,

Não toleramos assédio: a punição é possível e está acontecendo

Por meio das campanhas Chega de Fiu Fiu, #MandaPrints e #PrimeiroAssedio, temos acompanhado uma evolução na discussão sobre assédio no Brasil. Seja compartilhando experiências pessoais ou em manifestos coletivos, as mulheres têm vencido o medo da culpabilização e deixando claro que cantada não é elogio, mas sim uma violência. Em mais um passo importante no combate ao assédio, a conversa começa a sair das redes sociais para chegar à justiça.

Sabemos que, para isso, é preciso combater um sistema ainda movido pela cultura do estupro – no Brasil, 40% da população acredita que mulheres precisam se dar o respeito para não serem estupradas, de acordo com o Datafolha. Contudo, alguns casos demonstram que a punição para assediadores é possível e tem acontecido.

Depois da injusta demissão da repórter do Portal iG que denunciou assédio por parte do cantor Biel, presenciamos a punição pelo ocorrido sendo direcionada ao único culpado: o agressor. Além de perder contratos para shows, campanhas e também espaço na mídia, ele foi condenado a pagar uma multa de R$ 4.400, estabelecida pelo Ministério Público para encerrar o processo. A quantia será doada para uma instituição de caridade.

Além de servir como exemplo para que estas violências não se repitam, as punições podem ajudar a manter as vítimas seguras, longe de seus agressores. Pensando nisso, a Universidade Estadual da Bahia (UNEB), afastou o professor de sociologia Alex Macedo por dois meses, enquanto as denúncias de assédio sexual de alunas do campus Eunápolis, no sul da Bahia, são investigadas.

A empresa americana de aviação Alaska Airlines expulsou um passageiro de um voo, pois todas as pessoas presentes no avião foram testemunhas do momento em que um sonoro “ooh, sexy” constrangeu uma comissária de bordo enquanto ela passava as instruções de segurança para a viagem. Uma das testemunhas, Amber Nelson, publicou a história no Facebook agradecendo à Alaska por ter levado o caso a sério e teve milhares de compartilhamentos.

Uma atitude esperada em um país que debate a cultura do estupro em função das acusações de assédio à Donald Trump, candidato à presidência dos Estados Unidos. Uma delas já está comprovada: um vídeo dos bastidores da participação de Trump no programa Access Hollywood em 2005, vazado na reta final da corrida eleitoral, mostra o empresário falando sobre como gosta de beijar ou agarrar mulheres sem consentimento – o mesmo vídeo também causou a suspensão do apresentador Billy Bush, que concorda e ri dos comentários de Trump na gravação.

Esta revelação fez Trump perder intenções de votos e até alianças dentro do próprio partido, que agora o pressiona para desistir da candidatura. Além disso, ele agora enfrenta outras acusações de assédio de mulheres que decidiram contar suas histórias motivadas pela possibilidade de ter suas vozes ouvidas.

Nunca antes na história vimos tantos homens sendo punidos profissional ou legalmente por atos de assédio. Por isso é tão importante contarmos nossas histórias e denunciarmos, pois assim colaboramos com a transformação de uma cultura de tolerância ao assédio, em busca de um entendimento de que este é um ato violento e inaceitável.

Compartilhar

Sobre Think Olga

A OLGA é um projeto feminista criado em abril de 2013 cuja missão é empoderar mulheres por meio da informação.