Mulheres de impacto: atuando uma pela outra no espaço urbano

O coletivo Deixa Ela Em Paz em ação
O coletivo Deixa Ela Em Paz em ação

Cantada de rua, ser seguida por um estranho até em casa, encoxada no ônibus… A mulher que precisa se locomover a pé ou através de transporte público sabe que o espaço urbano pode ser extremamente hostil para nós mulheres. A pesquisa levantada pela Think Olga para a campanha Chega de Fiufiu indiciou que 99,6% das mulheres já foi assediada na rua e 81% já deixou de fazer algo por medo do assédio. Cansadas das abordagens indesejadas e inspiradas na ideia de que a solidariedade entre mulheres é revolucionária, as pernambucanas Manuela Galindo e Joana Pires formaram o coletivo Deixa Ela Em Paz com o objetivo de criar estratégias de enfrentamento a essa hostilidade, o que elas chamam de Circuito de Enfrentamento Urbano, ou CEU para mulheres. Trata-se de uma série de intervenções urbanas, oficinas e workshops nos quais as amigas trazem reflexões feministas a um público amplo de mulheres enquanto ocupam a cidade e conversam sobre como transformar essa realidade.

Colagem do lambe-lambe "Deixa Ela Em Paz"
Colagem do lambe-lambe “Deixa Ela Em Paz”

“Partimos da ideia de que chama CEU porque o espaço urbano é bastante hostil às mulheres, há pesquisas na Geografia que mostram que as mulheres criam estratégias de enfrentamento, que envolve mudar de roupa e de calçada quando ela se sente ameaçada, a construir uma rota que tenha iluminação ou uma rua que tenha festas por causa do público mais intenso na frente… Então o CEU é na verdade a efetivação da necessidade de poder dialogar e compartilhar com mulheres a perspectiva do feminismo”, diz Joana, uma das criadoras do coletivo.

Outra intervenção do coletivo é a Ação de Cartas, em que mulheres escrevem umas para outras
Outra intervenção do coletivo é a Ação de Cartas, em que mulheres escrevem umas para outras

Apesar da origem das duas ser Recife, a primeira ação do coletivo foi colar lambe-lambes nos muros do Rio de Janeiro com a frase “Deixa Ela Em Paz” em 2015. Ao mesmo tempo, elas criaram redes sociais com a frase para divulgar as fotos da intervenção e reunir um grupo de mulheres para compartilhar histórias e dialogar sobre outras iniciativas possíveis, o que virou um grupo de discussão mantido até hoje e a partir do qual surgiu o CEU. Posteriormente elas incorporaram outras técnicas – como stencil, stickers, carimbos, panfletos e ensaios fotográficos às ações do Deixa Ela Em Paz – e espalharam as colagens em várias cidades do Brasil e do exterior. Além do lambe-lambe, estão entre as intervenções escrever um mural com a frase “Eu não me calo porque…” e deixar linhas para as mulheres completarem com o que quiserem; a distribuição de panfletos e apitos para falar sobre assédio de rua, como combatê-lo e como ajudar outras mulheres; oficinas de empoderamento com mulheres jovens; rodas de conversas com estudantes em escolas no Recife e o ativismo digital em redes sociais.

Mural para completar a frase "O machismo não me cala porque..."
Mural para completar a frase “O machismo não me cala porque…”

“A ideia de dialogar com essas mulheres é ativar, despertar em grupos de mulheres essa possibilidade de empoderamento, de repensar a cidade e entendê-la como um espaço que precisa ser ocupado de verdade para sermos reconhecidas como público-alvo e prioritário porque uma cidade que é mais justa para mulheres é mais justa para todos”, afirma Joana.

Distribuição de panfletos nas ruas
Distribuição de panfletos nas ruas

O CEU foi selecionado no prêmio Mulheres de Impacto, uma parceria entre a ONG Think Olga, Benfeitoria e ONU Mulheres do Brasil, e está atualmente em campanha de crowdfunding para levar as iniciativas a no mínimo cinco regiões do Brasil, organizando oficinas voltadas a um grupo diverso de mulheres para trazer uma formação básica do que é feminismo no sentido prático, mostrar quais são as conquistas do movimento, discutir a presença das mulheres na cidade, ouvir e compartilhar histórias e a partir daí construir uma intervenção urbana juntas. Se a primeira meta for atingida, a ideia é levar as oficinas para cinco cidades nas cinco diferentes regiões do país, se a segunda meta for conquistada, além das oficinas será criado um guia do CEU para mulheres; caso elas alcancem a terceira meta, mais três cidades serão contempladas e, se a quarta meta virar realidade, a ideia é fazer também um documentário sobre o projeto. Se gostou da ideia, você tem 45 dias para apoiá-la a partir desta segunda-feira, seja colaborando financeiramente ou compartilhando-a com seus amigos nas redes sociais.

#DeixaElaEmPaz – CEU para Mulheres from Deixa Ela Em Paz on Vimeo.

Compartilhar

Sobre Gabriela Loureiro

Jornalista freelancer, mestre em Gênero e colaboradora da Olga. Trabalhou nas editoras Abril e Globo, fez mestrado no Reino Unido através do programa de liderança do governo britânico Chevening e escreve para a Think Olga desde 2013.