NotíciasOlga

Chega de Fiu Fiu: resultado da pesquisa

thinkolga

Ninguém deveria ter medo de caminhar pelas ruas simplesmente por ser mulher. Mas infelizmente isso é algo que acontece todos os dias. E é um problema invisível. Pouco se discute e quase nada se sabe sobre o tamanho e a natureza do problema. Para tentar entender melhor o assédio sexual em locais públicos, a Olga colocou no ar, em agosto, uma pesquisa elaborada pela jornalista Karin Hueck, como parte da campanha Chega de Fiu Fiu. Contamos com 7762 participantes e 99,6% delas afirmaram que já foram assediadas  – um número tão alto que já dá a ideia da gravidade do problema. Veja abaixo o resultado:

Onde você já recebeu cantadas? (era possível selecionar mais de uma opção)
Na rua  98%
No transporte público  64%
No trabalho  33%
Na balada  77%
Em lugares públicos: parques, shoppings, cinemas  80%

olga onde ja recebeu cantada

Você acha que ouvir cantada é algo legal?
Sim 17%
Não 83%

olga voce acha que ouvir cantada é algo legal

Você já deixou de fazer alguma coisa (ir a algum lugar, passar na frente de uma obra, sair a pé) com medo do assédio?
Sim 81%
Não 19%

olga voce deixou de fazer algo com medo de assedio

Você já trocou de roupa pensando no lugar que você ia por medo de assédio?
Sim 90%
Não 10%

olga voce ja trocou de roupa por medo de assedio

Você responde aos assédios que ouve na rua?
Sim 27%
Não 73%

olga voce responde ao assedio

Se sim, como?

SeSim

Se não, por quê?

SeNao (1)

Quais cantadas você já ouviu em espaços públicos?  (era possível selecionar mais de uma opção)
Linda  84%
Gostosa  83%
Delícia  78%
Fiu fiu  73%
Princesa  71%
Nossa senhora  64%
Ô lá em casa  62%
Boneca 47%
Vem cá, vem  44%
Te pegava toda  36%
Te chupava toda  36%
Outros  4%

olga voce ja ouviu alguma dessas cantadas

Se você já recebeu cantadas indiscretas no trabalho, de quem foi?  (era possível selecionar mais de uma opção)
De um superior  13%
De um colega  21%
De um cliente  14%
De um funcionário  9%

olga cantada no trabalho

Que tipo de cantada você já ouviu no ambiente de trabalho?

trabalho

Você já foi assediada na balada?
Sim 86%
Não 14%

olga voce ja foi assediada na balada

Já tentaram te agarrar na balada?
Sim 82%
Não 18%

olga ja tentaram te agarrar na balada

Se sim, como?  (era possível selecionar mais de uma opção)
Pelo braço 68%
Pelo cabelo 22%
Pela cintura 57%
Outros 4%

olga corpo agarrar na balada

Já passaram a mão em você?
Sim 85%
Não 15%

olga ja passaram a mao em voce

Se sim, onde?  (era possível selecionar mais de uma opção)
Peitos 17%
Bunda 73%
Cintura 46%
No meio das pernas 14%
Outros 4%

olga ja passaram a mao onde

Você já foi xingada porque disse não às cantadas de alguém?
Sim 68%
Não 32%

olga voce ja foi xingada porque disse nao as cantadas

Se sim, do quê?  (era possível selecionar mais de uma opção)
Metida 45%
Baranga 16%
Gorda 13%
Feia 23%
Mal-comida 25%
Outros 17%

olga xingamentos

Por favor, conte um episódio de cantada que ficou marcado na sua lembrança (alguns exemplos):

  • Um dia saí de casa para buscar fotos que eu havia mandado revelar. Era um dia frio e eu estava bastante agasalhada, nada estava amostra. E mesmo assim, por onde eu passava homens me observavam com olhares maliciosos, comentários baixos de desmerecimento e um deles até chegou a dizer “Ai, se essa buceta estivesse na minha cama”.
  • Em um bota fora da faculdade um menino tentou me agarrar fazendo uma chave de pescoço, enquanto dizia que eu era linda.
  • Em uma balada um menino passou a mão em minha bunda, por baixo da saia.
  • Eu tinha uns 11 anos. Era carnaval, as ruas cheias. Eu era uma criança. Lembro que estava de shorts não muito curto e uma camiseta. Um homem passou a mão em mim e acariciou meu cabelo dizendo: “Fooooofa” mostrando a língua depois.
  • Já estava perto de dobrar a esquina (da rua onde moro), à noite. Um cara vinha na direção contrária a minha. Quando chegou perto de mim, falou baixo: “Quer chupar meu pau?”. Pensei logo q seria estuprada, pq a esquina da minha rua é bem deserta e tal.
  • Eu estava voltando para casa, a pé. A rua estava praticamente vazia no ponto onde me encontrava e ao meu lado, uma motocicleta reduziu a velocidade. O motoqueiro ficou dizendo frases como “sobe aqui e eu te mostro como se trepa”, “meto em você todinha, delícia”. Fiquei constrangida e assustada, decidi ignorar o motoqueiro e ele foi embora sem que eu o olhasse. Tive medo de ser estuprada.
  • Eu tinha dez anos, estava andando de bicicleta e um cara, que veio andando de bicicleta, passou do meu lado e apalpou a minha bunda. Fui para casa chorando, corri falar com os meus pais chorando muito. Eu tinha me sentido invadida, mas não tinha entendido direito o que havia acontecido.
  • Andando na rua as 19 da noite em frente ao shopping Patio Savassi, eu, com 16 anos, ignorei um grupo de homens que me assediaram com palavras e levei um tapa com muita força na bunda. Chorei de dor e humilhação.
  • Ouvi um cara começar a me chamar de gostosa na rua e ignorei. De repente, o cara veio se chegando pro meu lado no ponto de ônibus, com o pau pra fora, batendo uma punheta pra mim, me chamando de gostosa. Entrei no primeiro ônibus que encostou, nem vi para onde ia, só pra fugir do safado. Quando cheguei em casa chorando, minha mãe perguntou o que tinha acontecido. Depois que contei, ela perguntou: “E o que você fez pra provocar o homem, ele não colocou o pau pra fora à toa”. Depois disso, nunca mais contei nenhum episódio de assédio, abuso ou qualquer outra coisa pessoal que aconteceu comigo.
  • Um cara de bicicleta invadiu a calçada na qual eu caminhava tranquilamente, à noite, e passou a mão nos meus seios.
  • Estava num show de rock e alguém enfiou o dedo na minha bunda. Eu tinha 15 anos. Parece até engraçado falar assim, mas foi traumático e doentio.
  • Andava a pé até a academia quando tinha 15 anos. Como, com o tempo, comecei a ficar muito incomodada com as cantadas, olhares, motoqueiros buzinando, acabei decidindo que ia colocar uma calça moletom e camiseta por cima da roupa de academia. Com isso, as cantadas imediatamente pararam, mas eu passava muito calor com 2 roupas, andando na rua em dias de sol.
  • Uma vez um sujeito masturbou-se ao meu lado no ônibus. Fiquei tão em choque que só tive a reação de sair do local desesperada. Não consegui gritar, nem fazer um escândalo.
  •  Era nova, mais ou menos 16 anos, estava passando por uma rua sozinha e me deparei com um grupo de homens torcedores de algum time que não me lembro (estava num bairro próximo a um estágio em Belo Horizonte, num dia de jogo). Eles começaram a me “cantar”, de repente estão passando a mão em mim, pelo menos uns quatro homens me empurrando. E eu desesperada saí andando rápido, tentando me soltar. Foi desesperador… Senti um medo real de me estuprarem coletivamente.
  •  Estava andando despreocupada, com fones de ouvido. Eram 17 horas e a rua estava bem movimentada, inclusive com vário pedestres fazendo caminhada. Um homem de moto diminui a velocidade ao passar por mim e enfiou a mão no meio das minhas pernas, de uma forma totalmente brutal. Fiquei assustada e o xinguei. Demorei uma semana para esquecer a sensação daquela mão no meio das minhas pernas.
Share Button

1.011 thoughts on “Chega de Fiu Fiu: resultado da pesquisa

  1. Acabei de ouvir o resultado da pesquisa na rádio Band News. Infelizmente, foi abordada da maneira pela qual lutamos para que não seja… No tom do “é brincadeira”, “faz parte”, “é isso mesmo”… Ainda que tenham reconhecido que muitos são grosseiros e ainda se referiram ao “clássico da padaria do domingo de tarde”. Seguimos na luta!

  2. incrivel como alguns homens se sentem no direito de colocar o pau pra fora e bater uma punheta pública impunemente… Fico pensando no que aconteceria se as mulheres começassem a tocar siririca na rua, no ônibus, etc… acho que nao durariam 5 minutos sem sofrer um estupro.

    • Não faz o menor sentido o que você falou. Claro que o que eles fazem é completamente errado e merecem ser espancados publicamente por isso. Agora, se você quiser “estuprar” ele quando ele fizer isso, tenho certeza que ele ficará feliz!

  3. É absurdo, é muita humilhação ter que ouvir esses grosseirias e ter q ficar quieta, se não a culpa ainda cai em cima de nós.

  4. Parabéns pela pesquisa e iniciativa! Que a partir dela o assunto tome corpo na mídia e nas rodas de conversa entre homens e mulheres. Isso tem que acabar!

  5. Estava lendo atentamente o gráfico de palavras sobre as respostas das cantadas quando rolei a página e vi o próximo gráfico com a palavra MEDO bem no meio, enorme. Me arrepiei toda.
    Parabéns pela iniciativa.

  6. uma dúvida: como a abordagem saudável é diferenciada do assedio?

    vejam, não estou defendendo um comportamento machista nem o assédio, apenas querendo saber como a pesquisa diferenciou a manifestação saudável de interesse de assedio.

    por exemplo: na instituição de ensino, um homem ou mulher pode ser interessar por um/a colega e convidar a pessoa para sair, que pode recusar ou corresponder ao interesse, sem quaisquer represarias de quem ouvi na negativa. Isso no meu ver é uma manifestação saudável de interesse.

    REALÇO NOVAMENTE, não estou em momento algum defendendo ou fazendo apologia a um comportamento opressor de gênero.

    • eu acho que uma ótima forma de demonstrar como é problemático o problema do assédio é já vendo como os caras não sabem diferenciar uma paquera de um assédio :(

      • Camila, responde o cara. Só falar assim não ajuda nada e fecha a pessoa que quer entender do problema.

        Eu acho que tem, sim, uma confusão. Eu mesma já vi confusão por parte de mulheres entre abordagens ok e assédio. Tem uma tirinha circulando que é um cara chegando “oi, te vi aqui sozinha nesse canto da festa e me perguntei pq isso..” ou qualquer bobagem e a guria “ah, é que eu vim pra peidar”. Ok, é engraçado e não é desrespeitoso com o cara. Mas o ponto é que a abordagem do cara estava sendo colocada no mesmo saco de assédio. E não é. As pessoas confundem, sim. E isso precisa, sim, ser explicitado.

    • É triste pensar q alguns homens não sabem como abordar de maneira saudável uma mulher. Numa festa, conversar calmamente, começando com um oi, meu nome é fulano por exemplo é algo bem saudável, mas se a mulher demonstrou que não está interessada não há porque insistir. No trabalho, numa instituição de ensino é mais fácil você conhecer a pessoa primeiro e ter um interesse que vai muito mais da personalidade da pessoa do q da aparência, portanto as coisas vem naturalmente, o convite para sair acaba sendo muito mais contextualizado. Os assédios indesejados citados pela pesquisa são os inapropriados. Por exemplo o cara conhece a pessoa, nunca chamou pra sair e já chega falando coisas como “quero de comer” ou então o homem deixa claro seu interesse e a mulher não demonstra ter interesse e este se irrita, faz retaliações etc. Esse tipo de coisa é que é inapropriada… algumas coisas são dificeis de acreditar, como alguém claramente assediar uma colega de trabalho, com quem convive diariamente, mas acontece.

    • Concordo com o Fred: essa pesquisa não está clara, parece ser tendenciosa. Nos gráficos, existem casos que aproximação saudável está no mesmo tópico que assédio. A aproximação no trabalho, por exemplo, não mostra a diferença entre os dois.
      Não concordo com nenhum tipo de assédio, mas esses números parecem ter sido manipulados. Isso é péssimo, principalmente pras mulheres, porque, se vocês tentarem resposta em algum projeto de lei ou tentarem uma divulgação em massa do movimento, o fato pode tirar a credibilidade do estudo!

      • Pois é, não gostei do fato de não diferenciarem claramente propostas de assédio…Eu quero que o mundo seja mais livre sexualmente, que seja possível abordar alguém na rua sem ser desesperada (para as mulheres) e tarado desrespeitoso (para os homens). Por isso, me parece essencial essa diferenciação.

      • André, você disse que acha que certas abordagens que você viu acima são saudáveis, mas acontece que a opinião da mulher também conta. Eu não curto que um colega com quem eu tenho pouco intimidade já chegue falando que eu sou bonita ou me chamando pra sair, sem ao menos ter tentado perceber se eu demonstrei algum interesse nele, pq sabe, essas coisas muitas vezes são visíveis: olhares, gestos, por mais que a pessoa seja tímida. Você talvez ainda não veja problema nisso, e fale que dizer que eu sou bonita é realmente um elogio, mas eu, como mulher, ainda vejo nisso uma liberdade que os caras tem de “chegar chegando”, e, assim como outras, me sinto extremamente desconfortável. E recusar, inevitavelmente, será visto como grosseria, muitas vezes não vai ser explícitos, mas vão rolar comentários sobre o como você é metida. Mais um motivo para se incomodar com essa abordagem. Ser chamada de bonita? É isso que a sociedade sempre espera das mulheres, então passa a não significar nada, vindo de um estranho, apenas é invasivo. Por que homens não são abordados por estranhos dizendo que eles são bonitos?

      • André, nenhuma abordagem é saudável se for invasiva. Não adianta chegar chamando de linda e de princesa do nada.
        Podem não ser tão ofensivos quanto um “quero chupar tua buceta”, mas não são nem um pouco desejados. Não tem sentido nenhum uma mulher estar caminhando na rua e ouvir uma cantada dessas. Respeitem-nos.

      • Pois é, eu discordo da Olívia em parte. Não me importo minimamente que um colega me chame para sair na cara dura. Gostaria que fosse permitido socialmente às mulheres fazerem isso. Gostaria que fosse tranquilo demonstrar interesse e desinteresse, de qualquer gênero para qualquer gênero. Eu detesto essa esterilização sexual que se propõe. Agora, claro, em qualquer caso, a pessoa sempre tem que ser educada e não ficar minimamente ressentida se a outra recusar. Esse me parece o ponto principal, e não o fato de poder abordar ou não.

        Ah, sim, outra coisa: o que me parece muito ruins sao aqueles caras que NÃO estão dando em cima de ti, mas só conseguem tratar mulheres como objetos sexuais ou como se estivessem trovando. Que estão sempre galanteando, sabe, mesmo quando tu estás falando de algo sério.

    • E você acha que chamar para sair está no mesmo patamar de chamar de gostosa? Em nenhum momento a pesquisa levantou questões sobre “abordagens saudáveis”, apenas abusivas

      • Ela disse, sim. Tem uma parte gigante dizendo que a cantada recebida no trabalho era “sair comigo”. E tem outras várias partes que só se referem a “cantadas”, o que, pra mim, podem abranger qualquer coisa. Não está claro o critério utilizado.

        Veja bem: eu não estou diminuindo os relatos, nem as cantadas desrespeitosas e violentas. Estou dizendo que é essencial diferenciar e que isso não parece ter sido feito com clareza nessa pesquisa.

    • Oi Fred que bom que fez essa pergunta. Não sei como a pesquisa diferenciou, mas os relatos abaixo dão uma pista…
      Por experiência pessoal, acredito que a paquera dá oportunidade da pessoa aceitar ou rejeitar a abordagem. O assédio não. Quando há a paquera na escola ou no ambiente de trabalho por exemplo a aproximação não é tão invasiva ou desrespeitosa. Normalmente começa a partir de uma conversa normal (que talvez serviria para o inicio de uma amizade qualquer por exemplo). O individuo procura saber se a pessoa é comprometida e se aproxima com permissão clara, para entrar, pra sentar junto, etc.
      O assédio desconsidera o respeito a uma rejeição. Quem assedia pressupõe que o outro deverá gostar e a aceitar qualquer tipo de aproximação, independente de ser o momento adequado, de estar comprometida com outra pessoa. No assedio não importa muito se quem aborda está provocando constrangimento por expor a pessoa ao ridículo ou a humilhação, se está usando de força, do medo de uma possível agressão ou de cargos de chefia para induzir o outro a uma resposta positiva.

  7. Interessante é que os “homens” que cantam, se souberem que a Mãe, Mulher ou Filha foi cantada ficam muito nervosos e muitas vezes de tão exaltado com a situação quer brigar. Resquícios de um sistema que privilegiava o masculino.

  8. Triste e eu fico pensando nas abordagens mais sutis que quase pensamos serem normais. Essas abordagens reforçam a ação de homens e mulheres nos ambientes onde dwveriamos nos respeitar. Vejo que a forma.mais comum é velar, velar e velar. Eatou buscando meios, ações também sutis porém pontuais de educar pessoas do convívio mas que demonstram resistência e esta forma tradicional de violar a mulher.

  9. Caraca, homem é um bicho nojento, né. Eu desenvolvi uma fobia absurda por homem. Nunca fui estuprada mas já quase fui uma vez. Toda vez que vejo um homem fico perturbada. Sexo pra mim é a coisa mais nojenta do mundo. Tenho nojo e medo de homem. Eles são maus, agressivos e dissimulados. Meu bisavó já falava: onde está o homem, está o perigo.

    • Tá, mas nesse caso ta parecendo que seu bisavô falou do “homem” no geral, no sentido “toda a humanidade”. Existem casos tensos de violencia entre lesbicas, que são mais violentos que a maioria das “agressões heterossexuais”. A questão é que isto não significa nada. O ser humano é um mamífero antes de tudo, e isso significa que onde houver humanos em convivio, haverá sexo e conflitos. O que acontece é que existem idéias deturpadas sobre as mulheres, e sobre qual o comportamento do homem ideal, “macho” de verdade. Este comportamento é estimulado por religiões, ideologias politicas,, músicas, novelas, etc, etc, e até mesmo por outros homens e mulheres, alias, machos e femeas. O que quero dizer é que e´um problema de dimensões socioculturais, e até mesmo economicas se pensarmos que o machismo é algo estrutural do capialismo. É um erro dizer que apenas o homem, o melhor, o macho, biologicamente, é capaz de violência.

  10. Chorei lendo. Todo mundo tem uma estória parecida. Eu não sei como explicaria pra uma filha de 11 anos porque ela foi abusada, eu não sei como mudar esse problema quando um homem acha que o corpo de uma mulher existe pro prazer dele, e quando outras mulheres corroboram com a idéia. Mas falar sobre o problema é o começo, parabens pela iniciativa.

  11. Quero saber como podemos tomar as necessárias medidas! Isso é caso de saúde pública. Saúde mental ! Sem contar nossos direitos totalmente violados, esse violência implícita, invísivel, vai de contra com o artigo 13 da Declaração Universal de Direitos Humanos – liberdade de circulação. Parece exagero,mas NÃO É! Como mudamos essa realidade? Uma medida educacional,de conscientização, que talvez seus efeitos serão observados apenas nas próximas gerações e nos condenadas a viver desse jeito? Não!

    Eu não tenho a solução, mas expor o problema é um caminho já a se seguir. Talvez o censo do IBGE também poderia incluir no seu questionário essa questão.
    Levar isso para algum órgão de defesa de direitos humanos, instaurar um Comitê Contra o Assédio – como existe um Comitê Nacional para Prevenção e Controle da Tortura no Brasil ( CNPCT ).
    A televisão deveria falar sobre isso massivamente também, pressionar os meios de comunicação a se posicionarem contra isso! Eu não sei como nada, mas não podemos deixar que esses fiquem condicionados apenas a uma página na web.

    Parabéns pelo levantamento e sinceramente espero que esses dados se traduzam numa atitude explícita, podem contar com o meu apoio ativo e participativo! E aguardo posicionamento de outras mulheres também que estejam prontas para lutar pelos seus direitos.

  12. PARABÉNS PELA INICIATIVA. Queria deixar duas sugestões: disponibilizar todos os relatos (as estórias contadas na parte final) dessas milhares de mulheres, na íntegra. E segundo, porque não começar uma campanha nacional, inclusive por parte do poder público? essa pesquisa poderia ser aplicada pela prefeitura. com dados, temos mudanças mas efetivas, inclusive para gerar punições para assédios verbais. na bélgica acabou de sair uma lei sobre isso, após o debate que foi gerado sobre o vídeo (esqueci o nome agora) realizada por uma mulher sobre os assédios verbais por lá. Também podemos conseguir por aqui!

  13. Pingback: tudo coisa da nossa cabeça | Destile seu veneno

  14. Só vamos diferenciar uma coisa da outra:

    1) cantadas, no sentido de propostas de “acasalamento”, nao são ruins. Eu gosto, sou um ser sexual, acho bom que homens e mulheres possam chegar em pessoas que consideraram atraentes sem serem tachados de tarados. E sempre trato bem quando homens demonstram interesse, ainda quando demonstro que não quero.

    2) cantadas que são ruins são as violentas, as que te dão medo, e as simplesmente desrespeitosas. 90% dessas nem são propostas sérias, são só aquelas “mexidas” que os caras sabem que nunca vai levar a lugar nenhum.

    • Aí é que tá, Alejandra. Proposta de acasalamento vinda de desconhecido, ou conhecido completamente fora do contexto, é creepy. E ofensiva. Se a pessoa não deu explicitamente liberdade para isso, é constrangedor receber uma proposta dessas.

      • Eu não acho. Acho que tem maneiras de abordar as pessoas na rua. Acho que tem que ter muito mais cuidado, acho que tem verificar se não está encurralando a pessoa, mas não acho ofensivo, não. Eu já abordei um cara na rua perguntando sobre um decalque na mochila dele (desculpa pra puxar assunto) e o assunto fluiu e eu fiquei com o cara. Não deu mais certo depois, mas acho que as pessoas devem poder fazer isso. Demonstrar interesse não é ofensivo. Invadir o espaço da pessoa é.

        E eu acho que essa diferença tem que ser muito bem explicitada. Acho prejudicial associarmos demonstrações de interesse a violência sexual.

    • Também acho complicado generalizar. Não tem como ficar sem cantada de homem. As respeitosas, claro. Todos os exemplos dados são de cantadas agressivas, aliás, em maioria, estupros, segundo o novo Código Penal. Agora, a pesquisa incluía convites para sair e isso não menospreza ninguém, se feito da maneira correta.

    • Não consigo aceitar esse tipo de abordagem de certos homens, isso é um afronta tão grande. minha mãe preocupada e sem muitos recursos quando pode me deu de presente um carro, pois na cidade aonde moro tem muitos estupros em ônibus. Sou muito grata até hoje, pois hoje quase não ando na rua , não pego mais ônibus e quase não escuto mais nenhum abordagem dessas. Sei q isso não deveria ser a solução mas me poupou muito constrangimento. A que ponto chegamos?

  15. Pelo menos dois homens babaca nesses comentários que aparecem pra deslegitimar a pesquisa e tirar o foco da violência que as mulheres estão relatando, achando que seu medinho de sua abordagem ser confundida com violência é mais importante do que o que está sendo dito aqui. Se fodam. Na dúvida não abordem ninguém, seus bostas.

    • Eles não estão tirando o mérito! Um deles repetiu mil vezes que acha absurdo quando é assédio. Tem gente que confunde os dois, sim. E tem gente que acha que chamar de ‘linda” não pode gerar medo e nem ser ofensivo. Não é tão simples.

      Eu sou um ser sexual e tomo a iniciativa para a abordagem. Dizer “ah, então não toma, pq mesmo que tu seja educada a tua sexualidade é NECESSARIAMENTE estupradora” é absurdo. Tem maneiras de ser educado e tranquilo na abordagem, mesmo na rua.

  16. pros homens que estão perguntando como diferenciar cantada de “aproximação saudável”:

    primeiramente, há ambientes e ambientes, situações e situações para se chegar numa pessoa e não é numa abordagem de “oi delícia” que você vai ter credibilidade

    numa balada, por exemplo, ao ouvir “não” geralmente os caras não se conformam e insistem, como se a mulher QUISESSE que ele fizesse isso

    fora que não saímos na rua pra ficar ouvindo o quanto estamos lindas… quando queremos saber esse tipo de coisa, NÓS FAZEMOS COMO QUALQUER OUTRA PESSOA: PERGUNTAMOS! certo?

    então, se você se interessou por uma pessoa na rua, comece pelo “oi, tudo bem? parece meio doido, mas me interessei por você assim, do nada… quer tomar um café?” e se a pessoa disser que não tem interesse, conforme-se!

  17. Parabéns pela abordagem do assunto. Antigamente ficava calada, mas ultimamente quando se torna repetitiva pelas mesmas pessoas, paro e digo a esse bando de atoa, que vou chamar a policia e declarar assédio sexual! Já fiz isso duas vezes, e acreditem, a solução é imediata!

