Illustration - Illustration by Laura Wilson - Google Chrome

Leda Letra, da Rádio ONU em Português, em Nova York.

 

O Conselho de Direitos Humanos da ONU promoveu esta terça-feira, em Genebra, uma sessão sobre igualdade de gênero. O presidente do órgão notou que as mulheres formam mais de 50% da população mundial, ou 3,5 bilhões de cidadãs.

Apesar dos números, Joachim Rücker lamentou o fato de que em muitos países as mulheres enfrentam restrições para poder participar da vida pública, política e econômica.

Diferença

Já o alto comissário da ONU para os Direitos Humanos informou que nenhum país do mundo “alcançou totalmente a igualdade de gênero”. Zeid Al Hussein pediu aos 47 países que integram o órgão para “fazer a real diferença” neste sentindo.

Segundo ele, as mulheres são vistas com muita frequência participando de paineis sobre questões relacionadas aos direitos da criança e ao universo feminino. Mas nas discussões sobre conflitos armados, combate ao terrorismo, pena de morte e sanções, os homens formam a maioria.

Zeid também considera que existe falta de igualdade de gênero até mesmo em organismos da ONU ligados aos direitos humanos, o que segundo ele pode ser um sintoma da baixa representação feminina nos Estados-membros.

Exemplos

O alto comissário acredita que muitas meninas podem ficar longe das tecnologias da computação ou da engenharia “porque ser melhor que os meninos em matemática pode não parecer feminino”.

Zeid Al Hussein afirmou que as garotas que crescem vendo apenas “presidentes ou embaixadores homens podem desenvolver a crença de que o poder é essencialmente masculino”.

Mudanças

O alto comissário destacou que todos têm a responsabilidade e o poder de promover a igualdade de gênero e fez um apelo por mais ação para tratar a discriminação e combater estereótipos.

Zeid elogiou “cotas e outros esforços temporários, que podem ajudar as mulheres a ter voz em sistemas políticos e legais”. Mas pediu que a igualdade deixe de ser encarada como um “exercício”, porque a representação igual de homens e mulheres constrói sociedades mais justas”.

O alto comissário da ONU para os Direitos Humanos prometeu que não irá participar de nenhum painel de discussão que não incluir mulheres especialistas no tópico e  afirmou que vai trabalhar para melhorar a igualdade de gênero no seu próprio escritório.

Escute a entrevista AQUI.

RADIO_UN_Blue (1)


Esse post faz parte de uma parceria entre Think Olga e a Rádio ONU em Português para a divulgação de conteúdo relacionado a gênero.

Arte: Laura Wilson

Compartilhar
analisa-aza-3

O fato tem cerca de dez dias (aconteceu em 29.08): em debate após sessão do filme Que horas ela volta?, da diretora Anna Muylaert, os cineastas pernambucanos Lírio Ferreira e Cláudio Assis protagonizaram cenas de machismo e misoginia. A questão de aparentarem estar bêbados (e carregando garrafas de cerveja) não justifica em nenhum grau o ocorrido, mas é mais um indicativo da extensão da falta de respeito.

O fato tem dez dias, dez anos, dez minutos. É recorrente no cotidiano de quase toda mulher que ousa ocupar espaços “originariamente” masculinos – e o protagonismo no espaço de fala é um deles. Anna Muylaert é a diretora do maior sucesso do cinema brasileiro este ano – seu longa foi o brasileiro escolhido para concorrer à indicação de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar 2016 e, como a cineasta bem pontuou em uma entrevista ao Brasil Post esta semana, “Quando você chega ao ponto em que seu filme vale dinheiro, você chega na zona masculina”. Talvez por isso, o episódio que sofreu tenha tomado grandes proporções – tanto na ação (escancarada) de Lírio e Cláudio como na repercussão, a favor da diretora, das mídias convencionais e redes sociais.

Mas nem sempre é assim. Em entrevista ao Think Olga, a publicitária e cineasta Maristela Bizarro conta que a agressão cometida por homens em relação a mulheres que exercem protagonismo da fala é, geralmente, mais camuflada e travestida de artifícios. “No caso da Anna Muylaert, eles foram bastante descarados, expuseram atitudes que normalmente são feitas de formas mais sutis embora sejam tão violentas quanto”, diz.

Entre 2009 e  2012, Maristela coordenou o Cinemulher, um cineclube itinerante criado por ela e Rita Quadros para dar voz a cineastas tanto através das obras exibidas como pelo debate logo após as sessões. Deu sequência ao mesmo tipo de evento quando a WIFT (Women in Film and Television), associação mundial que promove o papel da mulher no cinema e na TV, chegou ao Brasil, em 2011. Desde então, produziu e mediou sessões seguidas de debate de filmes de diretoras consagradas, como Tata Amaral e Maria de Medeiros, e de obras menos conhecidas, como as da mostra “A Tela e as Negras”, no CEU Caminho do Mar.

11994367_10203513235751795_654215737_n

Ano passado, seu documentário Imagem Mulher foi selecionado pelo Femina – Festival Internacional de Cinema Feminino, e você foi convidada a participar de uma mesa de discussão sobre a mulher na mídia, que é o tema do seu documentário. Como foi?

Foi como sempre costuma acontecer em eventos mistos: assim que eu e as outras mulheres da mesa fizemos nossas falas e palavra foi aberta ao público, foi um homem quem primeiro pegou o microfone. Ele teceu os comentários sobre o filme, fez críticas pesadas e uma das questões que ele levantou, e acho que é bem emblemática, foi “por que no meu documentário só tinha fala de mulheres e não tinha nenhum especialista?”. Eu disse pra ele “Olha, meu filme fala de mulheres justamente porque o espaço de fala é um espaço que é comumente exercitado pelos homens vide que neste auditório lotado e cheio de mulheres foi justamente um homem quem primeiro pegou o microfone para falar’. E, claro, isso gerou risos e comentários no auditório. Mas minhas colocações foram respeitosas, o objetivo ali não era constrangê-lo e sim situá-lo. Mas o mais interessante desse fato é que a partir da segunda mesa, quando o microfone abria para o público,  as mulheres corriam para pegá-lo. Pode parecer pouco, mas é muito significativo, falar não é pouca coisa.

 

Como assim?

As mulheres têm muitas coisas interessantes para dizer, mas ainda existe um constrangimento social e também uma culpa ancestral que nos leva a acreditar que, se formos falar, precisamos dizer algo genial. Da mulher é sempre cobrada a perfeição e por isso ela pensa mil vezes antes de falar. E nesse meio tempo, você pode ter certeza, um homem vai pegar o microfone. É importante educar os homens a respeitar o tempo de fala de uma mulher, mas não estou dizendo que isso seja função das mulheres.

 

Mas você acredita que essa seja a função da mediação, em casos como o da Anna Muylaert, por exemplo.

Sim. Em uma das exibições da mostra “A Tela e as Negras”, da WIFT, no CEU Caminho do Mar, houve uma mesa cuja discussão central era o protagonismo das mulheres como cineastas. Um homem começou a fazer intervenções sobre temas do filme que não cabiam naquele momento porque o objetivo dele era tirar o foco do protagonismo das mulheres que estavam ali como convidadas. Ele estava pouco aberto a dialogar e foi preciso uma mediação firme para que o tema da mesa não se perdesse. A mediação tem que perceber essas estratégias, tem que ser sensível à questão de gênero para conseguir identificá-las. No caso da Anna Muylaert acho que a mediação não deu conta. E olha que nem houve estratégia ali, eles foram bastante descarados, expuseram atitudes misóginas que normalmente são feitas de formas mais sutis apesar de tão violentas quanto.

 

Que estratégias são essas?

Há diversas formas do homem atrapalhar o discurso da mulher: ficar com conversa paralela, não avançar nas discussões, ficar voltando sempre no mesmo ponto para a conversa não evoluir, fazer cara de tédio e, claro, tomar o microfone e interromper sua fala. Alguns desses atos têm uma aparência sutil mas, na verdade, também são muito agressivos. É uma forma de violência muito camuflada, que pode estar travestida de liberdade de expressão ou até de afeto. O caso da Anna Muylaert, por exemplo: ele interrompeu, silenciou, fez comentários misóginos, mas é amigo, foi lá prestigiar. A fala do Claudio Assis, depois do episódio, é quase de vítima.

 

O primeiro cineclube que você criou, o Umas e Outras, tinha temática lésbica e era aberto apenas para mulheres. É o embrião do Cinemulher e, ainda assim, vocês resolveram abrir para o público masculino.

Sim, no Umas e Outras comecei a perceber que algumas questões dialogavam também com mulheres heterossexuais e comecei a ficar curiosa e interessada numa discussão sobre mulher em geral. Quando criamos o Cinemulher o público era misto porque acreditávamos que a presença masculina poderia somar. E de fato havia homens abertos a isso. Mas em três anos foram raras às vezes que, no debate, a primeira colocação partiu de uma mulher. Os homens geralmente estavam em menor número na plateia, mas eram eles que pediam primeiro o microfone. O que demonstra que os homens estão muito à vontade, mesmo quando são minoria, para exercer o protagonismo por meio da fala. É um lugar muito confortável para eles e uma prática que chega a ser natural. Por isso é tão importante a sensibilização para questão de gênero. É possível desconstruir isso. É um processo político, de desconstrução.

 

Atualmente, Maristela dá aula de redação publicitária na Universidade Fiam-Faam, onde desenvolve discussões sobre temática de gênero e segue como produtora afiliada da WIFT Brasil. Você pode assistir ao documentário Imagem Mulher, de Maristela Bizarro, no canal da produtora Cavalo Marinho, no YouTube.

 


Isabela Mena é jornalista e escreve sobre economia criativa e movimento disruptivo no Projeto Draft. Seu email é isabelamena@gmail.com

Arte: Analisa Aza

Compartilhar
catlett-small_links-together

Ser mulher neste mundo pode ser uma experiência muito solitária. Em todos os lugares, deparamos com situações que alimentam, lá dentro, os sentimentos de inadequação e impotência. Sabe as “cantadas” que você recebe de estranhos, ou aqueles “recados” inconvenientes sobre a sua aparência? Por mais que essas posturas incomodem, é relativamente fácil de acreditar que elas são naturais e que não precisa ser diferente. A julgar pela opinião da maioria, parece que o problema é só seu ‒ quando não é você mesma.

Às vezes, porém, vozes igualmente aborrecidas lhe surpreendem e insinuam a causa e o efeito de tanto isolamento. Desde muito tempo atrás, milhares de mulheres enfrentam as mesmas dificuldades sem ter noção do quanto suas vivências são semelhantes ‒ em muito, porque somos desencorajadas de externar o que pensamos e sentimos. O que aconteceria se essa multidão silenciosa descobrisse a dimensão coletiva de suas angústias? Uma vez arranjada, poderia ela formar uma frente consistente de mudança?

Essas são as perguntas fundadoras de vários projetos colaborativos que estão alcançando, em tempo recorde, enorme adesão no meio online. Idealizados por mulheres na faixa dos 20 e 30 anos, com perfis pessoais e profissionais diversos, eles apostam no potencial da rede para aplacar problemas cotidianos, mas de grande relevância política. O caráter voluntário e inclusivo ‒ nenhum deles possui fins lucrativos ou restrições de público ‒ deriva de um denominador comum importante: o apelo afetivo. Criadoras e apoiadoras abraçam as iniciativas pelo desejo de sintonizar seus valores com sua ação social, além da vontade de se conectar a outras mulheres identificadas com uma causa.

Conversamos com representantes de seis movimentos de empoderamento e mobilização feminina para saber o que anda engajando tantas usuárias na web em 2015. Confira abaixo os temas e os links para acompanhar o trabalho de cada projeto.

 

Mulheres no espelho: fortalecendo a autoimagem

Talvez poucas crises femininas simbolizem melhor os efeitos da violência de gênero do que a relação conflituosa com o próprio corpo. Praticamente o tempo inteiro, a luta contra o machismo e a misoginia é travada nessa arena privada ‒ e como é difícil resisti-los. Há sempre um ou dez quilos a perder. A pele tem manchas ‒ ou não tem o tom “certo”. O cabelo não esvoaça ou não brilha. Os seios são muito pequenos e o bumbum é muito chato. Conforme as meninas crescem, a existência em um corpo confortável parece se tornar impossível: inicia-se uma guerra contra si mesma para aniquilar a mulher real em função de um modelo inatingível que a mídia bombardeia contra todas. Quando se admite a derrota anunciada, corpo e alma estão em pedaços e nem sempre há apoio para reconstituí-los.

A publicitária baiana Teresa Rocha conhece essa narrativa. Negra e crespa, ela via, na infância, uma semelhança entre todas as figuras célebres das propagandas: o físico branco, magro e liso, bastante diferente do seu. Ter chances de sucesso passou a implicar um tempo diário para o alisamento dos cabelos. “Foi na adolescência que percebi o quanto ter autoestima impacta de forma positiva em todos os campos da vida, e que receber críticas e cobranças sobre a aparência é cruel e injusto. Desde então, tenho vontade de fazer algo a respeito”, conta. Quando encontrou ícones femininos que assumiam os cachos, motivou-se a libertar os seus ‒ e hoje, pelo Bonita Também, quer divulgar mensagens de aceitação e amor próprio a muitas outras mulheres.

“O Bonita Também quer reforçar a importância de se sentir bem e abraçar a diversidade. O que importa é ser feliz, mas se isso for fora do padrão social que tanto nos exclui, melhor ainda, porque vai gerar referência para as meninas que estão crescendo. E a gente bem sabe que mulher precisa disso”, explica Teresa. Ela gerencia um Tumblr colaborativo com histórias de mulheres que também aprenderam a amar seus corpos como são e, na página da iniciativa no Facebook, posta mensagens inspiradoras e cards ilustrando diversos tipos de beleza. “O projeto não se faz sozinho, entende?”, diz ela. “Cada pessoa que interage com um clique ajuda a fazê-lo!”. É esse pensamento que a relaxa em relação às estatísticas da rede social. Criada em dezembro de 2014, a página do Bonita Também chegou às mil curtidas orgânicas em junho deste ano. Por trás de cada uma, Teresa enxerga uma mulher celebrando a autoestima feminina e buscando o incentivo a se mostrar como é. Ela já recebe mensagens de seguidoras falando do impacto positivo da página sobre elas. “O crescimento é gradativo e devagar, mas muito válido”, afirma.

