Sobre Think Olga

A OLGA é um projeto feminista criado em abril de 2013 cuja missão é empoderar mulheres por meio da informação.

20616051_1753279768020581_219969210_o
,

20616051_1753279768020581_219969210_o

 

É inegável que as declarações machistas do publicitário Washington Olivetto sobre publicidade voltada para o empoderamento feminino, em entrevista publicada na BBC Brasil na última semana, são absurdas. Sendo assim, elas merecem ser questionadas, debatidas e confrontadas. Ou será que não?

Enquanto um grupo tecia críticas ao publicitário nas redes sociais, outro argumentava que o que foi dito precisava ser ignorado, pois Olivetto seria “muito ultrapassado”, “muito velho” ou “muito homem” para opinar sobre o assunto nos dias de hoje; logo, não é merecedor da atenção ou da “audiência” dos leitores. Desse modo, ambos os lados acabaram criando uma alvoroço em torno do que foi dito, mas pouca reflexão que saltasse de suas bolhas individuais na internet. Pensando nisso, a Think Olga preparou uma série especial de reportagens sobre como esse caso expõe diferentes problemas sociais e de gênero, sempre, de certo modo, colocando mais empecilhos para denunciarmos práticas e falas machistas, e até mesmo violências contra a mulher. O conteúdo será publicado ao longo dessa semana.

Entendemos que, quando se escolhe “não dar audiência” a discursos como este, seguindo-se de uma lista de justificativas para tanto, dá-se mais um aval para uma voz negativa e machista na comunicação, que, de qualquer modo, será repercutida – a diferença é que, sem as vozes de feministas opondo-se ao que foi dito. Sendo assim, questionamos: como se opor a declarações e atitudes nocivas pode ser um problema? Como apontar que um indivíduo está perpetuando machismo e violência é uma forma de “dar ibope” e relevância ao que ele diz?

Muitas vezes, figuras políticas com narrativas violentas parecem tão irreais que também acabam sendo vistas como sendo insignificantes por causa do que dizem, merecendo assim ser ignorados. Mas, com esta premissa, Donald Trump, assumidamente assediador e abusador de mulheres, venceu a corrida para a presidência dos Estados Unidos no ano passado, assim como o deputado Jair Bolsonaro e seus comentários machistas, racistas e LGBTfóbicos também caminham para cargos mais altos no governo.

As falas de Bolsonaro são gravíssimas e reproduzi-las sem críticas, sem apontamentos, também pode ser perigoso. Mais ainda seria seguir gerando espaços para que este homem siga seu discurso de ódio disfarçado de opinião, como entendeu a organização do clube Hebraica, que o proibiu de palestrar após declarações homofóbicas

E, muitas vezes, até mesmo espaços considerados seguros para um grupo minorizado podem se mostrar hostis, principalmente quando o assunto é gênero. Nos três primeiros bem sucedidos anos do reality show sobre cultura de drag queens, RuPaul’s Drag Race, da Logo, pouco se questionou uma piada transfóbica que o apresentador RuPaul Charles – um homem gay e negro, com uma vivência muito diferente de Olivetto ou Bolsonaro – usava em todos os episódios, quando dizia que os participantes haviam recebido uma mensagem nomeada de “She-Mail”, trocadilho com “She Male”, uma maneira pejorativa de se dizer “mulher trans” ou “travesti” na comunidade LGBT americana. Até que a ex-participante Carmen Carreira, após assumir sua transição para mulher trans, decidiu expor o problema e confrontar o apresentador e a produção do programa sobre o termo, que, consequentemente, foi retirado. Para isso, Carmem precisou sair como uma vilã para fãs fiéis do programa, que já tinham o termo tão naturalizado que o viam “somente uma piada” que, supostamente, poderia ser facilmente ignorada.

Sabemos que a escolha de “não dar audiência”, para as mulheres, vem como um modo de defender-se de declarações não representativas e, principalmente, ofensivas, que podem vir de trolls da vida real ou na internet. Mas é importante considerar que uma declaração como esta, vinda de um homem muito respeitado e conhecido em seu ambiente de trabalho, é muito diferente do discurso de ódio polvilhado pela internet por trás de uma garantia de anonimidade. Ambos merecem ser denunciados e combatidos, mas por diferentes meios. O caso de Olivetto, na verdade, deve ser um combustível para educar e empoderar mulheres para que não aceitem ataques individualmente.

Não estamos falando de textos mal-intencionados que motivam aquilo que chamamos, em 2013, de clique de indignação. O foco desta conversa é debater sobre a reação da sociedade a discursos vindos de homens públicos, famosos e que assinam embaixo de suas posições controversas.

Não discordamos que exista uma posição de privilégio para homens como Olivetto, inclusive, criticamos a mídia que dá voz somente a esta persona, como quando apontamos a atitude da Folha de São Paulo, que adicionou em uma matéria que, inicialmente tinha somente a versão do cantor Biel, passando a conter aspas da jornalista Giulia Bressani, que foi assediada por ele e as consequências que ela e a editora que a defendeu sofreram, como a demissão do Portal IG. Mas, ao mesmo tempo, sabemos que a luta por um mundo igualitário é contra estes privilégios é árdua.

Expor opiniões como estas, para depois desconstruí-las, faz parte disso. Não expor os erros na fala de Olivetto, para nós, vai contra a nossa premissa de empoderar mulheres por meio da informação e da educação, principalmente pois partiria de um lugar de privilégio onde se supõe que todas as marcas, todos os publicitários ou mesmo todas as mulheres, conseguem identificar sozinhos tudo de problemático em seus discursos. Ainda não podemos nos dar o luxo de nos omitir, caso contrário ninguém falará por nós.

Por isso, o fato de que a nossa organização irmã, Think Eva, que existe justamente para mudar a representação feminina na publicidade, tenha escolhido responder aos comentários de Olivetto não nos surpreende, somente nos orgulha. Mas a afirmação da importância desse posicionamento está nas reações positivas da publicação.

A vivência de Olivetto, sua idade, seus ideais, seus privilégios, seu trabalho…Tudo isso blinda os homens e torna mais difícil questioná-los. Mas nós existimos para criar um futuro diferente, onde as próximas gerações enxerguem uns aos outros sem preconceitos.  E por isso, não deixaremos pra lá.

E, para que possamos seguir o nosso trabalho, contamos com seu apoio! Compartilhe nosso conteúdo ou doe para a nossa ONG na Benfeitoria.