  18. É complicado. Tem alguns casos que são absurdos e claramente violentos. Mas tem outros que devem ser debatidos com mais profundidade.

    A primeira coisa que os homens têm que ter em mente é que TODAS as mulheres têm medo de serem estupradas. E quem estupra é homem. Não, o contrário não é verdadeiro (a minoria dos homens estupra, não a maioria). Ou seja, as mulheres, mesmo que sejam heterossexuais e gostem muito de fazer sexo com homens, ao mesmo tempo, tem medo da sexualidade masculina. A sexualidade masculina é agressiva e pode estuprar.

    É uma contradição. Pq as mulheres (hétero, principalmente) querem ser atraentes aos homens e querem fazer sexo com homens. Mas, dependendo das circunstâncias, se o homem se mostrar sexualmente atraído, ele pode dar medo e se mostrar um estuprador em potencial. Queremos ser atraentes, mas não queremos ter medo por causa dessa atração.

    Isso faz com que haja situações cinzentas. Por exemplo, por que motivo chamar alguém de linda seria algo ruim? Só se (1) associamos a sexualidade masculina ao estupro, ou se (2) associamos a atratividade à diminuição como ser humano e transformação em objeto. Isso está errado. No entanto, é o que ocorre. Quando um homem chama “gostosa” para uma mulher na rua, ele sabe que está sendo desrespeitoso, ele odiaria que fizessem o mesmo com sua mãe. Mas não deveria ser assim.

    Para mim, portanto, o furo é muito mais embaixo. É uma relação doente que temos com a sexualidade que tem que ser discutida muito mais a fundo

    • Por que motivo chamar alguém de linda seria algo ruim?
      Chamar alguém de linda no ambiente de trabalho, tendo um cargo mais alto, ou numa circunstância em que a mulher não possa expressar uma negativa não tem nada de cinzento, é provocar uma situação abusiva.
      A forma como se fala esse elogio pode também ser extremamente ofensiva, e facilmente esse linda vira feia, babaca, escrota se se depara com uma negativa.

      Fora isso, concordo que temos uma relação muito problemática com a sexualidade, mas grande parte desse problema também advém do machismo que encara o sexo não como uma experiência de prazer, mas como ferramenta de poder.

  19. Acho que tem um certo exagero aqui. Quer dizer que o cara não pode insistir se uma mulher demonstrar que não quer? Nem se for respeitoso? te chamar de linda virou algo ofensivo? Nossa… o politicamente correto imperando até no feminismo. Existem casos e casos. Sejamos humanos.

  20. Nenhuma cantada é boa. Ponto. Cantada coloca a vítima em uma posição complicada, principalmente porque quem canta acha uma ofensa ser rejeitado. E é muito, mas muito chato ter que ficar dando fora nos outros.

    Nenhuma mulher sã (ou seja, que não precise de validação constante) acha legal ser chamada de gostosa, princesa, cheirosa por um desconhecido ou por alguém com quem não tem intimidade. Não é elogio, é nojento.

    Quer conquistar? Converse, troque idéias, seja encantador. Se apresenta, chega de mansinho, seja uma pessoa legal. Dá supercerto :)

    Quer intimidar, chamar na xinxa, gritar “gostosa” em público pros teus parceiros acharem que tu é homem? Vá se tratar.

  21. É tanta abordagem absurda, sexual agressiva e invasiva que as vezes a gente sim, confunde o saudavel com o agressivo. Já fui cantada diversas vezes de formas que me fizeram até me sentir suja e de formas tranquilas e respeitosas, mas sempre fica aquela paranóia de que o cara ta invadindo demais seu espaço. Não estou defendendo ninguém nesse argumento, mas é algo para se pensar…. Se todos se respeitassem [rs] não haveriam tantos equívocos na hora de interpretar uma aproximação…

  22. O estudo é muito bom e evidencia algo muito problemático (o que todo mundo meio que já sabe (assim espero): sociedade machista e etc), mas acredito que teria sido interessante ter classificado o que eles estão chamando de assédio e o que não estão, pois a primeira impressão é que tudo faz parte do mesmo barco. Por exemplo: 17% das mulheres gostavam quando receberam cantadas, mas que cantadas são essas? É quando escuta que é “linda” ou quando escuta “te chupava toda”?
    Eu acho que existem limites em qualquer lugar e essa segunda cantada que comentei é totalmente inapropriada (além de machista, claro) segundo meu critério. Mas também dizer que “se ele não sabe diferenciar uma paquera de um assédio”,embora tenhamos um óbvio em questão, é complicado pois então o que vamos dizer as 17% das mulheres que gostam de ouvir (seja lá o que). Elas estão certas ou erradas em gostar seja lá do que elas gostam, segundo as próprias mulheres?
    Embora aqui tenha uma questão óbvia pra mim (e que passa, entre um dos aspectos, por um âmbito educacional e cultural), deve-se tomar cuidado com as classificações. Pq o óbvio para 83% pode ser diferente de 17%. E não é pq tenha mais o menos é que é menos (ou mais) importante.

  23. Vejo isso e logo lembro também da grossura das mulheres ao serem aproximadas normalmente para conversar, o que me revolta muito, e me faz não ter simpátia nenhuma por mulheres. Se estão preparadas para serem grossas, estão preparadas para receberem grossuras. Se virem com os tarados.

    • Eu, na minha inocência, achei que você ia dizer que finalmente entendeu porque às vezes somos grossas. Mas não, você é só uma criança que acha que pode ter tudo que quer e acha que mulheres estão à sua disposição. Você é um bosta.

      • O que há para entender: estou em uma sociedade onde sou OBRIGADO a “assediar” mulheres para ter uma vida SAUDÁVEL, onde todos os aspéctos da minha SAÚDE são satisfeitos, incluindo o lado sexual, que é um dos mais importantes. E sou assediado moralmente ao me aproximar de mulheres afim de ter uma simples conversa. Eu gostaria de dizer que as mulheres tem motivo para serem assim, devido aos homens, mas não tem. Me deem uma vida saudável, que todos merecem, inclusive você, natmarquetti. Ou sofra com homens necessitados e revoltados, que não é o meu caso, prefiro ser assexuado que passar por toda essa bosta que vocês chamam de relacionamento, tenho mais o que fazer da minha vida. Até porque não precisam de mim como homem reprodutor nessa sociedade, essa sociedade é uma piada.

    • UPS! mimimi mascu detectado!

      ëu sou tããããão legallll e po, vi uma menina ali na rua sozinha e po, fui la dizer pra ela que era ela linda e ela me olhou como se eu fosse um estuprador… eu não tenho culpa. AGORA se vira porque quando eu vier de novo vou estuprar mesmo. Porque ela MERECE!”

      misoginia, a gente ve, claramente, em você, cara legal

      • Eu estou falando de dar “oi tudo bem”, em uma festa, com todas as condições favoráveis que as outras pessoas comentaram aqui. Fui tratado a gritos. Na mesma noite outra moça reagiu muito bem a mesma abordagem, e conversamos bastante. Entenda que desrespeito gera desrespeito. Ignorância gera ignorância. Assim como o meu comentário gerou ignorância aqui, as reações de vocês são só reflexos ao que eu recebi daquela moça. Pensem, todos.

      • E outra, ser indiferente não é o mesmo que estuprar alguém… Realizas acusações muito graves sem o mínimo de discernimento. Assim como não ligas para mim. O mundo de hoje é indiferente e ignorante, e todos são responsáveis por criar um mundo melhor.

  24. Pesquisa muito relevante, me enxerguei, infelizmente, em muitas situações sitadas pela pesquisa. Parece que alguns homens não entendem o quanto é triste até mesmo fazer essa pesquisa, saber que essas situações horríveis são reais. Parabéns pela pesquisa!

  25. Que mãe é essa dessa menina que julgou que ela tinha feito algo pra aquele demente vir se masturbando na frente dela? Que mundo é esse, gente?

  26. Desculpa mas discordo dessa pesquisa totalmente tendenciosa, afinal chamar uma mulher de bonita é ofensa?

    Já passaram a mão na minha bunda, já me chamaram de um monte de nomes nas ruas (e não sou gay), mas mesmo assim não me incomodo, continuo seguindo minha vida, dar ouvidos significa que a mulher ainda é machista demais pra entender a situação e por isso ofende e chegamos à este ponto.

    Concordo com alguns pontos: trabalho, contato forçado, ofensas, mas não se pode generalizar gente, que mundo vivemos?

    Onde já se viu, as pessoas não tem maturidade pra entender os ambientes e ambientes, é o mesmo que agora eu entrar numa balada gay de bermuda e regata e quererem passar a mão em mim, será a mesma coisa? eu discordo, eu sei que o ambiente é assim, mas nem por isso terei postura medíocre de dizer: passaram a mão em mim e eu não podia fazer nada. Para gente vamos crescer, casos de pedofilia, de assédio no trabalho, de tentativas de estupro são repugnantes, mas assoviar ou chamar uma mulher na rua (existem palavras e palavras) de bonita nunca deveria ser considerado ofensa nem assédio.

    Enfim devo viver num mundo errado não é possível.

    *** já tive casos (considero-os raros e me alegraria ver mais) mulher virar pra trás pra olhar pra homem, afinal seria machismo meu dizer que só os homens podem ou que isso é errado.

    • Rick, não é bem assim. Você diz “já passaram…”, “já me chamaram…”, provavelmente dá pra contar nos dedos a quantidade de vezes que isso acontece com um homem, por mais bonito que seja. Com mulheres é todos os dias. TODOS OS DIAS. A ponto de isso definir com que roupa elas vão sair, por onde vão andar, se vão voltar de carro, ônibus ou metrô. Isso sem falar do tom de ameaça que muitas cantadas tem, por mais “positivas” que sejam as palavras.

      • Jandê, uma coisa que todos temos que aprender e isso eu me incluo também: Aprender a nos respeitar, não importa com que roupa saímos, depende da postura que adotamos quando outros nos veêm, se você se veste de um jeito e fica com vergonha de sair às ruas já começa errado, todos sempre irão olhar, ignorantes sempre irão existir e temos que nos libertar deste grilhões que qualquer palavra é ofença.

        Se alguém me chamar de FDP ou viado na rua eu não dou trela, mas a maioria das pessoas responde e isso só incita mais.

        Pra ganhar respeito tem que se respeitar como é e eu vou continuar olhando pras mulheres na rua sim, pensando e vendo se é bonita ou não pois essa análise faz parte do ser humano é um comparativo que não agride, o que agride sim são os idiotas, mas esses a mulher tem que aprender a ignorar, pois se ela dá trela das duas 1 ou ela se viu numa situação concordou e quer discordar ou ela ainda não se assume como mulher e como ser humano que não se rebaixa com o que falam.

    • É real, inclusive participei.

      “Agora daí a falar que não se pode fazer um “fiu-fiu” ou chamar a mesma de linda já é um absurdo. Como fazemos para conhecer uma nova mulher? ”

      Deixa eu ver se entendi, você leu que 83% das mulheres NÃO ACHAM LEGAL e acha um absurdo “não poder”? Quer dizer, a sua vontade é o que importa mais? A maioria de nós não gosta. Quando uma mulher está andando na rua pode estar passando por “n” situações, na morte do cachorro, na briga com o namorado, na prova da próxima semana e você vir INVADIR o espaço dela pra dizer algo que ela não perguntou não é legal.

      Estamos dizendo que NÃO GOSTAMOS disso, ora, se duvida pergunta pras suas amigas. Algumas gostam? Sim, mas boa parte não.

      Depois, amigo, quantas mulheres passando na rua você chamou de “linda” e conseguiu ficar?

      • Desculpa, mas falei da pesquisa com amigas sim, elas concordam com partes da pesquisa, mas como eu entendem que estamos num ponto onde as palavras ofendem e o velho ditado que é passado de geração em geração e diz: da boca nada me atinge, as palavras ofendem só os que se sentem ofendidos, quem é maduro, maduro sim sabe ignorar, pois não concorda e não precisa se rebaixar.

        Sem mais isso foi minha opinião podem não concordar com isso e todos tem seu direito, mas olhem pra dentro e vejam de onde vem o respeito antes (exceto casos de estupro e agressão física) pois da boca nada deve ser levado em consideração se você não tem intimidade com aquela pessoa.

        Mulheres o corpo é de vocês, não importa se vocês querem sair de calcinha na rua, peladas ou não o corpo é de vocês saibam agir com respeito e não é a roupa é a postura, já vi muita guria nova e mais velha agir como puta e ter respeito e já vi o contrário muitas agirem como lixo humano e reclamar depois.

    • É diferente para as mulheres. E na boa… não existe UMA palavra em todo o vocabulário dita na rua, em cima de uma moto, na frente da construção, na balada, no refeitório ou enquanto ela desce da lotação, que vá agradar uma mulher.
      A questão é que esse é um comportamento imposto. O moleque faz porque viu o pai, o irmão mais velho ou o melhor amigo fazer. E eu não acho essa pesquisa arbitrária ou tendenciosa pelo simples fato de haver uma necessidade dela ter sido feita. Alguém pode vir com a carta do “ah… mas mulher gosta disso. Fica toda irritadinha mas ela gosta de ser elogiada”… na boa, tenho certeza que existam mulheres assim, a gente vê isso por aí… mas garanto que não seja a maioria delas, como a pesquisa aponta. A maioria delas não gosta de ser desrespeitada. E seja lá a palavra que você usar… sim… é um desrespeito. Quer dizer que uma mulher é bonita… diga. Mas diga de verdade. Qual o ponto em dizer em voz alta que uma mulher é gostosa, bonita, deliciosa, se ela vai continuar andando? Seja lá qual for o objetivo… leva-la pra cama ou conhece-la de verdade… falar meia palavra no ouvido dela não vai fazer ela cair de quatro. Então qual é o objetivo de um comportamento tão desnecessário? É pra se provar… cada guria olhando pra trás é um troféu. É pra dizer pra si mesmo que é atraente, que conseguiria transar com aquela garota. É pra mostrar pros amigos que tem coragem de falar qualquer coisa pras mulheres. Não dá pra dizer que é pela simples inocência de deixar a mulher levar um elogio pra casa e se sentir bonita… a gente sabe que a mente masculina, em sua maioria, não é tão altruísta assim.
      E outra… não adianta fazer a comparação de que você já foi assediado por homossexuais, ou até mesmo por mulheres… NÃO É A MESMA COISA. E não, não é machismo dizer isso… machismo é a condição, a atmosfera e a herança cultural que faz isso não ser a mesma coisa. E assédio nem sempre precisa do coito pra ser caracterizado como tal… aquela passadinha de mão na perna da colega de trabalho já é assédio. Aquele flerte estúpido, aquela cantada que ela não pode responder também é assédio, aquela olhada maldosa pras pernas dela…
      Mesmo que eu ou você não façamos as coisas que eu citei aqui, nós não podemos negar que é a realidade. Essas coisas acontecem e não são inofensivas… não é normal. Não podem acontecer…

    • Meu jovem, o assunto não é você, a vítima não é você! então pare de tentar amenizar as coisas porque o assunto é sério e grave. Muitas mulheres passam por humilhações e agressões verbais e físicas todos os dias e você considera falta de “maturidade” não saber lidar com isso?! Falta de maturidade é ter medo de ter seu corpo invadido e seu caráter humilhado pelo simples fato de você existir a toda vez que sair na rua? Você não tem a menor empatia por mulher alguma, então finja que entende e que consegue se por no lugar de alguém assim porque não não consegue!

    • Quero chamar mulher de bonita, não interessa se a gritante maioria delas sente nada mais que MEDO quando faço isso, se EU digo que não é ofensivo é porque não é e pronto!
      Nojo de você, apenas.

    • Eu acho bizarro quando tem cara aqui que “compara” a cantada que uma mulher recebe na rua com o fato de que “se ele fosse” numa balada gay, alguém passaria a mão na bunda dele e a vida seguiria adiante. É surreal. o cara ainda se faz de coitadinho!

      Caros: quem domina o mundo é HOMEM, BRANCO, HETEROSEXUAL. Qualquer outro ser humano que não se encaixe em nenhuma dessas três características é ou já foi dominado ou sofreu algum preconceito. Sim. PRECONCEITO. Uma moça que caminha na frente de uma obra ou está na balada e recebe um “ô lá em casa” está passando por uma situação ridiculamente preconceituosa. A frasesinha infame significa: ” ô-moça-bonita-gostosa-que-está-disponível-sexualmente-para-o-mundo porque-está-sozinha-na-rua-e-posso-ver-um-pedaço-da-sua-coxa-então-você-é-puta.” Sim. É isso. Por mais que pareça inocente, você está sendo PRECONCEITUOSO.

      Elogio? Elogio é o Car….! Elogiar uma pessoa é dizer uma coisa pra ela, somente pra ela, e não pro mundo inteiro. Você vai dizer pro mundo inteiro se ela quiser e quando ela quiser. A bunda é dela, a buceta é dela, o corpo é dela. Elogiar é ser sutil. É ser educado. É ser homem de verdade.

      PQP. É demais.

    • Se nós estamos incomodadas com isso e estamos dizendo que não apoiamos esse tipo de comportamento, por que ainda insistem na conversa de que é um exagero? Ou que não é real? Acrescento: a pesquisa diz que 99,6% das entrevistadas já sofrerem algum tipo de assédio, incluindo cantadas. Por que ainda insistem em negar isso?
      Esse “linda” ou “bonita” de que estamos falando não surge em uma conversa entre duas pessoas que se conhecem, como um elogio, e sim no meio da rua, por completos estranhos. É um “linda” que a gente sabe muito bem em qual tom é dito e no que nos causa. E olha, que só estamos falando de um “linda”.
      O pior de tudo, enquanto estamos discutindo se realmente incomoda ou não, tudo poderia ser resolvido apenas com uma coisa: RESPEITO. É tão simples.

      • Concordo Respeito e isso começa com aprender cada um a exigir o respeito de sí próprio, e o mais importante, uma coisa que minha, vó, minha mãe, meu pai e pessoas que estão casadas até hoje sempre me falam: Palavras nunca devem ofender, quando ofender é sinal que levamos as palavras à sério e isso é faltar com respeito à si próprio.

        Desculpem meus comentários polêmicos, minha opinião e corrigindo a pesquisa não está errada e nem furada, ela está certa sim, do ponto de vista proposto.

  27. Esse tipo de assédio (que sofro desde os 8, 9 anos) além de nojento e desrespeitoso, sinaliza um homem que não gosta, não quer de fato se aproximar daquela mulher, conhecê-la, amá-la (kk). Ele quer abusar, agredir, humilhar, vingar-se nela de todas as mulheres, que ele teme, despreza.

  28. Que bosta, em primeiro lugar, não sei nem se a pesquisa e real. Em segundo lugar, assumindo que é real, a chance de ser enviesada é grande primeiro pela forma como são feitas as perguntas e segundo porque quem se da ao trabalho de preencher essa pesquisa é porque provavelmente tem algo contra o tema mesmo.
    Claro que não se deve ter abusos ao conversar com uma mulher e é obrigatório que respeitem seu corpo e seu espaço, agora daí a falar que não se pode fazer um “fiu-fiu” ou chamar a mesma de linda já é um absurdo. Como fazemos para conhecer uma nova mulher? Devemos recitar um parágrafo de “O capital” para ver se assim ela quer falar comigo? Mas aí não estarei sendo preconceituoso achando que ela é socialista? Se eu recitar um poema, como vou saber se aquilo não é abusivo para ela? Enfim, devemos parar as interações entre diferentes sexos, pois qualquer coisa poderá ser vista como abusiva.

    • Ow idiota? Quantas mulheres você já conquistou com esse tão singelo fiu-fiu? Quer conhecer uma mulher? Aborde delicadamente. Não fale nada alto em bom tom no meio da rua pra todo mundo ouvir. Nós não queremos ouvir nada de você, nem um poema, nem um fiu-fiu.

    • meu filho, mulher quando quer ser cantada mostra interesse. se tu precisa agarrar gente na rua, assediar assoviando ou chamando de linda, num abordagem estúpida e nojenta, teu caso tá ruim. RESPEITO, já ouviu falar? e não se limita ao toque, assédio MORAL também é REPULSIVO!

    • Marcos, a pesquisa não trata de paquera e aproximação, e sim de machismo, intimidação, falta de educação, invasão. Ando a pé todos os dias e em absolutamente todos sou obrigada a ouvir comentários, muitas vezes acompanhado de gestos obscenos de completos estranhos. Você é homem e não tem ideia de como é desagradável, como é sentir medo de que o cara dê um passo em sua direção. Só de ler esta pesquisa revivo esta sensação de no mínimo desconforto.

    • Quer conhecer as pessoas. Converse com elas. É mais simples do que parece QUANDO sabe-se conversar.
      Também acho o corpo da pesquisa tendencioso, mas seu comentário é apenas estúpido.

  29. Reblogged this on Sente o drama. and commented:
    Porque se eu falasse disso sozinha, o mais provável é quem lesse logo pensasse “gorda” ou “mal comida”.

    [outro dia eu li, por alto, algo como “moça, não chame outra mulher de puta”. Isso significa que nós mesmas reforçamos o comportamento machista da sociedade, no qual julgamos uma mulher por comportamento/maneira de se vestir, como se isso a desqualificasse ou significasse que ela ~tá pedindo~ algo de ruim acontecer].

  30. Um homem que faz uso da corção e intimidação para tratar uma mulher que passa à sua frente como se fosse uma “presa” não merece ser chamado de homem. É apenas um covarde.

  31. Tristeza. Homens que fazem isso são idiotas, causam muito mais dano do que imaginam. Quem acha que é um “elogio” comete um erro violento. Quem diz “mulher gosta de ser elogiada” não entende a diferença entre um elogio e uma invasão… Triste, vcs queimam o filme de todos os homens.

  32. linda, gostosa, ô lá em casa, nora que mamãe pediu a deus, delícia, chupa meu pau, quero te comer, e essa buceta gostosa. Sim. Estão todos no mesmo saco. São todas expressões que demonstram única e exclusivamente (e explicitamente, a menos que alguém não queira ver) que tais homens, os que falam essas coisas pras mulheres, estão pensando APENAS em sexo. E não, essas coisas não são ditas em contextos de aproximação. São ditas no meio da rua, no trânsito, na hora que vc ta indo pro trabalho ou voltando dele. Na rua quando você vai à padaria. É o maior absurdo do universo a gente ser obrigada a escutar e aturar essas merdas de caras escrotos que nunca vimos na vida. Eu sofro com cantadas na rua, sempre sofri e me irrito e indigno sim. Não admito que nenhum homem faça fiufiu ou qq outra dessas merdas pra mulheres na rua quando eu estou perto. não admito q meus amigos ou irmão chamem mulheres de delícia. Nenhuma mulher no mundo, em sã consciência, vai dizer que é legal escutar um cara q ela nunca viu na vida dizer “chupa meu pau”. Calem a boca seus primatas subdesenvolvidos (vocês, homens). Guardem o desejo insano de vcs pra vcs. Já passou da hora desses imbecis entenderem que não é porque somos mulheres e estamos andando na rua que estamos sexualmente disponíveis. E ainda dão risada.

  33. ué, se o homem não dá o primeiro passo morre sozinho, como é sabido, você pode conhecer a pessoa que vai amar em qualquer lugar, inclusive na rua, infelizmente se o homem não se manifestar, nem q seja por um assovio, a mulher é q não vai se manifestar, não vem com essa história que mulher pode muito bem fazer isso, porque não faz, ou seja, o problema é social, homens precisam manifestar seu interesse porque se não o fizerem a mulher é q não vai fazer e consequentemente nunca vai ter um par

    então se o homem não toma a iniciativa é bundão, se toma aparece gente fazendo enquete pra mostrar como as mulheres se sentem inseguras e com medo de andar nas ruas por causa disso

    presta atenção

    • Moço, tudo bem tipo chegar, bater um papo na maior humildade.. Algumas não vão gostar certeza, mas fazer o que né, não vai obrigar a ficar com você, mas isso não é o caso.. O que a pesquisa está falando não é de cantada pra alguém encontrar o amor da vida e ficar todo mundo feliz. São cantadas nojentas, na cara dura, praticamente um estupro. Tenho certeza que todos sabem que não vai conquistar uma mulher passando a mão na bunda dela sem sua permissão, isso é violação de privacidade da mulher. Você ia querer que do nada alguém passasse a mão na sua bunda ou até em outro lugar? Você ia na hora achar “aah é o amor de minha vida tenho que ficar com ela”, acho que não.. Bom, to numa boa aqui só pra explicar mais ou menos o lado que foi a pesquisa..

    • como já foi dito antes, não precisa começar um relacionamento com cantada!!!
      existem várias formar de abordar uma pessoa pela qual voce se interessou…

  34. Esses resultados seguem uma lógica mecânica a qual indicam que essa “pesquisa” tem grandes chances de ser “fake”. Podemos notar a grande presença dos números “8” e “3” espalhados de uma forma praticamente intuitiva.
    Mas consideremos que a pesquisa seja verdadeira, pode-se afirmar que esse tipo de assédio o qual essas tantas mulheres têm sofrido é um tipo muito mais ofensivo do que uma simples cantada em si.
    Posso não ser especialista no assunto, mas penso eu que achar uma garota bonita não é ofensivo a ninguém. É claro que a maneira de expressar este sentimento pode definir certas opiniões a respeito disso. Mas todos sabemos que isso acontece em casos bem extremos.