Os depoimentos do Tumblr, que revelam o peso como uma preocupação muito forte, são enviados por e-mail e ficam disponíveis para receber comentários de outras visitantes. Focada em corrigir os vácuos de representatividade, a publicitária também está atenta ao risco de endossar novas padronizações e tenta equilibrar na comunicação do projeto múltiplas variações de raça, biotipo, cabelo e outras características. A crença no potencial transformador da imagem embasa os sonhos de desenvolvimento da iniciativa. “Eu desejo que todo o material que está sendo recolhido possa tomar formato de um documentário um dia e fazer a diferença para mulheres de idades variadas, principalmente para quem está se tornando mulher agora”, conta Teresa.

 

Mulheres em trânsito: a luta pelo espaço público

A participação efetiva das mulheres na vida pública é uma das reivindicações mais antigas do feminismo. Contudo, em pleno século 21, a pauta se mantém atual pelos mecanismos que constrangem a ocupação feminina dessa esfera. Comecemos pelos obstáculos à apropriação do espaço. Laura Krebs, estudante de Arquitetura e Urbanismo na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), explica que as teorias urbanistas de viés mais sociológico, com inclinação marxista, pensam a cidade como um campo de reprodução dos valores e relações da sociedade que a habita. “Assim, é inevitável entender a urbe como um ambiente machista, em que a mulher é considerada mais frágil e onde uma série de abusos ‒ verbais e/ou físicos ‒ e opressões de gênero se repetem”, afirma.

Laura é uma das idealizadoras do coletivo se essa rua fosse nossa, criado em março para denunciar a violência contra a mulher no espaço urbano e mapear o sentimento delas nas ruas. O movimento começou como uma intervenção gráfica planejada para o Dia Internacional da Mulher. Em parceria com uma colega de curso, Laura pretendia coletar relatos sobre o assunto e espalhá-los por Porto Alegre, mas logo surgiu a ideia de produzir algum material audiovisual sobre o tema. “Fomos atrás de amigas capacitadas e acabamos formando uma rede incrível de mais de 80 gurias, transformando uma ação pontual em vontade de ter um trabalho contínuo de questionamento sobre um problema tão presente”, conta.

Os depoimentos reunidos em áudio e vídeo dão conta de um transtorno que interfere na escolha das roupas para sair e até no simples ato de andar a pé. As integrantes do coletivo se reúnem quinzenalmente e sentem necessidade de criar um grupo de estudos sobre feminismo. Para o segundo semestre de 2015, elas preveem uma nova série de vídeos e a expansão de suas ações virtuais. No Facebook, o se essa rua fosse nossa disponibiliza o endereço de um formulário anônimo para o compartilhamento de casos de agressão machista em locais públicos. Mais de 26 mil pessoas acompanham a página do projeto, que acumulou mil curtidas no dia em que foi criada.

A página se popularizou ao divulgar o relato, narrado pela própria vítima, de um estupro ocorrido por volta do meio dia na região central de Porto Alegre. Segundo os dados do Facebook, a postagem alcançou mais de um milhão de usuários da rede. A repercussão da história levou a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Vereadores a vistoriar toda a Rede de Proteção às Mulheres da capital gaúcha e apresentar um relatório com as constatações oficiais em maio. Para Laura, esse feito é um exemplo de empoderamento feminino e comunitário, que desafia a ideia das instituições públicas como excessivamente burocráticas e distantes da população. “Tínhamos voz e geramos resultados a partir de uma indignação coletiva e quase sempre banalizada”, diz ela.

A força da ação conjunta e cidadã é também o que inspira a jornalista Babi Souza, outra gaúcha. Afetada pelas leituras sobre colaborativismo e empreendedorismo social, foi cruzando pelo centro de Porto Alegre à noite que ela refletiu sobre o medo de circular sozinha ‒ e concebeu o Vamos juntas?, um fenômeno instantâneo no Facebook desde o dia 30 de julho. Reconhecendo a aflição peculiar das mulheres ao transitar no dia a dia, a iniciativa quer trazer mais segurança incentivando a parceria casual ou regular entre elas. Diante de situações de risco, o movimento convida cada uma a se unir com a próxima, intimidando potenciais agressores e, quem sabe, fazendo novas amizades.

A ideia de Babi foi ilustrada pela designer Vika Schmitz e postada no perfil pessoal da jornalista. Menos de duas horas depois, pessoas fora do seu círculo de amizade estavam compartilhando a imagem e buscando a página do movimento, que foi imediatamente criada. Foram cinco mil curtidas em 24 horas, e até o fechamento desta matéria, mais de 135 mil seguidores reunidos. Durante o mês de agosto, a equipe somou a social media Stephanie Evaldt começou a estudar formas de aproximar cada vez mais suas apoiadoras. Foram criados grupos por região do Brasil no Facebook e iniciado o projeto de um aplicativo para que elas possam se encontrar nas ruas.

Animada com o retorno das adeptas, Babi espera que as mais novas também sejam impactadas pela ideia do movimento. Um caso que a emociona é o de uma jovem que imprimiu cards da página e colou nas dependências da escola onde estuda. Quando encontrou um deles rasgado no lixo, fixou-o novamente e enviou-lhe a foto do cartaz. “Acho que se as meninas da idade dela entrarem em contato com a sororidade e com a ideia de amar ao próximo (aí independentemente do sexo), o futuro será muito melhor”, afirma. A jornalista acredita que as mulheres adultas não costumam “ir juntas” por medo e, principalmente, por serem ensinadas desde muito cedo a competir entre si e não confiar umas nas outras.

Babi anda com a agenda cheia divulgando o Vamos juntas? na mídia, mas concorda que em algumas entrevistas, a proposta parece se diluir em um problema mais amplo de segurança pública. Ela faz questão de ressaltar que o movimento pretende, sobretudo, estimular a associação entre mulheres. “Além disso, sinto que estamos tendo um papel importante no sentido de mostrar aos homens como é ser mulher, como não é fácil ser assediada e se sentir insegura”, pontua. As muitas mensagens que a equipe recebe deles oscilam entre gratidão e estranhamento, mostrando que boa parte da população masculina ainda não compreende as nuances de violência criadas pelo gênero. Por ora, parece mesmo mais proveitoso investir na comunicação com elas ‒ e crer que a ação suscitada será eloquente o bastante.

 

Mulheres em debate: pluralizando o diálogo

Por outro lado, a limitação espacial não se impõe somente na via pública. As mulheres também enfrentam barreiras para participar e protagonizar eventos profissionais e mesas de debate. Ainda hoje, por mais qualificadas que sejam, elas são completamente excluídas de alguns encontros. Quando questionados a respeito, os organizadores tendem a justificar a escolha dos convidados pela competência, experiência e destaque na área em que atuam. Mas será que existem tão poucas experts à disposição? Em uma sociedade desigual como a nossa, a quem serve o critério meritocrático ‒ e até que ponto ele não contribui para a permanência desse cenário?

“Quem já é privilegiado entra no ciclo vicioso da manutenção de seus privilégios sociais. Por ter mais oportunidades de praticar algo, fará aquilo melhor e mais oportunidades aparecerão”, afirma a designer e comunicadora Gabi Juns, cofundadora da Escola de Ativismo. A marginalização feminina nas rodas de conversa é um fato familiar a ela e às amigas Daniela Silva, Daniela Teixeira, Manoela Miklos e Fer Shira. Todas envolvidas em projetos de mobilização social ou ativismo online, elas perceberam que os colegas homens geralmente serviam como portavozes dos trabalhos desenvolvidos coletivamente. Talvez por isso a iniciativa Stop Man Panels, lançada em maio de 2014 à época da Convenção sobre Armas Convencionais da Organização das Nações Unidas (ONU), tenha impactado tanto o grupo: no compromisso, 79 especialistas sobre o tema da reunião se recusavam a participar de paineis que não incluíssem mulheres. “A ação dos homens teve sucesso no evento. Então pensamos, ‘por que não para todos os eventos?'”, conta Gabi.

Dessa inquietação, com o apoio conceitual e criativo de muitas outras pessoas, surgiu o compromisso #nãotemconversa. O princípio de base do movimento é a conscientização dos homens ‒ em especial os cisgêneros, heterossexuais, de classes mais altas e sem deficiências aparentes ‒ do lugar favorecido que ocupam na hierarquia social. A partir disso, eles são interpelados a promover a integração de vozes femininas aos debates por meio de um pacto solidário. “Achamos que eles também têm um papel na desconstrução do machismo. Abrir mão de privilégios de fala é algo que podem fazer”, diz Gabi. Ela e as demais criadoras do #nãotemconversa acreditam que a visão de mundo de uma mulher é indissociável de sua vivência, e, por isso, elas têm potencial para enriquecer as discussões. “Meu gênero é parte da minha construção como indivíduo, e essa construção me dá uma perspectiva única”, defende Gabi.

Já no lançamento, em 24 de junho, o compromisso foi assinado por mais de 300 pessoas e a inbox de Gabi no Facebook se encheu de mensagens de homens curiosos sobre os próximos passos. Um dos apoiadores chegou a negar participação em um programa de TV ‒ algo que as criadoras só souberam quando a apresentadora reclamou na página da campanha na rede social. O retorno surpreendeu tanto que as idealizadoras do compromisso ainda não conseguiram sistematizar e responder todas as dúvidas recebidas. Apesar de colaborarem entre si, elas não se reconhecem como equipe. “Entendemos que tivemos uma ideia, colocamos para rodar e não seremos capazes, sozinhas, de dar a continuidade necessária”, explica Gabi. Devido a isso, elas criaram o #temconversa, um grupo exclusivamente feminino no Facebook dedicado à construção coletiva do projeto e à discussão de assuntos afins. O espaço é aberto a quem quiser participar.

Contando cerca de 10 mil curtidas na rede social, o #nãotemconversa pretende agora apurar os desdobramentos do compromisso assumido na vida dos homens e na organização dos eventos. As criadoras também comemoram a replicação da campanha no combate a outras formas de opressão. No dia seguinte à criação da página no Facebook, surgiu o compromisso-irmão #nemtentaargumentar, ao qual mais de 3,5 mil pessoas já aderiram. A iniciativa partiu do Coletivo Enegrecer, ligado à militância estudantil, e convida os usuários a demandar representatividade negra, feminina e masculina, nas rodas de debate. “Um olhar negro nos apresenta a perspectiva daqueles que vêm de baixo e qualifica as elaborações a serem desenvolvidas”, afirma Moara Correa, vice-presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE) e uma das idealizadoras do compromisso. Ela cuida do projeto em parceria com Cledisson Júnior, que já foi diretor de combate ao racismo da UNE e membro do Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial (CNPIR).

O #nemtentaargumentar está em contato com as criadoras do #nãotemconversa para compartilhar tecnologia e desenvolver o próprio site para a coleta de assinaturas. Enquanto isso, no Facebook, a campanha busca denunciar o racismo institucionalizado e chamar a atenção de organizações e entidades para a ausência de palestrantes negros em seus eventos. Apesar das inúmeras reprimendas à iniciativa, Moara crê no aspecto político e construtivo do constrangimento e se diz pouco impressionada. “Há anos lidamos com a reação de conservadores que militam contra as cotas raciais no ensino superior e nos concursos públicos. Estamos vacinados”, afirma. A intenção da dupla idealizadora é ampliar o alcance do compromisso e seguir revelando a branquitude como um vetor de desigualdade social no Brasil ‒ inclusive nas intersecções entre gênero e raça. “Nosso grande desafio ‒ e aí falo enquanto mulher negra ‒ é de convencer as nossas companheiras brancas de que construir a solidariedade entre as mulheres significa, também, ceder espaços e desconstruir privilégios”, explica Moara.

 

Mulheres em gestação: a maternidade que existe

Quando a empreendedora Thais Cimino se olhou no espelho no dia seguinte ao parto de Vida, hoje com um ano e meio, assustou-se com o tamanho de seu peito. Tendo sofrido com a intensa sensibilidade nos seios durante a gravidez, ela não imaginava que sentiria tanta dor para amamentar a filha, apesar de toda a vontade e preparação. Em tese, estava tudo em ordem: a pega, a alimentação, o sono, o bebê mamava à livre demanda… Mas o desconforto piorava e Thais se sentia cada vez mais insegura. Foram muitas visitas à emergência da maternidade e à enfermeira obstetra até que ela fosse diagnosticada com um abcesso mamário, removido em uma cirurgia com anestesia geral e pós-operatório de cerca de um mês. Finalmente, Thais entendeu que não estava “fraquejando” no trabalho materno ‒ mas ainda assim, chorou por meses a fio por causa desse período.

Ela não compreendia como um processo natural como a amamentação podia ser tão desgastante, nem como poderia ser necessário um esforço sobre-humano para criar vínculo afetivo com a filha. No meio de toda a situação, estava o companheiro, com quem Thais vive na França. Atordoado com a nova condição de pai e inseguro à sua maneira, ele apoiou a parceira como pode ‒ o que para ela, infelizmente, não foi suficiente. Quando pesquisou sobre depressão pós-parto, Thais se deu conta de que muitas outras mulheres também embarcam nessa jornada sem conhecer o “lado B” da maternidade, e de que o silêncio sobre essas provações tornava o percurso ainda mais penoso. Entretanto, como admitir dor, medo ou tristeza no que deveria ser um momento de absoluta felicidade? Como arcar com o julgamento alheio ‒ e administrar a culpa por não ser a mãe perfeita?

Antes de qualquer coisa, é necessário verbalizar o que a pressão externa encerra dentro de cada uma. “A maternidade não é um conto de fadas! Ela pode ser linda, transformadora, mas para isso, as mulheres e os bebês precisam que todo o ambiente ampare esta relação e que haja dispositivos sociais e públicos que deem conta desta questão”, afirma Thais. A partir disso, ela fundou o projeto Temos que falar sobre isso, uma plataforma de desabafos anônimos em que as mães podem compartilhar suas angústias e proporcionar conforto e acolhimento a outras famílias. O objetivo é fortalecer a ideia de que pedir ajuda não é sinal de fraqueza, mas um caminho para humanizar a vida materna e resgatar dentro de si a confiança na própria capacidade. Coordenado por Thais e pela terapeuta ocupacional Bruna Taño, o site também é atualizado com textos sobre temas variados, como sofrimento psicológico, dificuldades no período gravídico-puerperal e violência obstétrica.