Compartilhar
13254451_784831484985708_853145794366909421_n
, ,

13254451_784831484985708_853145794366909421_n

Quando começamos a conversa sobre assédio de rua com a Chega de Fiu Fiu, em 2013, o tratamento dado pela imprensa às questões de gênero eram bastante diferentes, em especial no meio online. Uma busca do Google pela expressão “assédio sexual” levava a reportagens que mencionavam esse tipo de violência no ambiente de trabalho, mas pouco se falava sobre o contexto machista que permite que homens, em todas as partes do mundo, se dirijam a mulheres no espaço público de maneira ofensiva e opressora, como se tivessem o direito de opinar ou escrutinar nossos corpos. Nesses quatro anos de campanha, vimos não apenas o tema do assédio ocupar espaço na imprensa e nas redes sociais; como também o feminismo abraçar e encontrar diferentes vozes nas redes, que aprofundaram o debate e mostraram como é urgente ressignificar o retrato da mulher na sociedade, nos meios  de comunicação, nas relações interpessoais.

Hoje, vemos parte da imprensa aderindo a pautas sobre gênero ou às práticas dos nossos Minimanuais de Jornalismo Humanizado. Percebemos que o feminismo é uma pauta que surge com maior naturalidade nos espaços de conversa. Mas como mensurar os avanços e as transformações que a luta feminista provocou dos últimos quatro anos?

É impossível precisar quantas mulheres estão envolvidas no feminismo ou são contempladas e tocadas por suas pautas. Mas podemos contabilizar histórias que não foram esquecidas, nem silenciadas. Histórias como a de Cláudia Silva Ferreira, que sofreu violência duas vezes: primeiro, quando foi arrastada pelo carro da Polícia Militar em 2014. A segunda, quando foi retratada de forma desumanizada pela imprensa, seu nome esquecido, seus sonhos ignorados, sua identidade negada. Se tivessemos aceitado  o tratamento da imprensa à época, Cláudia poderia ter morrido anonimamente, em um dos tantos atos de violência sem sentido que atingem principalmente as mulheres negras e periféricas.

Mas status social também não é garantia de proteção às mulheres. Lembremos de Nigella Lawson, agredida em público pelo marido; Amber Heard, que foi agredida pelo então parceiro, Johnny Depp, e não apenas teve sua história duvidada e questionada, como perdeu papéis no cinema por ter denunciado sua história de abuso; a cantora Rihanna, que sofreu violência doméstica pelas mãos de Chris Brown pouco antes da cerimônia do Grammy de 2009, viu o ex-namorado comemorar no Twitter que estava livre de punições.

Sabemos que nossa luta faz avanços quando essas histórias não são esquecidas, quando a vítima não é silenciada, quando a mulher é levada a sério em seu testemunho. Como diz Virginia Woolf: “Uma feminista é qualquer mulher que diz a verdade sobre sua vida”. Mas é preciso coragem tremenda para dizer essa verdade.

Nos últimos quatro anos, colecionamos vozes que corajosamente contaram suas histórias. Queremos continuar esse trabalho, pois sabemos que as mudanças são lentas, graduais e não-lineares; basta prestar atenção nos direitos que estão sendo cerceados e manipulados nos últimos dois anos, alguns deles que considerávamos já conquistados, como a reforma trabalhista que pode permitir que mulheres grávidas trabalhem em ambientes insalubres, a dificuldade de denunciar violência mesmo com a Lei da Maria da Penha, a resistência à legalização do aborto. É preciso reforçar, todos os dias, que o silenciamento dessas vozes representa a perda de dignidade e até mesmo a morte de muitas mulheres.

Queremos que os próximos anos sejam de ainda mais conquistas e pluralidade de vivências. Queremos ver a mulher que opta pelo aborto livre dos caminhos escusos da ilegalidade. Queremos mais empatia. E direitos verdadeiramente assegurados.

Nos ajude a continuar lutando. Participe da nossa campanha de financiamento coletivo na Benfeitoria e mantenha a luta da Think Olga acesa. Precisamos de vocês! #Olga4Anos

Compartilhar
emotional-work
, , ,

emotional-work
Há alguns meses, enfrentei uma depressão ao lidar com traumas e questões profundas da minha história. Quem já passou por isso sabe o quanto custa para uma pessoa deprimida ser obrigada a se relacionar. Mas ao que parece, para as mulheres, nos trancarmos no quarto, nos escondermos sob o travesseiro, não querer ser gentil, social e cordata o tempo todo não é uma opção bem aceita. Se somos o esteio emocional da família, como podemos falhar?

Minha família, assim como muitas outras, tem sempre uma mulher responsável pelo bem estar de todo mundo. É nela que recaem as responsabilidades de cuidar de idosos e crianças, de reunir a família em eventos especiais, de socorrer um irmão ou uma sobrinha, de ouvir queixas e desabafos de quem quer que esteja precisando. Ela cuida de todos, menos de si mesma. E isso consome tempo, energia e espaço mental e afetivo.

Eu, durante minha fase depressiva, não tinha forças para estar disponível, não conseguia ouvir os problemas alheios. Simplesmente não conseguia. Mas como isso é possível? Como eu não estaria ali para os que eu amo? Uma culpa enorme, uma sensação de débito emocional tomou conta de mim. E essa culpa – assim como o pressuposto que sempre devo estar disponível – tem uma grande relação com o machismo que está profundamente enraizado em nossa sociedade.

Em 1969, o psicólogo John Bowlby criou um conceito inovador para a comunidade psicanalítica: a “teoria do apego“, que descreve a relação entre mãe e filho, a interdependência de ambos e as expectativas e consequências dessa relação. Apesar de trazer algumas ideias polêmicas para a época, o termo vingou – e aos poucos, estimulou a conversa sobre a ideia de disponibilidade emocional em todas as relações afetivas, não apenas na maternidade.

Mas afinal, o que é estar emocionalmente disponível para o outro? É aí que mora o problema: ao que tudo indica, para a parcela masculina do mundo, significa apenas estar presente (ou não) em um relacionamento. Para a mulher, a disponibilidade emocional é obrigatória em todos os campos de sua vida. Desde a infância, somos estimuladas a sempre acolher, cuidar e ouvir. Somos a parte da população que “sabe abrir o coração”, que “tem talento para falar de sentimentos”. Em um estudo profundo sobre disponibilidade emocional, publicado em 2005 por Rebecca J. Erickson, todas essas tarefas estão atreladas não ao sexo, mas ao conceito de gênero feminino que se estende séculos a fio. Não somos “melhores” em emoções: somos educadas para acreditar que sim. A pior parte nisso tudo? Essas construções culturais e sociais são exploradas por outros.

Na trilha do estudo de Bowlby, a pesquisadora Arlie Russel Hochschild publicou, em 1983, o livro The Managed Heart, que mostra como esses sentimentos “femininos” são comercializados e prometidos por empresas. Um exemplo de Hochschild são as companhias aéreas, que estampam o sorriso das aeromoças em todas as suas campanhas. A simpatia e a solicitude da comissária de bordo são tão garantidas quanto o lanchinho durante o vôo.