    • É, os resultados da pesquisa e as situações pelas quais passamos todo dia são tão inimagináveis que ela parece ser fake, né? Pois é, mas eu respondi essa pesquisa. E muitas meninas que passam pelas mesmas situações que eu, também. Pra você ver.

  35. Interessante é que na maioria das vezes alguns homens, fora o fato de ameaçarem com seus “elogios” as mulheres que não conhecem e não respeitam, o fazem em grupos de dois ou mais. Certa vez, eu andava pelo centro de São Paulo quando vi uma garota que andava à minha frente ser “elogiada” por dois idiotas, num grau de grosseria que a fez ficar muito assustada. Não tive dúvida: abordei os dois com uma pergunta simples:”A mãe de vocês não deve ter tido um pai pra vocês acharem que todas são como ela, não?” . Meu nível de indignação e meu olhar os fez gelarem, e ambos abaixaram a cabeça. Sentiram o que praticam.

  36. Boa parte dos homens nunca entenderão pelo que nós passamos todos os dias.Unica coisa que podemos fazer é contar com a próxima geração e nos esforçar para educá-los melhor,porque os que aqui já habitam são de uma hipocrisia sem tamanho.Achar tendenciosa pesquisa,achar que tem que sitar um trecho do “O Capital” e pensar se a mina é socialista?Pelo amor né povo….E é bem isso o que li mais acima,quando é com a mulher/filha/mãe deles aí o buraco é mais em baixo,vira ofensa.Quer saber homens boçais(somente os boçais,pois,ainda existe alguns que tem noção de respeito ao próximo,não só a mulher,mas a todos)vocês é que tem que se dar ao respeito!
    Por que vocês acham que vamos querer ficar com um imbecil que diz barbaridades na rua? Vocês não são para namorar,nem para casar!Na verdade vocês não são o tipo de gente que queremos no nosso circulo social,tão pouco familiar!
    A pesquisa não é tendenciosa,mas pode abrir os olhos de muitas mulheres que passam por este tipo de situação,mas como foram ensinadas,acham normais e aceitáveis.Quando a ficha delas caírem aí sim a coisa vai mudar!

  37. Eu entendo que cantada na rua é falta de respeito e causa medo. Mas… cantada na balada? Se fosse proibido abordar mulheres numa balada ou numa festa, nenhum homem jamais teria namorado, beijado ou transado. Se não se pode ‘chegar’ numa mulher em lugar nenhum, como vocês esperam que se inicie qualquer tipo de relacionamento amoroso? Com a mulher tomando a iniciativa?

    • O problema da balada, é que muitas vezes os homens acham que so pq estamos na balada é pq queremos ficqr com alguem.. e com isso exageram e xingam as mulheres que nao querem ficar com elas….

    • na balada é difícil dizer, mas a verdade é que jamais (ou pelo menos 99% das vezes) fiquei com um cara que me ‘cantou’ (quer dizer, me chamou de linda, gostosa). Abordar é completamente diferente, chegar e falar ‘po você é muito bonita posso falar com você’ ou ‘oi tudo bom, meu nome é tal, você ta gostando daqui?’ (parece super cliche mas pelo menos é uma iniciador de conversa não um anunciado do que você acha sobre aquele ‘objeto’). E sim mulher também pode chegar, várias vezes vi um cara me olhando e fui la falar com ele..

    • Só queria que você prestasse atenção por que a palavra ali é ASSÉDIO, assédio é diferente de uma simples cantada na balada, homens que acham que podem puxar seu braço, seu cabelo, e ainda d xingar se você falar não passam do ponto de uma simples cantada, de um linda, um sorriso, uma gentileza.

    • Sim, a mulher pode tomar a iniciativa também.
      Uma coisa é abordar alguém com um “Oi!”, outra é falar escrotices e tocar sem permissão.

    • Não é bem assim… a diferença é que muitos homens não sabem chegar em uma mulher…. não sabem simplesmente puxar papo…. tem que tocar no cabelo, na cintura ..etc… Homem acha que para chegar em uma mulher tem que fazer essas coisas e não precisa…. Numa balada, simplesmente chegue na menina com um “Oi… tudo bom?… Meu nome é fulano.. e o seu? Não precisa dar um “nosssa….. lindaaaaaaa….. etc” …. Você pode falar que achou ela bonita depois, durante a conversa, se ela se simpatizou por você…. O problema é que no Brasil os homens não sabem exatamente como iniciar um papo… e tem que ser com elogios cuja entonação ao dizer não parece SÓ um elogio… entende?? é por isso que muitas nem dão bola.. É difícil explicar por aqui… escrevendo…. mas acredito que a maioria das mulheres prefere um cara que chegue com um papo bom pra conversar iniciando com um “Oi” etc…. e depois o cara dá um elogio…. que um simples “Nossa… delícia, linda…. etc” numa balada.. ……..

    • Começar com um “oi” já ajuda… Não precisa chegar agarrando ou falando merda… Não é problema nenhum conversar. ;)

    • Aerton, não acho que o fato de ir a uma balada seja motivo pra cara algum chegar em mim me cantando ou tentando qualquer coisa. O fato de eu estar numa balada significa única e exclusivamente que estou numa balada e não que estou à procura de relacionamentos, entende? Claro que há muitas mulheres e homens que vão à balada para paquerar, mas eu, por exemplo, mesmo namorando, vou a boites, shows e festas sem meu namorado e não quero ficar sendo incomodada. Não quero ter que dispensar um cara a cada cinco passos, ter que dizer que tenho namorado só pro cara não ficar insistindo. Quero SOMENTE curtir a balada, simples assim. Acho que falta os homens se colocarem no nosso lugar. Imagine você ir numa balada só pra curtir, num dia em que não está afim de paquerar e um bando de mulher ficar te chamando de lindo, de gostoso, chegando em você, insistindo pra vocês ficarem… Acho que no mínimo você se sentiria incomodado. Talvez não se sentiria intimidado, mas incomodado.

  38. Algumas críticas (construtivas) a pesquisa:

    1- Como falaram, a pergunta sobre as mulheres gostarem ou não de ouvir cantadas merecia uma análise melhor. Das mulheres que acham legal, que tipo de cantadas elas se referem? Ou das que não gostam também, ela não gostam de todas ou algumas específicas?
    2- Achei legal a ideia de destacar as palavras mais usadas, mas ainda assim as informações ficaram meio confusas. Talvez colocar além disso mais algumas informações sobre as frases ditas.
    3- Vocês informaram o número de participantes (7762), mas de que idade elas são? De que regiões? Que faixa de renda? Acho que são detalhes importantes para a pesquisa, até por questão de credibilidade.

    Fora isso achei a pesquisa muito interessante e reveladora. Minha sugestão é que vocês façam essa mesma pesquisa com os homens, pois acho interessante entender de onde parte essas cantadas e a opinião deles sobre o assunto. Para justamente para que haja o debate, que é sempre saudável e necessário.

    Concordo com a Clara Vaz, são tantos os casos de agressões que as coisas acabam se perdendo. Em algumas situações, como nos casos em que o cara chega e diz “não quer chupar o meu pau?” é uma clara agressão. Mas em outros como no caso do “linda”, abre para várias situações. As dúvidas apontadas por muitos homens aqui são pertinentes.

    Eu penso que na hora da dúvida pense, “se eu estivesse no lugar dela, como gostaria que um cara de aproximasse de mim?”. Uma coisa é certa, ninguém gosta de ser agarrado por uma pessoa estranha ou ouvir que gostaria de ser comida, chupada ou qualquer coisa do gênero.

    • Como vocês podem ser tão hipócritas? Não existe coisa melhor que receber uma cantada na rua. Não somos o sexo “frágil”, se você recebe um elogio não signifique que seja um abuso, uma coisa é ser pega no beco e ser estuprada – um crime terrível – outra coisa é receber um elogio de um cara que nunca terá chances com você.

  39. Aos homens que não percebem; você querem ter o “direito” de importunar mulheres na rua, e essas mulheres querem ter o direito de andar livremente sem ser incomodadas. Vocês querem o “direito” sobre liberdades alheias, essas mulheres querem apenas liberdades próprias. SE vocês nao conseguem enxergar isso, com certeza são parte do problema. Garanto que esses que reclamam o direito de importunar se irritam quando importunados. Mulheres são são objetos decorativos que lá estão para deleite de olhares masculinos.

  40. Sou mulher, e tenho que aturar meu pai jogando cantadas nas mulheres que vê na rua, até quando está junto comigo. Eu repreendo, ele diz que é de brincadeira. Tenho nojo. Tenho aversão à qualquer homem que aja assim, e a culpa é dele, pois CRESCI vendo ele fazer esse tipo de coisa, fazendo email falso pra falar com mulheres, enfim. E achando isso tudo certo.

  41. Bizarro esses débeis mentais que acham que sofrem algo parecido com o que sofrem as mulheres, mereciam levar cantada de um grupo de negões jogadores de basquete pra ver se iam gostar.

    Quando se faz isso com um ser mais frágil fisicamente não é brincadeira, é humilhação.

  42. Tem mulher que gosta de receber cantada na rua. O “cantor” é uma metralhadora giratória. Uma hora, acerta uma delas. É isso.

    E cantada na “balada” não é assédio.

    • A cantada que o estudo se refere na balada nao é “oi, qual o seu nome”, sao os caras que agarram, puxam, tocam sem permissao. E isso é assedio sim.

    • Então eu não posso sair pra dançar, me divertir com as amigas, tomar uns drinks, sem ser obrigada a me submeter aos “elogios” e arriscar ser agarrada?

    • E pra acertar uma que gosta ele tem que assediar mil que não gostam? Isso te parece certo?

      E dependendo da “cantada” na balada, é assédio sim. Falar que a moça é bonita e chamar pra conversar é normal, mas ficar bravinho se ela disser não ou não quiser nada além disso, ou passar a mão na moça e coisas do tipo é um problema sério.

  43. Apoio e espero que as mulheres ganhem mais essa batalha!!

    Sou homem e sempre fui mulherengo, admito, mas NUNCA puxei o cabelo de nenhuma mulher, nunca falei baixaria nem passei a mão na bunda de ninguém. É possível admirar e gostar muito de mulheres e trata-las com todo o respeito que merecem.

    Homens podem puxar conversa e as vezes rola interesse as vezes não, vida que segue. Sem recalque e sem agressividade. Da mesma forma, as mulheres tem o direito de mostrar interesse e puxar conversa sem serem chamadas de nomes pejorativos.

    Homem de verdade acha tudo isso que acontece um absurdo, uma tristeza e essa mentalidade tem que acabar. Isso é uma violência contra as mulheres imposta a séculos pelos homens e me impressiona como ainda é tratado como algo normal.

    Boa luta para voces! Contem com homens de verdade no apoio para que isso tenha a seriedade que merece!

  44. Quando eu digo que TODA mulher já sofreu algum tipo de violência sexual, nego acha que eu tô exagerando.

    De acordo com outra pesquisa da Secretaria Estadual de Segurança Pública do RJ, a cada hora uma mulher é estuprada e sete são espancadas: totalizando 4.993 casos de violência sexual e 58.051 casos de violência corporal dolosa APENAS no RJ, em 2012. Link: http://www.isp.rj.gov.br/Conteudo.asp?ident=300

    Lamentável que nego ainda ache engraçado ser desrespeitoso.

  45. Uma vez uma mulher chegou em mim e falou que se eu não ficasse com ela, ela falaria para todo mundo que eu era gay. Isso também é assédio.

  46. Para se aproximar de uma mulher, acredito que não precisamos ser tão contundentes, isso acaba afastando sim. Por que não dar um sorriso? Uma resposta ao sorriso, é um convite para uma boa conversa.

    Acho também que algumas mulheres precisam se valorizar mais, pois já vi algumas sucedendo a essas atitudes, já vi algumas baixando o nível em público também.

    Parabenizo o estudo. Precisamos de mais atitudes como essa para realizarmos maiores discussões e conscientização de que sem as mulheres, não somos muita coisa.

  47. Quando vi isso no facebook pensei que eram cantadas comuns, mas depois de ler essa pesquisa vi que isso não é cantada isso é assedio sexual devia ser cadeia na hora !

    • Eu, mulher, me sinto completamente invadida, toda vez q estou andando na rua e tiro meu fone de ouvido achando q estão me pedindo informação, e os homens, e muitas vezes mulheres (sim MULHERES) repetem o que disseram! Eu acho legal alguém me achar linda, mas q isso seja algo pessoal, mtas pessoas q não me conheciam me chamaram de linda de maneira legal, e mtas de gata de maneira horrível… Uma vez numa festa um cara me segurou pelo passante da calça, e quando a calça se afastou do meu corpo, ele ficou olhando pra baixo, e tentando me beijar! FOI NOJENTO! não sei como alguém pode pensar q as mulheres gostam disso!

    • OI douglas.
      Que bom que vc entendeu que é assídio e que devia levar as pessoas à cadeia. Mas queria te dizer que você acha que há uma distinção entre cantada e assédio, e eu que você entendesse que não há.
      E por que não?
      Por vários motivos, mas vou te dar alguns deles:
      1. receber um elogio na rua, por mais “fofo”que seja, pode invadir meu espaço. Mas se esse motivo é pequeno, posso explicar porque a invasão de espaço é tão ruim nos próximos motivos.
      2. Eu não sei quais são as intenções de quem cantou. Atrás de um “você é linda”pode estar um cara bacana querendo puxar papo e que vai respeitar qualquer resposta sua, como pode estar um babaquara, um estuprador, um assassino. E por que essas coisas vêm na cabeça da gente quando ouvimos o elogio? por experiência própria
      3. 7 em cada 10 mulheres no mundo sofreram ou irão sofrer até o fim da vida com abuso sexual. 7 em 10.
      Eu fui estuprada, ameaçada de estupro (em diferentes ocasiões), passaram a mão na minha bunda, cintura, vagina e seios em diferentes ocasiões, já me agarraram na rua, no ônibus, na balada, no camping… algumas vezes. Já me jogaram contra um muro e eu fugi. Já me xingaram de feia, gorda, mal amada, necessitada de pau. Já me perseguiram de carro pelas ruas desertas do Centro do Rio. Já me ofereceram dinheiro muitas vezes por um programa. Já se masturbaram ao meu lado no ônibus e no cinema. Sofro com os abusos desde que tinha 12 anos de idade. Algumas dessas violências começaram com um “você é linda”. E essa minha experiência não aconteceu porque eu sou linda. Longe disso. Isso tudo aconteceu porque eu sou mulher (ou menina, no começo) e são experiências comuns.
      4. As mulheres não sabem quais são as intenções de quem elogia.
      5. As mulheres são retratadas o tempo todo como objetos sexuais. Se vc quiser entender, é só imaginar homens fazendo no cinema, teatro, comerciais de tv, nos quadrinhos, o que as mulheres fazem. Isso se chama objetificação do corpo. Quando você nos elogia baseado na nossa aparência existe uma grande possibilidade de que vc queira interagir com o objeto sexual que é a mulher. E não com o ser humano que é a mulher.

      Há uma boa notícia para os galanteadores de plantão, porém: vcs podem sim falar com mulheres na rua. Mas alguns cuidados devem ser tomados.
      – Procure não abordar uma mulher que esteja sozinha na rua, no ônibus, no estacionamento ou em qualquer lugar em que ela se sinta desprotegida.
      – Perceba se ela está aberta a falar com você. Se você tem que segura-la pelo braço para fazê-la te ouvir, se vc tem que correr atras dela, se você tem que fazer uma pequena emboscada porque ela parece estar te evitando… vc não deve falar com ela. E se você é bem intencionado, vai entender esses sinais.
      – Converse sobre um assunto qualquer que não envolva a beleza dela. Fale sobre o tempo, sobre o show que vcs estão assistindo, sobre algo que está acontecendo na sua frente, sobre a bike linda que ela está estacionando, sobre a última descoberta da física q¨ântica.
      – Se ela der trela: LINDO! se não, vá embora em paz. Não a acue, nao a xingue, não a persiga. Parece óbvio, né. Mas a maioria das pessoas que me cantou na vida não pensa dessa forma.

      Desculpe o texto longo. Mas achei que vc parecia uma pessoa gentil.

      Um beijo

  48. Achei interessante a pesquisa, pois ela retrata o que há muito se sabe e acontece nas ruas deste país e nas do mundo inteiro. Claro achei um pouco extremado alguns comentários de alguns homens tentando justificar alguns “abusos” como forma de aproximação feminina.
    Ora, mas por quê chamar isto de um abuso? Logicamente porque é dito de uma forma que venha a denegrir o sexo oposto ou levá-la a se sentir diminuída pelo que é falado nas ruas, shoppings, baladas e etc.
    Chamar alguém de linda é normal, desde que consentido e dependendo do grau de intimidade com a pessoa (se esta não vêm se sentir chateada ou abusada pelo fato), agora falar na rua para uma transeunte desconhecida e ainda assim achar que é elogio, ou uma forma “delicada” de se aproximar é o resultado de anos de uma sociedade machista e de uma má criação oriunda de um profundo sexismo enraizado em nossa sociedade.
    Sou homem e creio que ao conversar com alguém (independentemente de quem seja), devemos manter o mínimo de cordialidade e respeito; e que as abordagens mesmo à pessoas que não conheço devem ser educadas, gentis e tranquilas, pois isso é que se espera de uma pessoa criada para viver em sociedade.
    Sabendo disso acho que desmente essa teoria de que o homem pra “chegar junto” tem agir como homem, como diriam alguns (de forma grossa, agarrando, chamando a mulher de nomes que venham denegrir a imagem dela, julgando pela sua vestimenta e agindo sem nexo algum em muitos casos).
    O fato é, a pesquisa veio muito a acrescentar e trazer para debate os limites de uma abordagem e o como devemos agir (sejam os homens aprendendo a respeitar os limites femininos e as mulheres aprendendo a reagir caso haja um abuso).

  49. Li tudo e digo que não pode ser colocado no mesmo pacote, extremista como a ridícula “marcha das vadias” e sua Castração Social que virou projeto e será punido aqueles que as mulheres NÃO QUISEREM.

    Existem coisas que nunca vão mudar, como atração física do homem a uma bela mulher, agora se existe “assédio” de verdade e não os mimimi que estão no texto, verá que é uma questão educacional do homem. Ande um pouco no centro de Belo Horizonte para ver se tem mulher com nível de escolaridade o suficiente pelo tamanho das roupas, é praticamente um “mexa comigo”.

    Agora vai da educação de cada um, mas que a grande massa sem educação, até mesmo escolaridade baixa, vai acabar mexendo, isso vai.
    É muito social…nada extremista e simples como a castração social.

    Não comprem briga dos outros, pois o buraco é muito mais embaixo.E lembre-se que dentro do grupo dessa pesquisa tem o famoso “gosto de homem com pegada”, vulgo “chega em mim sem eu precisar fazer nada, de maneira escrota pq estou bêbada.”

    • Típico comentário de um homem pouco informado. E se você fosse cantando, diariamente, por mulheres desconhecidas e o triplo da sua idade? Depois de um tempo fica constrangedor pra caralho. O problema não é ter atração, mas sim respeitar a privacidade dos outros, especialmente da mulher, pois a sociedade patriarcal e machista as trata como não fossem donas dos próprios corpos. Isso não é mimimi – porque será que tem tanta cirurgia plástica no nosso país? Porque será que condenamos a prostituição, apesar de achar o gigolô/gogoboy uma profissão “engraçada”? Porque será que a cada dia, dezenas de mulheres são vítimas de agressão física e sexual? Porque será que apenas 2% dos estupradores são presos? Todos estes fatos são verídicos, então não é exagero meu. Você provavelmente espera que eu seja uma mulher “feminazi”. Na verdade, sou homem que acredita nos direitos igualitários.

    • João, vc é machista. Alguma das coisas que o feminismo busca é erradicar essa sua ideia de que se uma mulher está usando roupa curta, ela não está no direito de se sentir ofendida caso seja assediada. Isso é ridículo. É desumano. É o mesmo argumento de quem diz que é justificável um estupro se a mulher estivesse de mini-saia, por exemplo.
      Espero sinceramente que nenhuma das mulheres que vc tenha apreço passem por isso e que vc não esteja sendo hipócrita de criticar quem usa roupa curta mas na balada chega na primeira que estiver de shortinho.

    • Que comentário machista! Vc sabe o que é ter medo de sair de casa com a roupa que vc quer? Sabe o que é ter que sair da faculdade a noite sozinha com medo de ser estuprada? Sabe o que é não poder ir a uma festa sozinha pq hoje em dia não se pode confiar em nenhum homem desconhecido (e muitas vezes, conhecido)? Sabe o que é ter que beber menos em uma festa para não dar a impressão de que vc quer “algo mais”? Não, vc não sabe. Olha em volta para as mulheres da sua família e se pergunte se elas não têm esses medos. Pergunte à elas se alguma vez ja sofreram algum tipo de humilhação simplesmente por serem mulheres.

    • Joao, qualquer coisa que a mulher se sinta incomodada, intimidada, constrangida e assédio. Beleza o homem sentir atração por uma bela mulher. A questão não é essa. Ele que fique no seu canto, quieto, apenas com seus pensamentos.
      Tamanho da roupa não define caráter, não define escolaridade, não define moral. Pelo menos não deveria. “Gosto de homem com pegada”. Isso não quer dizer violento, escroto. Não se refere ao homem que agarra a mulher sem permissão. Pegada é outra coisa, em outras circunstancias. E quanto a estar bêbada, totalmente falho qualquer comentário a respeito. A mulher, ou homem, tanto faz, merece respeito embora bêbado, sem aquela história que cu de bêbado não tem dono, continua sendo estupro.

    • Tamanho de roupa NÃO é um convite para assédio e estar bêbada NÃO te dá o direito de mexer com uma mulher.

      E se você chama isso de mimimi e acha que marcha das vadias é ridícula porque mulheres estão cansadas de ouvir coisas como “você estava com roupa curta e bêbada, pediu para ser estuprada” (que, coincidentemente, são coisas que você disse no seu comentário muito cheio de conhecimento), faça um favor pro mundo e não se reproduza.

    • como você é imbecil. poderia escrachar seu texto frase por frase. mas o tamanho da sua idiotice, que, pelo jeito, você chama de senso crítico, só vou é dizer isso mesmo: como você é imbecil e não sabe separar as coisas.
      mulher que gosta de sexo bom tem que gostar de ser assediada então? seu ignorante.

    • Moço você é machista! Nós mulheres temos o direito de escolher nossos parceiros e usarmos a roupa que quisermos sem sofrer violência e preconceito.

    • Jante um pedaço de merda e cague-a depois. Garanto que nao vai ser tao sujo quanto o que voce disse nesse comentario

    • Tamanho da roupa NÃO É um convite para assédio e estar bêbada NÃO TE DÁ o direiro de ser desreipeitoso com uma mulher.

      Se você acha que isso é “mimimi” e a marcha das vadias é ridícula porque ela fou criada pra que mulheres nunca mais precisem ouvir que pediram pra ser estupradas porque estavam usando roupa curta ou estavam bêbadas (duas coisas que você citou no seu comentário muito cheio de conhecimento), faça um favor para o mundo e não se reproduza.

    • Pô cara….
      Não vem justificar o assédio das mulheres pelas roupas que elas usam, NADA da o direito de alguém assedia-las, nem mesmo se elas andassem peladas na rua.
      Um elogio a uma mulher, como chama-la de linda de forma educada é uma coisa, mas todos sabem que muitas vezes a cantada não é feita neste sentido. Muitas vezes o cara solta um “linda” tão malicioso e invasivo que é de assustar qualquer um.
      Também acho que existem extremismos feministas em alguns casos, mas isso não significa que nós devemos desconsiderar esta pesquisa e taxá-la como feminista, tem muita coisa que deve ser avaliada aí!

      • Concordo com você, muita coisa tem que ser avaliada aí, pois a pesquisa é extremamente tendenciosa.
        Pior é um projeto de lei que esqueci o número, que trocando em miúdos é assim:

        Homem que não me atrai mexeu comigo = Punição (leia lá)
        Homem que me atrai mexeu comigo = Beleza!

        Vai ser difícil achar mulher bonita, que ela vai se sentir invadida. E isso tem muito haver com escolaridade sim, pois escola também se ensina cidadania dentre outras questões sociais.

        Não estou sendo machista, pois disse que a questão é educação tanto do Homem quanto da Mulher, só que a lei irá pro lado da mulher sempre deixando casos pequenos (pois a maioria de acordo com as mulheres, são maniacos estupradores) de lado.
        Assédio precisa ser punido sim, mas antes disso, deve ser evitado e isso se mexe na base….ou seja….na educação.