Além da solidão e da preocupação das mães em relação a sentimentos ambivalentes, como a ausência de um amor imediato pelos filhos, os relatos enviados frequentemente abordam a violência institucional por parte de órgãos e profissionais de saúde e a dificuldade de adaptação do casal à nova vida. As postagens relacionadas à implicação paterna no cuidado também têm repercutido. Criado em maio, o projeto ainda está “vivendo o puerpério”, mas superou as expectativas de Thais ultrapassando as 250 mil visualizações no blog e os 11 mil seguidores no Facebook. O espaço de desabafos cresceu a tal ponto que profissionais de diversos ramos passaram a procurá-la para colaborar com conhecimento especializado. Hoje, catorze deles contribuem regularmente com material informativo e o projeto mantém uma parceria com o grupo carioca Do Luto à Luta, de apoio à perda gestacional. Com a colaboração do Ministério da Saúde, o Temos que falar sobre isso também disponibiliza a listagem dos Centros de Atenção Psicossocial do Sistema Único de Saúde (CAPS/SUS) e fornece assistência sobre centros, grupos ou profissionais de apoio próximos às visitantes do site.

Embora a internet facilite o anonimato e a participação de mães “recém nascidas” ou com dificuldades para sair de casa, Thais reconhece a importância do contato presencial e quer alcançar as mulheres que não estão na web. Cheia de sonhos e dedicando-se exclusivamente ao projeto, ela se mostra determinada a ampliá-lo, online e offline, e busca parcerias que possam apoiar arranjos mais complexos. “Almejamos promover uma mudança de atitude e a implementação de leis que protejam à mulher de todos os tipos de violência (obstétrica, física, psicológica e institucional) durante a gravidez, o parto e o puerpério”, afirma. Quem deseja integrar a equipe de colaboradores do Temos que falar sobre isso ou ajudar no gerenciamento da iniciativa pode contatá-la pelo e-mail do site.


Stefanie Cirne é feminista de todas as horas e jornalista de ocasião formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Arte: Elizabeth Catlett

 

Compartilhar
mulheres-na-arte-1

Quem não teria curiosidade em saber quem foi a mulher considerada “a dama das artes plásticas brasileiras”? E para nos instigar ainda mais, outros fatores de sua biografia que a fizeram/fazem uma mulher inspiradora para todas nós: chegando ao Brasil aos 23 anos, ela não deixou que sua condição de estrangeira a limitasse ou a impedisse de traçar o caminho que desejou; e, recém aos 40 anos, essa “imigrante comum” iniciou-se no mundo das artes plásticas contrariando clichês que, lamentavelmente ainda hoje existem em torno de nós mulheres: de ser estrangeira/imigrante/migrante em um país ou cidade novos e de quase não ter o “direito” de começar uma nova profissão/carreira após os quarenta anos de idade por ser considerada “velha” para o mercado de trabalho. Essa mulher tem um nome: Tomie Ohtake, a artista plástica nipo-brasileira que personificou muitas das reivindicações femininas (ainda atuais) como sua inserção e a conquista de respeito e reconhecimento por seu trabalho num campo laboral antigamente praticamente dominado por homens – é de se lembrar que Tomie Ohtake começou sua produção artística em 1952 em São Paulo. E ela soube conquistar e defender seu espaço e presença nesse ambiente através de suas obras escultóricas gigantestas, com proporções monumentais que desafiam a estaticidade elástica desses corpos, e sua contínua pesquisa com cores e texturas em suas telas, produzidos ainda quando ela cumprira seu centenário de vida.

Tomie Ohtake é/foi uma mulher inspiradora porque combateu com seu trabalho, e em proporções colossais, todos os fatores sociais e culturais que poderiam vir “contra” si e fez isso deixando muito bem marcada sua presença no cotidiano de milhares de brasileiros através de 27 obras públicas espalhadas por algumas cidades brasileiras. Milhões de pessoas passam ou veem diariamente as obras de Tomie, e inclusive as têm incorporada a sua paisagem urbana, sem se darem conta disso. E como não entender essa inserção discreta e definitiva da presença da artista em nosso cotidiano se não como uma forma de resistência permanente e provocativamente silenciosa aos “nãos” que uma cultura conservadora e machista procura nos obrigar a aceitar como regra? As obras de Tomie Ohtake protestam pela excepção a essa regra, à regra da convencionalidade, da estaticidade dos objetos e ordens naturais, do conforto e funcionalidade imediata das coisas ao nosso redor.

Quando um está chegando ou partindo do Aeroporto Internacional de Guarulhos (São Paulo), exatamente no meio de um campo ao céu aberto encontra-se instalada uma enorme escultura em forma circular. Porém,  a escultura circular de Tomie Ohtake foge à regra geométrica de uma esfera que esperamos e conhecemos. A sua esfera nos seduz quer por seu vermelho intenso quer por suas dimensões inexatas, desproporcionadas, como se fosse um corpo celular disforme viesse ao nosso encontro, procurando nos atrair, capturar e tragar para dentro de uma dimensão determinada e conhecida somente por Tomie.

guarulhos

Imagem: Escultura no Aeroporto Internacional de Guarulhos, São Paulo, 2008.

Essa poderia ser a primeira experiência de um observador distraído com as obras de Tomie Ohtake. Mas, passeando pela capital paulista, mais exatamente pela estação do Metrô Consolação ou passando pela Avenida 23 de maio, nos damos conta que a presença da artista está fortemente demarcada e compõe a paisagem urbana do cotidiano de milhares de pessoas, mesmo que essas não saibam ou ignorem a autoria das obras. O fato é que: Tomie está ali – e de forma colossal e permanente.

consolacao

Imagem: Estação do Metrô Consolação (São Paulo), 1991.

I357031M

Imagem: Escultura na Avenida 23 de maio (São Paulo), 1988.

Na cidade de Santos, litoral paulista, encontra-se no Parque Municipal Roberto Mário Santini outro exemplo da liberdade de criação da artista que impressiona o visitante pela leveza e movimento das placas metálicas que compõem a obra. Uma vez mais, suas esculturas (consciente e meticulosamente arquitetadas) brincam e põem em questão a massa, o volume, o peso, o tamanho, a forma e a cor das obras que cria. É como se as coisas que criava não tivessem paz – assim como na música homônima de Arnaldo Antunes “As coisas” – pois elas se encontram em um contraditório território de imobilidade elástica, em permanente movimento que, muitas vezes, parece nos buscar, nos envolver para dentro de si entre seus tentáculos.

parque santos

Imagem: Escultura no Parque Municipal Roberto Mário Santini (Santos, Estado de São Paulo).

 

ibirapuera - Visualizador de Fotos do Windows

Imagem: Escultura na entrada do teatro do Parque do Ibirapuera, São Paulo, XX

Ao cumprir seu centenário em 2013 e em plena fase de produção, Tomie Ohtake inaugurou três exposições organizadas pelo Instituto Tomie Ohtake (www.institutotomieohtake.org.br), inaugurado em 2000 na capital paulista. Em uma delas, numa galeria de arte desta cidade, cerca de vinte quadros e esculturas inéditos produzidos pela artista entre 2011 e 2012 foram expostos e transmitiam ao observador uma impactante energia e vitalidade criativa da artista. A conhecida leveza e delicadeza de seu gesto e a mobilidade estática de suas esculturas voltaram a ser exibidas, como na obra abaixo (semelhante escultura também pode ser encontrada instalada em frente ao Museu de Arte Contemporânea da Cidade Universitária de São Paulo):

Escultura linear

Imagem: Escultura instalada na Galeria Nara Roesler, São Paulo, 2013.

Suas telas comportam uma explosão de cores, de texturas, de gestos/pinceladas sobrepostos – resultado de uma constante investigação durante toda sua trajetória artística. Dependendo da proximidade ou da distância frente a suas telas, o observador é brindado com a visão de novas formas, temas e tramas tridimensionais que se mesclam simultanea e harmonicamente. Formas circulares, recorrentes na produção de Tomie Ohtake desde os anos de 1950, reincidiram em seus últimos trabalhos – numa espécie de encerramento do ciclo de um trabalho claramente projetado e investigado durante toda uma vida.

acrilico azul

Imagem: Quadro azul, acrílico sobre tela, 2012.

Assim como suas esculturas são caracterizadas por uma ação gestual linear muito bem marcada, suas telas demonstram uma exploração em limite máximo da potência das cores que cria uma textura particular, lograda através de diversas capas de acrílico sobrepostas. Essa materialidade possibilita a formação de imagens abstratas em permanente movimento, como se, assim como suas esculturas colossais, também buscassem capturar o observador para dentro de si. Novas formas (como círculos, arcos, elipses), novos planos, ondas tridimensionais, em uma organicidade quase selvática, saltam ao olhar do observador a cada nova mirada e somente possível através da potência e das gradações das cores primárias e secundárias.

acrilico verde

Imagem: Quadro verde, acrílico sobre tela, 2012.

Ao largo de sua produção, Tomie Ohtake revelou um permanente e meticuloso compromisso com a busca pelas propriedades cromáticas da veladura, transparência, irradiação e retração, assim como com a particular e harmonica tensão entre o gesto livre, o movimento delicado, a leveza linear e suas impactantes, imponentes e massissas esculturas em dimensões megalomaníacas. Através de suas pinceladas, ora carregadas de tinta ora trabalhadas na transparência, a artista não limitou o uso espacial de suas telas. Ao contrário, ela as utilizou bem mais como metáforas do que “ainda está por vir”, já que oferecem ao observador uma leitura aberta que, a cada nova mirada, descobre novas formas e imagens no emaranhado abstrato fomentado pela potência de suas cores. Através de suas obras, Tomie Ohtake nos inspira porque são uma resposta inconvencional, sensata e sensível às convencionalidades clássicas que estamos acostumados e esperamos de esculturas e pinturas. Como mulher, Tomie segue nos inspirando, ainda que tenha partido no dia 12 de fevereiro, porque concretizou em si a quebra de paradigmas sociais que poderiam tê-la reprimido a realizar seus desejos e projetos; porque sua resposta às convencionalidades sociais foi trabalhada metaforicamente de forma contínua ao largo de mais de sessenta anos de produção e em formatos colossais, para que aqueles que buscam justificá-las ou defendê-las não possam ignorar por completo a delicada, massissa e monumental resistência que essa mulher inseriu em seus cotidianos através de suas esculturas nada convencionais.

 


 

Renata Martins é formada e mestra em Letras pela USP. Dedica seu tempo entre a docência de alemão e o mundo da interpretação das artes plásticas.

PS: As imagens exibidas neste artigo foram gentilmente cedidas pela assessoria de imprensa do Instituto Tomie Ohtake (esculturas públicas) e pela assessoria de imprensa da Agência Guanabara (quadros azul e verde de 2012). A imagem da escultura linear fotografada num espaço interior pertence à autora do texto.

 

Compartilhar
politicas

Janete Rocha Pietá, 68 anos, conheceu seu marido, Elói Pietá, na política. Juntos, eles lutaram contra a ditadura e ajudaram a formar o Partido dos Trabalhadores (PT). Certa vez, nos anos 1980, Janete era presidente do PT em Guarulhos e tinha como missão articular o partido e a bancada, enquanto seu marido era vereador. Só que quando outros políticos do partido ligavam para os Pietá para discutir a articulação, poucos procuravam Janete. Mesmo que não fosse a responsabilidade de Elói, eles procuravam o homem da casa para discutir política. Essa história de Janete, além de outras que mostram o preconceito que sofreu por ser, além de mulher, negra, é um pequeno exemplo da tradição política brasileira de segregação. Ainda hoje, mais de 80 anos depois da conquista do voto feminino, as mulheres são minoria nas esferas de poder e impera o pensamento de que elas não pertencem à política. Enquanto isso, as que fazem questão de pertencer enfrentam preconceito, assédio, exclusão dos grupos de decisão e do financiamento de suas campanhas, além de uma inclusão de fachada movida por oportunismo.

Mas por que, mesmo, as mulheres precisam estar no poder? Um motivo é representatividade, importante porque as mulheres são 52% dos eleitores brasileiros, ou 74 milhões de eleitoras que vão eleger um congresso praticamente 90% masculino, com poucas opções de candidatas em relação a candidatos. Em segundo lugar, as brasileiras conquistaram o direito ao voto em 1932, mas este não é o único direito político das mulheres – acesso a cargos políticos também o é.

Em terceiro lugar, ter mais mulheres no poder não significa necessariamente mais propostas  feministas, mas certamente há uma probabilidade maior da situação das brasileiras entrar em pauta. Mas tomemos o exemplo do projeto de lei do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) para despenalização do aborto, um problema de saúde para cerca de um milhão de mulheres que abortam anualmente no Brasil. O projeto está em votação pública e online no site Vote na Web, e o resultado até o fechamento desta reportagem mostra 57% de aprovação geral, com 71% de aprovação feminina e apenas 40% de aprovação masculina. Se os brasileiros em geral tivessem o poder de decidir através de uma votação online se o aborto deve ser crime ou não, já temos a resposta. Se as mulheres pudessem decidir sobre seu próprio corpo então, nem se fala. No entanto, vivemos em uma democracia representativa, em que nossos representantes decidem as leis por nós. Só que 90% desses representantes são homens brancos, muitos deles empresários. E eles não querem largar o osso.

Internacionalmente, o Brasil é aclamado por ter uma presidente mulher, enquanto tantos países de tradição democrática, como Estados Unidos e França, por exemplo, nunca tiveram uma. Na prática, ter uma presidenta reeleita tem efeitos meramente simbólicos, já que as mulheres são minorias em todas as instâncias políticas, mesmo compondo 51% da população. Na Câmara de Deputados, elas representam 8,8% das cadeiras; no Senado, 9,9%; nas Prefeituras, 12% e nos governos estaduais, 3,7% (na verdade, apenas uma mulher foi eleita dos 27 estados brasileiros). Esses números constrangedores colocam o Brasil em 120º lugar no ranking da Organização das Nações Unidas (ONU) que mede o índice de mulheres nos parlamentos, perdendo até para países islâmicos.