Mas estamos falando sobre emoções humanas, que são complexas e, geralmente, exigem muito de nós. Segundo pesquisas, trabalhos que lidam com muita dedicação emocional – Hochschild identificou mais de 40 tipos – são mais exaustivos a longo prazo, mas isso raramente é notado pelos empregadores. No estudo Gênero, Emoções e Produção Cultural: Uma Análise da Autoajuda Brasileira, a mestre em Antropologia Social Talita Castro menciona Hochschild para explicar porque isso recai principalmente sobre as mulheres: “quanto maior o status social da pessoa, mais suas emoções são levadas em conta; em contraposição, quanto mais subordinada, mais ela é institucionalmente chamada a atuar sobre seus estados emocionais”.

Vale dizer que a expectativa da mulher profissional como boa ouvinte e sempre disponível emocionalmente se repete em todas as camadas da sociedade: espera-se que nós sejamos professoras mais gentis, líderes mais maleáveis – caso contrário, somos chamadas de “endurecidas” e acusadas de perder nossa feminilidade para alcançar o topo. Na política, a expectativa é que candidatas sejam mais bem humoradas e afáveis (além, é claro, de inteligentes e capazes) do que os homens. A lista de tarefas invisíveis da mulher parece interminável.  

Nos relacionamentos conjugais, essa exigência se repete: quem nunca passou a noite escutando o marido ou namorado reclamar do trabalho? Ou tentou contornar e conciliar brigas dele com a família? Administrou seus rompantes de raiva? Esta desigualdade também pode ocorrer em casais homoafetivos, é verdade, mas a disparidade de expectativas impostas a homens e mulheres nesse aspecto não pode ser ignorada. Segundo Hochschild, “[…] as esposas freqüentemente precisam de um grande empenho em termos de trabalho emocional para sustentar a ideologia e/ou o mito de que o relacionamento é, de fato, bom.” Ou seja, além de acolher, também nos cabe fazer a relação funcionar até os mínimos detalhes. Em um longo artigo do The Guardian sobre trabalho emocional e disponibilidade, a autora Rose Hackman menciona uma lista de afazeres exclusivos da mulher em um relacionamento heterossexual, que vai do planejamento do melhor momento para ter filhos até ser a referência de coisas perdidas pela casa.

Este desequilíbrio profundo também tem a ver como os homens são educados. São encorajados, desde cedo, a esconder seus sentimentos e muitas vezes represam angústia, raiva, dor e sofrimento para proteger sua “masculinidade”. Estudos já relacionaram esta incapacidade de lidar com emoções com violência, comportamentos obsessivos e compulsões, como por exemplo a objetificação feminina por meio da pornografia. Mas na vida familiar, a disponibilidade emocional do homem é mais do que um pressuposto para um relacionamento saudável: o estudo “Mais do que o provedor”, realizado na Universidade de Michigan, estabeleceu a relação entre a disponibilidade emocional paterna e o desenvolvimento de habilidades como a fala e a coordenação motora de bebês. Ou seja, essa tarefa é grande e importante demais para ser exclusiva da mãe, embora recaia ainda sobre nós.

A manipulação de emoções de forma desequilibrada – seja para se encaixar em um estereótipo ou perpetuá-lo – é prejudicial a todos, mas a uma parcela mais do que outra. Se queremos realmente entender o quanto essas cobranças fazem mal, é essencial fazer um recorte racial aqui: as mulheres negras são as maiores vítimas desse sistema.

Em nossa sociedade racista, onde a população negra é invisibilizada, explorada e solitária, é muito conveniente perpetuar o mito da “mulher negra forte”, como diz Meri Danquah: “Supõe-se que as mulheres negras sejam fortes – amparadoras, nutridoras, que curam outras pessoas […]. Supõe-se que a dureza emocional que é construída na estrutura de nossas vidas esteja ligada ao fato de eu ser ao mesmo tempo negra e mulher”.

No subtexto sinistro dessas expressões, está a convicção de que a mulher negra deve ter ainda mais disponibilidade emocional, uma vez que, oprimida de todas as formas possíveis, não deve fraquejar ou abalar-se, sem direito à tristeza ou ao recolhimento. Tamara Beauboeuf-Lafontant faz uma avaliação precisa dos malefícios da perpetuação desse estereótipo: “o conceito de força associado à mulher negra esconde aquilo que acredito que seja sua verdadeira função: defender e manter uma ordem social estratificada ao ocultar as experiências de sofrimento, os atos desesperados e a raiva da mulher negra”. Negar-se a ser a “mulher negra forte”, permitir-se sentir e fraquejar, é um ato de resistência.

No texto “Nós negros não morremos só de tiros: tenho depressão” de Stephanie Ribeiro para a Afronta, ela resiste. “Ser forte não é bom para mim enquanto mulher negra. Pois ser forte é negar minha humanidade. Essa cobrança da mulher negra que não sente e lida bem com tudo é resquício da ideia que somos mais objeto do que gente. Existem dores na minha alma que me fazem querer chorar e ficar só. E sobre isso, é bem mais complexo falar, mas preciso me permitir apenas ‘Sentir’”.  

Doar-se – e ainda mais de forma obrigatória, diária, como forma de opressão e não de expressão afetiva – é exaustivo. Não é à toa que estamos esgotadas, como essa tirinha da quadrinista francesa Emma exemplifica muito bem. A exigência de trabalho emocional tão grande – seja no emprego, na vida familiar ou até mesmo nas amizades – nos sufoca, quando deveríamos ser dedicadas, de forma espontânea, apenas àqueles que queremos bem. A disponibilidade emocional deve ser tudo, menos tóxica.

A acadêmica portuguesa Sofia Pracana, da Universidade de Lisboa, tem uma definição bonita do termo: “estar emocionalmente disponível é a capacidade de me ligar a alguém de forma autêntica, intuitiva e dedicada. É abraçar, entendendo e aceitando a pessoa como ela é ou conforme está, e deixando-a ir e vir nos seus movimentos de vida”. A recíproca precisa ser verdadeira: a disponibilidade emocional só deve funcionar como uma via de mão dupla.

O feminismo assume, há décadas, a tarefa de quebrar estereótipos sobre a mulher. Há quem diga que a próxima grande revolução feminista terá como objetivo nos desvincular, de uma vez por todas, da obrigatoriedade de estar sempre disponível. Não entenda mal: somos fazedoras de laços e isso, para muitas, é prazeroso. Mas não podemos cair na armadilha de aceitar que isso é nossa obrigação – e apenas nossa. Todos perdem com isso.

Precisamos, urgentemente, ter um tempo de recolhimento. Precisamos ter o direito de, às vezes, simplesmente não estar ali.

Maíra Liguori é diretora da ONG Think Olga e criadora do projeto Olga Esporte Clube. 