    • Mimimi? Eu realmente que um homem soubesse o quanto é insuportável ter que deixar de usar roupas que você quer porque você pode ser assediada, ou controlar o que fala para não te interpretarem como “vagabunda”, ter sempre a culpa de “excitar” o homem sem ter feito nada.
      E ah, tem tanta coisa… Ser mulher é um pé no saco. Ouvi uma frase um dia desses que achei bem interessante ” Não entendo por que ele quis mudar de sexo, nascer homem e depois ser tornar mulher, se submeter a vida feminina… É como ganhar na loteria e devolver o bilhete premiado”.
      Você foi educado para falar de sexo, demonstrar o seu desejo por este abertamente e nunca ter vergonha de mostrar toda a sua “virilidade”, por isso não consegue ver as entrelinhas deste “mimimi”

    • gostaria de ver se fosse sua irmã de 11 anos ou sua mãe recebendo tapa na bunda de um filho da puta punheteiro comendo ela com os olhos, se imaginando pegando ela por trás. você não sabe o que é “assédio” pois nunca sofreu, e nunca sofrerá esse tipo de abuso, seu imbecil. bastante fácil falar quando se esta de fora. mulher sofre abuso de escrotos desde o dia que nasce um carocinho no peito (se não menos). isso é repugnante, doentio. não consegue pega mulher e fica provando masculinidade falando merda na rua pra qualquer pessoa que mije sentado, e que não quer escutar coisas do tipo: “nossa senhora hein uma dessa de quatro na minha cama eu acabava com a raça”. voce e todos os homens que tem essa postura são porcos nojentos, estupradores natos.
      e para todo idiotas que acham que é por um simples “oi linda”, a proposta desta pesquisa não é marginalizar homens que sentem atração por mulheres, mas trazer para o debate até que ponto essa “vontade”, aparentemente tão incontrolável, tira a nossa liberdade todos os dias.

    • “Ande um pouco no centro de Belo Horizonte para ver se tem mulher com nível de escolaridade o suficiente pelo tamanho das roupas, é praticamente um “mexa comigo”.”
      – Não, não é. Se o dia está quente, eu posso andar de short como você anda sem camisa, sem que meu corpo seja avaliado ou que um cara seja vulgar comigo. Não importa a roupa que eu use, uma roupa NUNCA será um pedido de interação, NUNCA. É só roupa, só pano, deu. Os panos que cobrem o meu corpo não podem ser motivo para violência, para ofensa, para humilhação (até porque, fizesse diferença, países muçulmanos não tinham tantos casos de violência sexual). Você pode até pensar, na sua cabeça, que a garota é uma vadia, mas jamais deve chegar nela agindo como se ela quisesse te dar ou quisesse que você falasse com ela.
      “Não comprem briga dos outros, pois o buraco é muito mais embaixo.E lembre-se que dentro do grupo dessa pesquisa tem o famoso “gosto de homem com pegada”,”
      – Sim, o homem que a gente autoriza chegar. Qual a dificuldade em entender isso?
      “vulgo “chega em mim sem eu precisar fazer nada, de maneira escrota pq estou bêbada.”
      – Se você considera a possibilidade de agarrar uma garota porque ela está bêbada, então se num porre teu aparecer um cara de dois metros de altura querendo te pegar é aceitável também?

      • Olha, essa parte é relativa:
        “Se o dia está quente, eu posso andar de short como você anda sem camisa”

        Da mesma forma que acho errado as mulheres andarem de short, acho errado os homens andarem sem camisa!
        Nos 2 casos, as pessoas estão fazendo uma provocação sexual TAMBÉM, além de outros fatores como calor e etc…

    • Nossa vai se foder. Você é homem, quem você pensa que é pra desqualificar a marcha das vadias e dizer do que a mulher gosta ou nao? Deve ser um estuprador em potencial se justificando…

    • Eu sou homem e já tive a experiência de ser cantado por outros homens, mas por meio de olhares bem insinuantes. Não me sinto invadido qdo isso acontece, apenas fico sem graça. Mas no caso dos relatos, não estamos falando de cantada, e sim de assédio sexual o que é outra coisa.

      Não quero ser insensível a um problema sério, mas achei que o post foi tendencioso ao misturar as duas coisas, até porque receber uma cantada numa balada, por exemplo, é a coisa mais normal do mundo, não consigo ver o que tem de errado um cara chegando numa mulher numa balada e falar pra ela que a achou bonita. Muito diferente de um cara se masturbar do lado de uma mulher, conforme um dos relatos.

    • Achei incrível as diversas interpretações que o meu texto deu. O que assusta mais foi a capacidade de distorce-lo.
      Parabéns a todos, vocês tem o Brasil que merecem.

  50. Concordo com algumas coisas, mas não poder chamar ela de linda é tenso… Sorte minha que eu sou tímido e não falo nada, só fico imaginando como a pessoa pode ser tão bonita.

    • Yakusho, “linda” parece ser um elogio inocente, mas quando você é uma mulher andando na rua e um desconhecido 3 vezes mais velho do que você diz isso, com um olhar malicioso, é bem constrangedor. Se fosse um menino da minha idade, do qual eu conhecia, aí sim seria legal.

    • A questão não é “não poder chamar de linda”, mas sim, a maneira como a chamou. Ou você acha normal alguém dar uma chave de braço em uma menina para chavecá-la?

      • Ah, eu entendo se for alguém mais velho, e tal, mas se for uma pessoa do teu tamanho mais ou menos, que tu até viu uma ou duas vezes na escola, ou se essa pessoa é amiga de algum conhecido seu, aí eu acho que não tem problema.

    • Eu entendo quando você diz “não poder dizer linda é tenso”, a questão é que muitos que dizem “linda”, não ficam só no “linda”, seguem após com uma agressão, verbal ou em gesto, ou mesmo uma ação, propriamente dita.
      Como é que uma mulher passando na rua vai saber? Primeiro, ela se assusta ou “tensa”.
      É complicado, coloque-se no lugar do outro.
      A mulher fica muitas vezes, com o passar do tempo (após um nº de experiencias desagradáveis) a ficar condicionada, a ter uma reação externa ou/e interna desagradável, ao escutar um simples “linda”.

    • Vc fala isso até chamarem tua mãe de gostosa, aí aposto que vc fica todo machinho querendo arranjar briga pq achou falta de respeito. Pensa um pouquinho antes de ser irônico, rapaz…

    • Antigamente não havia todo esse mimimim por conta de cantadas, mas hoje em dia se perdeu o respeito, o que era ingenuo e romantico, se tornou vulgar e ofensivo. Quando vc olha, e diz algo que seja agradável, vai lá, de repente elogiar os olhos, o sorriso. Mas chamar de gostosa e dizer que chupa toda, é tenso. Vamos sim dar um basta nesse assédio imoral. Vamos optar pelo meio termo, quer chamar a atenção de uma mulher bonita, que tal a sutileza de apenas cumprimentá-la, é um bom começo, porque dizer pra uma mulher “Te chupava toda” não seria uma forma inteligente de conquistar um sorriso.

    • qualquer assédio é horrível. é ridículo pensar em uma mulher como simples objeto sexual. mulheres não assediam homens assim. isso chama-se cultura do machismo!
      e vc só não está concordando pq é homem.
      experimente perguntar se a sua irmã, sua namorada, sua mãe, sua tia, ou sua avó gostam de serem assediadas na rua ;)

      • “mulheres não assediam homens assim” não é bem verdade, claro q existe em bem menor número. E já tendo levado cantada uma ou duas vezes de uma guria q eu queria era longe de mim eu posso atestar q esse bagulho é um saco

    • Esse seu sarcasmo de merda só acontece pq não é com vc, se imagine andando na rua de boa e um retardado doentio gritando – gostosa, -linda, nossa super agradável ouvir elogios desnecessários de desconhecidos, como se vc estivesse a exibição.

    • Sim, é terrível!Não quero ser chamada de nada, não quero sair para trabalhar e um homem nojento sussurrar no meu ouvido qualquer coisa. Não quero receber elogios, não quero ser admirada pela beleza, não quero ouvir vou te chupar todinha, porque tenho vontade de vomitar cada vez que ouço algo do tipo, e o assedio é diário. Fico feliz quando não preciso sair de casa, ou saio o mais feia possível para não chamar a atenção. Será que esses homens realmente acham que as mulheres gostam disso? Só quero ir e vir sem ouvir qualquer referencia a minha beleza, porque não ando por aí chamado de lindo ou gostoso todo homem que acho atraente. Falta respeito e educação.

    • A todos os homens que questionam se “linda” “gostosa” e “delicia” são assédio, eu respondo: sim. Ser chamada da gostosa pelo namorado, pelo ficante, marido, ou com respeito é diferente de você passar na rua e um cara desconhecido te olhar maliciosamente e te chamar de gostosa (sem falar nos complementos que vem depois da palavra). Todos esses tipos de comentários dependem do contexto e de quem diz.
      Exemplo
      “nossa, você está linda com esse vestido.” fala de um colega de faculdade durante a formatura. Ambos já se conhecem a um tempo e há respeito. “ou, nossa amor, você está muito gostosa com essa saia hoje” – namorado para a namorada

      “Lindaaaa, gostosaaa” gritado, no meio da rua por um desconhecido. Contrangedor.

      O comentário do Raph@ael, ilustra bem a minha fala.

    • A pesquisa não ta falando de um simples flerte, fala de situações de quase estupro, de violação do corpo alheio, da mulher sendo impossibilitada de usar a roupa que quiser pra não ser abordada inescrupulosamente na rua… você gostaria que sua namorada/mãe/irmã/amiga fosse abordada na rua todos os dias sendo chamada de gostosa ou delícia, num sinal de total desrespeito? Por favor, leia a pesquisa direito antes de achar que isso é mesmo banal. E se puder tente ser um ser humano melhor e se coloque no lugar dos outros, sua falta de empatia ao próximo é preocupante…

    • Legal, cara. Então tá okay se eu chegasse na rua e chamasse sua mãe de gostosa, certo? Acho que ela adoraria a sensação e não seria um “assédio terrível”, certamente.

    • Me responda, se um cara de chamar de “lindo”, “delícia”, “gostoso” na rua, você vai levar de boa, achar super normal e nenhum pouco ofensivo?

  51. Quinta feira passada era um dia normal até aproximadamente 6:30 da manhã. Peguei meu primeiro ônibus (abdiquei de meu privilégio e viajei em pé) e fui até o ponto no qual pego o segundo ônibus, mal sabendo o que me aguardava. Percebi uma certa demora em sua chegada e rapidamente me dirigi até o ponto anterior, já que o ponto que fico diariamente estava começando a ficar cheio. O ônibus chegou com um atraso de vinte minutos, porém consegui viajar sentado. Mal sabia eu que estava prestes a entrar no inferno… O ônibus começou a encher e reparei que uma depósito estava claramente mal intencionada. Ela se encostou em mim. Fiquei claramente incomodado e me aproximei da janela (era um banco único), me sentindo indefeso com aquela ameaça evidente usando calça legging. A cada balanço do ônibus senti que ela queria punir minha pureza encostando aquele corpo magro no meu ombro, que naquele momento já fora completamente deflorado pelos contatos exercidos contra mim. Estava a ponto de chorar, quando o pior aconteceu: o ônibus começou a esvaziar, mas ela não deixou de ficar perto de mim. Aquele ultraje absurdo da situação de semi-estupro foi horrível, e ninguém no ônibus pareceu se importar comigo ou com meus direitos. Já sem forças de tanto esquivar da ameaça feminina, meu coração voltou a bater quando ela deu o sinal e partiu do ônibus, não sem antes se virar maliciosamente e bater a bunda em meu braço, como se falasse “gostou, sua putinha?”. Estou tremendo até agora.

  52. Pingback: Pedro Psicológo

  53. Achei o máximo a pesquisa, é exatamente isso que acontece com a gente.. ando de onibus e pelas ruas todos os dias e sempre em dias quentes já sei que vou passar calor, e já boto musica pra tocar no celular pra evitar de ouvir o que não me agrada. Não é legal levar uma “cantada” assim, no meio da rua.. é uma invasão, nos sentimos profundamente desrespeitadas.. quando isso acontece, me sinto como um pedaço de carne, exposto a mercê de clientes desejosos de um acougue. Nunca me esqueço de um dia em que estava passeando com 4 amigas na rua perto da nossa escola, e ao atravessar um carro prata parou na nossa frente, e seu motorista, com o vidro aberto, batia punheta para nós com uma cara de maníaco. Tinhamos por volta de 15 anos, foi horrível, só me lembro de ter saído correndo dali, desesperada.

    Sempre pensei nesse tipo de violência e como isso devia ser tratado na sociedade, outro dia mesmo pensei que, da mesma maneira que agora quem jogar lixo nas ruas do Rio leva multa, uma pessoa que assedie uma outra pessoa dessa maneira deve ser multada ou dependendo, presa. Até quando temos que aguentar essa falta de respeito? quero ter a liberdade de poder sair de shorts ou saia em um dia de calor, sem me preocupar com que tipo de violência posso sofrer.

  54. Mulheres, parem de se referir aos relatos do final como “estórias”. Pra quem não sabe, estórias são ficção, “histórias” sim são transcrições de fatos que ocorreram na vida real.

  55. Existem problemas na visualização dos dados? Existem alguns, sim.

    Só que isso não deslegitimiza a pesquisa. Parem de nos envergonhar.

    Ouçam um pouco o que as meninas tem para dizer. Custa refletir um pouco? É problemático viver em uma sociedade em que as pessoas se sentem necessitadas de defender suas opiniões e posições imediatamente, e sem reflexão.

    Custa, sempre, de qualquer lado que você esteja, sempre, sempre, se perguntar ao pensar em um assunto: Não estou pensando só pelo meu lado? Não estou colhendo argumentos para justificar minha zona de conforto?

    Eu sei que pode dar medo descobrir que você está errado. Mas a menos que você tenha estuprado alguém, caso em que você deveria estar pagando perante a justiça e que não tem como voltar atrás, pelo menos existe a possibilidade de saber que se você repensar agora, talvez você se livre de passar mais 30, 40, 50 anos, sei lá quanto cada um irá viver, tornando a vida das mulheres pior. Se você já fez isso até aqui, cantando, sendo abusivo, ou mesmo sendo conivente com a atitude de amigos ou desconhecidos, poxa, você pode dar um basta nisso.

    Essas meninas todas, com suas histórias, suas vidas, seus sonhos, são obrigadas a andar na rua com medo. Mesmo quando heterossexuais. A questão aqui não é de mulher gostar de homem ou não. É de que desrespeitamos e destratamos todas! Negras, bissexuais, lésbicas, heterossexuais, trans, todas!

    Só se pode ser muito egoista para pensar que a vida é melhor assim, com você, fazendo o que quer, e as pessoas do sexo que você diz que tanto gosta, são obrigadas a se calar e aceitar o modo como “os homens são”.

    Infelizmente nascemos numa sociedade machista. E fomos criados para sermos como somos. Nós não invetamos isto. E isso já é muito bom. Deveríamos ficarmos felizes de saber que nós podemos parar com isso. Que podemos dizer aos do passado: não, não seremos homens como vocês foram.

    Parem para ouvir. Repensem. É a oportunidade de um mundo muito melhor. De mulheres mais felizes, metade do mundo. que pode vislumbrar não ter mais medo.
    E poderem finalmente desfrutar.

    E quem sabe, aí, você topa com uma destas. Vocês sorriem, conversam, numa boa, e ficam juntos. Você, e uma mulher que não precisa ter medo de você. Bem melhor, né?

    • Valeu ser humano!

      O óbvio bate e volta em certos homens aqui no fórum.
      Continue falando com os homens que você conhece. Mostre a eles que eles estão errados. E o faça com a mesma calma que c fez agora.
      As mulheres do mundo te agradecem.

      :)

      beijao!

  56. cara, não to entendendo o problema de entender que não queremos ouvir que somos lindas de gente estranha e desconhecida na rua… qual é a dificuldade?

    é, sim, um problema… e se vocês não querem acreditar em nós, que somos mulheres, vão acreditar em quem?

    usem seus “lindas e delícias” pras suas respectivas mães, namoradas, irmãs etc

    • Wagner, não sei se você acompanha o canal dessa menina. Eu acompanhei por um tempo e cheguei a conclusão que ele acha que as mulheres devem se moldar completamente aos homens e que tudo é mimimi de mulher e que homem não pode e nem deve aguentar isso. Deixei de assistir por isso e já avisei para meu esposo que eu não seria assim.

  57. Arrasou, raph@el !! Seria ótimos se todos os homens pensassem como você. Não se trata de elogio e sim denegrir a mulher. Ouvir “linda” quando se está conversando com um cara que está interessado em você é uma coisa. Agora na rua, um desconhecido invadir a intimidade só por conta da beleza ou vestimenta é ridículo. Li o caso das meninas no fim da matéria e fiquei chocada e admirada com a coragem de mostrar esse horror pelo que passaram. Até quando, hein??

  58. Realmente é um problema que nós mulheres sentimos na pele. Tenho 22 anos e desde os 10 lido com esse tipo de agressão verbal, no meu bairro é impossível andar 20 metros sem receber uma “cantada” dessas, já deixei de sair de casa inúmeras vezes, deixei de frequentar lugares, por exemplo borracharias e fiquei sem bicicleta, esperando alguém arrumar para mim porque em todas as borracharias tem esse tipo de individuo. Isso atrapalha muito a vida da gente, agora que estou mais segura encaro os “indivíduos” (consigo fazer uma cara bem feia) e acho que se tiver uma oportunidade ainda lasco um soco na cara do próximo, é sério os caras aqui da região são muito grossos.

  59. Republicou isso em Hoje acordei Améliae comentado:
    Confira o resultado da pesquisa apoiada pelo Hoje Acordei Amélia publicada hoje no site do origem da Campanha Chega de Fiu Fiu, Think Olga

    A pesquisa só prova o quão complicada é a situação das mulheres hoje em dia, que têm que se colocar no lugar de culpadas e até vigiar a própria vestimenta para não “pedir” por assédio nas ruas, o que não adianta, é claro. Os números estão aí para provar que nada é feito e que cada vez mais essa cultura do estupro e o slut-shamming só humilhão e diminuem as mulheres. E isso acontece diariamente.

    Preocupante, não? Se você acha que é frescura, ou que é culpa da mulher, (quem manda ser gostosa e andar em local público, né? Que absurdo) então leia e avalie esta pesquisa com cuidado.

  60. Tem um ano que não uso short porque da última vez que usei, um homem disse “que delícia de pernas”… Essas cantadas são a pior coisa do mundo. Queria poder usar o que quiser sem ter que lidar com esse tipo de gente que não respeita.

  61. Eu já passei por situações semelhantes duas vezes: A primeira vez eu estava de saia longa, e peguei um busão pra voltar pra casa, estava cheio e o cara chegou perto de mim e ficou falando: “se esconde toda pra provocar…”
    e ficou tentando se esfregar em mim…
    eu desci na primeira parada e peguei outro bus
    A outra vez foi quando eu tava em uma boate (era níver da minha amiga) e eu e essa amiga estávamos dançando e pá
    Daí eu n quis ficar com um guri lá
    Daí chegaram uns 5 meninos fizeram uma rodinha e passaram a mão na gente
    a gente só conseguiu sair de lá quando e segurança chegou
    e a gente foi embora mt assustada

  62. Os caras que falaram que chamar de linda e gostosa não tem problema, quero ver quando algum homossexual fazer isso com eles, qual será a reação?. Será que vão pensar “isso é inofensivo”?

    • Ai é uma situação bem diferente… se um homossexual mexe comigo eu não vou gostar porque não me atraio por eles!

      Mas… se uma mulher falar lindo, eu vou adorar! Pode ser que eu nem curta ela, mas é bom saber o que elas pensam…

      • Impressionantemente nunca achei um homem que me cantou atraente. E posso afirmar que isso é verdade para quase toda mulher… entao… ah! temos o direito de nos sentir ofendidas?

        Antes de cantar uma mulher, vc já se perguntou se ela é homossexual? se for e um heterossexual cantar ela acho que ela tem todo o direito de ficar ofendida.

        Se é que eu entendi o seu raciocinio.

        Entao, que tal: antes de cantar uma mulher você pergunta pra ela: você me acha atraente. Só pode cantar se ela disser que sim.

        Pode ser?

    • Pois é … No vestiário, foi muito constrangedor estar nu e ser cantado, ou encarado, por um homem. Já aconteceu mais de uma vez, e sempre fiquei sem reação. Não vou discutir se é mais grave ou não que uma cantada de rua: acho até mais constrangedor pelo momento íntimo em que se está, mas, como visto em relatos acima, as mulheres ainda tem um agravante, que é o medo real de serem estupradas no caso de ambientes desertos e sem força física contra o agressor. É triste …

  63. Que absurdo, gente! Estão chamando as mulheres de lindas! Cadeira elétrica pra esses crápulas machistas! Chega desses elogios que deixam as mulheres com MEDO! Vão elogiar a mãe de vocês!

    • Ai, bem, BEM menos, cara. Uma coisa é elogio, outra é assédio. E pelo seu comentário, você deve ser bem do tipinho que pratica o segundo nas ruas.

    • Temos o direito de não querer ouvir opniões sobre nossos corpos e aparência. Se me acha linda, pense com você.

    • Então se um homossexual te chamar de “lymdo” na rua “falar que quer te chupar toddynho” e quer seu “picolé” nu você vai amar o elogio né? Por que não! É elogio!

    • Você é otário meu irmão?
      Deve ser outro babaca que assedia as mulheres na rua e acha engraçado.
      Ou se junta com seus amigos pedófilos e machistas para azarar mulheres indefesas na rua.

    • como você é babaca, alexandre. babaca se não tiver lido a matéria e mais babaca ainda ser tiver lido e feito um comentário desses. sou um homem e acho muito triste que 85% das mulheres entrevistadas tenham, pra não comentar todas as violências apresentadas, sido tocadas sem consentimento e que um cara logo depois de ler isso comente com ironia como seria exagerada a luta por um mundo sem esse tipo de coisa.

    • Tô vendo na sua foto que você é bem gatinho, Alexandre.

      Sabe o que ia te deixar mais lindo? Meu braço enfiado no seu cu até o cotovelo.

      E não adianta dizer que não gosta, que eu garanto que faço você gostar.

    • Penso que caras que ficam “elogiando” mulheres nas ruas, são os mesmos que não abrem a boca para elogiar namoradas/esposas. Quer elogiar? Elogia a sua mulher…

    • Se ainda fosse só chamar de linda. Parece que ignorou todo o resto da pesquisa.
      E ainda, chamar de linda pode sim ser ofensivo, dependendo da maneira que se faz, de como se olha. Tem uns tarados por aí que sabem ofender sem nem falar. É fácil dizer qualquer coisa quando não é você quem está em risco de ser estuprada.

    • Gentileza sua fazer o favor de parar de cagar pela boca, ok?

      “Linda”, a palavra, nunca foi o problema realmente. O problema é o sujeito misógino, cuzão, que acha que pode chegar para qualquer mulher, a qualquer momento, de qualquer jeito, e lançar um gracejo qualquer>

      “Linda” é sim um elogio, mas entre pessoas que tem intimidade, em situação em que a mulher dá abertura para receber esse elogio de alguém a quem ela permita fazê-lo. Mas no meio da rua, com um desconhecido, sob um olhar malicioso, é tão horrível quanto ouvir um insulto.

      Se você nunca vai saber o que é ser uma mulher nessa sociedade machista, pelo menos se esforce para ter empatia.

    • Pensa um pouquinho amigo, ouvir que você é lindo, vindo de alguém da sua idade, por quem você tem interesse, nem precisa ser conhecida…é uma coisa…

      Agora, pensa em pessoas que não são seu tipo, te chamando de lindo! Um negão bem grande, uma idosa, pessoas que não te conhecem, mas que te olham de cima a baixo, te comendo com os olhos, e te chamando de lindo. Pensa num grupo de homens te olhando e dizendo que você é lindo (supondo que você é hetero)… Pense em qualquer pessoa, que você não tenha interesse, te assediando. Não é confortável, pra ninguém.

      Por via das dúvidas, melhor guardar “linda” pra sua mãe, sua namorada, pessoas próximas a você, ou pelo menos, praquelas desconhecidas que gostam de ouvir. Reparou que não são muitas?

    • sei lá, eu tenho a impressão de que alguns comentários, do tipo, o cara dizer que a menina é linda, não é *necessariamente* ruim e o cara que faz isso não é necessariamente um tosco, mas o problema é que a mulherada já tá tão oprimida e escaldada com tosquerias diárias que qq comentário vindo de alguém não conhecido vai ser recebido com medo de algo mais podre vir em seguida. andando pelas ruas em outros países eu percebi como as mulheres têm muitas vezes menos medo de olhar você nos olhos, perceber a sua atração/curiosidade, e sorrir, sem se sentir oprimidas ou acharem que podem sofrer um ataque. parece que pras mulheres no brasil, infelizmente, sentir medo e correr de comentários à priori inofensivos ou “bonitinhos” como “puxa como vc é linda”, é estratégia de sobrevivência.

    • Cara, com esse comentário tu demonstra não conseguir enxergar o principal de um diálogo: empatia. Dizer que uma mulher é linda – ou usar adjetivos mais intensos – depende do quanto ela quer escutar aquilo de ti. Não existe problema nenhum em chamar uma mulher de gostosa, desde que ela queria escutar isso de ti e já tenha demonstrado diretamente. E pode ter certeza que, se ela não te conhece e tá passando na rua, ela não vai querer que tu chame ela assim.