Há uma série de fatores para uma participação feminina tão limitada, que vão desde o conceito de que a responsabilidade do lar e dos filhos é da mulher até a falta de investimento financeiro. Mas uma das mais citadas entre especialistas é a resistência dentro dos partidos políticos – absolutamente todos eles. “Nas direções nacionais não temos nenhuma mulher presidente de nenhum partido. Quem decide quem vai ser candidato? Nos últimos anos, as mulheres têm representado 64% das pessoas que se filiam a partidos. O que não há é tradição e cultura de que as mulheres devem ocupar esses espaços. Não basta ser filiada, não basta ser candidata, é preciso estar dentro do poder de decisão”, disse Rose Scalabrin, Secretária de Articulação Institucional e Ações Temáticas da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, no painel Pequim +20, uma série de debates realizados em 14 de abril deste ano sobre a participação feminina na política 20 anos depois da IV Conferência sobre as Mulheres, realizada na capital chinesa.

 

Filme de terror

Em sua fala, Scalabrin disse que o sistema brasileiro de cotas se mostrou ineficiente nessas últimas duas décadas e que a reforma política, para ser eficaz, precisa englobar os partidos, para que a forma como as decisões são tomadas e os recursos são geridos seja transformada. “Muitas mulheres saem literalmente traumatizadas de uma campanha eleitoral, saem tão fragilizadas que não querem nem saber de partido político. E justamente por estarem em baixíssimos numeros em outros lugares que geram capital politico, como ministérios e secretarias, elas dificilmente têm uma base para começar. Elas têm medo de se envolver nesse jogo do financiamento, as empresas não confiam nelas porque geralmente os caciques que vão resolver as questões e elas não são recomendadas pelos partidos como candidaturas prioritárias”, explica.

Segundo Karina Kufa, advogada especialista em direito eleitoral os partidos dizem que não encontram mulheres com interesse na política. “Em parte, acho que é verdade. Tem mulheres com interesse, outras com medo, receio, falta de interesse. Então é preciso buscar essas mulheres que querem, e essa iniciativa tem que ser dos partidos. Os partidos têm que criar mecanismos para filiar mulheres, apresentar uma plataforma, usar verba do fundo partidário para formar essas mulheres e qualificá-las para a política”, diz Kufa.

Janete Pietá, que está no PT desde sua fundação, sente que a resistência às mulheres tem crescido nos últimos anos. “Eu sou de uma geração que lutou contra a ditadura, que nos anos 1970 fez toda uma movimentação no sentido de buscar nossos próprios caminhos e igualdade de direitos. Eu sinto que hoje existe um conservadorismo muito grande, inclusive no próprio PT, onde existe muita resistência na questão de paridade. Se não mudarmos a concepção de que mulher é um ser de segunda categoria, não adianta. Acho que temos que ampliar as políticas públicas, primeiro mostrar que a responsabilidade do filho não é só da mulher, é do casal. Por que só a mulher leva o filho ao médico? Por que creche só em locais de trabalho em que trabalham mulheres? Temos que avançar muito nas políticas públicas”, afirma a ex-deputada.

Afinal, as cotas de 30% das candidaturas dos partidos para as mulheres, obrigatória segundo uma lei de 1997, dificilmente são preenchidas de maneira honesta. “A saída que os partidos acabaram arranjando: desses 30%, algumas são esposas de candidatos que não têm interesse em se eleger, mas emprestam o nome só para cumprir a cota, outras são conhecidas, funcionários do partido e pior, servidores públicos. Quando vai se candidatar, o servidor pode tirar licença remunerada, então algumas mulheres tiram a licença para se candidatar, mas não se envolve na política, não vai atrás de voto e nem ela mesma vota nela. Esse ponto é preocupante porque isso é uma fraude eleitoral e improbidade administrativa porque você está recebendo dinheiro público sem prestar serviço com a desculpa de que é um benefício que a lei confere”, afirma Kufa.

Aí entra outra cota que foi aprovada com a pressão do Comitê Nacional Multipartidário de Mulheres: 5% do total do fundo dos partidos deve ser investido na formação política da mulher (o pedido inicial era de 30%). Ou seja, esse dinheiro deveria ser investido na capacitação das mulheres que vão compôr os 30% das candidaturas para que a votação nelas seja viável, desde cursos de oratória ou de marketing político, por exemplo. Na prática, isso raramente ocorre, segundo Kufa. “Um partido recebe um valor x de fundo que é do dinheiro público, e 5% do total tem que ser investido em mulher. Vamos supor que um partido tenha 5 mil por mês para gastar com mulher, só que ele não gasta. No ano seguinte, vem a penalidade e ele tem que gastar 7,5 mil para não ter a conta rejeitada. Os partidos estão deixando as contas serem rejeitadas, estão recebendo essa penalidade e ignorando”, afirma.

Ou seja, a política de cotas definitivamente não resolve o problema, com tantos outros obstáculos pela frente. “Você fala com mulheres com nome, credencial referência e pergunta se ela quer ser candidata. Ela fala ‘não quero porque é um filme de terror’. Política de cotas sem condições não leva a nada. Se só está na lei, vemos o resultado, quais são as mulheres nos espaços de poder que discutem a situação das mulheres?”, questiona Muna Zeyn, membro da Rede Feminista e presidente do Comitê Nacional Multipartidário de Mulheres durante o começo dos anos 2000.

 

Pele de rinoceronte

Várias décadas atrás, a antiga primeira-dama dos Estados Unidos disse que “se as mulheres querem estar na política, precisam criar uma pele tão grossa quanto a dos rinocerontes”. Ainda hoje, as mulheres que estão na política sentem a necessidade de se camuflar na pele de rinocerontes, imitando comportamento dos homens – ou aguentando a pressão. Luciana Genro, candidata à presidência em 2014 pelo PSOL, por exemplo, sentiu na pele a jornada tripla de trabalho que a militância política lhe exigiu. “As mulheres ainda são vistas como as maiores responsáveis pelo lar e pelos filhos, o que dificulta muito a participação política da mulher. Não é casual que a maior parte das mulheres que tem algum tipo de sucesso na política têm alguém da família na política porque a nossa cultura é muito machista e é muito difícil o marido aceitar que a mulher saia para uma reunião à noite e ele fica em casa fazendo janta e cuidando dos filhos. É muito difícil conciliar essa tripla jornada, a de trabalho normal que todos têm com a jornada de trabalho doméstico e um terceiro turno da militância política. Isso é um obstáculo muito crítico para as mulheres”, afirma.

A impressão de Genro é sentida por outras políticas também, independentemente do partido político. Mara Gabrilli (PSDB-SP) sente preconceito na Câmara de Deputados, onde atua. “Existe um preconceito muito grande, mesmo na Câmara, com mulheres em cargos de direção. Para mudar isso, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou no mês passado, em segundo turno, a Proposta de Emenda à Constituição 590/06, que garante a presença de, ao menos, uma mulher nas Mesas Diretoras da Câmara dos Deputados, do Senado e das comissões de cada Casa. A proposta segue para ser debatida no Senado”, disse.

Para Marcela Trópia,  vice-presidente regional na Juventude do PSDB Minas Gerais, as dificuldades são parecidas com as que as mulheres em geral vivem no mercado de trabalho. “Sua capacidade sempre é questionada, se quer desenvolver algum projeto, só há espaço no segmento de mulheres para que isso ocorra, sua candidatura não terá outra bandeira que não a feminina e a sua presença sempre parece ser lembrada por que falta ‘mulher’ na mesa, em um tom de que falta uma parte bonita na mesa e não de que realmente deveríamos compô-la porque precisamos de representatividade nas decisões”, conta.

É possível entender um pouco melhor os obstáculos das mulheres na política na aba “mulheres do site Meu Congresso Nacional, um site sem fins lucrativos que apresenta dados governamentais em um formato acessível. Ou seja: gráficos. Através deles, vemos que a média de doações totais para candidatos é maior do que para as candidatas, mas a média de doações dos eleitos – de ambos os sexos – é quase igual. “Dado igualdade de financiamento para homens e mulheres, a taxa de eleitos é praticamente a mesma. Mas eu não acredito que o problema principal seja o financiamento de campanha e sim a estrutura da política brasileira, que privilegia a reeleição. Independentemente do gênero, o principal fator para se eleger é ser reeleito”, diz Kellyton Brito, engenheiro de software e criador do Meu Congresso Nacional. De fato, a maioria das deputadas (e dos deputados) eleitas já estavam no Congresso. Mas os homens se reelegem muito mais que as mulheres: quase 60% deles, contra 40% delas.

 

Muitos problemas, poucas soluções

A bancada feminina do Congresso está discutindo meios de colocar a causa da participação política das mulheres na reforma política, segundo Kufa. Se a reforma política vingar e o sistema eleitoral mudar para lista fechada, a movimentação será pela lista com alternância de gênero. Nesse caso, os partidos apresentariam uma lista com ordem de classificação definida internamente com homens e mulheres candidatos para vereadores e deputados estaduais e municipais. Os nomes da lista mais votada seriam eleitos. Há ainda outra proposta, uma reserva de 30% dos cargos em disputa para as mulheres, semelhante ao sistema de cotas das universidades. Ou seja, 70% das vagas é para todos e 30% é só para mulheres, independentemente do número de votos. Isso significa que 30% do Congresso seria representado por mulheres.

Luiz Felipe Miguel, coordenador do Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades da UnB, vislumbra alternativas interessantes. “Nosso modelo de cotas é muito pouco efetivo, mas isso não quer dizer que podemos abandonar esse modelo. Precisamos aprimorar esse modelo, pensando em propaganda eleitoral, dinheiro para campanha, cotas nas direções partidárias (uma questão complicada porque mexe com autonomia do partido), cotas no poder executivo, na ocupação de primeiro escalão”, disse ele no painel Pequim +20. Miguel lembra que, ao ser eleita, Dilma Rousseff prometeu que um terço dos ministérios seriam chefiados por mulheres, o que não apenas não foi cumprido, como o número de mulheres foi minguando, já que os partidos querem indicar homens, segundo o especialista. De acordo com ele, a capacitação das mulheres não pode ser vista como a grande solução. “Talvez o caminho não seja fazer com que mulheres sejam capazes de mimetizar o comportamento da elite política masculina. É mais interessante se permitir uma mudança do comportamento com novas formas de fazer política”, disse.

Já Karina Kufa acredita no empoderamento como chave para essa mudança, no caso um núcleo de apoio à mulher com um telefone 0800 para dúvidas e atendimento durante a campanha, uma rede além do partido que as oriente sobre como buscar recursos, apresentar plataformas e que explique quais são seus direitos e deveres. “Empoderar as mulheres é o caminho”.

“Recusar à mulher a igualdade de direitos em virtude do sexo é negar justiça à metade da população”, disse, oito décadas atrás, Bertha Lutz (1894-1976), referência do movimento sufragista brasileiro, uma mulher que lutou pelo direito feminino ao voto. Depois de conquistar o direito ao voto, Lutz se tornou deputada na Câmara Federal e defendeu mudanças na legislação referente ao trabalho da mulher e menores de idade – assuntos tão atuais -, propondo a igualdade salarial, uma das várias realidades que não alcançamos ainda hoje. Fingir que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens na política é apenas uma maneira encontrada para negar justiça à metade da população brasileira em pleno século XXI.

 

O que elas têm a dizer

Conheça as experiências com o machismo de sete mulheres que, apesar dele, abraçaram a carreira política.

janete pieta

“Eu fui num evento no Ministério da Justiça. Sempre que tinha eventos assim, ainda no segundo governo Lula, vamos no credenciamento e os deputados têm reserva, um espaço para eles. Aí a moça estava de cabeça baixa escrevendo e eu disse ‘senhora, eu sou deputada federal’. Ela nem levantou a cabeça e falou ‘vai para outra mesa, autoridades é ali”, aí tudo bem, eu estava indo e ela me olhou e disse ‘mas a senhora é deputada federal?’. Eu falei ‘sou, por que, você tem dúvida?’. Ela disse ‘ah, eu nunca lhe vi’, e eu respondi ‘mas é impossível você conhecer os 513 deputados’. Aí ela olhou e disse ‘ah, tá bom, vai vai vai’. Foi horrível porque muitas vezes os deputados vão com os assessores, eles que pegam o crachá no credenciamento e eu não, fui sozinha e quando eu cheguei lá me deparei com isso. Eu sou a primeira deputada eleita pelo PT assumidamente negra, nunca tive um espaço especial no partido por causa disso. Mas sofri vários tipos de preconceito enquanto mulher negra.

O grande problema do racismo é que quem vive, sente, depois quando você conta, as pessoas falam “não é bem assim”. Quando eu tomei posse como deputada federal, eu não sabia que existia elevadores para os parlamentares e elevador do povo, em janeiro de 2007, cheguei no elevador e a ascensorista falou “esse elevador é para parlamentares, a senhora se dirija ao outro elevador por favor”, de uma forma muito agressiva. Aí tudo bem, fui para o outro lado, era parlamentar nova, não tinha boton. Quando eu voltei, com o Vicentinho, ele disse ‘daqui pra frente, Janete, você deve usar esse elevador’ e era a mesma ascensorista. Então ela me falou ‘me desculpe, é que são ordens’, eu disse ‘tudo bem, mas a forma como você me tratou foi muito rude’.

 

luciana genro

Quando cheguei na assembleia legislativa como deputada aos já aos 24 anos filha de um político conhecido, além de ser mulher e jovem, eu ainda era filha do Tarso. Eu sentia uma desconfiança deles no ar de que ‘essa menina só chegou aqui por causa do pai dela’. Tive que trabalhar dobrado pra provar que eu tinha minha própria trajetória e minhas próprias ideias políticas. Eu também sofri muito preconceito por ter tido divergências políticas com meu pai, muitas pessoas me cobravam ‘como tu vai contra o teu pai?’. Como se fosse um crime a filha ter uma divergência com o pai, como se fosse obrigação de toda filha dizer amém para tudo o que o pai pensa. Hoje não mais, mas até alguns anos atrás eu ainda escutava essa frase, que é bem machista e patriarcal, dizendo que uma filha não pode, em hipótese alguma, ter um pensamento independente.