Arte: Chloe Cushman para o The Guardian

Compartilhar
IMG_1860
, ,

IMG_1860

Quando falamos sobre a presença feminina no esporte como um ato revolucionário, seja aqui na Think Olga ou na Olga Esporte Clube, estamos jogando luz nos inúmeros obstáculos que a mulher encara até ocupar seu lugar na quadra. Muitas vezes, são desafios que digerimos de forma mais solitária: vergonha do corpo, insegurança com as próprias habilidades, falta de hábito. Mas e quando a prática esportiva é impedida pela violência externalizada, em grupo?

Na última semana, jogadoras de basquete amador foram hostilizadas, assediadas e ameaçadas pelo simples fato de quererem dividir o espaço público: uma quadra na Praça Rotary, no centro de São Paulo. Essas agressões não são novas: há meses, o grupo procura por um local de onde não fossem expulsas por outros times masculinos ou que tenha infraestrutura adequada. O conflito na praça, contudo, ganhou maiores proporções, uma vez que os jogadores pareciam ter entrado em um acordo com as basqueteiras – para ignorarem na semana seguinte, reagindo agressivamente à chegada delas. Um grupo de homens adultos impedindo que mulheres usassem a quadra por apenas um dia por semana não é uma agressão aleatória: é mais uma das numerosas provas que a presença das mulheres é sistematicamente negada nos esportes. Como apontou Joana Mendes, uma das integrantes do time, “a gente tem várias demandas que não são atendidas. Coisas muito básicas, como tênis feminino para jogar basquete. As marcas falam que não tem procura ”.

Em resposta à ofensa, o time das basqueteiras organizou um encontrão entre grupos de esportes femininos para que ocupassem o campo na noite da última segunda-feira. O evento #OccupyRotary reuniu dezenas de mulheres que só queriam jogar. O encontro chegou aos ouvidos, inclusive, de Magic Paula, uma das maiores jogadoras de basquete do Brasil. Somente com a persistência de Paula e daquele grande grupo de mulheres, os agressores, mesmo com uma desvantagem considerável em número, foram embora, não sem hostilidade e resistência.

No fim da noite, a sensação era de conquista e vitória – o que engajou ainda mais os times em quadra, rendendo disputas incríveis. Mas como garantir a segurança das esportistas em dias comuns, sem um grupo grande e pronto para fazer barulho? Em nossa pesquisa na Olga Esporte Clube, descobrimos de 57% das entrevistadas não fazem exercícios em lugares públicos por medo da violência (http://bit.ly/pesquisa-OEC).

Se, para as mulheres, praticar esporte em espaços públicos é um risco, esta é uma questão  governamental. Daniela Castro, Secretária Adjunta da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer, esteve no #OccupyRotary e entende que a organização entre os grupos para o uso do espaço é um exercício de cidadania. Isso não quer dizer que seja fácil, mas existem algumas ferramentas disponíveis. Espaços abertos de lazer geralmente possuem canais de contato, desde a Secretaria até coordenadores individuais de parques e clubes. Daniela orienta que se busque essas fontes no minuto que a agressão ocorrer, mas também reforça a importância de chegar a um acordo de forma pacífica. E, é claro, também incentiva o “chamamento coletivo”: a ideia de que é possível, sim, pressionar e fincar pé com grupos de mulheres.

Não vamos voltar atrás. Afinal, como disse Roberta Magalhães, do Rachão Basquete Feminino, na noite de #OccupyRotary: “Se a gente quisesse ocupar a quadra o dia inteiro, a gente também poderia. A gente tá acostumada a receber o mínimo do mínimo do mínimo… Chega. Não concordamos mais com isso”.

Compartilhar
dudu2

O assediador Biel não existe mais. Na verdade, ele nunca existiu. É o que garante Gah, como agora ele quer ser chamado. Ciente de que não conseguiria se desprender das acusações para seguir sua carreira, o cantor reaparece apontando que tudo, desde a agressão até o pedido de desculpas, foram feitos sob influência de um personagem.

Longe de ser convincente, um vídeo lançado por Biel para apresentar sua nova fase é uma tentativa desesperada de anular o passado ou fugir de suas responsabilidades. Mas falhou nessa missão, pois mostra para o público que o personagem inventado é, na verdade, Gah, que não só não está constrangido ou arrependido pelos seus atos no passado, como também os defende. A verdade é que nada apaga a #ViolênciaEmDobro sofrida pela jornalista Giulia Bressani, primeiro no momento do assédio por parte de Biel e depois por meio de todo tipo de retaliação sofrida, incluindo sua demissão do portal IG, quando fez a acusação e exigiu respeito no ambiente de trabalho. E toda a punição, jurídica ou de mídia, que o agressor veio recebendo desde então merece ser destacada, em um mundo em que homens se livram facilmente de acusações quando são famosos.

Mas, ainda que nos esforcemos para acreditar que qualquer personagem um dia tenha sido exigido de Biel em nome do sucesso, o questionamento principal a ser feito em um momento de redenção e evolução pessoal deveria ser: por que esta persona criada é um homem assediador e agressivo?

O currículo do ator José Mayer, veterano das novelas da Rede Globo, está repleto de personagens que demonstram um ciclo vicioso, de uma cultura que normaliza agressores, mostrando-os como “cafajestes” ou “mulherengos”, e vê o assédio como algo da natureza masculina. Não é a toa que ele acreditou que poderia sair ileso de uma acusação de assédio com a mesma desculpa do “personagem” e acabou demonstrando como funciona o gaslight na prática. Em sua primeira declaração sobre o depoimento da figurinista Su Tonani, denunciando o assédio nos bastidores da Rede Globo, Mayer alegou que a vítima estava fazendo confusão com seu personagem Tião, na época no ar na novela “A Lei do Amor”. Depois da péssima repercussão do caso, o ator, agora afastado de atividades na emissora, foi forçado a assumir o ato e pedir desculpas formalmente.

Este ideal de masculinidade ajudou a impulsionar a carreira de Mayer nos anos 80 e a de Biel atualmente, mas também foi responsável por manchar a imagem de ambos os artistas. A ideia de atribuir o assédio a um personagem, como uma tentativa de reparar os próprios danos, pode não ter funcionado para melhorar as imagens de Biel e Mayer – mas está funcionando para construir a de Dudu Camargo.

