estejam favoráveis para quem está filmando pela primeira vez e para que os mais experientes se sintam confortáveis e também se divirtam.

 

Como você acredita que assistir pornografia, sozinho ou acompanhado, pode ser empoderador? Você tem algum exemplo de como esse empoderamento foi alcançado por meio desse tipo de intimidade?

Eu acho que filmes pornô podem ser aproveitados tanto juntos quanto separados, já que ajuda na criatividade e renova o desejo sexual. Se feita corretamente,  a pornografia pode ser uma declaração sobre prazer e sexualidade femininas. Pode melhorar o desejo sexual entre os casais e mostrar para as mulheres que é OK gostar de sexo, saber do que gosta e pedir por isso. Assim como a se darem conta de que elas são donas dos seus corpos e, sendo assim, de sua sexualidade. E que tudo bem sentir, gostar e fazer seja lá o que você queira sem ser julgada.

 

No projeto XConfessions, usuários escrevem e enviam suas fantasias anonimamente para você escolher duas por mês e transformá-las em belos curtas eróticos. Com três filmes produzidos e muito mais por vir, que coisas novas e surpreendentes você aprendeu com esse processo de criatividade coletiva?

O XConfessions é completamente coletivo, é um projeto novo de crowdsourcind que colhe os benefícios da originalidade das perversões do público e sua imaginação selvagem. Estamos vendo o prazer real e o que excita pessoas como eu e você serem transportados para as telas em lindos e pequenos curta-metragens. Para mim, é o melhor tipo de erotismo que há! A beleza dele é que realmente mostra o quão fascinante e incrivelmente diversa é a sexualidade humana!

 


Com Nina Neves

Arte: Mundobrel

Compartilhar
rsz_10407287_740289752687620_8807068502953762216_n

Parece simples, mas não é. A fronteira entre o estupro e o sexo ainda está embaçada na cabeça de muita gente. O hit Blurred Lines, sucesso absoluto na voz do cantor Robin Thicke em parceria com o rapper Pharrell, é basicamente uma ode à violência sexual. Pra se ter uma ideia, o Projeto Unbreakable, que reúne fotos de vítimas de estupro segurando cartazes com o que seus agressores diziam na hora da violência, conseguiu recriar a letra da música apenas com imagens previamente publicadas.

A popularidade desse tipo de canção é um forte indício da identificação ou da conformidade do público com essa abordagem. “Eu sei que você quer”, “A maneira como me segura, deve estar querendo mais”: a canção (e a sociedade?) está lotada de suposições equivocadas sobre o desejo da mulher. Ela é considerada apenas parte interessante, mas não interessada, pois em nenhum momento perguntam o que ela quer.

Consentimento é a certeza de que as duas (ou mais) pessoas estão dispostas a participar de uma interação afetiva. Do flerte ao sexo, qualquer tipo de aproximação entre um casal só pode ter sucesso caso ambos estejam absolutamente certos do desejo do outro em estar ali. É preciso ter um entendimento inequívoco da vontade de ambos – tanto de um para o outro, quanto individualmente (ou seja, se VOCÊ quer mesmo que isso aconteça).

Relacionamentos, sejam de uma noite ou para a vida inteira, não devem ser encarados como uma obrigação, mas como uma escolha. Independente dos motivos que levam duas pessoas a ficar juntas, o ideal é que eles venham de dentro, que sejam genuínos e pessoais. Consentir é diferente de “deixar” ou “dar permissão”: é verdadeiramente querer e desejar que aquilo aconteça.

O consentimento só pode ser dado por livre e espontânea vontade. Todo ato íntimo proveniente de ameaça, coerção e intimidação é considerado estupro. Por isso, antes de continuarmos nosso papo sobre consentimento, precisamos primeiro acabar com alguns mitos sobre violência sexual:

Mito 1 – Estupro só acontece em vielas escuras e são cometidos por tarados malucos que vivem atrás de moitas

A maioria dos estupros é cometida por pessoas conhecidas pelas vítimas, muitas vezes em suas próprias casas e por seus parceiros íntimos. Por mais desagradável que esse pensamento seja, é preciso encarar a realidade de que é preciso muito mais que “evitar andar sozinha à noite” para evitar ser violentada.

Mito 2 – Mulheres provocam o estupro por se vestirem de maneira sexy

“Mas ela está pedindo!”. Não, ninguém pede para ser estuprada e nem todas as vítimas estão de saia curta. A única pessoa responsável por um estupro é o estuprador. Os homens (que geralmente são os aqueles percebidos como perpetrores desse tipo de violência) não são bestas selvagens e deveriam se ofender com a acusação de que não podem se controlar ao ver um decote. Uma mulher deve ser livre para vestir o que quiser sem temer ser violentada por isso.

Mito 3 – Mulheres que bebem ou se drogam estão pedindo pra ser estupradas

A vulnerabilidade que acompanha o entorpecimento não implica que a mulher esteja disponível para fazer sexo. Se ela está inconsciente ou parece incapaz de tomar uma decisão, tal como dar consentimento, é estupro. Beber não é crime, estupro sim.