 

marcela tropia

“Para que você, como mulher, tenha se projetado politicamente, todos pensam que você se envolveu intimamente com algum homem poderoso, que seu pai é um homem poderoso ou que você tem muito dinheiro para isso, não parece haver um motivo óbvio para você estar lidando com política. O meio é majoritariamente masculino e extremamente intimidador. Não consigo ir de vestidos às reuniões, a cada amiga ou conhecida que eu levo para participar, após as reuniões, já começa a receber cantadas virtuais e um assédio enorme se inicia.

Aconteceu comigo quando entrei, bem nova, aos 16 anos e eu acabei namorando alguém de dentro do PSDB, ele hoje é deputado, mas sempre me respeitou nas minhas ambições políticas e até terminamos para que cada um seguisse seu caminho público. Se eu tivesse me envolvido com qualquer outro, talvez a história fosse bem diferente, como vi acontecer com várias amigas. Se você se envolve, é uma ‘puta interesseira’, se você não se envolve é ‘sapatão’ ou ‘mal amada’, “bruxa”. Hoje, já não sei qual minha classificação.”

 

patricia bezerra

“Passei por uma situação na Câmara, logo nas primeiras semanas de trabalho. Eu estava chegando, tudo pra mim era novo e estava tentando lidar com o tal ‘regimento interno’ que dita as regras para o funcionamento das sessões e de todas as atividades da casa. Na ocasião estava sendo votado um projeto do qual eu discordava e sempre vi ser praticado um ‘voto contrário’ no plenário.  Por observação, precedência e legitimidade, ao término da votação fui ao microfone e declarei meu voto contrário àquele projeto. Do chão emergiu um vereador que veio ao microfone e contestou minha atitude dizendo que não era ‘regimental’ o meu pedido e emendou: ‘Aí vem a vereadora aqui e nhen nhen nhen…’ Me arremedou sem nenhuma cerimônia!  Fui ao microfone e disse que não admitiria ser arremedada por quem quer que fosse e que naquele espaço eu era tão vereadora e tão parlamentar quanto ele. Nunca mais fui desrespeitada por ele, ao contrário. Infelizmente, por vezes temos de mostrar os dentes.”


ana amelia

“As mulheres estão muito mais fortes em carreiras de estado, como poder judiciário e polícia federal, profissionais liberais também, medicina, direito, engenharia e as empresárias também, há muitas bem sucedidas. Nas áreas em que ela é cobrada pelo seu desempenho ela está indo muito bem, enquanto na política não, porque ela depende de vários fatores.

Em geral, a dificuldade é de acesso a recurso do partido, o espaço dentro do partido, as condições de tratamento privilegiadas porque ela entra em um lugar onde já está ocupado o espaço, tem o vereador, o cara que é prefeito e quer levar um filho, embora no RS isso não seja muito comum, vão se formando feudos e aí fica mais complicado para a mulher. Partido político tem que insistir muito nesses segmentos.”

 

 

mara gabrilli

“Acho que minha maior dificuldade foi iniciar o debate de um tema (da pessoa com deficiência) que era considerado tabu e muito pouco debatido pelo poder público. Meu trabalho foi dar visibilidade às pessoas com deficiência, à importância da acessibilidade e de uma cidade construída para todos. A partir do momento que esses temas passaram a fazer parte da agenda pública, em todas as suas esferas, comecei a ser respeitada, dentro e fora do partido. Afinal, é um tema suprapartidário, que independe de sexo, e que diz respeito a todos nós.”

 

manuela davila

“Eu comecei a fazer política muito jovem, eu agregava as causas de preconceito no nosso país: questões de juventude, de gênero, questão ideológicas, por ser uma mulher de esquerda. Eu sempre fui uma das poucas que não tinha marido, pai ou alguma figura masculina ligadas à política, que desse aquela respeitabilidade que Brasilia esta acostumada . Então, foi um caminho muito difícil , de provar permanentemente a capacidade, as mulheres tem que provar sua capacidade de maneira repetida, muito mais que os homens. Isso foi fazendo que eu adquirisse cada vez mais consciência da desigualdade de gênero. No ambiente da universidade, do movimento estudantil, esta nunca foi uma pauta central da minha atuação. A realidade foi me impondo uma noção cada vez mais profunda de como a gente vive a desigualdade de gênero no nosso país. E foi isso que foi construindo minha militância nesta área.”

 


Arte: Ester Aarts

Compartilhar
2222-e1424268724824

 

2222

Muitas mulheres dizem que sonham em ter filhas meninas. Nesse sonho, as filhas são exatamente como elas e gostam de fazer as mesmas coisas. O triste é que no exercício dessa imaginação não há espaço para um menino que seja assim, que a acompanhe no que ela gosta, seja tranquilo ou companheiro. É como se algumas pessoas pensassem que meninos são de outro mundo e não podem se relacionar com nós. Mas, espera aí, eu tenho dois filhos meninos e eles são extremamente companheiros, respeitosos e tudo o que eu sempre sonhei.

Os papéis de gênero influenciam até mesmo nossos delírios de maternidade e aí surgem listas absurdas sobre o que é ser mãe de meninos. Pegamos alguns desses itens tidos como verdade absoluta sobre a maternidade de pequenos homens e vamos acabar com esses mitos.

1. Guerra nas Estrelas é uma religião
Isso acontece com meninos e meninas que são apaixonados por alguma coisa. Uma amiga costuma dizer que pessoas sem vícios em séries, livros, filmes ou músicas são pessoas chatas. Pessoas. E quando eu digo pessoas, estou falando de homens e mulheres de todas as idades. Meninas também amam Guerra nas Estrelas. Sabe por quê? Porque não é uma questão de gênero.

2. Odiar e agradecer ao mesmo tempo o privilégio que seu filho terá por ser um homem adulto
Li uma lista em que a autora diz que essa explicação é difícil, mas eu não acho. Acho apenas que essa mostra como ela é egoísta e preguiçosa. Meus filhos, eu tenho certeza, não terão uma vida fácil. Isso porque eles já são os caras que explicam que as coisas estão erradas. Meu filho mais velho, de 11 anos, luta contra a homofobia. E ele não é gay. Meu filho mais novo, de 4 anos, luta, do jeito dele, contra papéis de gênero ao explicar que não existem brinquedos de meninos e meninas enquanto coloca suas Barbies dentro de carros. Eles serão alvos fáceis e claros porque não são como os outros homens, aqueles do padrão de masculinidade burra e ogra. Eles terão privilégios? É claro! Mas não vão lidar com isso como se os merecessem, vão apontar esses privilégios e deixar claro que eles existem. E isso eles aprendem comigo, todos os dias, porque eu não quero respirar aliviada, eu quero mudar o mundo.

3. Meninos são mais carinhosos
Tenho certeza que se eu tivesse uma menina, seria igual. Porque isso chama amor e respeito e afinidade. Uma autora diz assim: “Ele não está tramando nada. A afeição dos meninos é simples. Você nunca vai encontrar nada mais puro neste mundo, garanto.”. Calma aí, amiga. Você está mesmo dizendo, nas entrelinhas, que mulheres sempre têm interesses? Bom, é por isso que nossa vida é tão difícil e você respira aliviada por ser mãe de homens. Mulheres são tão verdadeiras quanto homens, isso depende de características de cada um, da índole, da criação, não do gênero.

4. Meninos são escatológicos
Eu sou mulher. Sou assim desde que me conheço por gente. E nunca tive problema com puns, cocô ou coisas tidas como nojentas. Porém, meus filhos são ensinados de que não é educado soltar gases na frente dos outros. Em casa, tudo bem, afinal é fisiológico e normal, mas é preciso respeitar as pessoas. Mais uma vez, não é questão de gênero, mas de como você educa seus filhos.

5. Meninos não sabem fazer xixi no lugar certo
Vamos ter uma conversa séria: se você pensa isso é porque está criando animais. Pessoas que não respeitam nada. Nem espaço, nem higiene, nem os outros… Será que não está na hora de repensar os limites? Meu filho mais novo, inclusive, seca o pipi depois de ir ao banheiro. Novamente, nada com o gênero, tudo com a educacão.

6. Meninos gostam de armas
Quem nunca viu meninas brincando de brigar com bonecas? Ou com espadas? O fato é que a sociedade enfia esse gosto goela abaixo dos meninos. Meus filhos gostam de milhares de outras coisas. As amigas deles também. Será que isso não é uma maneira triste de colocar crianças dentro de caixinhas para facilitar a vida de adultos?

7. A energia dos meninos é física
A autora de um texto diz assim: “desde o instante em que eles irrompem das nossas vaginas e entram no mundo, os meninos são donos do espaço que habitam.” Uma mulher está dizendo isso. Imagina se essas crianças vão respeitar as pessoas ao seu redor? E as mulheres? E os espaços individuais? Meninos só são assim se ninguém lhes impõe limites. Limites são bons, são amigos, são saudáveis.

Meninos que não entendem limites são os que se tornam assediadores, que não respeitam o não de uma mulher, que tentam destruir a vida daquelas que os rejeitam. Criar qualquer criança, menino ou menina, sem limites é uma receita certeira para um fim bastante triste.

8. Meninos não ouvem
Eles ouvem. Quando querem. Assim como eu e você. Quantas vezes você simplesmente continuou fazendo o que estava fazendo apenas porque queria assim? Estudos mostram que os meninos têm audição menos sensível que as meninas quando nascem, e a diferença só aumenta com a idade, mas se você realmente acredita nisso, uma dica: vá na frente do seu filho, segure em seus ombros com firmeza, olhe em seus olhos e diga o que precisa. Vai surtir efeito sem que meio grito seja dado. Além disso, gritar é um tipo de agressão e, bem, nenhuma de nós quer ser uma agressora de crianças, né?

9. Eles fazem perguntas que você nem imagina a resposta
Se gostam de quadrinhos, por exemplo, vão querer saber se você prefere esse ou aquele super-herói. Assim como sua filha. E seus amigos. E seus pais. E seus chefes. E seus subordinados. E a pessoa que vende cortinas. Se eles se interessarem por quadrinhos, é claro. Bem, não preciso explicar muito sobre não ter nada com ser mãe de menino, né?

10. Eles não se preocupam com roupas ou visual
Miga, só se forem os seus filhos, porque para os meus… Meus filhos AMAM comprar roupas. É um gasto sem fim, se eu não ficar esperta. E não é só calça, bermuda e camiseta. São coletes, jaquetas, blusas fechadas de moletom, malhas, tênis, chuteiras, bonés, chapéus, toucas… Questão de personalidade.

11. Meninos amam incondicionalmente
E meninas amam como? Por favor, me explique. Uma autora diz “filhas batem o pé e pedem para ficar sozinhas. Filhos simplesmente te amam.” Eu diria essa frase de outra maneira: pessoas com certo tipo de personalidade batem o pé e blábláblá, já pessoas com outro tipo de personalidade apenas amam e aceitam o que você quiser que elas aceitem. Personalidade, né, não gênero.

Aí a gente sempre escuta uns papos de que meninos têm mais energia, são mais sensíveis – pra onde isso vai na idade adulta? É enterrado? -, são mais curiosos, inocentes e têm mais compaixão. Mas isso, pela milésima vez, é algo absurdo de se dizer. Medir o mundo por aquele único ser que você tem em casa. Se fosse uma menina e recebesse exatamente a mesma criação, talvez ela seria igualmente tudo isso…

Dividir gêneros, seus papéis, seus traços de personalidade e gostos não só não faz sentido, como é prejudicial para todas as gerações que virão. Homens podem ser delicados e gostar de balé. Mulheres podem ter uma agressividade notável e escolher luta como esporte. Todo mundo pode tudo porque somos pessoas, temos nossas individualidades e somos formados de experiências.

Essas experiências nos são oferecidas desde bem pequenos. Talvez a criação influencie, talvez não. Não há estudos conclusivos. O que há é observação e respeito por cada pessoa, independente do seu gênero.

Criar filhos é muito mais do que bater palmas para tudo o que eles querem fazer. Criar filhos é guia-los para a construção de um mundo melhor e mais justo. E isso se faz não deixando que eles abracem seus privilégios e aceitem imposições sociais. Amar é mostrar que o mundo é cheio de nuances e que eles precisam manter os olhos abertos, independente do seu gênero. Deixar que nossos filhos acreditem em um conto de fadas é preguiçoso, irresponsável e desastroso. Somos melhores do que isso, irmãs.


Carol Patrocinio é jornalista, escreve o Preliminares no Yahoo!, estuda relações de gênero e sexualidade e é mãe de dois meninos.

Arte: Ana Pez

Compartilhar
rsz_1tumblr_nbzt9gmrhc1tm9egqo1_r2_1280

Já parou pra pensar em quem propõe as ideias que você lê, escuta ou vê por aí? De acordo com um estudo sobre literatura brasileira atual, mais de dois terços (72,7%) dos escritores são homens. Na pesquisa A personagem do romance brasileiro contemporâneo (1990 – 2004), a crítica literária Regina Dalcastagnè analisou 258 livros. Nessas obras, 71,1% dos personagens principais são homens, 79,8%, brancos e 81%, heterossexuais – somente 3 protagonistas são mulheres e negras; considerando todos os personagens, 62,1% são homens, 37,8%, mulheres e apenas 7,9%, negros.

Embora o levantamento não leve em conta livros de poesia, não é difícil notar a enorme desigualdade de representação entre os sexos. Além de não refletir a diversidade social brasileira, o predomínio de homens brancos heterossexuais nas letras contribui para que seu discurso e seu perfil continuem sendo dominantes – não apenas entre os escritores, mas em todos os âmbitos sociais, principalmente, no imaginário coletivo. Esse imaginário povoado por tudo o que lemos, assistimos, ouvimos e conversamos forma os “óculos” através dos quais enxergamos o mundo. Se essas lentes são sempre tão parecidas, fica difícil enxergar pontos de vista diferentes – por isso, a participação das mulheres na literatura é tão importante para ampliar esse campo de visão.

No livro O segundo sexo (1949), uma das obras de referência da Segunda Onda Feminista, a filósofa francesa Simone de Beauvoir disse que, até então, nenhuma mulher havia escrito uma obra de importância central na literatura mundial devido à falta de oportunidade: “elas não contestam a condição humana porque mal começaram a poder assumi-la integralmente”. Para ela, assumir a condição humana significa ser autônoma e livre. Essa liberdade é o que permite ao ser humano realizar-se plenamente, usando suas potencialidades para uma atividade que o transcenda e crie algo novo na sociedade – seja funcional ou artístico.