Se hoje o jornalista e apresentador de 19 anos está sendo disputado por emissoras, a ponto de ter propostas para apresentar seu próprio programa de auditório, é por causa da proteção que o dono do SBT, Sílvio Santos, tem dado a ele. Dudu foi incentivado a assediar a atriz e apresentadora Maísa durante um dos programas do Dono do Baú. Com a justificativa de que deveria haver um romance entre os dois, Sílvio Santos transmitiu o #PrimeiroAssédio de uma menina de 15 anos em rede nacional.

dudu2

Maísa tem sido forte e resistente diante da insistência da mídia em reviver a briga que teve com Dudu nas gravações e nos bastidores do SBT, mesmo sem o apoio da emissora, para a qual trabalha desde a infância. Enquanto a imprensa divulga rumores sobre o fim da carreira de Maísa, o portal Comunique-se, especializado em comunicação e jornalismo, analisa o futuro de Dudu e o aconselha, para que ele aproveite seu potencial de apresentador, a não se “perder no personagem que ele mesmo está criando”. E aparentemente, o problema não estaria na misoginia desse suposto personagem, mas sim no “humor” dele, para que este fator não fique no caminho de notícias sérias.

Com uma persona que assedia sendo construída já no início de sua carreira, Dudu teria ainda mais facilidade de culpar um personagem por este ou mais atos agressivos que podem vir a acontecer, se nada for feito sobre isso imediatamente. Passar a ouvir a vítima ao invés de dar voz para justificativas como as de Biel, Mayer ou da mídia sobre Dudu, é um passo importante.

A atriz Maria Schneider nunca teve voz nos bastidores de Último Tango em Paris, tampouco foi levada a sério em um das suas últimas entrevistas, quando acusou o ator Marlon Brando, com quem contracenou no filme, e o diretor Bernardo Bertolucci de estupro por causa da cena conhecida como “cena da manteiga”. Somente em 2013, quando o diretor assumiu o crime, dizendo que havia combinado a cena com Brando sem avisar Maria, o caso tomou a atenção que merecia. Porém, nada aconteceu com Bertolucci, que buscou justificar o crime dizendo que o cometeu em nome da arte, pois queria ter a reação de Maria como mulher e não como atriz.

O que os homens da vida real querem provar ao falar de seus personagens machistas, vai muito além de suas próprias condutas. Estes argumentos podem colocar as mulheres que os denunciam como loucas e assim continua os livrando de punição. Mas, embora tentem, eles nunca vão anular o fato que o assédio ou agressão sofridos são reais e existe punição.

Para continuarmos lutando contra assédio e violência de gênero, participe da nossa campanha de financiamento coletivo recorrente na Benfeitoria e ganhe recompensas! Saiba mais: bit.ly/OLGA-na-benfeitoria.

Compartilhar
,

Aqui na Olga, apesar de entendermos o quanto a construção da masculinidade está intimamente relacionada à desigualdade de gênero que nos afeta, a gente não costuma falar sobre homens. Mas, nesses 30 Dias por Rafael Braga, e diante de tantas injustiças que têm nos impactado recentemente, é difícil não refletir sobre a quem serve a justiça no Brasil e no mundo – e como raça, gênero e classe fazem parte dessa conversa. Ao relacionar a anulação do julgamento do estuprador em série Bill Cosby e a absolvição de Jeronimo Yanes, policial que covardemente assassinou o homem negro Philando Castile diante de sua namorada e da filha dela, o site Fusion trouxe uma afirmação que ressoou forte em nossos corações: “O sistema não está quebrado. Está funcionando exatamente como planejado”.

Existe uma dissonância fatal entre ideia que temos de justiça e como ela funciona na prática. Talvez o nome gere a confusão. Afinal, por justiça, de grosso modo, entendemos a distribuição adequada de responsabilidades, compensações e penalidades entre os indivíduos envolvidos em determinada situação. Na prática, esse equilíbrio é corrompido a favor de grupos historicamente favorecidos – a saber, homens brancos – ainda que homens negros por vezes ainda recebam algum privilégio de gênero quando este fator está envolvido, como nos casos de Bill Cosby e do diretor de cinema Nate Parker, acusado de estupro e também inocentado.

Apesar de tudo, nada disso é surpresa quando pensamos que essa injustiça encontra espelho nas indignações seletivas, que refletem a profundidade das diferenças estabelecidas entre grupos dominantes e minorizados. É o caso da comoção em torno da morte do estudante Otto Warmbier, preso na Coréia do Norte por roubar uma placa em um hotel do país e condenado a 15 anos de trabalhos forçados. Ele voltou aos EUA em coma e faleceu dias depois. O governo da Coréia afirma que ele foi acometido por botulismo, mas a família rejeita a versão. De toda forma, o caso revoltou americanos e o presidente Trump chegou a insinuar intenções de guerra contra o país, que também possui armas nucleares.

Ainda que não se esvazie a barbaridade da morte de Otto, certamente o fato de ele ser branco e de família influente tem um papel na comoção em torno do caso. É como se apenas com a morte de um jovem branco a opinião pública tenha encontrado motivos para se revoltar contra o regime totalitário que vitimiza o povo norte-coreano há décadas, quando o próprio fato de visitar o país é uma forma de apoiar o governo – afinal, a viagem ajuda a financiar e legitimar a barbárie. Em 2015, o filme A Entrevista, estrelado por Seth Rogen e James Franco, repleto de piadas racistas, fazia troça do país, apesar do clamor e críticas de ativistas asiáticos sobre a gravidade de transformar uma sangrenta ditadura em motivo de risada. Enquanto só padeciam asiáticos, tudo bem fazer piadas e tentar roubar “souvenirs” do regime de Kim Jong-un. Mas, quando esse mesmo regime mata um menino branco, só então eles foram longe demais?

Um silêncio ensurdecedor e uma perigosa relativização se manifestam também quando pensamos em nomes como Claudia Silva Ferreira, Sandra Bland, Rafael Braga, Philando Castile, Kalief Browder, Jandira Magdalena, Charleena Lyles e de tantas outras vítimas de estados que, para quem difere em cor de pele, gênero, orientação sexual ou classe, são tão ou mais cruéis que a Coréia do Norte, mas que se escondem sob um véu democrático que aplaca críticas e dissidências.

O que vivemos hoje, em termos de disseminação de informação, não tem precedentes na história e, apesar de muitas conquistas, estamos apenas começando a descobrir o alcance do nosso poder. Dizer os nomes dessas pessoas, preservar suas memórias, suas verdades e suas histórias deve ser o nosso compromisso. Se olharmos para os dados, para os números, para o sistema, a desesperança toma conta. Mas, se olharmos uns para e pelos outros, nos enchemos da certeza de que as nossas vozes têm poder e, juntas, não podem ser ignoradas.

Foto: New York Magazine, para reportagem especial com 35 mulheres denunciando Bill Cosby.

Compartilhar
eleonor2
, , ,

Por mais absurdo que possa parecer, tem se tornado cada vez mais comum ter homens ocupando espaço de mulheres em premiações segmentadas. A nomeação de Bono Vox, vocalista da banda U2, no topo da lista de Mulheres do Ano 2016 da revista Glamour americana é um grande exemplo disso.

