logo Olga Conteúdo facilitado: AVON Resista. Denuncie Safernet Polícia Federal Ministério Público Federal mandaprints Instagram Pinterest RSS
Manda Prints!

Vamos juntas transformar a internet em um lugar mais seguro para as mulheres, sem pedir licença: nossos vídeos, textos, fotos, músicas, pensamentos e ideias serão compartilhados e não vamos aceitar desrespeito, ameaças e objetificação como respostas aceitáveis ao conteúdo que produzimos.

Vamos tirar prints, mandar para a polícia e exigir nossos direitos. Entendemos o silêncio como uma reação de medo, mas nem sempre ele nos protege, então vamos fazer barulho: registrar, denunciar e responsabilizar aqueles que tornam a web um pesadelo para nós.

Anita Sarkeesian, Brianna Wu, Ana Paula Freitas, Zoë Quinn, Stephanie Ribeiro, Lola Aronovich: são muitas as mulheres que superaram os momentos mais difíceis da violência online e, com coragem, compartilham suas histórias para dar cor e forma a um problema que é tomado como brincadeira, piada, mas plenamente capaz de destruir vidas.

A internet não é um lugar de impunidade. A coragem que se multiplica atrás de teclados para perseguir e perturbar mulheres deve ser grande e duradoura o suficiente para se sustentar diante da justiça. Vamos pressionar órgãos públicos para levar nossas denúncias a sério. Vamos tirar o riso de quem se alimenta do nosso medo. Não vamos recuar!

Gostamos daqui, vamos ficar e só vamos parar de falar disso quando nenhuma de nós pensar duas vezes antes de se assumir mulher em jogos online por medo de assédio ou precisar trancar os comentários do seu blog ou canal de vídeos pelo mesmo motivo. Não é "zueira", é crime. Não é piada, é discurso de ódio.

Nossa presença atrai violência, seja explícita ou simbólica. Somos agredidas por compartilhar ideias, limitadas a objetos sexuais por mostrar nossa aparência, excluídas de grupos dos quais queremos fazer parte por quem ainda acredita em "coisas de homem" e "coisas de mulher". Mas a internet é coisa de todo mundo e é o machismo que vai sair da rede, não nós.

Registrar a violência virtual por meio de printscreens
 é fundamental para fazer denúncias formais na delegacia

Se você foi vítima de... Divulgação de fotos íntimas:

Tire prints de TUDO o que foi divulgado, registre a data de acesso e o link específico de onde estão as imagens, se houver.

Salve tudo em um CD ou um pen drive, imprima e vá até uma Delegacia de Polícia para registrar um Boletim de Ocorrência.

Explique o ocorrido ao escrivão, entregue os impressos e pergunte se ele deseja salvar também uma cópia dos arquivos que estão no CD ou pen drive.

Não apague as mensagens/imagens/
publicações/SMS eventualmente recebidas. Esse conteúdo poderá ser utilizado como prova em futuro processual judicial/inquérito policial, portanto é essencial que seja preservado.

Caso algum(a) amigo(a) receba este material, peça-lhe que armazene o conteúdo original também. Solicite à pessoa que salve o material em uma mídia e lhe entregue.

Caso o conteúdo seja relacionado a e-mails, solicite à pessoa que armazene a mensagem e envie-lhe o e-mail original anexado (não pode ser “reencaminhado”, pois isto alterará o cabeçalho original do e-mail, prejudicando a identificação do remetente).

Bullying, ameaças, ofensas e montagens virtuais:

Não responda às ofensas em hipótese alguma.

Tire “prints” de tudo o que você receber (inclusive mensagens via celular), bem como daquilo que for eventualmente divulgado na internet.

Nos “prints”, mencione cada link específico e data de acesso/recebimento do conteúdo.

Armazene todo o conteúdo publicado/enviado e se sentir necessidade, vá até uma Delegacia de Polícia para registrar um Boletim de Ocorrência sobre crime de ameaça.

De posse das provas, além de comparecer à Delegacia de Polícia
para registrar um Boletim de Ocorrência, você poderá também:

Dependendo da gravidade do caso, você poderá preservar essa prova registrando uma Ata Notarial em qualquer Cartório de Notas (“Tabelionato de Notas”). A Ata Notarial é elaborada por um Tabelião, e como este tem “fé pública”, todo documento lavrado por ele tem plena validade jurídica, ou seja, ninguém poderá contestar isso em um processo judicial (nem mesmo o Juiz). Na Ata Notarial, o Tabelião descreverá o fato ocorrido, inserido prints de imagens/páginas e links, detalhando o conteúdo que está sendo visualizado. Você poderá também solicitar ao Tabelião que faça o armazenamento seguro desse conteúdo no próprio Cartório de Notas (ele gravará um CD para você, e registrará esse material no Cartório).

Portanto, a Ata Notarial impressa e o conteúdo gravado pelo Tabelião, poderão ser plenamente utilizados em qualquer processo judicial.

Para saber onde encontrar um Cartório de Notas em sua cidade, acesse: http://portal.mj.gov.br/CartorioInter
Consulta/consulta.do

Consultar um(a) advogado(a), de preferência especialista em Direito Digital/Direito Eletrônico para saber quais medidas judiciais/extrajudiciais que poderão ser tomadas.

Se houverem publicações com conteúdo ofensivo/indesejado na internet, este poderá ser retirado através de Notificações Extrajudiciais elaboradas por um advogado.

Se houver a prova da identidade da pessoa que está fazendo isso contra você (você tem como provar que é seu ex-namorado, por exemplo) e se você tem os dados pessoais desse indivíduo (nome completo, endereço, etc) você poderá dirigir-se ao Juizado Especial Criminal (JECrim) de sua cidade parar dar início à um processo criminal contra ele, a fim de buscar a condenação pelos crimes praticados.

Os JECrims ficam nos Fóruns de cada cidade. Procure o endereço do Fórum mais próximo de sua residência e se informe.

vídeo 1 vídeo 2 vídeo 3