Mito 4 –Se a vítima não gritou, fugiu ou se machucou, então não é estupro

Qualquer relação sexual sem consentimento é estupro. Não é necessário nada além disso para que essa situação configure como violência sexual. Em muitos casos, a vítima coopera com o estuprador por temer pela própria vida, ou por consequência de sua personalidade ou da situação, não têm coragem ou força de reagir, sentindo-se paralisadas pelo pavor. Esse tipo de questionamento transfere a responsabilidade de evitar o estupro para a vítima – e, como já dissemos anteriormente, o único culpado pelo estupro é o estuprador.

Mito 5 – Se a vítima não reclama ou dá queixa logo em seguida, não é estupro.

Um estupro pode provocar sentimentos de vergonha e culpa tão grandes que impedem a vítima de falar sobre o assunto. Ainda mais vivendo em uma sociedade que tenta justificar o estupro de todas as formas (vide esses mitos!) e constantemente transfere a culpa

Mito 6 – Estupro de prostituta não conta

A prostituição é baseada fundamentalmente no consenso em praticar atos sexuais em troca de dinheiro.  O que passa desse acordo é estupro.

 

Ok, então… como consentir e como obter consentimento?

Comunicação! Comunicação! Comunicação! Para ser eficaz, o consentimento deve ser expresso de maneira ativa e voluntária, por meio de palavras ou ações que indiquem o desejo mútuo de participar de uma atividade sexual. Confira abaixo algumas reflexões importantes sobre consentimento:

– Ambiguidade não ajuda em nada. Sim é sim e não é não. É importante é respeitar esses limites quando dados pelo seu parceiro ou parceira.

– Sentiu desconforto para dizer não? Sinal vermelho! É um forte indicativo de intimidação e medo – coisas que não combinam com momentos de intimidade nos quais devemos nos sentir seguras para expressar nossos desejos.

– Se o parceiro ou parceira está hesitando, o ideal é não ir adiante com o contato íntimo. Consentimento é ter absoluta certeza de que o que está acontecendo naquele momento é algo que os envolvidos desejam verdadeiramente. Talvez é não.

– Consentimento para um ato sexual específico não significa que todos as outras formas de interação íntima estão liberadas.

– Mesmo depois que o consentimento tenha se estabelecido entre o casal, ambos são livres para mudar de ideia em qualquer momento do ato sexual.

– Caso isso aconteça, seja por palavras ou ações, a relação deve ser interrompida imediatamente. Ainda que o “não” tenha soado meio indeciso ou confuso, ele deve ser respeitado como uma quebra do acordo prévio. E sem consentimento, sem sexo.

– Especialmente entre casais que já se relacionam a mais tempo, o consentimento deve ser obtido toda vez em que houver atividade sexual. A intimidade pode levar a deduções que nem sempre são corretas e, consequentemente, levar a experiências desagradáveis.

– Ser casado com a vítima não exime o marido de ser um criminoso. A inglesa Sarah Tetley, por exemplo, foi estuprada mais de 300 vezes pelo marido enquanto dormia. Ela trouxe sua história a público recentemente para aumentar a conscientização sobre o abuso.

– Silêncio, falta de resistência verbal ou física e relações anteriores não são sinônimos de consentimento, bem como tipos de roupa, flertar, um drink, um jantar ou qualquer outro gasto com alguém, também não significam que ele ou ela consentiu em fazer sexo com você.

– Usar drogas ou beber não impedem deliberadamente uma pessoa de consentir em fazer sexo, mas certos níveis de intoxicação a tornam incapaz de tomar essa decisão.

– Consentimento não se obtém com o uso de força (literal ou implicitamente), ameaças, intimidação e coerção.

– É sempre OK dizer não. Seja por que você não tá afim, por causa de religião, por ter medo de pegar uma doença, se quiser ir devagar ou só ver a pessoa como amigo e não como parceiro sexual. Se você acha que tem que consentir, então a escolha não é mais sua.

Sexo é pra ser divertido e empoderador. Falar sobre isso, também. Respeitar o consentimento é uma das responsabilidades de quem tem uma vida sexual ativa. Não se trata de preciosismo, mas de tomar cuidado para não ultrapassar os limites do seu parceiro e transformar um momento prazeroso em uma experiência traumática.

 


Arte:  Emily North

Compartilhar
clube bordado 1

 clube bordado 12jpg

Historicamente, o bordado é uma atividade fortemente associada ao universo feminino. Os motivos, cuidadosamente desenhados com linha, agulha e dedicação, costumam retratar cenas puramente ornamentais cuja função é apenas decorativa, como flores e animais. De modo geral, a prática já não é uma habilidade exigida das mulheres como outrora, tampouco conserva-se intacta a tradição de transmitir a técnica de mãe para filha. Um coletivo de bordadeiras paulistas, porém, resolveu resgatar o bordado de uma forma diferente, trazendo como tema imagens e conceitos que fazem parte do universo erótico das mulheres.

As amigas Vanessa Israel, Renata Dania, Lais de Souza, Amanda Zacarkim, Camila Lopes e Marina Dini, criadoras do coletivo Clube do Bordado, estão fazendo sucesso ao representar de maneira despudorada o corpo feminino, sexo oral, masturbação e palavrões em suas delicadas criações. “É muito interessante explorar a liberdade feminina e outros temas tabus de nossa sexualidade fazendo uso dessa técnica, que por muito tempo foi uma maneira de oprimir as mulheres, uma vez que mulher ‘pra casar’ deveria saber bordar, cozinhar, etc”, explica Vanessa. Um trabalho que subverte a noção de que bordar é uma atividade engessada e obsoleta, dando a ela uma nova roupagem e um verniz artístico. As criações podem ser conferidas no site do Clube e adquiridas sob encomenda.