Mas homens já não ganham muitos prêmios? A revista disse não concordar: “Essa mentalidade começou a ficar defasada. Existem tantos homens fazendo coisas maravilhosas pelas mulheres hoje em dia”.

Para nós, ao invés de justificar, esta declaração só gerou mais questionamentos:

– Se hoje homens estão colaborando para a igualdade de gêneros, será que não devemos agradecer às mulheres que iniciaram e mantém essa luta?
– Será que, nessa posição de privilégio, Bono Vox e os “outros homens” não estão fazendo mais do que sua obrigação, ao colaborar com (e não protagonizar) as lutas das mulheres?
– Chegamos no mesmo patamar de oportunidades que os homens, a ponto de não mais precisarmos de premiações segmentadas?

Sabemos as respostas para todas essas perguntas e é por isso que, em 2013, iniciamos a lista de Mulheres Inspiradoras da Think Olga, onde não buscamos premiar, tampouco classificar as nomeadas, mas sim usar nosso espaço para exaltar trabalhos protagonizados e desenvolvidos por mulheres, como forma de combater a falta de reconhecimento.

E, acompanhando tantas mulheres inspiradoras em suas jornadas, podemos dizer que, ainda hoje, cada nova conquista merece méritos. Entre estes feitos, está o de tornar o feminismo e a luta por direitos iguais tão populares a ponto de engajar também os homens na causa.

Se os homens têm encontrado maneiras de ocupar listas segmentadas, pode-se imaginar a discrepância em prêmios mistos. Em uma das maiores honrarias da humanidade, o Prêmio Nobel, 97% dos vencedores na categoria de ciências são homens, uma área onde a participação feminina vem crescendo, mas ainda não o suficiente para mudar este quadro de representatividade.

Já na categoria Literatura, somente 14 mulheres foram agraciadas com o prêmio  em 116 anos. No ano passado, a academia escolheu Bob Dylan, o primeiro músico nomeado para Literatura em 103 anos, e foi questionada quanto às voltas dadas para premiar homens quando há tantas mulheres na mesma área buscando visibilidade. No fim das contas, uma mulher, a cantora e compositora Patti Smith, foi quem recebeu a honraria em nome de Bob Dylan, que não estava presente na cerimônia de entrega.  

Um refresco de diversidade aparece  na categoria Paz, a que mais cresce em nomeações femininas. E, em 2017, temos a chance de ter uma representante brasileira entre os indicados e, melhor ainda, pautar a importância da luta feminista, com Maria da Penha e seu trabalho em prol dos direitos e proteção das mulheres vítimas de violência: http://bit.ly/2qk4QMR.

Contudo, quando se traz um recorte social para a questão do reconhecimento, nota-se que ainda estamos longe da equiparação. Enquanto, para Bono Vox, ser o primeiro homem do ano da Revista Glamour foi um ato tido como histórico, Viola Davis de fato fez história ao tornar-se a primeira mulher negra a ganhar o Emmy de melhor atriz em série dramática na história da premiação em 2015, demonstrando que mesmo em uma categoria segmentada, as oportunidades não são as mesmas, como ela disse em seu discurso: “A única coisa que separa as mulheres negras de qualquer outra pessoa é oportunidade. Você não pode ganhar um Emmy por papéis que simplesmente não existem”  

Quando o assunto é música, as oportunidades que são dadas na maior premiação do mundo, o Grammy, não passam de categorização e limitação de artistas negras a estereótipos. No ano passado, Beyoncé levou “Melhor Álbum Urbano” pelo trabalho musical e audiovisual sobre identidade e ancestralidade negra que é “Lemonade”. Já a maior categoria da noite, “Álbum do Ano”, ficou para a britânica Adele que disse, em seu discurso, ter sido injusto não competir com Beyoncé, dedicando o prêmio a ela.

E até em listas menos prestigiadas, como a “O que é sexy” da marca de lingerie Victoria’s Secret, não pensa em mulheres negras. Em 2017, a marca falhou na oportunidade de redefinir padrões de beleza, nomeando somente Vanessa Hudgens, Priyanka Chopra e Jamie Chung como não-brancas.

Por isso, iniciativas como o Troféu Raça Negra ou ainda a lista de #25WebNegras do site Blogueiras Negras, que destaca mulheres negras que usam a internet para terem suas vozes ouvidas em diversas áreas, ainda são tão necessárias.  

A Victoria’s Secret ainda demonstrou como não falar de “diversidade de gênero” ao nomear, nesta lista só de mulheres, um homem cisgênero, James Corden, como apresentador de TV mais sexy. Não há mulheres ou homens transgêneros em nenhuma outra categoria. E, em resposta às críticas, a marca se manteve confiante ao dizer: “Isto é o que significa sexy para nós”.

Já na atualização que a MTV americana deu para a antiga premiação MTV Movie Awards, transformando-a em “MTV Movie & TV Awards” contou com mais inovação do que somente a inclusão de entretenimento de televisão e streaming para os nomeados. Nesta nova versão, as categorias de atuação não são separadas por gênero (https://glo.bo/2pQdAqM) e de primeira, duas garotas levaram o prêmio em formato de balde de pipoca para casa: Emma Watson, pela performance em A Bela e a Fera, desbancou os favoritos James McAvoy e Hugh Jackman na categoria “Atuação em Filmes”. E Millie Bobby Brown, a Eleven da série Stranger Things, de apenas 13 anos, venceu na categoria “Atuação em uma série de televisão”, atores consagrados em Game of Thrones e The Walking Dead.

Já vivemos em uma sociedade fomentada pelo trabalho de mulheres tanto quanto os trabalhos  de homens. Contudo, nem todos podem enxergar isso com clareza, já que o que as revistas e premiações destacam nem sempre representam de fato a pluralidade de nossa sociedade. Por isso, para que possamos um dia ver mais mulheres nomeadas, precisamos passar por listas segmentadas que lhes dêem destaque e não que colaborem para o apagamento de seus nomes.

Nos sentimos honradas por estarmos entre as finalistas do Troféu Mulher IMPRENSA, na categoria Projeto Jornalístico, pois sabemos que estamos ao lado de mulheres inspiradoras de nossa área e em um ambiente que as reconhece.

A verdade é que a sociedade e os mercados devem muito às mulheres, por isso não vemos porque deixar de celebrar suas conquistas mesmo em um, ainda utópico, mundo igualitário. Afinal, esse mundo igualitário só será possível por conta delas.

Arte: Eleanor Shakespeare.

Compartilhar
Only-Black-Person-Bold-Italic
, , ,

Em um debate sobre representatividade negra e racismo na mídia, uma pessoa na plateia questionou às presentes: “Como fazer uma comunicação justa e inclusiva para mulheres negras?”