Apesar de desfrutarmos de muito mais liberdade e autonomia hoje do que naquela época, ainda vivemos cercados por opressões. Essa tensão evidencia a necessidade de fazer literatura, pois a criação literária é um ato de ruptura subjetiva. Ao criar, extrapolamos as fronteiras definidas para ou por nós mesmos frente à comunidade e criamos um espaço de liberdade pessoal onde conseguimos quebrar tabus muito mais difíceis de serem superados pela sociedade como um todo.

Uma das áreas da vida mais atormentadas por moralismos e tabus até hoje é o sexo. O inconsciente coletivo ainda contém uma pesada carga de estigmas que impedem a liberdade sexual de mulheres e homens de todas as orientações sexuais. Por isso, a criação literária erótica representa um espaço especialmente propício à libertação, emancipação e autodeterminação – isso vale para todos os gêneros, mas sobretudo para as mulheres, já que sua produção ainda é mais escassa ou menos divulgada.

Escrevo desde que aprendi a combinar as letras e percebo na prática como a escrita contribui para a construção da minha própria subjetividade. Desde 2012, passei a experimentar esse território de libertação no erotismo ao criar com minhas amigas o Circular de Poesia Livre. Somos um coletivo de mulheres que estuda, discute, cria e divulga arte e literatura sobre gênero, sexualidade e sexo. A cada encontro, percebemos novas oportunidades de ressignificar conceitos e dizer não ditos, vamos tirando as amarras que nos limitam ao escrever sobre sexo. Assim, construímos uma emancipação pessoal e criativa transformadora que tentamos compartilhar em saraus abertos, o Sarau das Mulheres Livres.

Foi por sentir o poder desse conhecimento na pele, que decidi estudar mais a fundo a poesia erótica feminina em um projeto acadêmico. E como a academia nem sempre é acessível, compartilho aqui um pouco da minha pesquisa sobre as mulheres na história da literatura brasileira, com mais foco na poesia erótica. É importante conhecermos nossas escritoras, porque valorizar os discursos delas melhora a compreensão sobre as necessidades e reivindicações femininas na luta por uma igualdade social concreta.

 

Nossas primeiras escritoras

Desde o descobrimento, os jesuítas incentivaram a literatura e os primeiros textos brasileiros datam do século 16. Mas o estudo A literatura feita por mulheres no Brasil da professora Nádia Battella Gotlib mostra que os primeiros escritos de mulheres brasileiras com alguma divulgação surgiram apenas no século 19. A razão é simples: somente os homens tinham acesso à educação formal em seminários religiosos, já que a criação de universidades era proibida pela coroa portuguesa.

Nos tempos coloniais, algumas mulheres até escreviam, mas seus textos não apareciam publicamente, como é o caso dos diários de senhoras de classes mais altas. Mesmo assim, o romance moralista Aventuras de Diófanes de Tereza Margarida da Silva e Orta é considerado por alguns estudiosos como o primeiro romance brasileiro, porque a escritora nasceu no Brasil; outros consideram a obra portuguesa, já que ela foi viver em Portugal aos 5 anos de idade e nunca mais voltou à sua terra natal.

As tipografias só passaram a funcionar livremente por aqui com a chegada da família real portuguesa em 1808 e a primeira legislação que garante estudos elementares às mulheres é de 1827. Nessa época, a jovem Nísia Floresta Brasileira Augusta iniciou sua militância política e jornalística em Recife, que passava por constantes revoltas populares. Ela defendeu a proclamação da república, a libertação dos escravos, os direitos da mulher e foi considerada a primeira feminista brasileira ao publicar o livro Direito das mulheres e injustiça dos homens em 1832.

Ainda no final do século 19, a carioca Júlia Lopes de Almeida (1862 – 1934) destacou-se por sua vasta produção literária, incluindo romances, contos, literatura infantil, teatro, matérias jornalísticas, crônicas e livros didáticos. A autora defendeu os direitos da mulher em colunas para importantes jornais do país e participou ativamente de grupos feministas. Em entrevista ao escritor João do Rio, contou que escrevia escondida na juventude, pois uma escritora não era vista com bons olhos à época.

A ligação entre as primeiras escritoras brasileiras e o feminismo evidencia os obstáculos sociais encontrados pelas mulheres para se colocarem como autoras. Francisca Júlia (1871 – 1920) foi uma das poucas que conseguiram ultrapassar essas barreiras moralistas no início do século 20 e chegou a ser considerada um dos grandes nomes do Parnasianismo, ao lado de poetas como Olavo Bilac.

Na mesma época, outra poetisa de língua portuguesa enfrentava o moralismo com ainda mais polêmica. A portuguesa Florbela Espanca (1894 – 1930) era vista como libertina por seus três casamentos e diversos casos amorosos, além dos rumores de que sofria de problemas psiquiátricos. Famosa por seus sonetos, Florbela foi uma das primeiras a lutar pela emancipação literária feminina em Portugal ao expor suas frustrações frente à opressão patriarcal com intenso e emotivo erotismo:

 

Ser poeta

 

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior

Do que os homens! Morder como quem beija!

É ser mendigo e dar como quem seja

Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

 

É ter de mil desejos o esplendor

E não saber sequer que se deseja!

É ter cá dentro um astro que flameja,

É ter garras e asas de condor!

 

É ter fome, é ter sede de Infinito!

Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim…

é condensar o mundo num só grito!

 

E é amar-te, assim, perdidamente…

É seres alma, e sangue, e vida em mim

E dizê-lo cantando a toda a gente!

 

Voltando ao Brasil do início do século 20, encontramos a explosão do Modernismo, principalmente, na década de 1920. A importância da participação feminina no movimento é amplamente reconhecida – especialmente, das pintoras Tarsila do Amaral e Anina Malfatti, além da patrocinadora Olívia Guedes Penteado –, mas a produção literária e as ideias mais disseminadas dessa corrente ainda são as de seus expoentes masculinos, como Mário e Oswald de Andrade.

 

A palavra é ousadia

Em meio à agitação do Modernismo, surge no Brasil uma escrita feminina ainda mais revolucionária: a poesia erótica de Gilka Machado (1893 – 1980). Diferente de poetisas como Francisca Júlia (1871 – 1934), Cecília Meireles (1901 – 1964) e Henriqueta Lisboa (1901 – 1985), que não buscavam se colocar como mulheres em seus poemas, Gilka decide falar sobre o desejo sexual feminino e denuncia as desigualdades sociais enfrentadas pelas mulheres. Lançado em 1928, Meu glorioso pecado foi o primeiro livro de poemas eróticos publicado por uma mulher no Brasil.

Sua obra foi considerada extremamente ousada à época, não pela forma, como os modernistas, mas pela temática. O furor despertado pelas críticas moralistas que recebeu tornou-a amplamente conhecida no meio literário nacional e afetou até sua vida pessoal. Em 1933, foi eleita a maior poetisa do país em um concurso da revista O Malho. Em 1977, Jorge Amado liderou o lançamento de sua candidatura para se tornar a primeira mulher a ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras – mas ela declinou o convite.

 

Ser Mulher…

 

Ser mulher, vir à luz trazendo a alma talhada

para os gozos da vida; a liberdade e o amor;

tentar da glória a etérea e altívola escalada,

na eterna aspiração de um sonho superior…

 

Ser mulher, desejar outra alma pura e alada

para poder, com ela, o infinito transpor;

sentir a vida triste, insípida, isolada,

buscar um companheiro e encontrar um senhor…

Ser mulher, calcular todo o infinito curto

para a larga expansão do desejado surto,

no ascenso espiritual aos perfeitos ideais…

 

Ser mulher, e, oh! atroz, tantálica tristeza!

ficar na vida qual uma águia inerte, presa

nos pesados grilhões dos preceitos sociais!

 

No desenvolvimento do Modernismo após a Semana de Arte Moderna de 1922, Patrícia Galvão (1910 – 1960), a Pagu, destacou-se na literatura com o romance Parque industrial (1933), sob o pseudônimo de Mara Lobo. Já as poetisas que despontaram naquele momento e tornaram-se consagradas durante as décadas seguintes são as muito menos polêmicas Cecília Meireles e Henriqueta Lisboa. Apesar de sua qualidade literária, não questionavam as características do que era visto tradicionalmente como “escrita feminina”: pureza, beleza, doçura, passividade.

Com obras publicadas desde 1943, Clarice Lispector (1920 – 1977) torna-se outra referência de escrita feminina, desta vez, contrariando os estereótipos tradicionais e posicionando-se como mulher de maneira forte, contestadora e criativa. Ainda que no território da prosa, sua contribuição reverbera em todo meio literário nacional pela força da sua narrativa, uma mulher que se apropria verdadeiramente das estruturas da linguagem e da ficção, até desconstruí-las.

 

Erotismo e liberdade

A partir da década de 1950, no âmbito da poesia, destaca-se a paulista Hilda Hilst, consagrada como uma das principais autoras de língua portuguesa do século 20 nas décadas seguintes. Corajosa, questiona temas existências considerados tabus à época, como a morte, o sexo, a loucura e o divino. Sempre misturado ao sagrado, o erotismo é um dos elementos centrais de sua obra:

 

II

Demora-te sobre minha hora.

Antes de me tomar, demora.

Que tu me percorras cuidadosa, etérea

Que eu te conheça lícita, terrena

 

Duas fortes mulheres

Na sua dura hora.

 

Que me tomes sem pena

Mas voluptuosa, eterna

Como as fêmeas da Terra.

 

E a ti, te conhecendo

Que eu me faça carne

E posse

Como fazem os homens.

 

Em 1966, Hilda cria a Casa do Sol, perto de Campinas – SP, um espaço para inspiração e criação artística, onde viveu e recebeu diversos escritores e artistas para temporadas de produção e pesquisa. Uma de suas hóspedes foi a poeta paraense Olga Savary (1933 – ), que finalizou Magma, o segundo livro de poesia erótica publicado por uma mulher no brasil – 60 anos depois da publicação de Gilka Machado! – justamente durante sua temporada ali. Assim como Hilda, a poesia de Olga revela uma profunda intimidade com a natureza e a afirma a força feminina em igualdade com a masculina:

 

Nome

 

Diria que amor não posso

dar-te de nome, arredia

é o que chamas de posse

à obsessão que te mostra

ao vale das minhas coxas

e maior é o apetite

com que te morde as entranhas

este fruto que se abre

e ele sim é que te come,

que te como por inteiro

mesmo não sendo repasto

o fruto teu que degluto,

que de semente me serve

à poesia.

 

A estas duas poetas, soma-se a voz da mineira Adélia Prado (1935 – ), que explora os detalhes corriqueiros do cotidiano cheia de erotismo. Diferente das duas primeiras poetas, sua relação com o divino é fervorosamente católica, mas nem por isso deixa de questionar o pudor tradicionalmente associado ao sagrado, como mostra este poema do livro Terra de Santa Cruz de 1981:

 

Festa do corpo de Deus

 

Como um tumor maduro

a poesia pulsa dolorosa,

anunciando a paixão:

“Ó crux ave, spes única

Ó passiones tempore”.

Jesus tem um par de nádegas!

Mais que Javé na montanha

esta revelação me prostra.

Ó mistério, mistério,

suspenso no madeiro

o corpo humano de Deus.

É próprio do sexo o ar

que nos faunos velhos surpreendo,

em crianças supostamente pervertidas

e a que chamam dissoluto.

Nisto consiste o crime,

em fotografar uma mulher gozando

e dizer: eis a face do pecado.

Por séculos e séculos

os demônios porfiaram

em nos cegar com este embuste.

E teu corpo na cruz, suspenso.

E teu corpo na cruz, sem panos:

olha para mim.

Eu te adoro, ó salvador meu

que apaixonadamente me revelas

a inocência da carne.

Expondo-te como um fruto

nesta arvore de execração

o que dizer é amor,

amor do corpo, amor.

 

Em 1984, Olga Savary organiza e lança Carne Viva – 1º [sic] Antologia Brasileira de Poemas Eróticos, com a participação de 30 autoras e 47 autores, entre consagrados e desconhecidos. Ainda na década de 1980, a poetisa Ana Cristina Cesar (1952 – 1983), parte da Geração Mimeógrafo, atua como crítica literária, defendendo a literatura feminina e afronta as regras da literatura convencional com sua poética de erotismo livre e caótico:

 

olho muito tempo o corpo de um poema

até perder de vista o que não seja corpo

e sentir separado dentre os dentes

um filete de sangue

nas gengivas

 

A escolha do erotismo como tema por poetas que se impõem como mulheres na escrita como estas coincide com a retomada das reivindicações feministas no Brasil – que haviam enfraquecido após a conquista do voto feminino na década de 1930 e, em seguida, foram sobrepostas à luta contra a ditadura militar. O fortalecimento do feminismo nas décadas de 1970 e 80 no país foi impulsionado pelo Ano Internacional da Mulher promovido pela ONU em 1975 e com a propagação das ideias da Segunda Onda Feminista (iniciada nos EUA nos anos 1960 – 1970), que propunha o direito à libertação do corpo e ao prazer feminino.

Estas são apenas algumas das nossas escritoras até finais do século 20 – já passado! Ainda falta muito mais incentivo para que se estude e divulgue a literatura feminina brasileira, principalmente quando falamos de poesia. Daquela época até hoje, muitas outras poetas surgiram e nascem a todo momento – muitas vezes, sem que sequer nos demos conta nessa avalanche de conteúdo que nos assola. Mas mesmo que não faça barulho, cada poema feminino é um grito que liberta. Pra encerrar, dois poemas contemporâneos, um da reconhecida Angélica Freitas e outro do nosso desconhecido Circular de Poesia Livre:

 

porque uma mulher boa

é uma mulher limpa

e se ela é uma mulher limpa

ela é uma mulher boa

 

há milhões, milhões de anos

pôs-se sobre duas patas

a mulher era braba e suja

braba e suja e ladrava

 

porque uma mulher braba

não é uma mulher boa

e uma mulher boa

é uma mulher limpa

 

há milhões, milhões de anos

pôs-se sobre duas patas

não ladra mais, é mansa

é mansa e boa e limpa

 

Angélica Freitas em Um útero é do tamanho de um punho (2012)

 

 

a garota do hímen ½ rompido

 

lá vai a garota do hímen meio rompido

abalado, mas resistente

resquício de honra confuso

 

– você é virgem?