O que é o Clube do Bordado e por que ele foi criado?

Marina: O clube foi criado a partir do desejo de aprender a bordar e ter uma atividade nova dentro das nossas rotinas. A Rê e Lalá, que moram juntas, pediram para a Camila algumas aulas em casa e acabaram convidando as outras meninas que ficaram interessadas. Semanalmente nos encontramos na casa das meninas para bordar, bater papo e trocar ideias. Hoje o clube está virando negócio já que vimos um interesse muito grande das pessoas em adquirir nossas criações.

Amanda: O Clube do Bordado é uma boa desculpa para se reunir. Digo isso porque, antes de começarmos os projetos temáticos, só a ideia de ter um Clube já servia para facilitar o encontro em meio ao caos da cidade, acompanhado de conversas, comidinhas e updates da vida. O Clube juntou amigas e amigas de amigas com a ideia de aprender algo feito à mão, e a facilidade de ter alguém ao seu lado que pudesse ensinar a melhor forma de executar tal ponto, dar pitaco sobre um desenho escolhido, essas coisas. Cada encontro foi se tornado um evento, porque as anfitriãs, Renata e Laís, são prendadas e adoram receber bem, então a soma de todos esses fatores fez com que os encontros semanais fossem tomando forma e ganhando ideias de coleções, temas, negócio… Até que todas nos tornássemos ‘donas’ desse filhote coletivo.

clube bordado 3

Por meio de uma ferramenta muito inocente, vocês exploram a sexualidade feminina de uma maneira muito elegante. Por que a temática?

Laís: A Vanessa fez um bordado softporn e a gente amou! E um amigo nosso falou que ia ter uma feira/festival de arte pornô e sugeriu da gente tentar se inscrever. A gente curtiu a ideia de “formalizar” o clube. E a gente notou que é muito legal falar de um tema tão íntimo abertamente. Por incrível que pareça, sexualidade feminina ainda é um tabu. Trazer ela a tona, para ser pensada, discutida, é muito importante. Descobrimos que, fazer isso se apropriando de uma técnica tão tradicional e tida como “atividade para mulheres”, foi um jeito de subverter todos os significados. Tanto do bordado quanto da sexualidade. Eu convidei alguns dos meus amigos (homens) para bordar, e as respostas eram sempre em tom de deboche, como se fosse algo muito engraçado um homem bordando. Seguindo por essa linha vem a sexualidade feminina e uma tonelada de tabus. E por que não aproveitar para expor tudo isso? Fazer as pessoas questionarem o que elas entendem por um grupo de 6 mulheres que se encontra semanalmente para bordar. A gente gosta de brincar com esses elementos tidos como contraditórios, mas que fazem muito sentido juntos: tecidos delicados e floridos, cores suaves, estampas de bolinhas, tudo bordado com palavrões, insinuações se sexo oral, masturbação, perversões, etc. Acredito que o mais legal é mostrar que tudo isso pode vir junto, ou separado. Além do que o sexo, e tudo que envolve o tema, sempre foi um dos assuntos recorrentes dos nossos encontros, então era natural colocá-lo na nossa produção.

Vanessa: Partindo de um olhar mais superficial, sou apaixonada pelo contraste da técnica delicada e até inocente com nossas temáticas nada discretas. Porém, além disso é muito interessante explorar a liberdade feminina e outros temas tabus de nossa sexualidade fazendo uso dessa técnica que por muito tempo foi uma maneira de oprimir as mulheres, uma vez que mulher “pra casar” deveria saber bordar, cozinhar, etc. Desde que começamos a expor os trabalhos do clube, temos recebido alguns depoimentos de senhoras que odiavam ser obrigadas a aprender a bordar dizendo que se tivessem tido a ideia de bordar o que bordamos, com certeza a atividade teria sido bastante prazerosa. (umas fofas!)

Como é o processo de criação de vocês?

Marina: No começo do clube não trabalhávamos com temas. Quando surgiu o tema do Popporn, cada uma de nós pesquisou ou criou imagens a partir de ideias particulares. Eu pelo menos pensei em algo que eu gosto e a partir daí sair em busca de referências e imagens. Agora já temos uma lista de coleções que queremos produzir e a próxima é a Cinéfilos. Fizemos uma pesquisa no Facebook para saber quais filmes as pessoas gostariam de ver bordados. A partir dessa lista fizemos uma seleção e acrescentamos vários outros que nós gostaríamos de bordar. Cada uma ficou responsável por alguns deles e a partir daí temos toda a liberdade de criar. Estamos coletando nossas cenas, imagens e frases favoritas e vamos desenvolver os bordados com a identidade única dos filmes e de cada bordadeira.

É preciso coragem para expor um assunto visto como tabu, como a sexualidade da mulher, de forma tão clara. Como tem sido tratar dessa questão de forma tão pública e tão artística?

Renata: O feedback tem sido ótimo! Até hoje os comentários são muito positivos e sempre recebemos mensagens de apoio e incentivo. De uma forma delicada e singela, temos representado através do bordado ilustrações e ideias com as quais muitas pessoas tem se identificado. É muito legal ver que hoje o bordado despertou nossa curiosidade e escolhemos representar nossas ilustrações através dessa técnica.

clube bordado 4

Entrevistamos a Cris Bertoluci, para a Olga, no ano passado. Ela disse que o tricotar era uma forma de conquistar a liberdade. Vocês acreditam que o bordado também tem um quê de libertador? 