Embora eu estivesse mediando a conversa, sussurrei para minha colega que ela cuidasse do assunto, pois era delicado para mim. Como jornalista, descobri a resposta para esta pergunta já na faculdade e acreditei que poderia colocá-la em prática no mercado de trabalho. Mas logo me deparei com uma realidade de oportunidades negadas pelo racismo institucional, responsável por moldar e disseminar estereótipos de pessoas negras e não suas histórias. Precisei enfrentar muitas barreiras até me encontrar no jornalismo independente.

Logo, a pergunta me trouxe, imediatamente, lembranças e sentimentos, entre eles de raiva e impotência. Minha primeira reação foi me proteger. Porém, nem sempre um assunto que consideramos um gatilho faz somente enfraquecer. Naquele momento, me veio exatamente o contrário e, pela primeira vez em muito tempo, tive coragem de enfrentar colegas de profissão e responder: “Chame mulheres negras para falar. Abra espaço para elas escreverem, contarem suas histórias, falarem sobre si mesmas”.

Parece uma solução tão simples, mas na prática, é dizer, na cara de editoras e jornalistas, que eles são racistas em suas produções de conteúdo, que, muitas vezes, pautam questões raciais em função de uma cobrança da militâncias mas não o fazem de maneira correta. Isso acontece pois não ouvem tais cobranças, já que continuam sem dar oportunidades para que pessoas negras façam parte das redações.

Como a personagem Samantha White, da série Cara Gente Branca (Dear White People), disponível na Netflix, sempre diz e repete para seus colegas brancos: o medo, a revolta e a resistência negra ainda existem por causa dos efeitos da escravidão.

Como já apontei, esta série é para e sobre pessoas negras e as diversas questões e vivências em torno delas. Porém, Cara Gente Branca continua fazendo jus ao título, quando coloca uma mulher negra, Sam White, para falar sobre racismo estrutural diretamente para pessoas brancas. Para isso, ela usa um veículo de comunicação independente em seu campus universitário e enfrenta as confrontações com relação ao suposto “racismo reverso”. Basicamente, ela faz o que precisei reunir coragem para fazer somente uma vez, naquela mesa de debate, só que em alto e bom som em um programa de rádio periódico.

No fim das contas, a série acaba sendo sobre a importância de se reconhecer privilégios, até mesmo para pessoas brancas que se dizem “acordadas” para a existência do racismo. Uma mensagem importante é a de que amar uma pessoa negra ou se juntar à militância não livra alguém de ser racista.

Claro que ninguém quer ter este título, receber esta acusação. Não só no contexto americano que a série traz. No Brasil, 90% dos brasileiros admitem que existe preconceito de cor, mas 96% dos entrevistados se identificaram como não racistas, segundo uma pesquisa histórica do Datafolha, de 1995.

No dia da Abolição da Escravatura no país, não é estranho perceber que esta resistência a admitir a profundidade do racismo no Brasil ainda existe? Mesmo  que a conversa sobre racismo esteja sendo expandida, ainda encontramos estereótipos nocivos, a ponto de ser necessária a criação de uma parte do nosso Minimanual de Jornalismo Humanizado dedicada a apontar práticas ruins e fornecer maneiras  honestas de como contar as histórias de pessoas negras e ainda a criação do projeto Entreviste um Negro, pela jornalista Helaine Martins. 

minimanual_parte31-pdf-microsoft-edge

Se ser racista é tão pesado e negativo, o que estamos fazendo para mudar isso? Melhor: o que as pessoas brancas estão fazendo para mudar isso?

Ainda paira sobre a sociedade, principalmente no Brasil, uma ideia de que preconceito de raça só acontece quando é vociferando, gritado ou caracterizado por agressões físicas, como em tempos de escravidão, apagando o fato de que somente a abolição não foi suficiente para igualar as raças.

Logo, é muito fácil se agarrar nisso para relativizar agressões que parecem pequenas, mas que são dolorosas. Em outras palavras, ainda vivemos em um mundo em que as pessoas brancas julgam o que é racismo e se mascaram para não parecerem racistas.

A Cara Gente Branca a qual a série se refere é um grupo que precisa parar de ver um apontamento de racismo como algo pessoal e aprender a ouvir quem aponta. E agora eu também me refiro a esta Cara Gente Branca, mais especificamente meus colegas de profissão, pois minha coragem não pode ficar naquela situação isolada da mesa de debates e espero ser ouvida.

A mídia e a comunicação são grandes responsáveis por propagar ideais que geram violência e segregação. Logo, está em nossas mãos, como comunicólogos, não deixar que os esforços de pessoas negras para superar gatilhos e falar sobre suas angústias sejam em vão. Retribuam com respeito e espaço de fala.

Ficar na defensiva ou buscar uma redenção por ter sido chamado de racista não resolve um problema tão grande. Mas assumir o erro e aprender com ele, sim.

Karoline Gomes é produtora de conteúdo e assistente de comunidades da ONG Think Olga.

Arte: Akilah Richards

Compartilhar
il_570xN.1072842595_atd4
, ,

il_570xN.1072842595_atd4

Um estudo divulgado em março deste ano trouxe surpresa na comunidade científica: segundo a Elsevier, o Brasil, ao lado de Portugal, é o país líder em igualdade de gênero no ambiente das pesquisas. Sob o recorte do relatório, mulheres publicam artigos praticamente tanto quanto homens e representam 49% dos profissionais de pesquisa no Brasil. Esta é uma entre algumas notícias animadoras sobre as mulheres cientistas brasileiras; também sabemos que Celina Turchi, uma das responsáveis pela comprovação da relação entre zika e microcefalia, foi indicada pela Nature como uma das 10 cientistas mais importantes de 2016 (entre homens e mulheres); também podemos falar sobre Nadia Ayad, engenheira negra que venceu um desafio científico mundial por conta de suas pesquisas sobre a utilização do grafeno, um material à base de carbono.

Isso quer dizer que a comunidade científica é um lugar seguro e perfeito para as mulheres? Que todos os desafios foram conquistados e todas nós seremos recebidas de braços abertos em todos os laboratórios e salas de aulas que desejarmos entrar? Infelizmente, não. E ainda estamos bastante longe dessa realidade.

Por mais que os números sejam animadores, eles representam apenas um pequeno recorte do que é ser uma mulher na ciência. O estudo também revela grande disparidade da presença de mulheres em certas áreas do conhecimento – muitas delas exclusivamente “masculinas”, como as engenharias – e não contempla a cultura de publicação de artigos científicos no Brasil – nas ciências exatas, em especial, é exigido que pesquisadores e pesquisadoras publiquem muito para permanecerem relevantes no mercado. Além disso, a pesquisa não contempla em profundidade as questões de gênero e as microagressões diárias que mulheres na ciência, em todo lugar do mundo, enfrentam diariamente.

