,

Mulheres de Impacto: solidariedade feminina no surf

Participantes das aulas de surf da Longarina
Participantes das aulas de surf da Longarina

Duas paulistanas que amavam o mar, mas não tinham amigas para acompanhá-las no surf. Uma descia para Baleia, a outra para Maresias. Os vizinhos surfavam e elas também queriam aprender, mas nenhuma amiga tinha o mesmo interesse. Cristiane Brosso acabou se mudando para a Austrália e lá aprendeu a surfar sozinha. Também sozinha, apesar da companhia do ex-namorado, Vanessa Bertelli comprou uma prancha e aprendeu na raça a surfar enquanto o ex pegava suas ondas lá longe. Anos mais tarde, as duas se encontraram e montaram a Longarina, uma organização que empodera mulheres através do surfe, para que outras meninas não passem pelo mesmo e possam aprender a pegar ondas juntas. Agora, elas querem montar um espaço para receber meninas do Brasil inteiro e dar aulas de surf, além de realizar atividades em grupo como yoga, aulas de alimentação saudável e troca de experiências sobre ser mulher. Para isso, a Casa Longarina está em campanha de financiamento coletivo através do canal Mulheres de Impacto, uma parceria da Benfeitoria com a Think Olga e a ONU Mulheres, até a semana que vem.

Longarina oferece conteúdo e atividades para meninas interessadas no surf
Longarina oferece conteúdo e atividades para meninas interessadas no surf

O Longarina começou há pouco mais de três anos como um canal de disseminação de conteúdo sobre o surf direcionado para mulheres. Hoje, conta com um alcance de 1,5 milhões de leitoras nas redes sociais e 40 mil acessos por mês no site, além de ter atingido 500 mulheres presencialmente com aulas de surfe. “O Longarina é um macro projeto que surgiu da necessidade de comunicar para outras meninas o que a gente não encontrava dentro do universo dos esportes de prancha. Percebemos que só escrever não era suficiente, então começamos atividades porque era preciso ensinar o caminho das pedras. Fizemos eventos e reuniões com as meninas para levá-las a prática do surf e foi o que deu mais liga”, conta Vanessa, uma das criadoras do projeto.

Meninas treinam durante atividades da Longarina
Meninas treinam durante atividades da Longarina

Além do conteúdo, hoje a Longarina organiza a logística para levar meninas até Maresias, onde ganham aulas de surf. Há dois tipos de atividade: bate e volta, quando as meninas regressam no mesmo dia, ou acampamento, quando elas permanecem durante o final de semana e recebem aulas também de yoga, exercício funcional, alimentação saudável e cultura surf. Com a casa, será possível oferecer uma estrutura com aulas, equipamentos, alimentação saudável, orientação física, cobertura audiovisual, cultura surf , projetos socioambientais e oficinas de life coach focadas no bem estar e empoderamento da mulher, inclusive o das meninas estudantes da rede pública local de Maresias. “Ainda hoje sentimos uma certa resistência masculina no mar e por esse motivo nos unimos cada vez mais para quebrar isso. Muitas atletas acabam não sendo patrocinadas por não terem a imagem de modelo. Muitas meninas nos escrevem com medo de mostrar o próprio corpo na aula, mas sempre incentivamos e dizemos que a grandiosidade do surfe é muito maior, na hora você nem pensa no seu corpo, você só quer saber de pegar onda”, afirma Vanessa.

A Casa Longarina está na fase final de crowdfunding e, se você se interessou pelo projeto, pode apoiá-lo financeiramente ou compartilhando a ideia com seus amigos. Confira abaixo alguns vídeos do projeto:

Compartilhar

Sobre Gabriela Loureiro

Jornalista freelancer, mestre em Gênero e colaboradora da Olga. Trabalhou nas editoras Abril e Globo, fez mestrado no Reino Unido através do programa de liderança do governo britânico Chevening e escreve para a Think Olga desde 2013.