Marina: Acho que sim, bordar é libertador assim como todas as expressões artísticas. Um bom exemplo disso são os homens interessados em bordar com a gente. No passado isso dificilmente aconteceria, um homem jamais se diria interessado em uma atividade destinada unicamente à mulheres. A partir do momento que você tem um bastidor e uma agulha nas mãos o bordado pertence apenas à você e é muito libertador poder decidir o que quer fazer com aquilo.

Vanessa: Sim! Acredito que o bordado seja um ótimo caminho não só para a liberdade como as meninas já explicaram, mas também para o auto conhecimento, pois além de bordarmos juntas semanalmente, parte de cada projeto é executado de modo solitário, em que apesar de termos o foco e a atenção voltados para as mãos e a feitura da ilustração, a atividade permite a livre fruição do pensamento, possibilitando o exercício da paciência para desfazer e refazer cada ponto que foi para o caminho errado e também a compreensão do tempo das coisas, já que é um processo impossível de ser acelerado.

Vocês acreditam que o trabalho de vocês seja empoderador para mulheres?

Vanessa: Com certeza. Tentamos expor assuntos como masturbação feminina, tipos diferentes de corpos e diferentes sexualidades, com o intuito de fortalecer a auto estima das mulheres. O retorno tem sido tão positivo que já fizemos um encontro aberto para conhecer melhor as meninas que gostam do nosso trabalho e pretendemos fazer outros!

Laís: Muito! Impressionante o quanto. Quando eu comecei a bordar eu já senti a força que tinha colocar para fora algo que só existia na minha cabeça. Eu sinto esse empoderamento primeiro comigo. O bordado me deu força, para eu acreditar em mim mesma, na minha criatividade, na minha capacidade de me comunicar e impor e expor os meus pensamentos. E tudo isso fica refletido no bordado que eu faço. Teve uma amiga que veio me contar que amou a idéia, que ela queria aprender a bordar também e me contou até algumas intimidades da vida dela. Foi um diálogo que se abriu. E só com muito diálogo que a gente consegue mudar os nossos pensamentos. Nossa forma de ver o mundo e de se relacionar. Que o bordado seja uma forma de abrir muitos diálogos, questionamentos, reflexões. Para que, no futuro, a sexualidade deixe de ser um tabu.


Edição: Luíse Bello

Compartilhar
olgaENVIAR

olgaENVIAR

“Eu nunca tive um orgasmo”. Quando eu tinha 18 anos, uma amiga me contou isso. Na época, uma Gabriela fã de carteirinha da Sue Johanson ficou em choque. “Como assim nunca teve um orgasmo? Tu nunca te masturbou??” – ênfase no sotaque gaúcho carregadíssimo de Santa Maria.

A resposta dela fez todo sentido: “não, nunca me toquei”. Ela dizia que até alguns anos atrás achava “nojento”, que era uma “guria de respeito” e que quando teve vontade mesmo, o bloqueio já era muito grande. Que conselho eu podia dar à minha amiga na época? “Assista a um filme pornô”? Nem eu assistia, a pornografia nunca me deu um pingo de tesão, com humilhações, depilações exageradas, fantasias que nunca foram as minhas e uma boa dose de violência. Tenho certeza de que há várias meninas como ela por aí, com nojo e vergonha da própria vagina e sem qualquer consciência do próprio corpo, muito menos do que lhes dá prazer. E isso tem tudo a ver com opressão a mulheres e pornografia mainstream.

Muitas feministas são antipornografia. Como dizia a feminista Robin Morgan: “a pornografia é a teoria; o estupro é a prática.” Há bons argumentos nessa linha feminista, como o fato de que é uma indústria que existe somente para fazer dinheiro, que mastiga e cospe as mulheres e mostra violência, assédio e ofensas como algo  aceitável e parte da sexualidade masculina. Dizem que a pornografia promove padrões de beleza misóginos e que afeta a todos porque influencia a forma como homens veem mulheres. “A pornografia mainstream heterossexual dita uma ideia estreita e limitada do que é a sexualidade humana. Na pornografia, a sexualidade masculina pressupõe crueldade, coerção e degradação e a feminina como submissa ou aparentemente apreciadora de um tratamento cruel, coercitivo e degradante. A pornografia anula as necessidades sexuais das mulheres e dificulta a descoberta de seus próprios corpos e sua sexualidade”, diz um blog americano de feministas antipornografia.