    • Ô amigão, não sei se você já reparou mas os caras não falam “linda” de maneira respeitosa como um elogio, não. Eles falam como se você fosse um pedaço de carne, olhando pra sua bunda de forma maliciosa, deixando bem na cara qual é a intenção, no que é que ele está pensando. Isso é invasivo, é desrespeitoso, dá nojo, dá raiva. Se você quer elogiar uma pessoa na rua, pare-a, sorria respeitosamente, diga que a achou bonita e siga seu caminho. Isso é completamente diferente do que se ouve passando em frente a lugares lotados de homens mal intencionados te dando “bom dia, princesa”, mas secando a sua bunda.

    • issoo aíi! concordo.. chamar mulheres de Linda!… nooosssa prisão pra todos que fazem isso! pode causar uma histeria de medo generalizado nas mulheres. qdo vejo isso faço questão de trombar co o cara e falar olha pra frente!

    • Voce pegou um único ponto da pesquisa e quer fazer piada?
      Se fosse com sua namorada ou sua irmã aposto que um linda vindo de um outro homem pra ela(s) te incomodaria. Se fosse outro homem te chamando de lindo com um olhar totalmente nojento talvez você não achasse engraçado.

      A questão não é simplesmente chamar de linda, mas tem a intenção com que a pessoa fala e como ela se comporta antes ou depois de falar. Voce pode chamar uma mulher de linda e fazer com que ela se sinta muito bem e voce pode chamar uma mulher de linda e fazer ela se sentir um lixo.

    • sempre te, que ter um homem pra fazer “homenzice” em post dedicados ao sexo feminino. Típico;
      Faz assim, se não quer ajudar, não atrapalha e não perde o seu tempo de merda comentando em assuntos do qual vc nem liga.

  64. “Existem coisas que nunca vão mudar, como atração física do homem a uma bela mulher, agora se existe “assédio” de verdade e não os mimimi que estão no texto, verá que é uma questão educacional do homem. Ande um pouco no centro de Belo Horizonte para ver se tem mulher com nível de escolaridade o suficiente pelo tamanho das roupas, é praticamente um “mexa comigo””

    Esse é o típico comentário de quem diz “ah, se foi estuprada é porque provocou, olha a roupa dela!” e caímos, novamente, na velha discussão de que NINGUÉM deve ser julgado pelo tamanho das suas roupas. A culpa NUNCA é da vítima, a sociedade precisa realmente aprender a respeitar as mulheres, essas mesmas mulheres que sofrem abusos todos os dias, seja por meio de “cantadas leves” ou pelo abuso físico mesmo. Esta aí, diante de todos nesta pesquisa, estampado que não gostamos desse tipo de “cantada”, de que não queremos que um cara enfie a mão no meio das nossas pernas ou bata na nossa bunda, isso não é MIMIMI é abuso, é assédio sexual, crime.

    Acredito que essa pesquisa foi importante para mostrar à sociedade o que realmente se passa na nossa cabeça quando ouvimos certas coisas por aí, e é ainda mais importante para que os homens revejam seus atos. Não ficaremos com homens que possuem o maior número de cantadas no seu repertório, e sim com aqueles que possuem, ao menos, um nível de inteligência e bom-senso para saber como conversar, como agradar sem ser rude.

  65. Republicou isso em Brasil de Brinquedoe comentado:
    Um dia desses ouvi que comentários em sites são as novas paredes de banheiro da escola: onde pessoas manifestam suas intimidades sem se mostrar, para que pessoas, em momentos de intimidade fisiológica, pudessem ler, mesmo sem querer, as necessidades fisiológicas dos outros.

    Alguns comentários ridiculamente machistas feitos nesse post reforçam essa teoria.

    Enquanto isso, quando caminho na calçada e na minha direção vem um infeliz que olha pra trás para mexer com a mulher que passa, faço questão de trombar com o cara e gritar:
    “Olha pra frente, imbecil!”

    Parabéns pela iniciativa e pela campanha.
    “Ninguém deveria ter medo de caminhar pelas ruas simplesmente porque nasceu mulher.”

    • Acho importantíssimo que as pessoas que presenciam mulheres sendo assediadas se mobilizem e também ajam contra.

    • Uma vez eu vinha de uma caminhada, com roupas de malhar, foi quando percebi um cara saindo e entrando de novo em uma casa abandonada. Saquei logo o que ele ia fazer e mesmo assim continuei andando. Na hora que passei em frente a porta, momento que ele ia por a genitália pra fora, gritei: – Seu imbecil, se vc colocar essa merda pra fora eu arranco e faço vc comer. Ele imediatamente fechou a calça e saiu correndo.
      Eu sei que muitas mulheres não conseguem tomar atitude nessas situações, mas já tá na hora da gente começar a brigar, a enfrentar.
      Eles estão acostumados a fazerem sem ouvir nada… no momento que ouvem, ficam perdidos.
      Enfim… temos que agir. Se preciso for fazer alto defesa, façamos.

  66. Sai pra um barzinho com amigos e fomos tomando caipirinha… tinha uma amiga afim do fulano e ele dando bola pra mim. Decidi q ia ajudar ela e fui falar c ele…afinal eramos todos amigos.achei q nao fosse boa cupida e fiquei rindo da cena, curtimos a noite sem drama sem ninguém ficar c ng. Como era de confiança pediram p ele me levar embora e todos na mesa concordaram pq ele nao bebia…. e eu ja estava bem alcoolizada. No dia seguinte tive lapsos de memória e lembrar de um dos meus melhores amigos, da época, me agarrando no carro foi horrivel. No dia seguinte chamei ele p conversar e dei bronca e ele se fazendo de coitado e de apaixonado. Ridiculo. Ele tava com um arranhao no braço…feito ppr mim. Ele ainda contou q n usamos camisinha. Pedi p ele comprar uma pilula do dia seguinte e fiquei o resto do dia trancada e triste. Nunca contei pro pessoal daquele noite c ele…principalmente a amiga. Quase vomitei de tanto chorar e custei esquecer a vergonha, ficava tentando lembrar das coisas…. e cada lembrança uma tristeza. Tem muitos anos isso, mas depois disso sumiu da vista dele e cortei contato.

  67. Sexta retrasada ÀS TRÊS DA TARDE eu subia o trecho de 1-quarteirão-e-meio de Francisco Morato até a minha rua quando um cara de moto veio parando.
    Com a viseira levantada fez um som de quem sugava a baba da boca e disse “Ô delícia, mas tem cara de ter uma boceta apertaaaaaaaaaada.”
    Enojei.
    Cheguei em casa deprimida.
    Me afetou profundamente essa. Merda de lugar, em que eu sou OBRIGADA a sair na rua com um fone de ouvido para não ouvir essas barbaridades. E tive MEDO, tive mesmo. Pq imaginei oq não faria um babaca desses numa rua vazia um pouco mais tarde.
    Beijos pra esse mundo lindo que acha isso normal e que clama que uma atitude dessas é elogiosa!
    Que vão à merda todos vocês que acham que nós deveriamos nos sentir orgulhosas de aguentar isso TODOS OS DIAS.

    • Marília, muito obrigada,você disse tudo que eu penso, é desprezível pessoas que acham normal passar por isso TODOS os dias.

  68. Grande parte dos depoimentos se tratam de assedio sexual. Se um cara te aborda na balada e te toca no ombro, ou mesmo na cintura, você vai dizer que se sentiu invadida? Como ele deveria fazer? Se até mesmo posts contra a aproximação de homens eu já vi, já que o cara não sabe se a menina está afim de ficar com alguém ou só foi pra dançar. Eu tenho costume de tocar as pessoas para chama-las, principalmente em locais com grande ruido. Acho que é importante diferir crime de assedio, gente mal educada, do resto. Já fui abordada por homens que me xingaram ao serem ignorados, já encontrei homens extremamente mal educados e só pelo porte vc já percebe que são pessoas sem um pingo de decência, e também já fui abordada por homens que disseram “moça, me desculpe, mas vc é muito bonita”, e seguiram. Sem desrespeito, e esse não pode ser colocado no mesmo barco dos outros. As relações humanas tem que ser baseadas em respeito, mas tem que existir.

  69. Não gosto nem de pensar nisso nem de lembrar das histórias que já se passaram comigo…
    Mas uma coisa é certa: eu aprendi a revidar toda vez que me sinto invadida, de xingamentos a dedos para todo mundo que tiver na rua saber quem foi o escroto que me agrediu verbalmente, nada mais justo. O problema é que até a gente perceber que o cara é quem tem que ter vergonha leva uma tempo…

    e esses caras imbecis que reclamam o direito ao “linda” às desconhecidas NUNCA vão entender, só quando eles nascerem mulheres ou forem assediados por um travecão que por acaso eles não conheçam e não lhes agrade…

  70. Ao ler os comentários, achei curioso que somente homens são a favor das cantadas, o que mostra que realmente nenhuma mulher gosta disso. O relatado no texto é diferente do flerte na balada, que deve ser respeitoso e onde a mulher claramente sinaliza se o homem pode se aproximar ou não. E agarrar nunca é uma opção, nem mesmo se o homem for o Brad Pitt.

  71. Realmente é uma realidade nojenta. eu respondi a essa pesquisa um tempo atras, e hoje mesmo andando no centro da minha cidade tive que engolir um “gostosinha” de um cara NOJENTO quase vomitei de tanto ódio.
    E tem caras q ainda tem coragem de dizer que ” é culpa da roupa curta” hoje eu estava com uma calça COMPRIDA mesmo morrendo de calor, uma camiseta larga muito comprida e q nem meus ombros mostrava, agora vem me dizer q a culpa de ter que ouvir o ” gostosinha” é minha ?
    Só queria ter a coragem de xingar gritar e armar um escandalo a cada vez que fazem isso comigo sem ter o medo de isso se virar contra mim em um assédio pior. Odeio ter que ouvir e ficar calada.

    • E o machismo é tanto que até pra contar uma agressão que a gente sofreu, tem que dizer a roupa com que estava, que não era curta, nem decotada… dar “satisfação” para os agressores vigilantes que pipocam em qualquer discussão do tipo, prontos para apontar o dedo para as mulheres “provocativas”, “que não se dão ao respeito”. Pandora, ainda hoje.

  72. Eu andava na plataforma da estação da luz, às 20h, e um cara apertou minha coxa. Virei para ver quem era e vi sua mão pousada na coxa da moça que vinha andando atrás. Ela só exclamou: ei! Eu fiquei com muita raiva e gritei: seu cuzão, pára de passar a mão em mulher! filho da puta! imbecil! Nessa hora muitas pessoas passaram por mim, andando apressadas, o homem continuou andando lentamente, todos na mesma direção que iam, ninguém olhou para trás. Eu fiquei um tempo parada vendo ele ir, pensando que eu queria ter muita força pra socar a cabeça daquele homem, chutar, sei lá, tentando decidir o que fazer diante daquilo. Fui embora, me sentindo sozinha, agredida e impotente.

    • Pois é, Ana, e ainda assim alguns desses idiotas – diria simplesmente “animais” – acham que estão no direito de fazer isso só pq são “homens”, pq “mulher gosta” e qualquer reclamação nossa é apenas mimimi. Esse mimimi se chama crime, isso sim.

      Longe de defender a violência mas sim a legítima defesa, eu treino artes marciais e defesa pessoal justamente para que nenhum desses idiotas, só por serem do sexo masculino e terem naturalmente mais músculos do que eu, tenham superioridade em uma situação dessas. Assim eu não preciso me acuar e aceitar isso numa boa, nem esperar uma reação das pessoas que passam, nem me sentir impotente. Digo isso pq entendo o que você sentiu e é terrível. Ainda bem que nunca precisei agredir ninguém, só faria isso em último caso – como na vez em que um “espertinho” colocou a mão na minha saia em um show lotado e não queria tirar, então recebeu uma bela cotovelada no estômago, só para se situar, gritou de dor e saiu de perto na hora. Não acho isso lindo, mas funcionou e garanto que ele pensou duas vezes antes de continuar fazendo isso depois. Odeio agressão de qualquer tipo, mas não aceito desrespeito também. Nunca deixo de pelo menos responder a um babaca desses, pq acredito que mesmo ignorar já é dar um “troféu” para ele fantasiar que quem cala consente, nesse caso.

      • Pra você ver que até pra dizer que se defendeu a gente tem que “pedir desculpas”, afirmar que “não é bonito mas…”

      • Vc tá no seu direito, Milena. Ele te agrediu primeiro, vc estava se defendendo. Também percebi que vc usa muitas justificativas.. não precisa. Talvez seja pela filosofia das artes marciais.. mas não pense duas vezes em usar de força pra se defender quando preciso for.

  73. Pois é
    Tema bem polêmico.
    lembro de ter recebido cantadas grosseiras, assédios absurdos.
    Mas também lembro de cantadas que eu esperei e não vieram,
    lembro de cantadas que vieram e rolou…
    lembro de coisas bem boas, sabe?
    Acho que tem 2 coisas bem diferentes, confusas na pesquisa:
    – abordagem agressiva/ofensiva;
    – abordagem para acasalamento;

    se reclamarmos dessas últimas que citei, vamos todas ter que virar lésbicas, pq ..né??

    • E qual o problema, Lisi?

      Alguns dos trogloditas que agridem verbal e fisicamente mulheres na rua estão crentes que estão trabalhando em prol do acasalamento. Eu só acho que esses são uns “merdas”.

  74. Tenho uma filhinha de quase 3 anos e desde que era bebê saímos para passear e escutar barbaridades. Minha invocadinha já até respondeu a um marmanjo que disse pra nós que ela iria chamá-lo de papai, e disse com raiva pra ele que ele não era o pai dela.

  75. Pessoal precisa entender que toda mulher adora ser chamada de linda… toda mulher, todo homem, todo ser humano. Mas é necessário entender tudo que se passa por trás de cada “elogio”. Um cara que tá andando de moto, desacelera e chama uma mulher de linda não está elogiando, deve ser desesperador. É necessário um pouco de força pra entender o mundo fora do machismo dentro do qual todos nós, homens, fomos criados. Continuem elogiando as mulheres com o devido respeito. Sorrisos e olhares costumam funcionar melhor que passadas de mão na balada.

    João, do que você tá falando? Escolaridade? E quando a menina usa saia curta ela é necessariamente vagabunda? Tá aí o problema, a diferença com a qual nós tratamos atitudes similares de sexos diferentes. Eu jamais precisei me preocupar com o tamanho das minhas roupas, no calor me sinto completamente a vontade pra tirar a camiseta. Quão vadia uma menina precisa ser pra poder sair sem camisa na rua? Reveja os teus conceitos sobre o seu “não machismo” e sobre a marcha das vadias, parceiro, é sério, esse tipo de visão é doentio.

  76. Eu tive dois episódios muito traumáticos na minha vida.. Um deles foi quando eu tinha uns 6 ou 5 anos, e estava na frente de casa com o meu irmão fazendo desenhos, eram umas 17h. Um homem passou de moto e chamou a gente para ir até ele, na esquina (muito inocentes, e sem maldade, fomos), chegando lá ele pediu para nós dois tirarmos as roupas, foi sorte que a minha mãe, logo vendo que havíamos sumido gritou em desespero atrás de nós e o homem foi embora.
    E outro deles foi indo para a escola, logo no horário do almoço, com uns 12 anos, e a rua movimentada, um homem de moto subiu na calçada e apertou minhas nádegas com muita força. Cheguei na escola chorando e até chamaram a polícia, porém nunca acharam o sujeito.

  77. Eu não entendo… Nas pesquisas é tudo “NÃO GOSTO!” Mas na rua, meu filho.. Se abrem todinha, todo sábado vou pra alguma festa, algum lugar, que seja.. dar umas voltas. Eu com meu carro, bem tranquilinho, se eu vejo uma menina bonitinha eu solto uma cantada, solto mesmo e sempre sobra um sorrisinho, sempre vejo a gata dando uns pulinhos… Isso aí é uma mentirada! Ou essa página é de guria que fica na net, não tem vida social e quando sai de casa escuta um Ohhh que gatinha, heim!? E já fica toda molhadinha, mas finge que não gosta rsrs Vai entender essas mulheres…

    • Ah sim, e você é o incrível macho-alfa que solta uma cantada e deixa todas as fêmeas em volta excitadas e doidas para acasalar com você, certo? Só um animal para pensar isso, que pode funcionar com as prostitutas que você costuma abordar nas esquinas e te devolvem o sorrisinho, mas garanto que não para mulheres decentes que estão a caminho da escola, do trabalho ou até da balada, mas não estão à disposição da sua escrotice, como você pensa. Se você acha que todas as mulheres são assim, imagine a sua mãe retribuindo uma cantada nojenta de um animal e retribuindo com um sorriso também. E aí?

    • Crente que “entende tudo de mulher” e tem que vir aqui dar liçãozinha e ditar o que a gente, que não tem nada a ver contigo, tem que ouvir na rua…
      male tears…

    • HAHAHAHA não pude deixar de rir de um comentário tão babaca, quantos anos vc tem? 12? Pq só com 12 anos para achar que uma mulher fica ‘molhadinha’ com uma coisa ridícula dessas, já parou para pensar que algumas pulam com o susto que tomam com a sua buzina, imbecil?

    • Nossa, gente! O Zezinho faz a mulherada dar pulinhos com suas cantadas. Vc alegra o dia e a noite da mulherada, hein? Aposto que umas só saem de casa pra ouvir seus “elogios”!!!
      VÊ SE TE ENXERGA, PALHAÇO
      Vcs homens se dão importância demais, baixem a bolinha de vcs..

  78. Vejo que há homens com opiniões interessantes, que denotam sua boa educação e maturidade frente ao assunto enquanto há outros com opiniões não tão interessantes e/ou plausíveis assim. O problema em si é a forma de abordagem, não importa onde. E creio, que muito embora a pesquisa tenha englobado alguns fatores que deveriam ser avaliados de outra forma, o problema em si está aí na nossa cara. Falta educação e consciência. Se a maioria dos homens entendesse que o fato dele ser gentil e interessante lhe abre muito mais portas do que ser um lorpa pedante, essa pesquisa seria praticamente desnecessaria, no entanto, percebemos que uma rala parcela masculina entende isso… logo os demais neandertais podem pegar seus tacapes e tentar caçar mulheres por aí, mas eu imagino que não obterão muito sucesso (não com mulheres de verdade, quem sabe com outras neandertais que julguem isso necessário e que ainda acreditem que truculência e má educação é comportamento de homem).
    E ser chamada de qualquer coisa por um completo estranho, é sim desconcertante, te deixa indignada, não importa se ele te chama de linda ou gostosa, ou qualquer outra coisa, justamente porque você não está interessada no que o infeliz que falou pensa, agora se a guria responde ela é mau educada, porque nós mulheres, além de termos de lidar com comportamentos primitivos, temos também de achar que é natural sermos abordadas de formas pejorativas e indelicadas por completos estranhos. Mas não não, a sociedade não é dada mais a machismos… humpf ><

  79. Interessante, mas acho que a pesquisa teve seus erros. Deviam colocar tb o tipo de roupa q elas estavam usando nas ocasiões . Afinal uma mulher q sai com uma mini saia, um salto, um decote gigante e toda maquiada pra balada e fala que não quer receber cantada só pode tá de brincadeira, não é?! Se for só pra se divertir é mais fácil ir mais comportada e com roupas mais condizentes ( ainda mais pq o ar condicionado esfria as boates, né?!)… . Na hora de seduzir o porteiro da balada pra entrar sem enfrentar fila e pra ganhar bebida mostra o decote e conta a maior vantagem pras amigas, mas na hora que recebe a cantada do cara feio fica ofendida….. Claro que não dá pra generalizar, mas que esse tipo de mulher existe, não tem como negar.

    • Guilherme, você realmente acha que nós, ao sair de casa com roupas “curtas”, desejamos uma cantada nojenta? Injusto é ser forçada a mudar de roupa, selecioná-la cautelosamente, com objetivo de não ser verbalmente, fisicamente ou sexualmente abusada – algo que ocorre diariamente no Brasil. Vei, até freira é estuprada, você acha que é somente por causa da roupa, ou porque vivemos numa sociedade machista onde o estupro não é levado a sério? Quando eu tinha 15 anos, ia muito pra baladinha de saia colada e regata, em parte porque sempre fui calorenta (rs) e porque a roupa ficava legal em mim. Tava na moda e minhas amigas elogiavam meu look. Nunca me vesti para ser assediada. Parei de ir nessas festas porque não me interessavam mais. Nós, mulheres, jamais queremos isso. Culpando a vítima não é certo. Se você quer ser um indivíduo mais evoluído, obter mais conhecimento, por favor entenda o que lhe digo.

    • Caro Guilherme, a roupa que uma mulher usa nada tem a ver com o fato de ser desrespeitada, caso não saiba mulheres que usam burca são estupradas todos os dias, eu não uso decote pq meus seio são pequenos e não gosto fica feio e quando uso shorts são aqueles um pouco mais cumpridos, pois me sinto mais a vontade, e mesmo assim idiotas, como provavelmente vc é, buzinam para mim, falam groselha para mim na rua, na volta do trabalho, passo por uma avenida a pé para chegar na minha casa, estou sempre de calça jeans, já que trabalho na construção civil, ou seja sem chance de ir trabalhar de legging, vestido, saia, camiseta e dependendo da temperatura blusa e ainda assim todos os dias retardados buzinam, não não sou linda maravilhosa, gostosa, mas os homens fazem isso só para humilhar as mulheres, deixa-las constrangidas esse é o único motivo para que o fazem, e se vc fosse uma com certeza não teria opinião tão ridícula.

    • AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH

      Gente!!!! Descobri o compositor de Camaro Amarelo, De Land Rover é Fácil (e todas as outras derivadas dessas).

      AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH

  80. Eu sinceramente gostaria de pedir desculpas a todas as mulheres que relataram aqui essas coisas. Peço desculpas enquanto membro do sexo masculino, porque “homens” é um termo que não se deve usar para designar aqueles que fizeram isso com vocês, que as submetem e fazem questão de diminuir a meros objetos sexuais e descartáveis. Todo santo dia.

    De coração, não quero transparecer nada, não quero parecer “o mocinho”. Apenas estou chocado com o que disseram aqui, é revoltante, nojento, constrangedor, desnecessário… Um sem-número de adjetivos que esse tipo de atitude e esse tipo de pessoa merece receber.

    Mas meu pedido de desculpas não vai mudar nada. Meu comentário é apenas um desabafo de um cara que não concorda de forma nenhuma com qualquer tipo de abordagem ofensiva ou desrespeitosa, menosprezo equivocado às mulheres. Mas tenho feito minha parte, admito: tenho buscado formas e aplicado práticas no meu dia a dia de forma a quebrar o machismo nosso de cada dia. E me sinto bem por isso, por sair do lado confortável da coisa – afinal, ser homem é estar “seguro” desse tipo de atrocidade.

    Desculpas.

    • Oi Diogo.
      não peça desculpas. primeiro porque se você não canta as mulheres na rua e não as agride, não é culpado de nada. E me deixa feliz toda vez que um cara se manifesta dizendo se sentir enojado. Mas há algo que você pode fazer pra ajudar a “minha metade” da população: eduque seus amigos, filhos, familiares. Quando alguém desmerecer uma mulher, cantar uma mulher, falar objetificando, fazendo slut shaming de uma mulher menina qualquer, calmamente explique que o que ele está fazendo é errado. Normalmente homens não conseguem ver as coisas pelo nosso ponto de vista, entao o clássico: “tente se colocar no lugar dela”não funciona. Mas peça para que eles imaginem a cara de alguém que eles amam no lugar da mulher que eles objetificam. Ouvi já relatos de homens que mudaram lentamente. Mulheres também. Afinal, o machismo faz parte da nossa cultura.

  81. Um dia normal, eu caminhando para o ponto de ônibus para ir trabalhar, devia ser umas 6hrs da manhã, quando aparece um cara vindo na direção contrária a minha, de longe eu percebi que o cara não era normal, eu fui para o outro lado da rua e continuei caminhando, quando o cara simplesmente coloca o pênis pra fora e começa a tocar uma, andando meio q na minha direção…eu caminhei rápido, quase correndo, vi uma pedra, pensei em pegar, mas pra minha sorte eu já estava bem próx do ponto e o ônibus se aproximava! ufa! entrei no ônibus e segui em frente… eu era nova, mas esse episódio até hoje me assusta! e se o ônibus não tivesse perto? nem sei o que seria de mim. Morro de nojo toda vez que algum homem me “mexe” comigo, muito obrigada, mas não preciso, eu já tenho o meu marido, que me elogia todo dia!

  82. E mais uma vez sinto vergonha do sexo masculino. Não que todos os homens sejam assim, mas infelizmente é grande demais a quantidade de homens que são.

  83. Esqueceram das DESTESTÁVEIS buzinas…
    Não sei em que lugar do mundo, há mulher que se sinta orgulhosa em ouvir uma sonora buzina, sucedida por elogiosos “adjetivos”, tudo muito romântico e encantador.
    Mundo hipócrita.
    Gostaria muito que cada um desses homens que acham normal mulher levar cantada na rua passasse por cada uma das situações narradas no texto.
    Chega de machismo.