– mais ou menos.

– ?

 

lá vai ela, vontade errante

metade, rompeu com um

a outra, perdeu com outro

o restinho, foi-se com um terceiro

 

– quem tirou sua virgindade?

– ninguém.

– então ainda é donzela?

– ?

 

lá vai a garota, agora sem hímen

foi-se a película, nasceu a pele

de corpos em corpos, conhece seu próprio

amarras alheias já não lhe seguram

 

– afinal, você perdeu a virgindade?

– não, ganhei a liberdade.

– e foi com quem?

– comigo.

 

lá vai ela, mundo afora

nem tente acompanhá-la

hímen rompido

integridade intacta

 

Bruna Escaleira em entranhamento (2014)

 


 

Bruna Escaleira é jornalista e escritora, autora do livro de poesia entranhamento.

Arte: desconhecido

Compartilhar
ada02

ada02

Em junho, o Google lançou uma série de programas para incentivar as mulheres a aprenderem computação. Houve distribuição de cursos grátis na Code School para a ala feminina e a iniciativa Made With Code, voltada para meninas, com o objetivo de mostrar a elas que é possível fazer o que mais gostam — de pulseiras a aplicativos, passando por filmes e smartphones — por meio da programação. Somente neste último projeto, o Google está investindo 50 milhões de dólares nos próximos três anos. Incrível! Mas, peraí, por que o Google subitamente está tão interessado nas mulheres?

A justificativa é bonita. “Não é segredo que a diversidade não é o forte da comunidade da tecnologia, e nós estamos sempre atrás de oportunidades que ajudem a mudar isso. Hoje, um quarto das vagas de Tecnologia de Informação são de mulheres, e mulheres negras representam apenas 3% das cientistas e engenheiras. A situação é clara: temos um longo percurso a seguir para criar uma comunidade mais diversa, aberta e inclusiva”, disse o Google.

Talvez o Google tenha reparado que a porcentagem de mulheres nas turmas de ciência da computação e na área de tecnologia seja ridícula (inclusive na própria empresa), ou tenha reconhecido que mulheres podem ser tão boas, ou até melhores, que homens na tecnologia, a exemplo de algumas mulheres inspiradoras como Sheryl Sandberg (diretora de operações do Facebook), Marissa Mayer (executiva-chefe do Yahoo!) ou Virginia Rometty (presidente da IBM).

Fato é que sim, nós estamos em menor número na computação e isso é absurdo. Segundo o Censo 2010, o último levantamento do IBGE com essas informações, as mulheres representam apenas um quarto das 520 mil pessoas que trabalham com computação no Brasil. Para piorar, de acordo com o mesmo senso, o salário médio das mulheres no setor de TI é 34% menor do que o dos homens, e, nos cargos de chefia, elas ganhavam 65% a menos!

ada04

 

A explicação para isso está relacionada ao motivo pelo qual as mulheres ficaram ao largo do desenvolvimento da ciência e da tecnologia até agora. Vejamos o que aconteceu com a ciência como um todo até aqui. Quantas mulheres engenheiras ou cientistas você pode citar agora sem pestanejar? Imagino que poucas, na maioria dos casos. É que historicamente as mulheres não se vincularam à tecnologia e à ciência por questões sociais. Esperava-se que as mulheres cuidassem da família e, como “procriadoras”, estivessem sempre ligadas à maternidade, que sempre foi pintada de cor-de-rosa, diga-se.

A figura feminina sempre esteve relacionada com o artístico, artesanal, o delicado — valores estigmatizados em gêneros. Essa ideia pode parecer distante para você agora, mas já parou para reparar o que sua sobrinha está ganhando de Natal em comparação ao seu sobrinho, por exemplo? Possivelmente um ferro de passar de plástico, uma cozinha equipada de brinquedo ou bonecas. E o menino com seus legos, pistas de corrida e videogames. Quem está sendo estimulado a quê?

Há um ótimo vídeo que fala sobre por que os pais deveriam estimular suas filhas a serem mais do que bonitas: basicamente porque 66% das meninas no Ensino Fundamental dizem que gostam de matemática e ciência, mas apenas 18% das engenheiras são mulheres nos Estados Unidos.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=XP3cyRRAfX0]

Esse problema tem a ver com a criação dos filhos, mas não é só isso. Em 2013, pesquisadores da Universidade de Yale publicaram um estudo dizendo que físicos, químicos e biólogos tendem a ver de uma forma mais favorável os homens do que as mulheres quando os dois grupos têm as mesmas qualificações. Meg Urry, diretora do centro de Astronomia e Astrofísica de Yale, disse que vê muitas mulheres deixando a Física não por não serem talentosas o bastante, mas por causa do desencorajamento de se sentir “menosprezada, desconfortável e de encontrar barreiras no caminho para o sucesso”.

Meg também diz que as mulheres não aprenderam a se gabar dos seus feitos como os homens, tendem a internalizar fracassos enquanto os homens colocam a culpa em alguém e são socializadas a reagir aos outros e considerar suas ideias sempre. “Não pergunte o que nós pensamos, não tente formar consenso. Apenas bata na mesa e nos diga o que fazer”, disse um colega certa vez a Meg. Mas muitas mulheres não foram educadas a se comportar dessa maneira ou não gostam de agir assim, seja por motivos de personalidade ou por serem julgadas quando o fazem (homens são “assertivos”, mulheres são “vacas”).

O resultado? Apenas um quarto dos físicos com PhD nos EUA são mulheres, apenas 14% dos professores de Física do país são mulheres, e o número cai vertiginosamente quando se considera hispânicas ou negras. No Brasil não é diferente: segundo um levantamento feito pelo GLOBO, dos 112 jovens cientistas eleitos membros afiliados da Academia Brasileira de Ciências (ABC) apenas 29 são mulheres. A situação fica ainda mais assustadora quando se considera que o número de cientistas mulheres é praticamente o mesmo que de homens, segundo o CNPq.

Márcia Cristina Bernardes Barbosa, Diretora do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e vencedora do Prêmio Loreal/Unesco ano passado, viveu esse problema na pele e aponta uma causa principal: as características da carreira, como viajar bastante (a responsabilidade pelos filhos novamente cai sobre nossos ombros) e a necessidade de ser agressiva, o que nem sempre combina com o perfil das cientistas. Márcia também acha que a imagem da profissão torna a carreira desinteressante para as meninas, é passada uma ideia de que cientistas são nerds sem vida social, o que não é verdade.

ada03

É válido aqui evocar Simone de Beauvoir, em O Segundo Sexo: “A fim de provar a inferioridade da mulher, os antifeministas apelaram não somente para a religião, a filosofia e a teologia, como no passado, mas ainda para a ciência: a biologia, psicologia experimental, etc. Quando muito, consentia-se em conceder ao outro sexo a ‘igualdade dentro da diferença’. Essa fórmula, que fez fortuna, é muito significativa: é exatamente a que utilizaram em relação aos negros dos EUA as leis de Jim Crow; ora, essa segregação, pretensamente igualitária, só serviu para introduzir as mais extremas discriminações”. Ou ninguém aqui ouviu falar das pesquisas que falam sobre as diferenças entre o ‘cérebro masculino’ e o ‘cérebro feminino'”?

Acontece uma situação muito parecida com a programação — e saber programar é MUITO importante no mundo em que vivemos. Se até o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reconheceu que programação deveria ser ensinada nas escolas, e Sandberg deixou bem claro que essa habilidade está se tornando cada vez mais necessária no mundo de hoje, está na hora de incentivar as meninas a serem programadoras de suas próprias vidas.

Quer mais um motivo? Porque os programadores são conhecidos por programar soluções para eles mesmos. Ou seja, se apenas homens estiverem no comando da tecnologia, veremos muito menos resoluções de problemas que atingem as mulheres – que já são muitos, convenhamos.

Manter a noção de que mulheres não tem a ver com as Ciências Exatas é uma tradição problemática que não apenas está excluindo as mulheres da elaboração do futuro como também está desperdiçando talentos. Exemplos são os maiores poderes de influência, e a tendência é que quanto mais mulheres trabalharem com tecnologia, mais meninas serão encorajadas a irem atrás de seus interesses na área. Por isso, uma boa forma de mudar padrões comportamentais é esclarecer e insistir que existe outro caminho, que outras pessoas conseguiram, que temos modelos para inspiração.

Podemos começar pelo Brasil. Claudia Melo, Ph.D. em Ciência da Computação, trabalha com  projetos de desenvolvimento de software há 15 anos e hoje é Diretora de Tecnologia da ThoughtWorks Brasil. Camila Achutti, com apenas 22 anos, é diretora nacional do Technovation Challenge Brasil, uma iniciativa apoiada pelo Google para incentivar meninas a serem empreendedoras da tecnologia, e fundadora do Mulheres na Computação, um site de apoio, incentivo e difusão da participação feminina no mundo da tecnologia. Luciana Fujii Pontello, entusiasta e usuária de software livre desde 2003 e desenvolvedora de software na GNOME.

Para as mais novas, temos as meninas do For You, aplicativo de combate ao slut shaming, que, ainda no Ensino Médio orientadas por Juliana Monteiro, usaram a tecnologia para solucionar um problema comum no colégio, o vazamento de fotos íntimas e consequente bullying contra as vítimas. Quer mais? Tome Luana Lara Lopes, bailarina de 18 anos do Teatro Bolshoi, que vai estudar Engenharia no MIT com o objetivo de criar robôs com movimentos tão delicados quanto os da dança.

A programação é o ingrediente para cada site, software, jogo e produto digital. Sabemos que não há outro caminho além do da tecnologia, com um futuro à nossa frente bordado com miniaturização dos chips, aliados à conectividade da internet em todo tipo de objeto cotidiano. Se as mulheres não começarem a cavar seu espaço agora, ficaremos ao largo na história mais uma vez. Os homens ainda são maioria nos cursos de engenharia e ciência da computação, mas as mulheres estão provando que programação também é coisa de mulher, oras. Está na hora de acabar com o estereótipo de programador homem, nerd e sem vida social. Entre tantos outros avanços, conquistamos — muito recentemente — o voto, direito ao divórcio e a pílula anticoncepcional… Agora é a vez de usar a programação em prol do empoderamento das mulheres.

*

 Para quem se empolgou com a ideia, aí vão algumas dicas:

Codecademy, uma instituição educacional que te ensina a programar de uma maneira fácil, grátis, em português e de casa.

– O projeto Scratch, do MIT, disponível no nosso maravilhoso português brasileiro,  permite ao usuário fazer seus projetos online sem precisar baixar outros programas e sem exigir conhecimento da linguagem de programação.

– Se você fala em inglês, pode se engraçar com a Made With Code, do Google, uma iniciativa cheia de projetos, eventos e comunidades para você participar e aprender a amar a programação.

– A fofa Try Ruby, além de ser uma graça, tem tutoriais e exercícios para te ensinar a programar, mas só está disponível em inglês 🙁

– Quer um abraço, uma palavra de conforto, um “vai lá que cê consegue”? Fala com a comunidade das Mulheres na Computação.

– Conheça o MariaLab,  um espaço mais receptivo às mulheres na área de ciência e tecnologia. Mulheres de fora da área, que queiram conhecer mais sobre tecnologia, podem começar, ali, seus estudos e trocas sem medo. O projeto ainda está em construção, mas vale iniciar contato com suas criadoras.

*

As ilustrações foram feitas especialmente para este post por Vanessa Kinoshita. <3

Compartilhar
olga crimes

olga crimes

Quando eu era adolescente, tudo que não queria ser na vida era uma menina adolescente. Eu achava que eu era bem legal, mas tinha essa ideia equivocada que todas as outras meninas eram menos interessantes do que eu. Sentia o maior orgulho quando era considerada parte do grupo dos meninos. Num esforço para ser vista como moleca, no nível da personagem Roberta, interpretada por Christina Ricci no filme Agora e Sempre, passei minha juventude usando calça cargo e camisetas de surf de segunda mão. Minha maior missão era fazer com que os meninos da minha escola soubessem que eu não era apenas mais uma garota estúpida – nada poderia ser pior do que isso pra mim. Eu detestava meninas de uma forma crônica.

Quando comecei o colegial, não ia com a cara de uma garota chamada Ella que havia acabado de entrar para meu círculo de amigos. Ela apareceu do nada e logo passou a fazer parte do grupo dos populares (algo que demorei um tempão para conseguir), recebeu convites para todas as festas e chamou a atenção de todos os caras pelos quais eu tinha uma quedinha. Tudo isso já era razão o suficiente para eu odiá-la – algo que parecia totalmente racional naquele momento.

Em uma das primeiras festas do colegial que envolvia álcool e beijos, Ella transou com um cara dentro de um saco de dormir, no meio de uma quarto cheio de gente assustada demais para encostar em alguém do sexo oposto. Eu não tinha qualquer interesse no menino com quem ela ficou, não vi o que aconteceu e aquilo não influenciou minha vida de nenhuma maneira. Mas nada disso me impediu de julgá-la duramente.

Num chat com uma amiga, descrevi exatamente o que havia acontecido sem deixar de ressaltar o quão fácil Ella era. Eu me lembro perfeitamente de chamá-la de “suja” por tudo que ela havia feito na festa. Enquanto detalhava coisas das quais eu não tinha o menor conhecimento (eu tinha 14 anos e nunca tinha beijado), acreditei que minhas ações tinham justificativas: Ella havia feito algo que eu não concordava e eu precisava registrar minha reprovação com minhas colegas.

No dia seguinte, a garota com quem eu havia conversado no chat levou para a escola toda nossa conversa impressa – e ela mostrou para todo mundo a troca de mensagens! No entanto, em vez de me repreenderem por ser uma fofoqueira idiota, invejosa e injusta, as pessoas ficaram do meu lado. Ainda hoje me sinto culpada pela forma como tratei a Ella e outras meninas como ela. É muito difícil superar as merdas que eu pensei, falei e fiz dez anos atrás. E não é como se eu pudesse entrar no Misóginos Anônimos e começar um programa de doze passos para lidar com esses problemas.