Vamos falar sobre alguns fatos da indústria pornográfica que fazem com que muitas feministas se oponham à pornografia. É um negócio bilionário, centralizado na Califórnia, onde fica 90% da produção mundial, dirigido e produzido por homens e voltado ao prazer masculino através da dominação. Sabe-se que 80% das sobreviventes do tráfico de pessoas relatam que seus algozes usaram a pornografia para mostrar a elas como deveriam se comportar em seu estado de escravos sexuais. Muitas vezes, essas vítimas também são fotografadas e filmadas para a indústria pornô, a fim de multiplicar o ganho de seus sequestradores. Além disso, muitas atrizes pornôs relataram situações análogas ao tráfico humano e/ou à escravidão sexual. Uma delas é Linda Lovelace, famosa pela sua atuação em Garganta Profunda e eternizada como símbolo da revolução sexual dos anos 1970. Só que era tudo uma mentira: na verdade, Linda era torturada, espancada e obrigada sob ameaça de morte a fazer filmes pornográficos por seu marido abusivo Chuck Traynor. Depois de conseguir fugir dele, Linda virou uma ativista antipornografia e relatou os abusos a que foi submetida em uma série de entrevistas até morrer em um acidente de carro em 2002. Um filme sobre sua história foi lançado no ano passado, inclusive. Assista ao trailer:

 

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=O0Dyx3SE2Yo?rel=0&w=560&h=315]

 

Como é um mercado, a competição impera na indústria pornô, e o conteúdo “evolui” para práticas cada vez mais “ousadas”. O gang bang de três caras com uma mulher de repente vira o “extreme gang bang”, com 10, 20, 150 caras. O sexo anal vira rosebud (só dê um Google se tiver estômago). Surgem canais especializados em surras e outras práticas cada vez mais extremas, “extreme isso”, “extreme aquilo”. E assim por diante, com atos cada vez mais violentos e mais destruidores de corpos femininos. Quando eu falo destruidores, não me refiro somente a DSTs e HIV, que já configuram um cenário aterrador, mas a ferimentos graves nos órgãos genitais. No St. James Infirmary, uma clínica criada por trabalhadores da indústria do sexo para trabalhadores da indústria do sexo (inclusive prostitutas e garotos de programa) em São Francisco (Califórnia), reconstituição de vaginas e ânus são procedimentos comuns. Isso sem contar as “ciladas” que estão sempre bombando nos sites pornôs, como a que um cara finge que vai contratar uma funcionária como forma de persuasão para receber sexo oral ou outros serviços. Claro que essas emboscadas não são reais e sim hermeticamente produzidas pela indústria pornô, mas a mensagem de enganar mulheres só pela diversão é transmitida com sucesso.

Nos Estados Unidos, há algumas organizações de proteção a atrizes pornôs. Uma delas é a Pink Cross Foundation, uma instituição de caridade criada por Shelley Lubben, ex-atriz pornô que deixou o ramo após ser infectada pelo vírus da herpes e perder metade do útero. Shelley é uma voz importante no movimento antipornografia americano e sua organização realiza e divulga uma série de pesquisas sobre a vida das atrizes pornôs. Alguns dados apresentados pela organização: a expectativa média de vida de uma estrela pornô é de 36 anos; 208 atores morreram de aids, overdose, suicídio, homicídio ou outras doenças somente em 2014 e 66% desses trabalhadores têm herpes, uma doença sem cura. Entre as lutas, está a aprovação, em 2012, de uma lei que exige o uso de camisinha durante as gravações em Los Angeles. Um ano após a lei, a produção caiu 90% na cidade, e continua diminuindo este ano. Em 2014, uma lei semelhante chegou a ser aprovada no estado da Califórnia, mas ainda enfrenta uma longa batalha no senado para ser mantida. Veja este vídeo produzido por alunos da Universidade de São Paulo sobre o lado obscuro do mundo pornô, com falas de Shelley:

 

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=hIok-mr12P0?rel=0&w=560&h=315]

 

Mais de 11 milhões de adolescentes assistem a filmes pornôs na internet, e sabemos que educação sexual não é um procedimento padrão em muitos lares e não passa de uma conversa sobre o uso de camisinha em muitas escolas. Segundo a britânica Sociedade Nacional de Prevenção à Crueldade contra Crianças (NSPCC, na sigla em inglês), a pornografia tem um efeito sombrio sobre as crianças e está ligada à proliferação de casos de estupros entre adolescentes. Muitos concordam com essa ideia. Para fazer o documentário “Amor e Sexo na Era da Pornografia”, a pesquisadora Maree Crabbe entrevistou dezenas de jovens sobre suas práticas sexuais e percebeu que muitos deles estavam sendo educados pela pornografia, normalizando comportamentos agressivos. Meninas relataram a Maree que muitas vezes não se sentiam confortáveis com os pedidos de seus parceiros, mas acabavam cedendo pela pressão ou vontade de agradar. Alguém aí lembra daquela cena de Girls em que Adam pede para Hanna rastejar pelo quarto e ejacula em suas costas? Bem por aí. A pornografia pode tornar as mulheres cada vez mais presas a fantasias pornográficas que não são as suas.

Cansada de lidar com esse tipo de postura ao transar com novinhos educados pela pornografia, a empresária americana Cindy Gallop resolveu fazer algo a respeito. “Como uma mulher mais velha, madura, experiente e confiante, eu não tive dificuldade de perceber que uma certa quantidade de reeducação, reabilitação e reorientação era necessária”, disse Cindy em uma TED em 2009 ao lançar a iniciativa Make Love Not Porn (“Faça amor, não faça pornô”, em tradução livre). Basicamente, é um site educativo que mostra as diferenças entre o sexo real e o dos “filmes adultos” através de desenhos e vídeos.

facial

Traduzindo…”Mundo pornô: homens adoram gozar na cara das mulheres e as mulheres adoram que eles gozem na cara delas. Mundo real: algumas mulheres gostam disso, outras não. Alguns caras gostam disso, outros não. Depende inteiramente da sua escolha.”