  84. Lembro-me como se fosse hoje de uma história que me aconteceu há 8 anos. Eu tinha acabado de mudar de cidade, tinha 11 anos (ONZE!) e estava passando em frente a um campo de futebol que tinha no meu bairro pra buscar a minha irmãzinha na escola. Atravessei a rua porque sou introvertida, só queria buscar a minha irmã na escola e voltar pra casa sem falar com ninguém, quando cerca de 10 rapazes (deveriam ter entre 15 e 18 anos) começaram a me assediar. Ficaram gritando do campo, que ficava do outro lado da rua, me chamando de linda, gostosa, delícia, pedindo para eu ir até lá. Mas eu era muito ingênua, era uma criança, gente! nunca tinha passado por nada parecido. Cheguei na escola da minha irmã chorando, as moças que trabalhavam lá me deram água e me ensinaram um outro caminho para que eu pudesse ir e voltar sem medo. Desde então, eu nunca mais saí de short na rua e, ainda assim, tem sempre um cara que solta uma gracinha.

  85. Quinta feira passada era um dia normal até aproximadamente 6:30 da manhã. Peguei meu primeiro ônibus (abdiquei de meu privilégio e viajei em pé) e fui até o ponto no qual pego o segundo ônibus, mal sabendo o que me aguardava. Percebi uma certa demora em sua chegada e rapidamente me dirigi até o ponto anterior, já que o ponto que fico diariamente estava começando a ficar cheio. O ônibus chegou com um atraso de vinte minutos, porém consegui viajar sentado. Mal sabia eu que estava prestes a entrar no inferno… O ônibus começou a encher e reparei que uma depósito estava claramente mal intencionada. Ela se encostou em mim. Fiquei claramente incomodado e me aproximei da janela (era um banco único), me sentindo indefeso com aquela ameaça evidente usando calça legging. A cada balanço do ônibus senti que ela queria punir minha pureza encostando aquele corpo magro no meu ombro, que naquele momento já fora completamente deflorado pelos contatos exercidos contra mim. Estava a ponto de chorar, quando o pior aconteceu: o ônibus começou a esvaziar, mas ela não deixou de ficar perto de mim. Aquele ultraje absurdo da situação de semi-estupro foi horrível, e ninguém no ônibus pareceu se importar comigo ou com meus direitos. Já sem forças de tanto esquivar da ameaça feminina, meu coração voltou a bater quando ela deu o sinal e partiu do ônibus, não sem antes se virar maliciosamente e bater a bunda em meu braço, como se falasse “gostou, sua putinha?”. Estou tremendo até agora.

  86. Ótima pesquisa, apesar de realmente precisar ser mais detalhada e clara em algumas partes, como já citaram, mas ainda assim muito válida e realista. Sou mulher e claro que já sofri incontáveis cantadas repugnantes, assim como algumas – poucas – abordagens respeitosas de homens, as quais eu nem considero como “cantadas” e sim aproximações para uma conversa.

    “Cantada”, pra mim, é sempre aquela abordagem abusiva, invasiva, nojenta. Seria ótimo se os rapazes entendessem isso. Vamos separar as coisas. Vocês querem se aproximar? Ótimo, isso é saudável, natural e válido tanto para homens quanto para mulheres. Mas que fique claro: sejam sensatos, por mais que obviamente você tenha desejo sexual por aquela mulher que pretende abordar, isso não te dá o direito de tratá-la como objeto sexual. Chegue perto, converse, seja criativo mas respeitoso na hora de chamar a atenção. TODOS temos desejo sexual – sim, as mulheres também, não sejamos hipócritas e puristas, certo? – mas sabemos que funcionamos de maneiras diferentes neste quesito. A excitação do homem é em sua maior parte, visual, e ok, isso é natureza – olhar, achar linda, etc -, mas usar isso como desculpa e pior, justificativa para um assédio e agressão é natureza exagerada, extrema, chega a ser animalesco. E, retrógrados aqui presentes (como vimos em alguns comentários), por favor aceitem que se comportar como um animal na nossa sociedade moderna não é tolerável, não estamos mais na era das cavernas para você arrastar uma mulher pelo cabelo ao seu bel prazer. Lide com isso e não me venha dizer que “ah mas somos homens, ah mas temos instintos”. Não, definitivamente não, isso não te dá nenhum direito ou razão nessa questão. E para os que justificam que as mulheres gostam de elogios, vou retomar o comentário de um amigo ali em cima: o cara sabe que não vai ganhar nada com a cantada, mas a faz por orgulho próprio, pq é tão inseguro que precisa provar para si e para os amigos que pode fazer aquilo, que tem esse “poder”. Sim, não passa de auto-afirmação. É como sair batendo em gays para provar que é macho. Se ainda assim você achar que tem razão, pense que poderia ser sua irmã ou sua mãe nessa situação. Afinal, como um bom mamífero primitivo, quando algo ameaça a sua família, seus primeiros instintos são os de protegê-la. Então pensando assim existe uma grande chance de você, animal, entender o meu ponto.

    Em tempo. Agradeço aos homens mais evoluídos que comentaram a favor da pesquisa, mostraram que nos entendem, respeitam e sabem diferenciar uma coisa da outra. Não deveríamos ter que agradecer por isso, afinal respeitar um ser humano, seja homem ou mulher, não é mais que nossa obrigação. Mas na atual situação de atraso que ainda nos encontramos, com seres boçais espalhados por aí, temos que agradecer, sim, aos que conseguiram evoluir.

  87. Então, o duro é que a sociedade tenta lugar contra isso e de repende começa a tocar aquele grande sucesso:
    “Nossa, nossa assim você me mata
    Ai,se eu te pego, ai ai se eu te pego
    Delicia, delicia assim você me mata
    Ai, se eu te pego, ai ai se eu te pego”

    Sem contar outras bem piores. Fica difícil educar as novas gerações…

  88. Aconteceu há umas duas semanas atrás, era um sábado, eu estava indo para o trabalho, usava uma legging e uma blusa mais comprida, que tampa a bunda (sim, evito usar legging com blusa curta por causa do assédio) a escada rolante do metrô estava parada, e o pessoal estava subindo normalmente, quando eu estava subindo, já no meio do caminho, senti alguma coisa bem no meio das minhas pernas, tocando a minha vagina mesmo, na hora levei um susto, mas achei “normal”, afinal a escada estava cheia, sempre tem o pessoal apressado que quer passar na frente e tal, pensei “deve ter sido um guarda-chuva, uma sacola”, enfim, continuei subindo, quando senti de novo algo tocando o meio das minhas pernas, já estava no final da escada, olhei para trás e vi que era um homem, sem sacola e nem guarda-chuva, ou seja, era a mão dele mesmo me tocando, na hora eu não xinguei, me arrependo, mas me senti tão invadida que não consegui fazer nada. Ele continuou seu trajeto como nada tivesse acontecido, enquanto eu fiquei durante dias me sentindo humilhada e oprimida.

  89. O mais revoltante é passar por isso TODOS os dias. Não importa a roupa que usemos ou lugar que estamos. Basta ser mulher para um lixo nos desrespeitar.
    Já sofri assédio até no funeral do meu avô!
    Tenho o direito de andar onde quiser! O mundo não é território exclusive desses machistas!!!

  90. Não tem um dia que não saiu pra trabalhar as 8 da manhã, sim as OITO da manhã num bairro de classe alta e não escuto uma das barbaridades descritas na pesquisa acima, o que prova que não existe hora, nem classe, nem raça pra essa atitude que já se tornou tão comum no Brasil. Obvio que temos medo de responder a altura num país onde mesmo sem dizer nada já se sofre agressões.

  91. Uma das primeiras lembranças que tenho quando leio essas histórias é de quando eu tinha 11 anos de idade e estava para atravessar uma rodovia na praia,em Ubatuba (SP). Enquanto aguardo no acostamento um caminhão reduz a velocidade e uns 2 caras gritam: EEEEE,GOSTOSA! Estava com a parte de cima do bikini e um shorts. Fiquei com muuuita vergonha,tive vontade de chorar e me esconder.Como se eu fosse a culpada!

  92. A ideia da campanha é completamente válida e legítima. A pesquisa, por outro lado, tem muitas falhas.

    Um assunto dessa seriedade merece ser tratado com mais precisão e cuidado. Na matéria da Época, a própria jornalista admite falhas metodológicas, mas subestima o impacto delas no resultado final.

    O maior problema está na amostragem. Não deveria ser dado tanto destaque aos números da pesquisa. O assunto em si pode ser aprofundado bem apurado sem recorrer a artifícios sofistas.

    Repito: a campanha tem uma ótima ideia. A pesquisa, porém, não está à altura dela.

    Se queremos ser ouvidas e tratadas com seriedade (sobre a campanha), precisamos tratar o assunto com o cuidado que ele merece.

    • Concordo com você, Mariana. Eu queria ter feito este comentário antes, mas como o nível de xingamento nesses debates é alto, evitei, mas como você levantou a questão, vou aproveitar para comentar.

      Esta pesquisa parece ter bastante falhas metodológicas. A amostragem parece ser comprometida e me pareceu que algumas margens de subjetividade que são apagadas pelo tom de Sim ou Não existentes. Talvez uma abordagem mais profunda e qualitativa desse um panorama mais claro.

      Além disso, pensei no peso da agressão. Por exemplo, um assédio no ambiente de trabalho é diferente do que quando acontece na rua, pela existência do vínculo de contato. Mas o agressor da rua se sente mais à vontade em agredir pela distânjcia existente.

      O assunto é sério demais, mas é muito bom por vermos este tipo de discussão levantada.

      • Pode ser que o nível de xingamentos destes debates seja alto, mas neste não está sendo. Cuidado para não generalizar, porque depois pode ter vontade de reclamar que nós, mulheres, generalizamos com respeito a situação com vocês, homens.

  93. Vou tentar ser sucinto.
    Sou absolutamente contra quando se encosta na pessoa. O limite físico é extremamente claro nesse ponto. Tanto que os relatos que geram revolta são os do limite físico.
    Mas por outro lado sou claro em defender que a pessoa pode falar o que desejar.
    Muitas das coisas que ouvimos são ofensivas, palavrões por exemplo, mas extrapola o bom senso achar que mulheres precisam ser defendidas como crianças.
    O direito a falar é algo muito importante pra tolhermos do indivíduo.

    • Você é gordo e feio e espero que você morra. Pela sua teoria, posso falar isso e estarei certa. Vai fazer oque? me chamar de vadia e mandar tomar naquele lugar?

    • Então tá, creio que você não ficará chateado se um homossexual bombadão lançar uma cantada bem explícita para você na rua. Não somos crianças, não queremos ser “defendidas”, queremos LUTAR por nossos direitos. Se um homem tem direito de andar sem medo de ser assediado, uma mulher também precisa ter!

    • Resposta pra :

      Certinho, porque punheteiro e gordo tem que falar mesmo, ou vai ficar esperando o amor da vida bater na porta?

      Lembrando que não fui ofensivo, apenas usei meu direito irrevogável do uso da palavra. E que não precisará de auxílios dos moderadores, porque não é criança e sabe se defender.

      • hahahaha eu ri, embora tenha sido muito sério e eu concorde com isso.

        Ninguém está falando do direito do ser humano, seja homem ou mulher, se expressar. Estamos falando de RESPEITO. De que o meu limite só vai até aonde o do outro começa.
        Chamar alguém que não se conhece de gostosa, putinha, princesa ou boneca não é respeito.É a falta dele.
        Vamos tolher o ser humano antes dessas cantadinhas idiotas acontecerem.
        Afinal, não seriam necessários moderadores se houvesse respeito.

    • Querido João,

      eu sei que a gente acha que as pessoas têm o direito de se expressarem, mas não, cantar as mulheres na rua não as faz felizes. As faz temerosas. Tipo de coisas que já ouvi na rua:

      – Oi linda. (eu nao respondi). Se eu apontasse uma arma na tua cara aposto que respondia, né?
      – Gostosa, queria chupar até o último dos seus pentelhos.
      – Quer ver a cor do meu pau?
      – Por que vc não pega no meu pau pra ver o quanto te achei bonita?
      – (passeando com minha namorada na rua. Porem sem encostar nela): vocês tão precisando de um bela pica pra ver se não param de sem-vergonhice. Olha aqui que te mostro a minha.
      – (sozinha num ponto de ônibus a 1 am. O homem para o carro) Quanto é? (eu ignoro) É de graça então? Só pegar? (passou um taxi, eu entrei)
      – (Em um taxi, motorista homem, eu indo visitar uma amiga) Esse endereço… é do lado de um clube se swing. Não quer ir comigo? (gritei pela janela um nome de homem. Pedi para parar o taxi e disse que meu irmao tava na rua e ia ficar ali mesmo)

      Pequenos exemplos. Nao, nao se deve falar qualquer coisa para uma pessoa na rua. Cantadas são ameaças. Uma mulher não tem como adivinhar se vc é um cara bacana sem saber o que dizer (podia ter dito oi. tudo bem, esse tipo de coisa, mas tá bom) ou se vc vai tentar estuprá-la em seguida.

      Aos homens que acham que é reclamação boba eu pergunto: quantas vezes na sua vida você teve medo de ser estuprado? Assim, medo mesmo. Possivelmente você vai me responder que nunca pensou nisso. Nunca achou que seria estuprado. Mas eu te digo, toda mulher tem medo. Muitas de nós deixamos de fazer o que gostamos, de sair ou de ser quem somos por conta desse medo.

      A gente vive em tática de guerra.
      A gente vê quem “manda uma” na rua como inimigo.
      A gente anda em grupo.
      A gente pensa dez vezes onde vai, com quem vai, como volta.
      A gente tem medo de você.
      E a gente vive esse medo e essa guerra todo dia.
      Porque se alguma coisa acontecer, no fim de tudo, a culpa vai ser nossa.

      “quem mandou usar roupa assim assado?””
      “quem mandou ir na festa?””
      “quem mandou andar pela rua em vez de entrar num taxi?”
      “como você pode entrar num taxi com um sujeito com aquela cara de tarado?”
      “quem mandou você responder um sujeito qualquer que falou com você na rua?”
      “Se tivesse respondido aquele sujeito que falou com você na rua ele não tinha te agarrado”
      “Se você tivesse dito não mais claramente ele tinha parado”
      “se você tivesse gritado ele tinha parado”
      “Se você tivesse gritado mais forte ele tinha parado”
      “Se você tivesse batido, respondido, não quisesse de verdade, não tivesse bebido, não tivesse olhado pro lado, não tivesse dito não quero com essa cara de quem quer, fosse virgem, se vestisse como mulher direita, se comportasse como mulher de familia…”

      Meu querido, palavras machucam, viu?
      E nos ensinam todos os dias que, não importa o que aconteça, como, onde, com quem aconteça, a culpa é da mulher.

      Por isso, te peço e vai te ajudar nos seus relacionamentos futuros: não cante uma mulher.

      Preste atenção na mulher que você quer se aproximar. Ela está aberta a falar comigo? Ela me olhou com sorriso ou com medo? Ela apressou o passo? Ela parou para falar comigo ou ela parou esperando que eu a ultrapasse? Ela está parada aqui por qual motivo? Tá, ela parece aberta. Sobre o que eu posso falar? Sobre o tempo? Sobre o ônibus que não chega? Sobre a bolsa hippie dela? Sobre a música na loja atras de nós? Ache um assunto. E preste atenção: é muito mais possível que a moça converse de verdade com você. É possível que ela lhe fale da vida dela e pergunte da sua e que vocês virem amigos ou namorados ou amantes. Tudo pode acontecer. Mas, por fim, se ela não quiser falar com você, diga até mais educadamente e a deixe em paz. Assim vocês dois podem seguir a vida tranquilamente.

      Beijão.

    • Parabéns pela defesa da “liberdade de expressão masculina”, pela qual somos obrigadas a passar por humilhações diárias por idiotas imaturos como você e sua criação machista….então teremos também a liberdade de xingarmos de tarados pervertidos, estupradores potenciais a todos os homens que nos assediam verbalmente na rua.

      • Não se preocupe Andrea…Quando esses merdinhas começarem a levar uma mãozada na bunda e entre as pernas e receberem cantadas desse nível por homens tarados maiores e bem mais fortes do que eles no meio da rua, esses vermes vão pensar mil vezes antes de legitimarem assédio sexual…Quando se não está na pele do outro, é muito fácil eles se acharem no direito de praticar tais atos, a incentivá-los, ou justificá-los…No toba dos outros é refresco… ^^

    • Cara é muito simples:
      se a pessoa não gosta que você a elogie, você não pode a elogiar SE ELA NÃO ACEITA, NÃO É VOCÊ QUE PODE OBRIGÁ-LA A ACEITAR, entendeu voc~e não tem esse direito, ISSO É ASSÉDIO.
      Pronto e acabou.

    • Todos os homens, que acha que estamos exagerando, pense que um dia, uma pessoa da sua família, inclusive sua mãe, esposa, ou até sua filha, pode passar por uma situação assim, se é que já não passou… e aposto que se uma delas viesse chorando ou relatando algo desse tipo, vc nunca mais falaria mal de nós, que estamos tentando explicar que esse tipo de atitude é repugnante!

      Do mesmo jeito que vcs não se sentiriam confortáveis ou xingariam de imediato um homossexual abordando vcs, também nos sentimos muito desconfortáveis, porém, o medo faz com que fiquemos caladas.

      Não estamos falando que todos os tipos de abordagens são ruins, apenas aquelas em que os homens que te olham de cima a baixo como se vc estivesse nua na frente dele e chegam falando besteiras, ficam te perseguindo quando claramente vc não quer nada com eles e as vezes até passa a mão em vc! Nada contra a abordagem educada, que comece com um bom dia, com o cara olhando pro seu rosto e não pro seu peito!

      E para aqueles que acham que essa pesquisa é tendenciosa, falha, etc deveria perguntar para a própria mãe, irmã, tia ou prima o que elas acham disso, veja se elas gostam desse tipo de abordagem, pois garanto que não gostam! Pergunte vc mesmo para as pessoas próximas a vc e faça sua própria estatística! E todas as pesquisas no mundo são feitas com espaço amostral, sabe o que é isso? Significa que não é necessário entrevistar todas as mulheres do país para saber qual é o pensamento delas em relação a este assunto! O mesmo é feito com pesquisas eleitorais! Portanto, não fique falando que ela é falha só pq sua mãe não respondeu à pesquisa! E dá pra saber que é verdadeira pelos comentários que várias pessoas estão deixando nesse post….

    • vc só é contra se há o contato físico?? então se um cara vem com o zíper da calça aberto se “tocando” não tem problema??? No caso só vai ter problema se a consequencia desse ato espirrar em mim?

      e ainda pode falar o que ele quiser?? Vc acha que se eu me defender com palavras vai mesmo adiantar alguma coisa?? Que o cara vai ficar ofendido e nunca mais vai fazer isso?

      E como assim não precisamos ser defendidas como crianças?? Pelo jeito que vc fala parece que depois que nos tornamos adultas, ficamos automaticamente imunes a estupro e que isso só acontece com criança… pelo jeito sua família é só de homens, pq se vc falasse isso pra sua mãe, irmã, tia, prima, esposa ou principalmente filha, nunca vc teria escrito uma barbaridade dessas….

  94. Tem de acabar isso mesmo. O cara, idiota, fica levantando a bola de desconhecida, que nem olhou pra ele, e o que ele cria? Um bando de mulheres mimadas, mal-acostumadas e passivas. Muitas das quais o tratariam com desprezo, de forma humilhante, até, em uma abordagem menos agressiva…

    O que é engraçado é que, se você vai pra outros países (Europa e Oceania), qualquer brincadeira ou abordagem, eu digo, qualquer abordagem, mesmo, é ao menos correspondida com algum respeito. Porque em muitos desses países as leis e regras “para proteger as mulheres” diminuíram drasticamente qualquer forma de paquera entre desconhecidos… E as mulheres sentem falta. Em breve, espero que seja assim aqui.

    Por fim, um homem que invade o espaço da mulher, toca seu corpo de maneira libidinosa ou diz coisas assim, é um doente e precisa ser preso.

      • ´Já morei na Europa também, duas vezes. As coisas são diferentes sim.
        No país mais parecido com o Brasil, a Espanha, é que a cultura fica parecida e o pessoal também solta cantadas na rua. Mas nem de perto é o que acontece aqui.
        Dá pra andar na rua tranquilo e sem medo.
        Faz quanto tempo que tu não vens pro Brasil e não sabe o ue é sentir medo de sair na rua?

      • Obrigado, Serena… Eu pensava que eram dois países! Eu nunca estive neles, mas adoro citá-los em discussões na internet. Mas vou me instruir mais. Muito obrigado…

      • Nossa, sério? nunca tive tanto medo cotidiano de ser estuprada quanto na frança. Lá eles não só te “elogiam”, mas te chama de “puta” e coisas parecidas e te perseguem. É horrível.

    • ‘mimimim porque na zoropa” A europa é um continente com uma das mais baixas taxas de machismo, não existe isso de cantar mulher lá e em Bruxelas virou crime viu? É fácil demais falar não sendo mulher. Não sou mimada não, tenho medo mesmo, existe uma diferença enooooooorme.

  95. A questão não é se a cantada vem de uma homem bonito ou não. A questão é que no mundo em que vivemos as mulheres são obrigadas a andarem com medo nas ruas pelas atitudes de doentes que só pensam em si mesmos.. Tenho vergonha dessa realidade e se fosse homem teria vergonha da raça que só pensa com a outra cabeça.

    • Eu concordo com você em quase tudo. Concordo que as mulheres são obrigadas a andar com medo na rua e tenho sim vergonha dessa “raça que só pensa com a cabeça de baixo”. Mas eu vou além, eu não acho que são só as mulheres que são obrigadas a andar com medo na rua. Eu acho que mulheres são obrigadas, homens são obrigados, crianças são obrigadas, idosos, negros, todos. O problema não é existir uma parcela do mundo que possui uma cultura do estupro imposta na cabeça. O problema é a que a maioria esmagadora das pessoas DESSE PLANETA não sabem o que é respeito. Não sabem respeitar a privacidade dos outros, não sabem respeitar os direitos dos outros, não sabem respeitar os valores dos outros, o credo, a cultura, tudo. E essa porra toda só vai melhorar quando, não só quem fica aí fazendo fiu fiu aprender o que é respeito, mas sim o mundo inteiro. E sabe o pior? Isso nunca vai acontecer, porque o ser humano é assim, uma merda.

  96. o pior é que EXISTEM formas de conhecer alguém sem ser invasivo. As pessoas não sabem, sei lá, sorrir? Começar papo furado sobre o clima? Oferecer uma gentileza na rua pra puxar assunto?

    uma amiga, recentemente, estava na praia e foi abordada por um surfista. Sabe como ele chegou? Dizendo “oi, tudo bem? A gente pode conversar?”, sem tirar a roupa, sem passar a mão nela nem chamar ela de “gostosa” e ainda se certificando de que ela realmente queria conversar com alguém. DIFÍCIL, NÉ?

  97. -
    A Meu Ver Chamar de Linda, Bonita, Flor, Princesa é Inofensivo. Mas a Chama De Gostosa, Rabuda, Peituda e coisas desse tipo ja é passar dos Limites. Se uma mulher Bonita passa ao meu lado eu falo msm: – Vc ta Linda Flor! Vc é uma Princesa! Que gata! Mas dai a chamar de gostosa ou outros adjetivos Pejorativos NÃO. Homem de Verdade tem que Elogiar mesmo Mulher Bonita. Mas com respeito! N iria gostar se Minha Mãe ou Irmã Chegasse aki falando ki alguem chamou de gostosa.

    • Infelizmente não concordo Lucas, quando vc é uma meninas de 12 anos e esta passando sozinha na rua com um cara te secando e chamando “linda, princesa”.. sua vontade é de sumir. Dá vergonha de quem tá passando em volta, dá raiva de ser mulher. Você fica numa situação em que se você sorrir é safada, se ignorar é metida. Isso é péssimo.

      • Disse tudo Amanda!
        Aliás, não é porque um cara te acha bonita que tem o direito de te abordar!
        Ainda mais uma criança! Eita sociedade machista com seus valore invertidos!

    • Tu não deveria dizer nada, por mais linda que a mulher esteja… Isso é constrangedor para nós, mulheres. É uma falta de respeito sem tamanho, um nojo por parte de vocês. E se nós ficamos quietas, não é por gostarmos de tais “elogios” é por medo que vocês façam alguma coisa caso a gente xingue ou brigue. Nunca mais faça isso.

    • Com todo o respeito, Adrian, eu NÃO QUERO SABER se os homens com os quais eu cruzo na rua me acham bonita ou não. Não dei a eles a liberdade de comentar a minha aparência. É obvio que “gostosa, rabuda” é pior, por que é agressivo. Mas “linda” é tão invasivo quanto, só que de um jeito mais educado.

    • É mesma coisa, cara. É diferente uma pessoa que, sei lá, do seu ambiente de trabalho te chamar pra um encontro do que chegar à você e falar “como vai, princesa?”. Até o que parece “mais inofensivo” como chamar de “princesa” e “linda” é igual ao falar “pega no meu pau”. A intenção do cara mudou? Não.

  98. Escrotagem total.

    Esses caras preferem ficar na fantasia gritando de longe, lambendo os beiços e fazendo gracinha mas na verdade só estão escondendo sua covardia.