A verdade é que é duro ser mulher no espaço científico. Vera Rubin, uma das astrônomas mais importantes do século passado, responsável pela descoberta da existência da matéria escura, foi zombada pelos seus colegas e desestimulada a estudar física. Ada Lovelace, que pode tranqüilamente ser considerada a primeira programadora de computadores do mundo, volta e meia tem suas descobertas questionadas e atribuídas a seu colega de trabalho, Charles Babbage. Marie Curie, talvez a cientista mais famosa do mundo, ganhadora de dois prêmios Nobel em áreas diferentes, era proibida de entrar na universidade na Polônia, seu país de origem, simplesmente por ser mulher. No Brasil, o direito da mulher a entrar na universidade tem 120 anos. Isso sem falar que a história da ciência está polvilhada de casos de mulheres que, para serem aceitas no ambiente científico, assinavam seus trabalhos com nomes masculinos – e outros tantos casos de homens que simplesmente roubaram descobertas de grandes inventoras e pesquisadoras.

Há quem possa argumentar que os tempos mudaram. Nem tanto. O site Speak Your Story encoraja mulheres das áreas de exatas a denunciarem casos de assédio, abuso e até violência sexual no ambiente de trabalho. Universidades renomadas no mundo todo possuem centros de pesquisa que visam aumentar a representatividade nas áreas científicas, que ainda surgem como ambientes hostis para muitas mulheres. Infelizmente, o mesmo ambiente onde o trabalho de pesquisadoras é encorajado pode ser palco para dor e muito silêncio, já que muitas cientistas preferem ocultar seus casos de agressão para evitar conflitos com orientadores e outros alunos e colocar toda a carreira a perder. Vale dizer que as universidades brasileiras fazem de tudo para ocultar esses casos, inclusive encorajar esse medo do futuro acadêmico.

Não podemos acreditar que o Brasil seja perfeitamente igualitário no campo da ciência quando questões  de gênero tão urgentes são silenciadas no ambiente acadêmico.

Para auxiliar no debate desse tema tão importante – e por vezes esquecido, silenciado e fora do escopo de debate do mundo acadêmico -, estaremos mediando uma mesa com três cientistas brasileiras no lançamento do livro “As Cientistas”, de Rachel Ignotofsky, que traz a história de 50 cientistas mulheres que mudaram o mundo com sua genialidade. O evento acontece no dia 06 de maio, próximo sábado, a partir das 16h, no Shopping Pátio Paulista, em São Paulo. Para mais informações, visite a página do evento!

Arte: Katherine Johnson por Rachel Ignotofsky para o livro As Cientistas.

Compartilhar
jornalismo-modelo-conceito_23-2147499543

jornalismo-modelo-conceito_23-2147499543

“Manual do politicamente correto”. Este comentário chegou até nós em resposta ao nosso Minimanual de Jornalismo Humanizado e, apesar do tom negativo, quase como uma acusação, ele nos ajudou. Ajudou a reafirmar a nossa missão com esse projeto e a necessidade dele. Como podemos nos opor ao termo “politicamente correto”, quando não se refere a  nada mais do que a algo… Correto!?

Respondemos prontamente que, se trabalhar por uma comunicação que seja justa e respeitosa para grupos minorizados socialmente é ser “politicamente correto” não queremos ser incorretas. Principalmente quando a ideia do tal politicamente incorreto vem disfarçada de uma falsa liberdade de imprensa.  

E, neste Dia da Liberdade de Imprensa, questionamos: liberdade de que imprensa? Para que público?

Hoje encontramos muitos veículos – a Olga inclusa – que buscam a representatividade, profundidade e, principalmente, pluralidade de uma sociedade representada nas notícias. Mas este trabalho independente não isenta os jornalistas de buscarem pelas mesmas mudanças em suas redações. Na verdade, esta visão independente, longe de ser uma concorrência para grandes empresas de comunicação, é o que está pautando a grande mídia e acordando seu público.

As revistas voltadas para adolescentes não mais publicam perfis de garotas “para casar” ou “para pegar” sem serem questionadas quanto a essa visão machista sobre a conduta da mulher, uma faísca para repensar se esse tipo de questionamento é realmente uma  pauta, pra começo de conversa. As revistas de moda não mais são bem vistas por falar de novas tendências sem ter mulheres diversas vestindo-as. Os jornais mais tradicionais não mais falam sobre violência de gênero sem acender debates nas caixas de comentários. E todas estas mudanças, para diferentes veículos, significa o mesmo: mais do que nunca, é preciso assumir a responsabilidade de informar de maneira imparcial e respeitosa.

Por isso o Minimanual de Jornalismo Humanizado traz maus exemplos da prática jornalística, derrubando a antiética que vem com a máscara do “politicamente incorreto” para mostrar as maneiras corretas de se falar sobre gênero, pessoas com deficiência e racismo.  

Estamos conscientes do quão longe o Minimanual ainda precisa ir para evitar manchetes e reportagens que diminuem mulheres e as violências que sofreram, como “Espancada ao reagir a cantada morre após quatro meses de internação”, publicada pelo G1 ao falar de Michelle Ferreira Ventura, no ano passado. Ou ainda, “Mulher arrastada pela polícia morre no Rio de Janeiro”, como muitos veículos se referiram a Cláudia Silva Ferreira em 2014.

Sabemos também o quanto a atenção da mídia (ou a falta dela) para pautas de grupos minorizados diminui o conhecimento da população sobre estes grupos. Um dos maiores exemplos disso foi o episódio em que o prefeito de São Paulo virou manchete ao dizer que doaria seu primeiro salário para “crianças defeituosas”, provando a utilidade do Minimanual até para quem não é comunicólogo.

Mas também presenciamos debate e mudanças efetivas que acontecem a partir dos conhecimentos que compartilhamentos por meio dessa ferramenta.

No ano passado, um editor da Folha de S.Paulo alterou o conteúdo de uma matéria que trazia MC Biel se pronunciando sobre o episódio de assédio a jornalista Giulia Bressani, repórter do portal IG na época. Foram inseridas aspas da jornalista e, consequentemente, um novo ponto de vista, narrando o que ela e a editora que a defendeu sofreram (ambas foram demitidas pouco mais de um mês depois da denúncia). A matéria também cresceu ao falar sobre resistência, citando o movimento Jornalistas contra o assédio, que surgiu por conta este caso.

Entre outros trabalhos, este combate contra o incorreto na mídia por meio do Minimanual nos fez finalistas do Prêmio Mulher IMPRENSA, na categoria Projeto Jornalístico.

Para nós, as conquistas e as decepções são grandes sinais da importância de apontarmos as falhas que encontramos. De não nos calarmos diante da grandeza da tão falada mídia de massa. Por meio de uma comunicação mais justa e humanizada, educamos para construir um mundo mais justo.

Compartilhar