Eu adoro como o pesquisador da Universidade de Tel Aviv Ran Gavrieli explica por que parou de consumir pornô em uma TED. Ele fala da necessidade de uma desintoxicação não apenas de nossos corpos através da alimentação, mas de nossa mente. Ran conta ter percebido como ele passou a fantasiar com situações que nunca lhe agradaram de verdade como consequência dos pornôs que via, e como ele observou que a cultura pop utiliza cada vez mais referência pornográficas (cita Lady Gaga e Miley Cyrus), influenciando adolescentes a tirar fotos e vídeos nuas para seduzir seus paqueras e muitas vezes acabam expostas por eles, com vazamentos que terminam em bullying, humilhações incessantes, perseguição, depressão e às vezes até suicídio.

 

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=gRJ_QfP2mhU?rel=0&w=560&h=315]

 

Apesar de tudo isso, eu não sou uma feminista antipornografia. Eu concordo com o que Wendy McElroy diz no livro XXX: A Woman’s Right to Pornography: “censura ou qualquer repressão sexual inevitavelmente se volta contra as mulheres, especialmente aquelas que querem questionar seus papeis tradicionais. A liberdade de expressão sexual, incluindo a pornografia, cria uma atmosfera de interrogação e exploração. Isso promove a sexualidade das mulheres e sua liberdade”.

Como em todas as áreas dominadas por homens, eu acredito que as mulheres devem tomar seu espaço na pornografia. Por exemplo fazendo pornô feminino, de mulher para mulher, como Erika Lust. A sueca formada em ciências políticas e feminismo na Universidade de Lund, uma das mais prestigiadas da Suécia, criou uma produtora de filmes eróticos vencedores de vários prêmios em festivais, inclusive o Feminist Porn Awards, que é praticamente um movimento em prol do pornô feminista. “É triste dizer isso, mas o sexo ainda é uma questão política”, disse Lust em uma entrevista à Tpm em 2012.

Sim, sexo é político. Michel Foucault já dizia em sua obra História da Sexualidade I que as sexualidades são socialmente construídas. “É pelo sexo, com efeito, ponto imaginário fixado pelo dispositivo da sexualidade, que cada um deve passar para ter acesso à sua própria inteligibilidade (…) à totalidade de seu corpo(…) à sua identidade”. Foucault vê a proliferação de sexualidades como uma extensão de poder. E quando as mulheres fazem pornografia para mulheres, elas tomam o poder para si. Quando uma atriz pornô reflete sobre o próprio trabalho e determina o que quer fazer e como quer fazer, a exemplo de Stoya, Sasha Grey e Mônica Mattos, ela está tomando poder para si mesma (mas vale lembrar que para cada Stoya há centenas de escravas sexuais).

Quando uma mulher se masturba e aprende a ter prazer sozinha, ela também está tomando poder sobre si mesma. Na história, a legitimação da masturbação feminina representou o uso do corpo como luta política, como as moças do Femen usam os seios. Isso ainda não mudou. É preciso se conhecer muito bem para saber o que dá prazer ou não, e para isso é preciso se tocar muito. Também é preciso saber o que gosta ou não para barrar aquele cara educado pelo pornô de tentar fazer coisas que você não quer. Para se impor sexualmente. Para se impor como mulher. E gozar muito. Porque siririca é o poder.

 

* E para quem quiser saber mais sobre pornô para mulheres, recomendo o blog da minha querida amiga Nina Neves, que fez um TCC a respeito.

* Fica para outra hora a discussão sobre como a pornografia mainstream também limita a nossa sexualidade.

IMAGEM: ART BY BlackHeart (Facebook e Instagram)

Compartilhar
olga orgasmo

OrgasmoTapa_Baja

Em francês “petit mort” é a expressão utilizada para orgasmo. Ainda que o biquinho da pronúncia francesa deixe tudo mais charmoso, há um quê sombrio ao denominar o auge do prazer sexual “pequena morte”. Pois, é.

Dividindo seu tempo entre Buenos Aires e Nova York a premiada ilustradora argentina Fernanda Cohen, 33, é a autora de Guía Ilustrada del Orgasmo Femenino (Ed. Livros del Zorzal, ainda sem tradução para o português). A ideia do livro, publicado em 2012, foi impulsionada durante um cruzeiro sem grandes emoções com seu ex-marido, mas principalmente por sua percepção em relação às enormes questões, culpas e tabus existentes em relação a sexualidade humana, e principalmente, no que toca ao prazer feminino.

Fernanda Cohen criou “Melba” uma menina-mulher que usa vestido vermelho, cinta-liga e penteado volumoso. Ela encena de um jeito delicado e didático as nuances do prazer feminino ao longo das 110 páginas da publicação. Aliás, a versão francesa do livro foi chamada de Le petit Guide Malicieux du Plasir Féminin (Guia Malicioso do Prazer Feminino). “O Guia da Pequena Morte” ia ficar pesado, né?

OrgasmoPag 4

OrgasmoPag 3

OrgasmoPag 1

Por e-mail, desde Buenos Aires, ela respondeu a entrevista a seguir:

Foi seu primeiro trabalho com um tema ligado a sexualidade feminina?
Grande parte do meu trabalho tem uma carga de sensualidade. É inerente ao meu estilo. A série autoral El água me moja (“A água me molha”) é onde tal característica ficou mais evidente.