    Poderiam muito bem ficar em pé como homem de verdade, ir lá falar com a garota, mas falar direito. “Oi, tudo bem?” e pronto. Fazer um elogio real, numa boa… ” Te vi do outro lado da rua, achei você linda e vim aqui dizer isso. Prazer, X, quem é você? ” e pronto.

    Ela pode não dar papo, mas caralho, isso não é responsabilidade sua, é escolha dela, você foi lá e fez um elogio REAL pra uma mulher que te atraiu, não foi lá constrangê-la, vocês podem terminar o dia tomando um café juntos, ou sabe o que é o pior que pode acontecer? Ela vai embora. Mas ela não vai embora ofendida, e, parabéns, você pode ter feito o dia de alguém.
    Isso é ser homem, mulecada. E NENHUMA MULHER vai se sentir ofendida se você agir como um homem, só se você agir como um imbecil. Esconder sua covardia em ”fiu-fius” é agir como um imbecil.

  99. eu trabalho em uma multinacional super conceituada, mas ao meu lado trabalham 2 imbecis que ficam o dia inteiro ( é serio) falando do corpo das meninas do trabalho, onde sentamos é perto da saída q vai aos banheiros e por isso a empresa toda passa por ali…é deprimente, deve realmente faltar profissionais gabaritados no mercado para acontecer esse tipo de coisa assim, eles falam do corpo das meninas, de modo bem vulgar, algumas vao cumprimenta-los e mal sabem o q eles falam, eu q nao dou corda, sou taxada chata e rabugenta inclusve por algumas destas de quem eles falam horrores, só cumprimento pessoas com aperto de mão para evitar o q eu vejo, nao dou abertura e com isso EU sou deixada de lado, EU sofro bullying, sei la as pessoas acham isso normal, nao entendo como uns bichos desses passam em processo seletivo, nao entendo como ninguem faz nada, é desolador….

  100. Sabe o que eu penso? Penso que existem muitos outros casos de abusos que nem se quer sabemos ou vamos saber. Os números desta pesquisa, ao meu ver, é apenas uma pequena parcela do que acontece com as mulheres.
    É inaceitável que elas tenham que passar por isso, não pelo fato de serem mulheres, mas por, os agressores, acharem que estão no direito de fazer o que fazem.
    Mas também, não por ser homem, acho que um “fui fui” não é assédio. Muitas mulheres vão dizer: Não? Como vc é um babaca e coisa e tal. Mas não é. Agora se esse fui fui vem de alguém e situação que faça a mulher se sentir coagida, ameaçada, sim é um assédio. O que quero dizer que nem sempre é, ou que as vezes é sim. Mas pelo sim e pelo não, não se pode dizer que é. E digo que não é, pois falo pelos meus atos; já fiz “fui fui” algumas vezes à algumas mulheres, mas de forma alguma com intenção de assedia-las. Existem a mulheres que até gostam. Mas aí, novamente, milhares e milhares de mulheres vão dizer: Mas eu não sou esse tipo de mulher que gosta de “fiu fiu”. Posso até parecer machista no que vou dizer, mais toda mulher gosta de “fui fui”, desde que seja da pessoa certa, na hora certa, e que é extremamente justo. Um “fiu fiu” não é o mau, o mau é de quem, em que situação e com que intenções é este “fui fui”.
    Acho também que cada ser humano é dono de seu próprio corpo, tendo o direito de fazer o que quiser com ele. Mas a partir do momento que se está inserido em um sociedade e que suas atitudes e ações, querendo ou não, influenciam direta ou indiretamente nas atitudes que o outro indivíduo terá com vc, logo vc tem uma porcentagem de responsabilidade pelo que pode vir a acontecer com vc. Vou tentar explicar antes que me crucifiquem. Não generalizando, mas generalizando, existem as mulheres que gostam de chamar a atenção e sei que concordam comigo. Mas eu pergunto: Gostam de chamar atenção de quem? Dentro das diversas possibilidades que essa pergunta permite ser respondida, chegamos a um fator único, chamam a atenção do sexo que lhe atrai. Existem as mulheres que gostam de mulheres e existem as que gostam de homens. Ficamos apenas com a parte que diz repeito ao tema. As mulheres que querem chamar a atenção dos homens, querem que não seja qualquer homem e sim chamar a atenção do homem bonito, inteligente, que saiba tratar bem uma mulher e todas a qualidades que as mulheres querem em um homem. Mas esquecem que vão também chamar a atenção dos feios, sem educação, que não sabem tratar bem uma mulher. Não existe um botão de invisibilidade para os feios e idiotas. Seria uma maravilha se fosse assim, mas não é.
    Mesmo assim, não justifica o que acontece e que, infelizmente, continuará acontecendo com as mulheres. E não se pode dizer que todos os homens são “idiotas, babacas, machistas”, em particular, muito me intriga esta questão do taxado “machismo”, a´s vezes me sinto ofendido com algumas expressões dos grupos feministas, mas homem ofendido não tem direito, é logo taxado de que viadinho, como se o “viadinho” não tivesse direitos. Bom isso não vem ao caso. Que os agressores/assediadores sejam submetidos ás leis de nosso país. Que sejam discutidas questões culturais e políticas de como poderíamos mudar isso. Ter mais segurança nas ruas, mudar o conceito do nosso país de exploração da imagem da mulher e sei lá mais o que pode ser feito. Que as mulheres não se calem, mas que não queiram que as coisa mudem só no grito. O grito é importante mais ele só não muda.

    • O fato de um homem não poder se sentir ofendido que já é xingado, chamado de viadinho, mulherzinha etc, é mais uma mostra de como até os homens são afetados pelo próprio machismo.

  101. Respondi a pesquisa do fiu fiu e quando contei para algumas amigas, muitas não tinham a dimensão que os “fiu fiu” da rua são na verdade formas de assédio sexual sim, e são esses homens do fiu fiu que são os que vão se aproveitar de uma situação pra cometer o estupro.

    Contei um caso respondendo a pesquisa e vou contar outro, que me deixou mais perplexa ainda.

    Estava andando no calçadão da cidade onde vivo, perto das 12h em um sábado.Usava um vestido que comprei pra ir trabalhar, até o joelho e sem decotes, o único porém é que era branco (isso, não podemos mais usar roupas brancas), um homem passou por mim e cochichou “nossa que transparente”.
    Ignorei e continuei andando, o homem veio atras de mim e enquanto eu esperava pra atravessar a rua cochichou, “vou bater uma pensando no seu vestido hoje”.
    Fiquei assustada óbvio, sem saber pra onde fugir desse estuprador da porra.

    E isso é pra quem justifica que somos nós mulheres quem provamos esse tipo de atitude repulsiva e machista.

  102. Quando eu era adolescente trabalhava no comércio dos meus pais. Era época de Natal, tudo muito cheio e tumultuado. Eu devia ter uns 15 anos e estava no balcão atendendo telefones, cuidando do caixa e etc.

    No meio do expediente atendo o telefone e um homem pede pra falar com a FULANA (eu), disse que era eu mesma e perguntei o que ele precisava. O cara respondeu coisas do tipo “quero sua boceta todinha”… Fiquei chocada.. eu era uma criança!! Não podia simplesmente desligar o telefone ou xingar porque tinham muitos clientes perto, tive que dizer “Não temos este produto. Por nada” e desligar como se nada tivesse acontecido.

    Nunca contei pra ninguém e sempre desconfiei de quem fez isso. Talvez, por segurança e pela minha idade, deveria ter contato para os meus pais. Mas e a vergonha??

  103. Gostaria de deixar um parabéns para quem organizou essa pesquisa, realmente coisas como estas tem que parar. Na maioria das vezes essas coisas acontecem como rotineiras e até somos reprimidos por isso. Vou compartilhar uma coisa que aconteceu comigo no início do ano:

    Todo sábado tenho o costume de tomar café em uma lanchonete aqui de SP, nesse dia estava voltando para casa tranquilamente ouvindo música quando de repente senti algo tocar minhas costas, quando virei me deparei com duas mulheres que deviam entre 18 e 20 anos. Achando que elas iriam perguntar alguma coisa eu tirei meus fones e do nada uma me chamou de gostoso e colocou a mão entre minhas pernas. Fiquei paralisado por um momento e bati na mão dela e sai correndo, quando me viro elas estão rindo e me chamando de gay e outras coisas.
    Me senti extremamente violado e sujo, nunca tinha visto algo desse tipo acontecer, mas foi o que ocorreu e gostaria de falar que infelizmente essas coisas acontecem com todos, devemos punir pessoas nojentas ou nojentos como essas.

    Um abraço, ótimo site Juliana.

  104. É uma pena vocês mulheres passarem por isso. É realmente muito triste.
    Sou homem e nunca entendi uma coisa em relação a esse assédio masculino: passa uma mulher bonita, você chama ela de linda, gostosa, o que seja. Ela vai desviar da rota dela, falar com você, pegar o seu telefone, combinar de sair e depois transar? NÃO! Pelo contrário, ela vai querer sair de perto de você o mais rápido possível. Então pra que fazer isso? Isso é coisa de cabaço. Criança.
    Se uma mulher bonita passa por mim, é claro que eu olho, mas discreto. Não tem como não olhar. Isso já é do instinto humano.
    Não sei se o que eu vou dizer agora é machista, mas eu penso que o homem deve honrar o que tem no meio das pernas e agir como homem, tratando a mulher com respeito. Falo isso como irmão de duas mulheres que já passarem por situação semelhante às narradas na pesquisa.
    Um abraço e força para vocês.

  105. Sobre como se aproximar de uma mulher.

    Gostaria apenas de opinar a respeito e abrir a críticas.

    SE eu estiver trocando olhares com alguém interessante, onde quer que seja, penso que a maneira correta é se aproximar mantendo contacto visual, se acaso se quebrar, melhor nem aproximar.

    Acaso se mantenha, cumprimentar e puxar conversa.

    Gostaria da opinião de vcs se isso parece mal-educado ou machista. Porque algumas mulheres repudiam procedimentos do tipo e preferem abordagens das q são repudiadas aqui. São as minorias q responderam contrariamente à pesquisa feita, provavelmente.

    Eu sinceramente não entendo como mesmo em minoria, algumas mulheres preferem ser machistas.

    Apoio o feminismo e a boa educação, seja com homem ou mulher ou qualquer outra opção sexual, mas infelizmente é o machismo q impera.

    • Paulo, o machismo impera, mas até quando?
      É cultural! E a cultura quem faz são as pessoas! Nós somos pessoas, e podemos influenciar os amigos, parentes… Não é imutável! ;)

    • O problema, Paulo, é que mulher é tão violentada que provavelmente se alguém ficasse me olhando insistentemente na rua, mesmo sem fazer cara de tarado, eu teria medo :/

    • É por aí. Se você está interessado em alguém, deve mostrar interesse pela pessoa e fazer uma abordagem onde vocês possam se conhecer. Já conheci pessoas legais em paradas de ônibus, dentro de ônibus, na fila dos correios. A questão é a abordagem!
      Se ele (ou ela) estiver num dia ruim, não estiver interessad@, ou não quiser papo e sim ouvir a música dela, isso depende da pessoa e você vai saber – por linguagem corporal ou porque ela vai te falar.
      Uma conversa normal não é invasão do espaço da pessoa, a não ser que você insista no que o outro não quer.

    • Quando vejo que um homem está me olhando com insistência tenho duas reações: se me interessa, eu abro um sorriso (é a dica para ele se aproximar e começar uma CONVERSA). Quando não me interessa, eu mudo de posição, viro de costas ou de lado para que ele veja que não estou a fim. Se uma mulher corresponde o seu olhar, é por que existe interesse.

  106. Apesar de pertinente em muitos aspectos, o texto é misandria pura, pois coloca a todos nós homens num mesmo saco, como se todos fôssemos maníacos sexuais como os relatados no texto. O movimento feminista tem esse problema de atacar a todos os homens sem distinção, rotulam todos de machistas e talvez resida aí a fraqueza de seus argumentos, pois não sabe fazer qualquer distinção entre doentes sexuais de homens normais. Tanto o feminismo quanto o machismo são extremos em seus discursos e pecam justamente por não saber dar visibilidade à justa medida. Falam sempre tão mal dos homens, reproduzem uma imagem tão negativa de nós que mesmo meu filho, uma criança, por ser homem, já é estereotipado como machista, violador, obsceno, etc, antes mesmo de crescer, só pelo fato de ter nascido homem. Somos todos monstros, é isso?! Vocês têm ideia do quanto as coisas mudaram para os homens nos últimos 40 anos? O quanto temos tentado nos adaptar às mudanças, à buscar a justa medida, a ter uma relação de respeito e de complementaridade com as mulheres?! Toda mulher merece respeito, mas toda mulher se dá ao respeito?! A pesquisa foi realizada quando?! Com que público?! Por quais pesquisadores/as, ou foi só a jornalista que entrevistou as 7 mil e poucas mulheres?! Me pareceu tendenciosa e visando enfatizar uma situação real sob um ponto de vista notadamente superficial. Além disso, o universo pesquisado, se calculado o tempo de 2 minutos para cada entrevistada pela jornalista resultaria num tempo que não foi colocado na matéria e que seria demasiado. O fato de ter sido feita por uma só pesquisadora também tende a influenciar nos resultados obtidos, que poderiam ser diferentes se realizada pesquisa por um grupo de pessoas multifacetado, diverso. Pesquisa direcionada para registrar uma opinião convergente via de regra não considera variáveis e opiniões contrárias, os políticos são pródigos nesse tipo de pesquisa. Deixo a sugestão para que na próxima pesquisa seja incluído o público masculino indagando se todos os homens são assediadores contumazes e poderá a jornalista descobrir que sua rotulação só deve ser aplicada a uma minoria de homens ignorantes, doentes e sem educação ou limites, pois nós, a grande maioria, nem de longe correspondemos aos estereótipos sexistas que nos impingem.

    • A mentalidade machista está tão incrustada nas pessoas que, mesmo se fizessem uma pesquisa com homens, o mesmo garoto que tentou agarrar à força uma menina na balada não vai se achar um “monstro”. Na cabeça dele, isso é normal, “a menina era dada”.

      Está sim, tudo errado: com homens E mulheres (que não entendem como sofrem abusos todo dia). Sinto muito se tivemos que esperar até o século passado p/ começarmos a sermos reconhecidas como gente.

    • É verdade. Seria interessante uma abordagem bilateral. Eu por exemplo já chamei uma mulher de linda, lógico, é conhecida minha. Mas da forma que está sendo abordado o assunto, todos os homens são bichos.

    • Se a carapuça desse texto não serve pra você, isso é ótimo! Você deve ser um ser humano decente. Só que ao ler algo assim, pode passar a mensagem a amigos que tem esse tipo de atitude e não refletem sobre isso, por exemplo.
      O feminismo não é equivalente ao machismo, porque não prega “opressão aos homens porque são X ou y”, e sim “chega de oprimir as mulheres, que também são gente”.
      Me acusar de odiar homens por ser feminista é o mesmo que eu acusar você de misoginia por ser homem. Não é assim que funciona… e temos radicais dos dois lados, como o pessoal do “Testosterona” ou “Orgulho Hétero” quanto em “feministas” que querem que os homens desapareçam da face da terra.
      Eu gosto de homens, e pretendo me casar e formar uma família. Isso não muda o meu desejo por coisas simples como poder andar na rua sem ser assediada.

    • Li seu comentário e com relação as informações referentes à pesquisa, também acho coerente expô-las.
      No entanto, com relação à algumas passagens do seu texto, senti uma certa tendencia machista que ocorre na nossa sociedade. Posso estar enganada, mas foi isso que me pareceu. Pois, vocês estão se adaptando, por que as mulheres estão reivindicando os seus direitos. E não por que uma consciência coletiva atingiu, subitamente, todos os homens. Se não discutíssemos esse tipo de assédio, a situação seria ainda pior. Lembrando que foram criados vagões só para mulheres em algumas cidades, de tão vergonhosa que é a situação.
      Se toda mulher merece respeito, esse tipo de atitude não deveria ocorrer em nenhuma circunstância. Não sei o que você quis dizer com “se dar respeito”, mas até onde eu sei podemos sair do jeito que quisermos na rua, desde que respeitemos os direitos do próximo. Se perguntássemos – “E todo homem, se dá ao respeito?” – Acredito que a maioria das pessoas não saberia responder a pergunta, por que não entenderia o sentido de “se dar ao respeito”, quando aplicada para um homem.
      Uma coisa é você expor um problema COERENTE, de uma atitude inadequada de comportamento que acaba constrangendo as pessoas, outra coisa é querer maquiar o assédio que sofremos diariamente, através de certas atitudes que algumas pessoas (não eu) condenam (como andar de shorts).
      Com relação à machismo ou feminismo, acredito que, assim como em todo grupo de pessoas, existem àquelas que lutam por ideais justos e outras por ideais extremistas.
      Ainda, duvido muito que o assediador, se entrevistado, iria declarar a sua culpa. Provavelmente tentaria desviar da verdade, dizendo que foi só uma cantada inocente,um linda e por aí vai, respondendo meias verdades no questionário. Acredito que a visão da vitima seja muito mais válida e interessante.
      Ademais, não rotulamos homens como ruins, até por que amamos eles, de uma forma ou de outra. Mas convivemos com essa realidade doentia, em que muitos se acham no direito de cantar mulheres na rua, como se estivessem fazendo um favor para nós. Nem todo homem é ruim, assim como nem toda mulher é boa. Mas não podemos fugir da verdade. As mulheres têm medo de sair na rua depois de certa hora, precisam andar em grupos, se sentem compelidas a sair com certos tipos de roupa para não sofrerem assédio e por aí vai. É triste…
      Por mais que a entrevista não consiga abranger todos os aspectos dessa realidade, ainda assim ela traz informações muito valiosas, como por exemplo, que 83% de nós não gostamos de receber cantadas na rua.
      Abraços

    • Em nenhum momento se fala em TODOS os homens. O discurso é voltado para a situação. Se tu é frustrado com o feminismo, eu garanto, também sou. Mas vamos com calma, tu estás tntando de defender de alguma coisa que acontece todos os dias, com muitas mulheres.
      Estão tentando se adaptar? Péssimo. Não tem que tentar. Tem que conseguir.
      Falta de respeito não dá mais. Nem com a desculpa da “adaptação”.

    • Misandria? HAHAHAHA presta a atenção no grau de misoginia do seu texto primeiro. Fica evidente o seu desprezo e necessidade de objetificação da mulher. Bem tipico dos masculixos.

  107. Que cacete! Por que é tão difícil entenderem que as mulheres não querem porra NENHUMA de abordagem? Eu não quero ouvir que sou linda, não quero ouvir bom dia/boa noite de pessoas que não conheço na rua, não quero ser chamada de gostosa, muito menos uma abordagem agressiva. Eu quero andar na rua sem fone de ouvido, pra não me sentir tentada a responder com xingamentos, e de cabeça erguida, sem medo de encarar os olhares que me lançam. Sem esse blablabla de que antes era “delicado” chamar alguém de linda. NUNCA é confortável.

  108. Uma vez, durante uma festa da faculdade em um sítio, estávamos apenas entre amigos quando chegou um grupo de caras de outra faculdade, uns 20, e se misturaram a nós (eles eram amigos/conhecidos de um amigo).
    Alguns desses meninos começaram a conversar comigo e mais umas amigas e o assunto era bem trivial! Falávamos sobre a faculdade, sobre a semana de provas, sobre os jogos do dia seguinte…quando um deles chegou com bebida…serviu e foi embora! As meninas pegaram cerveja, mas eu escolhi uma batida…e essa foi minha última memória daquela noite. Eu apaguei!
    No dia seguinte acordei confusa e ao levantar o lençol vi que estava com o zíper do meu short aberto e minha calcinha no bolso.
    Tentei forçar a memória e me lembrei de algumas cenas…mas era td muito escuro e sem sentido…mas eu já tinha entendido que eu tinha sido dopada.
    Senti NOJO de mim mesma!
    Qdo minhas amigas acordaram elas perguntaram quem foi que me trouxe de madrugada p/ o quarto, já que elas viram a sombra de um menino e ele ficou um pouco e depois saiu…eu, por pura vergonha, disse que foi eu tinha ficado com ele…só isso…
    Chorei sozinha aquele dia! Eu nao sabia quem tinha sido….como tinha sido…
    Tomei pílula do dia seguinte, qdo cheguei na minha cidade fiz exames de dst…graças a Deus nada disso me atingiu…
    Mas a dor, o trauma, a vergonha e o medo, acho que nunca vão sumir….

    Tenho nojo de quem fez isso comigo porque eu não consenti, eu não quis e foi um estupro sim!

    E vcs meninas que estão lendo isso, saibam que infelizmente a gente não pode confiar em ninguém…muito muito muito cuidado!!!

    Quanto aos homens que acham isso normal, saibam que vocês são potenciais estupradores!

  109. E eu nem vou contar uma das mais traumáticas, só vou contar a história do dia que respondi a uma cantada.
    Eu estava voltando pra casa, eram umas 17h. Eu estava com roupa de ginástica (short e camiseta comprida por cima) pois o vestiário da academia estava muito lotado e acabei não me trocando. No caminho pra minha casa, cerca de 4 quarteirões eu ouvi tanta cantada NOJENTA que falei ‘a próxima eu respondo’. Um cara me cantou eu virei e falei ‘É COMIGO?’ o cara respondeu algo incompreensível. Virei muito brava e fui embora. No caminho ele gritou:
    ‘e se eu fosse você, não andava com esses shortinhos na rua não’
    respondi ‘fica na sua, idiota’
    Na hora, outros caras que estavam no quarteirão ou no ponto de ônibus MAS NEM CONHECIAM O CARA, se voltaram para defendê-lo. Vários caras se intrometeram e começaram a gritar ‘lindinha’ ‘nervosinha’ e fiquei ouvindo assobios até o final do quarteirão enquanto ia embora.

    Ou seja: não é só que eles querem dar cantadas, eles não querem ouvir resposta tb. E se botar o ‘direito’ de dar cantadas em cheque, o bando se enraivece.

  110. Me impressiona que nos dias de hoje os homens ainda achem que as mulheres gostam de ser tratadas como objetos sexuais! Já passei pelo transtorno de ser tocada na rua, tinha 17 anos e estava no centro da cidade com a minha mãe quando um imbecil se achou no direito de passar a mão na minha bunda. Nunca esqueci disso pq achei a invasão uma ofensa sem noção e minha reação na hora foi bater nele com a bolsa, mas acho que ele percebeu que eu ia virar com a bolsa e saiu praticamente correndo…
    Acho uma invasão de espaço e falta de respeito total que achem que a gente tem que cada vez mais se esconder atrás de roupas mesmo em pleno verão pq se mostrarmos qquer pedaço do corpo estamos “pedindo” pra ouvir estes comentários. Eu nunca recebi cantadas de grupos como eu li em alguns relatos, isso realmente não tem como não soar como uma ameaça até, porque uma mulher sozinha nunca vai responder a isso… Mas como eu sempre recebi cantadas individuais, eu até já respondi com xingamentos… Hoje em dia prefiro ignorar…
    Atualmente moro nos EUA e é impressionante a diferença… Vejo moças com shorts, ou mesmo usando biquinhis pegando sol em parques e fazem isso de forma tranquila, não existem animais que não sabem se conter na volta…. Claro, dá pra notar que tem homens que olham, mas não demonstram esta falta de respeito absurda tocando ou abordando.
    Eu acho que isso teria que ser sim classificado como crime, uma mulher não pode ser tocada por um desconhecido sem consentimento!

  111. Nossa, acho que se toda mulher fosse contar todas as cantadas grosseiras e apalpões que já recebeu… Uma vez, eu tinha 16 anos, estava atravessando uma ponte e um carro passou a toda velocidade, um dos passageiros deu um tapa na minha bunda, doeu de verdade, em todos os sentidos.

  112. A incoerência é algo que atrapalha muito o discurso das mulheres feministas. Na prática, vê-se algo completamente diferente.
    A questão sobre a quem a rua pertence, por exemplo. A ninguém! Ou você acha que homens também não tem medo ao saírem, de serem assaltados, por exemplo? De comentários maliciosos, agressões verbais… A rua não é das mulheres tampouco. Patrulhar o comportamento masculino é como se estivessem dizendo isso. É de todos e o bom senso deve ser a base para as relações, o debate. Sem extremismos, como vemos nos comentários.
    Outra, o que é consentimento para elogiar alguém? Seria um documento formal? Muito vago, né?
    As mulheres lutam para poder expressar sua sexualidade como quiserem. Homens também. Na prática, muitos são ridicularizados pelas mulheres até o final da adolescência por serem tímidos, não terem tanto traquejo social ou virilidade/confiança para abordar uma mulher, enquanto a mulher, quando quer, pode se aproveitar facilmente do jogo da sedução. A falta de empatia das mulheres também é notável.

    No mais, acho que a tendência é o mundo virar realmente esse monte de zumbis andando lado a lado, cheio de não-me-toques.

      • Sabe, Caroline, então eu deveria dizer o mesmo para você em relação às cantadas, visto que, excetuando-se as formas grosseiras e invasivas mencionadas por quase todas as mulheres, puxar uma conversa com uma estranha não é assédio.