Eu sei que não desenvolvemos esse comportamento sozinhas – meninas são basicamente treinadas desde o nascimento para odiar umas às outras. Até mesmo programas infantis têm roteiros que contam a história de uma menina que rouba o namorado de uma amiga. E estamos em 2013 e ainda somos encorajadas a recriminar aquelas que consideramos “vadias”, enxergar outras mulheres como uma ameaça aos nossos relacionamentos, depreciar o visual daquelas de quem discordamos politicamente ou intelectualmente e chamar mulheres bem-sucedidas de “megera” e “mal amada”.

olga crime

Quando eu tinha 16 anos, descobri o feminismo – de forma bastante básica – quando minha professora de história moderna usou o vídeoclipe Stupid Girls, da Pink, para introduzir o conceito do movimento durante a aula. Aquilo fez bastante sentido para mim e a ideia ficou grudada na minha cabeça.

Mas foi só aos 19 anos, durante o segundo ano de faculdade, que tive contato com ideias revolucionárias e me cerquei de amigos que apoiavam, encorajavam e concordavam com essa nova visão. A partir daí, comecei a formar o feminismo em que, até hoje, acredito. Ele está sempre se expandindo e evoluindo conforme vou amadurecendo, mas uma coisa nunca muda: para sempre sentirei culpa e vergonha por tudo que fiz e disse durante meus anos pré-feminismo, como a maneira que humilhei Ella e outras meninas.

Toda feminista tem uma história diferente sobre seu encontro com o feminismo. Algumas pessoas mudam de perspectiva por causa de um acontecimento específico; outras foram criadas em um ambiente totalmente consciente dessas questões e não conseguem se imaginar fora do movimento. Eu montei meu feminismo como se fosse Lego: pecinha por pecinha, adicionando, tirando e mudando componentes conforme o tempo.

Kathleen Hanna deu uma entrevista para o The AV Club ano passado onde ela descreveu como seu feminismo evoluiu de uma emoção instintiva e “odiadora” de homens para algo mais abrangente e universal, depois que ela percebeu os efeitos do patriarcado em todas as pessoas, incluindo homens. Essa história me marcou muito, pois foi um reflexo perfeito da evolução do meu feminismo com o passar dos anos. Conforme minhas prioridades mudaram, eu passei a entender e aceitar a ideia de que o feminismo não é UMA missão que se aplica a TODAS as pessoas.

Quando é feito o primeiro contato com o feminismo – aquela ideia bem básica mesmo – você fica toda “sai daqui, homens idiotas!”. Tudo me irritava. Todo filme que eu via, para qualquer lugar que olhava, eu enxergava sexismo. Eu nunca via nada disso antes. E assim que eu coloquei essa “lente” nos olhos, eu ficava mais e mais raivosa…

Mas hoje estou mais interessada em um feminismo que acabe com a discriminação no geral. Não é apenas levar a mulher à cadeira de CEO de uma empresa. É poder conectar o racismo, o preconceito social e as questões de gênero. Não dá para separar essas questões. Na vida de muitas pessoas, existe essa sobreposição de problemas. Por isso, o mais importante é a intersecção.

Essa palavra – intersecção – foi o motivo decisivo que me levou a abandonar o feminismo básico para algo mais parecido com o que Kathleen Hanna descreveu. A intersecção é capaz de reconhecer que as pessoas podem sofrer mais de um tipo de opressão ao mesmo tempo. Mulheres, minorias raciais, LGBTQ e deficientes vivenciam sistemas múltiplos de opressão. Ou seja: você nunca é “apenas” uma mulher – você é uma mulher que é latina, ou uma mulher com algum tipo de deficiência, etc.

Ter consciência dessas intersecções transformou meu feminismo em algo mais sólido, mais importante e me ensinou que o capacitismo, o racismo e o preconceito social são tão destrutivos quanto o sexismo, a homofobia e a misoginia – comportamentos que eu havia, lentamente, acostumado a ignorar. Me conforta saber que, enquanto meu feminismo estava se transformando no que é hoje, eu tinha ícones como Kathleen Hanna para me guiar.

olga crime 02

Quando a princesa da música Grimes se desculpou em seu Tumblr por usar um bindi, eu enxerguei a situação como uma forma que ela encontrou de superar a culpa que sentia pelo que fez antes do seu feminismo evoluir. Eu não o vejo como um exemplo de feminismo de intersecção, mas fiquei feliz ao ver o rapper A$AP Rocky enfrentar as atitudes homofóbicas que ele teve durante a juventude, em entrevista ao estilista Alexander Wang, para a Interview Magazine. Rocky é um exemplo incrível de alguém que não tem medo de continuar se educando – e educar também as pessoas que ele influencia –, admitir seus erros e pedir desculpas por eles.

Quando eu era mais jovem, também fiz e disse coisas terríveis – resultado de uma combinação de condicionamento social e ignorância pura. Cresci em uma cidadezinha do interior da Austrália onde era normal chamar alguém de “gay” ou “retardado”. Por mais que eu despreze esse comportamento, eles são marcos da minha jornada como feminista. Eles me ajudaram a evoluir, a desaprender hábitos e superar intolerâncias.

Sem o feminismo, eu não teria me armado com as munições necessárias para mudar minha forma de pensar, aceitar e entender outras mulheres e corrigir o slut-shaming do passado. Sem o feminismo, eu ainda seria uma menina de 15 anos raivosa que rabisca a cara da Rachel Bilson e da Samaire Armstrong do pôster do The O.C. porque ela beijava o Seth e eu não (claro, se elas não existissem, certamente eu seria próxima da fila!).

É importante aceitar essas fases da vida. Claro que eu preferiria esquecer os anos que passei odiando meninas como a Ella para impressionar os meninos, mas isso não me levaria a nada. Para que possamos aprender de verdade com as nossas experiências, precisamos admitir o que fizemos e tentar compreender o porquê aquilo foi problemático.

O feminismo de cada uma de nós provavelmente não vai acabar no mesmo lugar ou talvez nem mesmo seguir o mesmo caminho, mas se começarmos a ser honestas conosco e com nossos próprios preconceitos, ao menos todas nós seguiremos na mesma direção.


Brodie Lancaster é escritora de Melbourne, Austrália. Ela é o cérebro (e os peitos) por trás do zine Filmme Fatales, que fala sobre mulheres no cinema. Sua dieta é 80% pad thai e ela gostaria que todo mundo fosse mais simpático com a Kim e o Kanye. Você a encontra em todas as mídias sociais como @brodielancaster.

As ilustrações são da Ashley Blanton.

Este post foi originalmente publicado no Rookie Mag e traduzido com a autorização da autora. Obrigada, Brodie! 

Compartilhar
olga feminismo

olga feminismo

A revista ELLE deste mês é centrada no girl power. Participei da edição com uma matéria que se propõe a debater o feminismo contemporâneo. Para elaborar o texto, conversei com Bárbara Castro, socióloga e doutora em Ciências Sociais pela Unicamp e especialista em discussões sobre trabalho e gênero.

Durante a entrevista, ela me deu um belo olhar sobre o movimento nos dias de hoje, como ele é percebido por mulheres e homens e até mesmo se podemos chamá-lo de “novo feminismo”. Como não coube nosso longo papo no texto da ELLE, decidi postar toda reflexão da Bárbara aqui. Veja abaixo:


Sempre fico um pouco na dúvida sobre se podemos chamar o que acontece hoje de novo feminismo. E penso isso porque entendo que são basicamente as mesmas ideias que vêm pautando o movimento desde os tempos da Simone de Beauvoir. Aí poderiam dizer “mas, poxa, como assim são as mesmas ideias se passaram tantos anos e tantas conquistas foram feitas?”. O que eu responderia é que não é ruim dizer que, na essência, as ideias são as mesmas.

Acho, inclusive, que ajuda a organizar as ideias e a entender que, mais do que um sinal de que nada mudou, é um indicativo de que ainda há muito pelo que lutar. Com exemplos, acho que fica mais claro: as mulheres conseguiram o direito ao voto e ampliaram sua participação no mercado de trabalho, mas ainda há uma participação mínima das mulheres na vida política institucional, no Brasil, e uma imensa desigualdade salarial entre homens e mulheres que ocupam a mesma função no trabalho.

Construímos a Lei Maria da Penha e as Delegacias Especiais de Mulheres há pouco tempo, mas as mulheres continuam sendo agredidas diariamente nas ruas e nas suas casas. Muita coisa mudou e foi conquistada, mas o que ainda permanece no senso comum é a ideia de que os gêneros feminino e masculino – ou seja, a maneira pela qual homens e mulheres se comportam, se vestem e fazem suas escolhas na vida – são predeterminados pelo sexo biológico. É isso o que permite a persistência das desigualdades, que cria hierarquias de gênero e as defende como algo natural, que vem do sexo biológico e que, portanto, não pode ser modificado.

O papel do feminismo, de uma maneira geral, foi sempre o de negar essa ideia da natureza determinando o comportamento e as capacidades das mulheres. Foi sempre o de dizer que a ideia de feminino é algo socialmente construído. E essa é uma ideia poderosa, porque, se é socialmente construída, pode ser modificada.

Se essa ideia é a que persiste, sua difusão é justamente a que permite o feminismo ser tratado da maneira plural como ele é feita hoje. Não que não houvessem diversas correntes desde o seu início, mas a compreensão dessa ideia ajuda a gente a entender uma série de movimentos novos, como a marcha das vadias ou o Pussy Riot.

No caso da marcha, defende-se que a mulher possa usar as roupas que bem entender, e que isso não deve ser entendido como um chamado para os homens assediá-las. Além do controle sobre a sexualidade, ideia que a Simone de Beauvoir já defendia, vem a novidade de dizer que mostrar o corpo não deve ser tratado como objetificação da mulher, como algumas feministas mais tradicionais defenderiam.

Vestir-se como gostaríamos passa a ser tratado como uma escolha, como parte da liberdade de expressão da mulher. Mostrar o corpo e, no limite, prostituir-se, são ações que não podem mais ser tratadas como símbolo da dominação masculina sobre as mulheres. Podem e devem ser tratadas como escolhas (apesar de que não são todas as mulheres que fazem a escolha de vender seus corpos. Mas se há as que fazem, é preciso reconhecer essa capacidade de agência e respeitá-la).

O caso do Pussy Riot é ainda mais interessante porque traduz mais um traço do que leva a gente a chamar os movimentos feministas atuais de novos movimentos feministas: a incorporação de outras pautas na agenda de luta. Ou seja, além de lutar pelos direitos relativos às mulheres, os movimentos feministas estão se engajando em lutas políticas institucionais, como a campanha contra o presidente russo Vladimir Putin, nesse caso.

O sensacional dessa incorporação é o poder que a ação traduz: mulheres não lutam apenas por questões relativas às mulheres, mas por uma sociedade melhor. Digo que é sensacional porque ajuda a desconstruir a imagem errada de que os homens estariam excluídos da pauta de luta das feministas. E digo que está errada porque o machismo e essa obrigatoriedade de vivenciar os gêneros segundo um padrão pré-definido também causa enorme sofrimento aos homens, pois aqueles que não pautam sua masculinidade por essas ideias também sofrem violência (simbólica ou não) de outros homens.

Acho que isso ajuda a responder sua pergunta de por que o feminismo parece estar ganhando tanta força hoje. Além da aceitação da ideia de que homens e mulheres devem ser tratados de maneira igual e ter acesso às mesmas oportunidades, há uma maior aceitação de que os gêneros podem ser exercidos pelos homens e mulheres da maneira que eles bem entenderem. Ou seja, uma mulher pode ser feminista e gostar de moda, de se vestir de maneira provocativa, de vender seu corpo, de escolher sair do trabalho para cuidar dos filhos porque se realiza dessa maneira (desde que seja uma escolha efetiva, claro).

Ao mesmo tempo, um homem pode gostar de decoração, de cuidar da casa, e de também escolher sair do trabalho para cuidar dos filhos (daí o sonho de conquistarmos, no Brasil, a licença paternidade como ela existe em outros países), sendo heterossexual ou não. Enfim, acho que o faz as ideias feministas estarem ganhando mais espaço é justamente a superação de estereótipos do que é uma feminista e de como ela deve se vestir, se comportar etc.

Assim como o gênero é socialmente construído – o que quer dizer que as práticas sociais vão modificando o seu significado aos poucos – o feminismo também é resultado de práticas sociais. E é por isso que ele sempre se renova, sempre incorpora ideias novas. E o feminismo continua sendo importante para as mulheres porque ainda há muita coisa a ser conquistada (como já citei: igualdade de oportunidades no mercado de trabalho – ainda é muito comum ouvir que mulheres não servem para o perfil de trabalho que envolve viagem porque elas têm que cuidar da família, por ex.; igualdade salarial para pessoas que ocupam as mesmas funções; reconhecimento do exercício da livre sexualidade sem julgamentos morais; o direito ao aborto; etc.).

Acho que o mais interessante, hoje, é ver que além de incorporar novas ideias, há feminismo atuante fora de movimentos organizados: existem muitas mulheres, como eu ou como você que são o que costumo chamar de militantes do cotidiano, porque a gente faz a nossa luta no dia-a-dia, conversando, convencendo, divulgando ou reagindo ao assédio das ruas. Por isso que, apesar de contraditórias, acho que temos mulheres muito importantes pra divulgar algumas das ideias fundamentais do feminismo.

A Valesca Popozuda sobe no palco pra dizer que as mulheres têm direito a ter prazer sexual, apesar de muita gente dizer que ela depõe contra a conquista das mulheres porque obedece a um padrão de beleza (e até leva isso ao extremo, como quando colocou as próteses de silicone na bunda).

A Lena Dunham faz a mesma coisa de uma maneira mais leve com Girls, e mostra como até essa ideia de uma mulher sexualmente emancipada, com muitos parceiros e sem construção de laços emocionais, pode ser opressiva às vezes. Acho o seriado cheio de ideias boas por isso: mostra as contradições daquilo que se convencionou ser subversivo e daquilo que quer ser vivido. É um conflito das mulheres da nossa geração: posso casar sem parecer que estou em uma relação machista? Posso fazer um jantar surpresa pro namorado sem parecer que sou submissa na relação? Quem nunca teve esses conflitos antes de parar, pensar e garantir que apesar de o machismo existir, ele não necessariamente está presente na sua relação porque nem você nem seu parceiro são assim?

Compartilhar