E como surgiu a ideia do livro?
Em parte, surgiu com o despertar natural da minha sexualidade aos meus 20 e poucos anos, e o tédio em um cruzeiro com o meu ex-marido, em 2009, contribuiu. Assim nasceram as primeiras vinte páginas, as quais com a ajuda de Daniel Divinsky (o editor do célebre quadrinho da Mafalda) se extenderam para 110 páginas, ganharam o prólogo do sexólogo Juan Carlos Kusnetzoff e chegaram ao público graças editor Leopoldo Kulesz da Libros del Zorzal.

E por que optou pela abordagem do orgasmo feminino com esse viés mais didático?
Porque é um tema universal e atemporal. A sexualidade humana é algo muito íntimo e intangível. É uma temática que sempre seguirá sendo delicada. Em sua vertente médica é levada a sério demais, e em geral é tratada como brincadeira, vulgarizada. Me intrigava tratar o tema de maneira séria, contudo, com abordagem leve e elegante, na qual algo tão intagível como o orgasmo pudesse ser visto pelo ângulo mais didático possível.

Você fez uma pesquisa científica sobre o orgasmo feminino para escrever o livro?
Trabalhei as minhas próprias noções do tema, que foram validadas pelo prólogo do Dr. Kusnetzoff para que o livro tivesse a informação 100% confiável. Comecei elencando os diferentes tipos de fantasias sexuais que nós mulheres costumamos ter e depois os coloquei em ordem cronológica para que o orgasmo feminino pudesse ser entendido do princípio ao fim.

Como criou a roupa e o penteado da protagonista do livro?
A Melba nasceu espontaneamente nesse cruzeiro que falei antes. Foi institivo, mas se paro para analisá-la creio que quis expressar algo inofensivo: uma menina, mas que por sua vez tivesse a malícia, expressa pela cinta-liga.

Você viveu em Buenos Aires e em Nova York. Consegue comparar a postura das mulheres e dos homens frente ao tema “orgasmo” nas duas sociedades?
Viva onde viva, eu sempre serei uma mulher argentina. Minha percepção diz que a mulher latino-americana, falando de modo geral, está menos estruturada com a sua sexualidade do que a estadounidense. Por outro lado, há uma obsessão pela mulher latina, a qual se vê nos filmes estrelados pela Salma Hayek, por exemplo. E o homem norte-americano, pela minha experiência, é mais tímido que o o argentino.

Como os leitores receberam o trabalho?
Há pouco tempo recebi um e-mail de um suiço que leu a edição francesa do livro e me agradeceu por fazê-lo entender mais a respeito da sexualidade feminina. Ele disse que se perguntou por que ninguém havia contado para ele antes. Assim poderia ter tido outro comportamento com as mulheres. Achei divertido.


Falando no fetiche pela mulher latina, é importante lembrar que os casos feminicídios no continente são persistentes e alarmantes, e o estímulo da tara clichê pela mulher supostamente “caliente” não ajuda em nada.


Laura Artigas é jornalista, roteirista e autora do blog moda pra ler.

Compartilhar
olga golden boy

olga golden boy

“Por que você não lutou mais?, diz meu cérebro.
Doía muito, eu respondo. 
Sim. E por que você não lutou mais?
Eu não sei. Isso vai soar loucura, mas… Senti como se fosse um direito dele.” 

No recém-lançado Golden BoyAbigail Tarttelin conta a história de Max, o garoto de ouro da sua cidade. Bonito, atlético, inteligente e gentil, o adolescente guarda um segredo. Ele nasceu intersexual, condição em que a pessoa apresenta genitália ambígua. Aos 16 anos, no entanto, um amigo de infância que sabe a verdade trai sua confiança e o estupra. “A partir daí, Max percebe que seu corpo também tem capacidades femininas. E pensei que essa seria uma maneira eficaz de apresentar a percepção feminina da intimidação sexual”, diz.

Durante a jornada de Max, a escritora britânica de 25 anos faz um debate profundo e delicado sobre gêneros e como eles moldam nossa visão de mundo – assuntos que também permearam nosso bate-papo. Abby ainda falou sobre assédio nas ruas, a falta de liberdade com que as mulheres têm que lidar diariamente e a “ditadura do pênis”.

olga abby

Golden Boy conta a história complexa e dolorida de um adolescente intersexual. Por que decidiu falar sobre um tema tão delicado?

Fiquei mais consciente da intersexualidade e da dificuldade de viver em um corpo sem gênero em um mundo comprometido com a divisão binária de sexos depois de ver o filme argentino XXY, em 2009. Dois anos depois,  li o The Women’s Room, de Marilyn French, durante um verão em Camden [bairro londrino] e me peguei pensando sobre as suposições e expectativas que temos de todas as pessoas – mulheres, homens, transexuais – por causa de seus gêneros.

Um dia, acordei e escrevi um e-mail para mim mesma com uma cena em que Max e Danny [o personagem principal e seu irmão] conversam sobre ter filhos. Rapidamente, a história se formou em minha mente. Conforme pesquisava sobre intersexualidade, percebi que era um tema importante, principalmente no que diz respeito à perda de autonomia das crianças cujos médicos e pais decidem que a cirurgia de redesignação sexual é a solução para seu “problema”.

O livro é bastante informativo, com detalhes sobre a intersexualidade, explicações sobre a condição, cirurgias e outros procedimentos médicos. Como foi seu processo de pesquisa? 

Tive o cuidado de pesquisar o aspecto médico da situação de Max e os tratamentos indicados no Reino Unido naquele momento. As informações foram difíceis de encontrar: elas são muito conflitantes, já que os procedimentos mudaram dramaticamente ao longo dos últimos 15 anos e o apoio à intersexualidade ainda é um movimento em crescimento. No entanto, para o personagem Max, quis ter o mesmo método de construção de identidade que o dos outros personagens, independentemente do gênero, pois não é nosso sexo ou nossos corpos que nos fazem humanos ou passíveis de empatia.

Você disse que, ao escrever Golden Boy, descobriu blogueiros, alguns adolescentes, que estão bravamente subvertendo as velhas ideias de identidade de gênero. Como isso influenciou seu livro? 

Foi a partir da coragem dessas pessoas inspiradoras que tive uma certeza: esse tipo de romance e personagens heroicos são necessários na literatura convencional.

olga golden boy livro

Simone de Beauvoir disse que “não se nasce mulher, torna-se”. Você concorda? E como isso se aplicaria a Max? 

Pelas minhas experiências, acho que essa frase é verdadeira. Uma das realizações percepções que eu tinha antes de escrever Golden Boy é que eu não acreditava – e ainda não acredito – que os sexos são muito diferentes ao nascer. São nossas vivências no mundo, principalmente aquelas que temos enquanto crescemos, as responsáveis por moldar nossa identidade de gênero. 

Particularmente, os anos de intimidação sexual e passividade forçada, devido a normas sociais e anatomia, que as mulheres vivem é uma experiência completamente diferente da de um homem.  A partir dessa leitura, Max não pode ser descrito como uma mulher “feita”, “moldada”. Mas quando ele é violado por um estupro que resulta em uma gravidez indesejada, ele percebe que seu corpo também tem capacidades femininas. E eu pensei que essa seria uma maneira eficaz de apresentar a percepção femina da intimidação sexual. A compreensão de que seu corpo é pequeno (se comparado a de um homem) e que ela é incapaz de penetrar e de controlar a fertilidade, muda sua visão de mundo

Você fala sobre como os gêneros moldam nossas personalidades e nossas maneiras de ver o mundo. Uma das perguntas que você se faz, em seu site, é: “no geral, mulheres são menores e mais fracas fisicamente do que os homens. Será que convivendo anos com essa vulnerabilidade nos fez mais cautelosas?”. Você tem uma resposta para isso? 

Fiz essa pergunta já sabendo a resposta porque percebi que minhas amigas era mais cuidadosas do que meus amigos. Por exemplo, tenho um grande amigo que fez um passeio, sozinho, com um nativo do Panamá que carregava um facão de mato, em meio à floresta para fotografar espécies raras de sapos. Parece uma aventura maravilhosa, mas se eu tivesse feito exatamente a mesma coisa, soaria como a decisão mais estúpida que alguém poderia tomar. É com essa falta de liberdade que mulheres têm de lidar diariamente- um fator que muda nossas vidas conforme nos tornamos adultas.

Você, que cresceu em uma cidade pequena da Inglaterra, conta que só foi experienciar assédio nas ruas quando se mudou para Londres. Essas situações de intimidação influenciaram sua personalidade de alguma forma?

Essa é, com certeza, uma das maiores influências na construção de Golden Boy. Quando me mudei para Londres, vinda de uma pequena cidade, vivenciei tanta intimidação sexual nas ruas que fiquei deprimida e não queria sair de casa. Saber que os homens podiam me tratar daquele jeito sem que eu desse qualquer tipo de permissão foi minha primeira experiência com esse tipo de agressão e isso me destruiu. No entanto, eu não compreendia direito esses sentimentos até ler The Women’s Room, já um pouco mais velha. Foi aí que eu entendi que a desigualdade de gêneros não se tratava apenas de leis ou grandes movimentos sociais, mas também de ofensas do dia-a-dia que geram tristeza, raiva e vergonha.

Max, um intersexual que vive como menino, vive um estupro, gravidez não-planejada e aborto – problemas que preocupam as mulheres assim que têm a primeira menstruação. Mas como você acha que a jornada de Max vai ressoar aos ouvidos dos homens? 

Minha expectativa era a de que os homens que lessem o livro tirassem algum insight da história de Max. E fico contente em saber que aqueles que leram o livro, gostaram da história e compreendem as questões ali propostas.

Em entrevista à Interview Magazine, você conta que, ao ser abordada por um menino de 12 que disse “eu quero te comer, moça”, teve uma luz e entendeu do que se tratava a “ditadura do pênis”. Conte um pouco.  

Foi um momento decisivo para a minha compreensão do assédio sexual e da cultura do estupro. Simplesmente porque esse rapazinho tem o equipamento para me intimidar, ele se sente no direito de fazê-lo. E eu entendi que o contrário, responder algo como “não, eu que vou te comer!”, não funciona, pois eu não tenho como! Acho que essa pequena diferença na anatomia humana é a maior e mais importante diferença entre homens e mulheres. Mulheres ganham esse papel de vítima passiva por conta do seu próprio corpo e, os homens, o papel ativo. Claro que não tenho a resposta para essa charada ainda, mas sinto que isso é algo que só pode ser resolvido fazendo escolhas como animais civilizados que vão ampliar a natureza das relações entre nós.

Compartilhar