    • Também vejo um monte de incoerências no discurso feminista. Como, por exemplo, a questão da pensão alimentícia à crianças quando um casal se separa. Homem deve pagar, mulher não. É irracional, além de injusto.
      Mas isso que tu falaste é pior que isso: é infantil. Eu quero sair na rua, com a roupa que for, e não receber cantadas, ou não ficar com medo pq tem gente me olhando, me seguindo, assoviando, ou qualquer outra baboseira.
      Queria ver se um cara enorme começasse a te seguir no meio da rua e gritasse “ô boneca, queria te chupar todinha hoje”, queria ver se tu não tivesses pra onde correr, se estivesse sozinho no meio da rua, se fosse bem escuro. Se estivesse em um beco. Eu ia adorar te ver correr que nem uma “mulherzinha”.
      Aliás, ia gostar ainda mais de te ver mudar de discurso.

    • E se fosse a sua mãe, a sua namorada/esposa, ou melhor ainda: Sua filha?
      Você nunca diria algo do tipo. Você iria adorar que a rua desse um pouco ao menos de respeito à elas, ou não?
      Ou se imagine saindo pelas ruas e ter que lidar todos os dias com “elogios” ” e passadas de mão” de outros homens, que são pessoas “do seu tamanho ou maiores”, além de lidar com tudo o que TODOS NÓS lidamos, como assaltos, roubos, e etc? Imagina passar na frente de outros homens todos os dias e ter que ouvir “nossa, eu comeria o seu cu a noite toda”, ou “deixa eu chupar seu pau todinho” ou “ei gostoso, vem aqui chupar meu pau”. Maneiro né?
      Aí se sentir agredida com isso é querer ser dona da rua…

    • E o que te faz pensar que a mulher QUER ser chamada de gostosa? Por qual motivo doentio os homens acreditam que estão no direito de nos assediar de tal maneira? E ai de nós se respondermos à altura! Então cadê o NOSSO direito de mandar vocês enfiarem esses “elogios” no c*? Afinal, a rua não é de ninguém. Seguindo esse seu raciocínio ao pé da letra, o estupro, o assassinato, o sequestro ou quaisquer formas de violência, são legitimadas caso aconteçam na rua. Afinal, a rua pública, não?
      E sobre esse consentimento: Coloque-se no nosso lugar. Vou exemplificar uma situação que já ocorreu com amigos homens meus. Você está no banheiro, na rua, na balada. De repente, um homossexual decide te “elogiar”. Te chama de gostoso, lindo, diz que gostaria de te chupar todinho. Como você se sentiria? Bem? Então, é assim que nós nos sentimos. Só que multiplique essa sensação por todos os anos da sua vida. Isso desde de você ser um garotinho que não entende nem o que está acontecendo ou porquê estão invadindo seu espaço. Você não deu o consentimento ao cara de te dizer isso, mas ele não sabe disso. Só que a diferença é que vocês dois são homens, se caso você decida o agredir, suas chances são maiores. Agora uma mulher de estatura mediana brigando com um cara do dobro do tamanho dela quase não tem chances. E não adianta dizer que é só chutar as partes dele, até porque se fosse tão fácil pode ter certeza que eu já o teria feito diversas vezes.
      E pra finalizar: você sabe quem é o grande causador dessa “falta de empatia” com os homens que não se enquadram nos padrões de “homem ideal”? O machismo. Não é só a nós, mulheres, a quem ele prejudica. O machismo diz que o homem deve ser… Oras, um machão! Um dominador. Se você não se enquadra nesse padrão, também será repudiado pelas mulheres. Deixando claro que não sou a favor de nenhum desses padrões, tanto para mulheres quanto para homens, mas não há como negas que é assim que as coisas funcionam. As meninas, muitas vezes por crescerem nesse sistema machista – com influência de revistas, mídia, música, etc -, acabam acreditando nesse padrão imposto tão injustamente.
      Espero que minhas palavras tenham lhe servido de reflexão. Peço que pense bastante à respeito e se coloque no nosso lugar na próxima vez em que “elogiar” alguém na rua. :)

  113. a maioria dos relatos é caso de PEDOFILIA E CRIME. as cantadas que vcs gostam sao as de ruas e da noite!! nao venham com esse papo de que foi dopada ou quando tinha 10 anos. aí é doenca e crime. nao confundam

    • seu idiota! “as cantadas que vcs gostam sao as de ruas e da noite” NÃO GOSTAMOS DISSO!
      Gostaria de ver tu ser abordado por um cara grandão, que estivesse louco pra te estuprar, numa rua deserta bem de noite. Eu ia dar risada!

    • “as cantadas que vcs gostam” – Claro, pq agora você sabe melhor que eu mesma, do que eu gosto ou deixo de gostar. Santa ignorância.

    • “as cantadas que vcs gostam sao as de ruas e da noite!!” Gostamos o seu cú seu otário. Eu gosto mesmo é de sentar a porrada em imbecis como você

  114. Já tentaram me beijar a força mesmo de mão dada com meu namorado, ele estava na frente e eu atrás. Quase deu briga.
    Uma vez eu estava andando de bike e chegando em casa juntaram três motoqueiros tentando colocar a mão em mim.
    Um dia um colega de classe ficou tentando me beijar a força na escola, e o pior é que além de eu não querer e ele ficar tentando a força, é que era proibido e foi na frente da minha melhor amiga que gostava dele. O bom é que ela viu o quanto ele era idiota.
    Agora, a quantidade de cara idiota que chega tentando beijar a força em festas ou baladas é sem noção. Não da nem pra escrever aqui. Já tive até que partir pra agressão física.
    Certa vez eu estava assistindo a um show do Detonautas e um velho bêbado ficou tentando passar a mão em mim, pedi pra parar, insistiu, pedi de novo, insistiu, xinguei, insistiu, então dei um empurrão nele que o velho voou longe, abriu até espaço na galera pro show de tapa e soco que dei nele. Talvez minha atitude não tenha sido uma das melhores, mas eu acho que fiz foi pouco pro que ele merecia.
    Também teve uma vez que eu estava indo pra casa com a minha mãe e um carro começou a ficar mexendo, e os caras saindo da janela tentando pegar a gente. Aí a gente saiu correndo, a minha mãe me carregando nas costas que eu era criança ainda. A sorte foi que meu cachorro, que era um pastor alemão gigante, voou no carro e acho que chegou a morder uns caras lá.

    Eu tenho péssimas histórias desse tipo pra contar. Eu acho que os homens podem admirar as mulheres sim, quem não gosta de ser admirada não é mesmo? Mas tem que ter respeito acima de qualquer coisa.

    Eu moro em uma zona afastada de uma cidade pequena, lugar onde era pra ser tranquilo. Moro no lugar onde as pessoas mais fazem caminhadas, ao pé de uma serra maravilhosa, perto da minha casa tem um lugar lindo onde costumávamos nadar (não nado mais lá porque quase sempre que vamos lá tem algum homem escondido no mato olhando a gente), mas por conta dessas péssimas histórias não posso fazer mais nada. Não posso mais andar de bike, não posso mais caminhar, não posso mais nadar, quando era criança sempre caminhava pelo serrado pra ficar olhando as lindas paisagens que tem perto da minha casa e agora não posso mais, não posso fazer nada sozinha mais pro conta desses idiotas.
    E eu me visto decente justamente para evitar esse tipo de situação, sempre me vesti de maneira adequada. Mas mesmo assim não tem jeito.

  115. Concordo que são idiotas, passei por algo muito traumático na sexta passada, mas o que me parece é que o problema é uma mulher ser inofensiva frente um homem… Então, uma saída não seria as mulheres que sofrem muito assédio se prepararem e fazer algum tipo de auto defesa, já vi uma mina usar disso, funciona! Eu mesma sou faixa verde em Kung-Fu, usei disso pra escapar do cara 3 dias atrás. Claro que na hora, vc entra em choque, mas fazer uma arte marcial, ajuda muito, pq ela te ensina a controlar o medo e a escapar dessas ciladas.

  116. Você, mulher que participou da pesquisa, considere o cenário abaixo:

    São 16:00 e você está voltando pra casa (pode ser a pé ou esperando o ônibus). Um indivíduo de faixa etária semelhante à tua, sóbrio, bem vestido e de boa aparência se aproxima, faz um elogio sucinto, diz que gostaria muito de te conhecer e te convida para ir tomar um cappuccino (ou água mineral, caso não goste de cappuccino) na cafeteria do outro lado da rua.

    (A abordagem do sujeito não precisa ser tão brusca quanto descrevi — eu preferi ser breve. Podem acontecer trocas de nomes, ele pode pedir uma informação geográfica, o convite pode ser outro etc).

    Com base nessa situação, tenho bastante curiosidade em saber:
    1) Se acham que isso é assédio, e o motivo de pensar assim;
    2) Como reagiriam.

    Obrigado a quem responder.

    • Isso não é assédio, é uma abordagem normal. Já aconteceu comigo, eu não tinha interesse mas em nenhum momento me senti ameaçada nem senti repulsa. Foi uma abordagem e uma recusa educadas. No caso de homem que grita, assobia e persegue, tudo o que se passa na cabeça da mulher é que seria ótimo ter uma arma carregada naquele momento.

    • Respondendo:
      1) Sim, eu considero assédio, não gostaria de ser interpelada por alguém que se interessou por mim, sem que eu houvesse dado qualquer sinal de retribuição, ou demonstrado um mínimo de interesse, independente do local, horário, ou vestimenta.
      2) Como a abordagem foi educada, eu responderia da mesma forma, agradecendo o convite e dizendo que não estou interessada.

    • Eu ficaria, pelo menos, com medo. Que elogio o cara faria? Gata? Princesa? Linda? Eu não conheço o cara, que me aborda e convida pra um café… de boa, isso não é confiável… MAS, se quiser convidar, não convida numa rua deserta, nem à noite e fala o nome de um local bem movimentado… Mesmo assim, eu ficaria desconfiada.

    • Receber um convite bem educado, seja de quem for, para conversar e talvez sair para algum lugar é muito diferente de ter sua intimidade e seu espaço pessoal invadidos com palavras chulas e gestos obscenos.
      Não é a roupa que o homem veste, é a forma de demonstrar interesse.
      Há infinitas formas de se abordar pessoas.

      Se uma mulher qualquer se aproximasse de você e, do nada falasse: “E ai, vamo fudê seu lindo?” o que você faria?

      Pense nisso… ;)

    • Giordano, paquera é paquera, assédio é assédio. Com bom senso o mundo funciona legal

      Esse assédio do qual reclamamos, não é porque o “homem” da questão não é interessante, às vezes ele até era, mas deixa de ser quando se porta como um imbecil.

      Uma coisa é se interessar por uma menina e chegar nela. Outra é gritar ou sussurrar alguma coisa sem considerar o lado de lá, ela, o que só vai gerar humilhação e desconforto pra moça…

      É bem básico: o que você está fazendo (ou o cara bem-apessoado do seu exemplo…) só vai ser divertido (ou o que seja) pra você ou pode ser legal pros dois????

    • eu acho assedio sim, se a pessoa nao receber o convite para, linguagem nao verbal vale mto nessas horas: olhares, sorrisos.

      Imagine a seguinte situacao: vc as 4 da tarde e uma loira peituda que, ao inves de te convidar p um capuccino diz:

      deixa eu ver o q tem no meio das suas pernas! me mostra o pinto logo, vai que eu to com pressa!!!!!!!!!

      e ai??????
      cantada ou invasao?

      vcs podem ate tentar ser lordes chamando p uma agua, perguntando nome, tentando exercitar a retorica mas o rosto de vcs nao vai negar a intencao! nem rosto nem a forma como estufam o peito tentando mostrar os musculos igual galo! na boa, p mim isso é falta de amor próprio… nao tem erro em querer conversar, trocar contato, conhecer, mas forjar um encontro como se vc ja soubesse o suficiente da outra pessoa p querer estar com ela, por uma hora q seja, isso é nao querer usar os cinco dedos, pagar uma puta, procurar uma boneca inflavel e ver em mim algum tipo de alivio erótico! tipo> poe no buraquinho e tera alivio imetidiato! mas buraco de plastico, tem q ser o de uma mulher de vdd!

      • Ai, que absurdo esse seu comentário, Serena. Mulheres e homens não podem se interessar por alguém na rua, ter atração sexual, vir a se conhecer e/ou vir a fazer sexo casual? Não vejo nenhum problema nisso. Não acho minimamente ofensivo um cara querer transar comigo, se ele for educado e respeitoso.

        Respondendo à pergunta do cara: não, não é assédio, a princípio. Depende de algumas coisas. Se estou encurralada em um lugar deserto, se tu te aproximaste demais do meu corpo, etc. Provavelmente eu não vou ter interesse, pq raramente me interesso por alguém de cara e ficaria meio tímida com uma proposta tão direta. É possível que ficasse um pouco constrangida na hora de recusar, mas não por uma questão de opressão, e sim pq estourar a bolha de sabão das pessoas é desagradável. Mas não ficaria nem um pouco ofendida, pelo contrário.

    • Bom…assedio não é não! Mas eu sinceramente me sentiria incomodada, nunca vi o cara, não o conheço e ele chega me chamando pra ir não sei aonde pra fazer não sei o que, nunca vou achar isso normal, nunca fiquei com cara que me aborda na rua, pois pra mim me passa a impressão que o cara ta desesperado, pra tá abordando mulher na rua pra sair, não curto, pra mim interesse aparece da convivencia, afinidades…eu não saio por aí “caçando” homem, abordando todo homem bonito que eu vejo, então acho um pouco de falta de noção.

  117. Eu acho completamente doentio um homem sentir qualquer atração por uma mulher que o ignora, que o considera nojento. É um traço que já distingue os homens normais dos potencialmente estupradores. Me considero no primeiro grupo, já que me sinto atraído por uma mulher com a qual mantenho minimamente uma relação social, com conversa e troca de olhares.

  118. Já não existe desculpas pra barbárie masculina. Em cada fórum ou post do facebook, onde uma mulher está reinvindicando seu DIREITO DE IR E VIR sem ser importunada, sempre tem um homem (e vários apoiando – fraternidade) pra dizer “algumas mulheres gostam” “isso é a nossa liberdade de expressão masculina”.
    Nós mulheres também temos que nos unir, como eles fazem, e combater o assédio.

    Este movimento americano dizponibiliza panfletos com explicações fáceis para dissuadir os homens a “passarem cantadas”.

    http://www.stopstreetharassment.org/strategies/moment/

  119. todos os dias pego ônibus as 6h da manhã, e todos esses dias passo por homens que estão ali na padaria fazendo hora pra trabalhar e todos os dias eles mexem comigo…Hoje em dia, com eles me acostumei pq só falam, nunca chegaram perto de mim e me constrangeram de tal forma de mudar a rota.
    E quando eu volto, lá pelas 21h, venho de outro ônibus, mas a rua está inteiramente deserta ando muito rápido, qualquer barulho, qualquer pessoa andando atras ou ao contrario mesmo, desconfio de tudo. Não só de homem,mas de mulher também, pq apesar de ter o medo de ser estuprada, pode aparecer um psicótico e sei lá o que mais..hoje em dia, nessa sociedade em que vivemos, o medo predomina muito.

  120. Quem fez essa pesquisa tendenciou, ( mulher adora elogio ) , excesso de fanatismos feminino lavagem celebral. Como homens e mulheres vão se unir, fazer novas amizades ESSE MUNDO TA SE TORNANDO CHATO POR CAUSA DE UNS LOUCOS

    Onde foi realizado essa pesquisa no baile Funk ou no convento?

    • Num mundo onde ninguém gosta de sofrer assédio sexual, tentativa de estupro nem de ser tratado como uma boneca inflável.
      Muito distante do seu?

    • me dói que pessoas com mentalidade como a sua leiam artigos desse tipo…pensa um pouco sobre o que disse, pelo amor de Deus!!

    • Pessoas (não só mulheres) costumam gostar de elogios. Ouvir grosseria na rua, de homens que você não conhece e que se aproveitam da sua situação de vulnerabilidade para falar o que bem entendem, NÃO É ELOGIO!

    • Mais um babaca, seu comentário é asqueroso, você definitivamente não tem capacidade cognitiva para entender a seriedade desse post, e pelo visto você não entende absolutamente nada de como tratar uma mulher.

    • Pelo amor de Deus…. Desculpa nao eh preciso frequentar bailes funks para levar cantadas ou tapa na bunda. VOCE LEU A PORRA DA PESQUISA INTEIRA….. meu querido chegar de moto e passas a mao no peito na bunda, no meio das pernas de uma mulher andando a pe NAO eh elogio, chamar ela de gostosa e constrange-la na rua… nao eh elogio…. uma pessoa tem a ousadia de PASSAR a mao em voce sem o seu consentimento, NAO é elogio!!!!! Vai toma no cu!!!!!! Eu nao tenho que ficar andando na rua e fica ouvindo qualque… qualquer tipo de elogio, qualquer um é constrangedor….. pelo amor de Deus!!!!

    • É por causa de ignorantes como você que pesquisas assim existem, para provar que NÃO, nós mulheres não gostamos de ser objetificadas. Elogio é uma coisa, objetificação e assédio são outras, completamente diferente. Eduque-se antes de falar besteira, seu machista de meia tigela.

  121. Acho a ideia da pesquisa genial. Qual mulher nunca passou por uma situação como as descritas no estudo? A questão é que, infelizmente, é cultural no Brasil os homens se sentirem no direito de saírem “elogiando” quem quiser na rua. Recentemente estive na Nova Zelândia e esse tipo de comportamento grosseiro não existe por lá; os homens sequer ficam te “secando com os olhos”. Há respeito.
    E cá pra nós… Sinceramente? Os únicos elogios vindos do público masculino que interessam a nós, mulheres, são de nossos pais, namorados, maridos, noivos, ou amigos BEM próximos; homens nos quais confiamos e que nos respeitam, e não de desconhecidos na rua! Portanto, rapazinhos, contenham-se!

    Pra finalizar, também vou contar uma história. No último sábado pela MANHÃ foi feriado e estava a caminho do ponto de ônibus pois estava de plantão no meu trabalho. A rua estava pouco movimentada, então dois homens à bordo de uma kombi pararam ao meu lado e falaram algo do tipo: “nossa, que princesa”. Não foi nada legal e tive medo! Uma vez que, como disse, a rua estava meio deserta e se eles quisessem fazer alguma maldade não teriam dificuldade devido à esse fator.
    Não respondi, fechei a cara, coloquei o fone de ouvido e continuei andando a passos largos… foi quando eles arrancaram o veículo e foram embora.
    A quem disse aí em cima que elogiar de “linda, princesa, etc” não é ofensivo: moço, você está completamente errado. Ao invés de agradar essa moça você ganha é o medo e repúdio dela!

  122. Li uns comentarios MUITO escrotos! “As feministas fazem a caveira dos homens, sao problematicas, a pesquisa é tendenciosa”, “nao se deve elogiar desconhecidas, so se criara mulheres mimadas q vao humilhar”, “em paises desenvolvidos as mulheres sentem falta de serem cantadas nas ruas”
    OI GENTE? Sera q vc q pensa assim tem orgulho do ser humano q vc é? Vai ser preciso vc passar por uma situacao como uma dessas citadas p entender q vc é machista, hipocrita e sem nexo?

  123. Uma coisa que eu não entendo é um homem achar vantagem em dar em cima de mulher grávida. Na minha primeira gravidez (eu estava visivelmente grávida), estava numa parada de ônibus, passa um caminhão cujo passageiro resolve me cantar, gritando “AH, SE EU FOSSE O PAI”. Puta que pariu! Nem grávida escapa!
    Essa semana cá estou eu grávida de novo, passo por uma fila de um caixa eletrônico e peço licença pra ir beber água, o cara emenda o seguinte “Claro que pode passar, princesa”…
    tománocu não quer, né?

  124. Esperando meu namorado, fui abordada por um homem que começou a me assediar. Eu estava bem vestida e certamente iria chamar a atenção das pessoas. O homem perguntou se eu tinha namorado, pensei em ignorar mas, pelo tipo do sujeito, ele iria ficar insistindo, portanto respondi, “- estou esperando meu namorado”. Mas o homem começou com um assédio, perguntando “- porque você esta esperando seu namorado?” “- seu namorado está aqui”, se referindo a ele mesmo, típico de uma cantada bem barata. Eu certamente que pensei em sair do lugar que eu estava mas o homem iria atrás de mim, então aguentei e rezei que ele fosse embora. Continuou com um papo furado de “você é bem bonita, pega meu contato” e blá blá. Uma hora se cansou e se foi. Seria cômico se não fosse trágico. Nunca gostei realmente de receber cantadas furadas na rua, mas em um dia que me visto de um jeito que chama a atenção, sou abordada por tipo como esses. Mas espera, mulher não pode se arrumar que é cantada? Tem que sair com um moletom escondendo tudo pra evitar esse tipo de assédio?
    Essas abordagens nojentas sempre acontecem. E voce , acaba se serntindo um objeto que nao pode falar nada pois vai la saber o que o assediador vai fazer com vc. É horrivel se sentir desse jeito, e qndo vc vai falar pra alguem , todo mundo te julga diz que vc tava provocando o cara .Como é que é?
    é nojento.
    lamentavel.
    As vezes me pergunto, cade o tal do respeito?

  125. Pesquisa interessante, principalmente quanto aos relatos que mostram o absurdo dessas situações de assédio, e o mais absurdo é de como elas são comuns.

    Mas é um erro usar o termo CANTADA, que é uma conversa, algo agradável, que sabe seu limite. O que faz do uso do termo cantada nessas situações um eufemismo, já que cantada “s. f.[Brasil, Informal] Dito ou conversa que visa seduzir ou conquistar alguém. = GALANTEIO, XAVECO”. Essas situações não visam conquistar alguém, sim impor uma vontade, isso é agressão, isso é ASSÉDIO!” 3. Importunar com tentativas de contacto ou relacionamento sexual. = MOLESTAR”

    Dicionário: http://www.priberam.pt/dlpo/

  126. Eu tinha nove anos e estudava num colégio de freira (veja só como essas coisas podem acontecer em qualquer lugar).
    Um colega nosso ficava dizendo que ia estuprar todas as colegas. Fez uma lista por ordem de “interesse” e dizia “a fulana é a primeira” “a ciclana vai ser a segunda”…
    Disse que ia estuprar até a professora.
    Era realmente assustador pra nós. Ele realmente ameaçava a gente.
    Certa vez ele colocou o dedo embaixo da saia de uma colega nossa e tocou nela. Lembro de como as colegas ficaram assustadas e como tudo aquilo era muito estranho pra nós.
    Esse moleque tinha apenas 9 anos, assim como a gente… E já dizia essas coisas. As professoras simplesmente não fizeram nada…

  127. Na verdade comigo aconteceram dois episódios ruins. Uma vez eu estava indo para a academia, a tarde.. estava de short de academia não muito curto e camiseta. Um homem que estava em um carro veio andando devagar ao meu lado pedindo informações sobre tal rua. Na hora, eu respondi que não sabia que rua era aquela, e ele começou a fazer mais perguntas. Quando me dei conta, ele estava se masturbando debaixo de um casaco que estava em seu colo. Eu saí andando rápido na hora. Foi muito ruim. Outra vez eu estava no carnaval, no meio da multidão de foliões, quando um cara me agarrou. Eu estava de abadá e calça jeans, eu o ignorei e disse “não moço.” quando me virei de costas senti uma pancada muito forte nas minhas costas.. O cara me chutou e saiu correndo. Foi muito ruim, chorei muito.

  128. Eu já passei e passo ocasionalmente por situações dessas, mas o que mais me choca mesmo são a quantidade de relatos de coisas que aconteceram com as meninas quando elas tinham cerca de 10 anos de idade! Isso leva a coisa pra outro nível… não se trata de feminismo ou machismo, PEDOFILIA é CRIME e repudiável.

  129. PELAMORDEDEUS, homens!!!

    Vocês não sabem se colocar no lugar de uma mulher para entender que nós NÃO QUEREMOS ACABAR COM A PAQUERA?????

    Vocês se deram ao trabalho de ler a pesquisa e ver os absurdos que falam pra gente antes de virem reclamar sobre o privilégio de vocês de cobrir a fêmea??

    Sério, gente, deu no saco isso já!!!

    E já que os homens se acham no direito de falar o que desejarem à uma mulher, vou exercer o mesmo direito com os homens: VÃO SE FODER TODOS VOCÊS.

    Exerci meu direito, não foi???

    Bando de machistóide do caralho.

  130. Não tem problema abordar mulheres na rua quando é verdadeiro o interesse. É só chegar com educação.

    A pesquisa é contra essas “mexidas” que os caras sabem que não vai dar em nada. Como gritar “gostosa”.

    Eu não concordo totalmente com esse texto (acho meio radical em alguns pontos), mas é muito útil:

    blogueirasfeministas.com/2013/03/como-abordar-mulheres-sem-ser-nojento/

  131. Aos 14 anos, passava na frente de uma obra todas as sextas no mesmo horario. Sempre era assediada com palavras ofensivas.. até que um dia um pedreiro dissse ”vai na minha casa que eu vou te mostrar como que se faz gostoso”… Minha raiva era tanta na hora, que virei pra traz, olhei pra ele e o mandei tomar o cu. Os outros pedreiros comecaram a gritar e a zoar o cara. Nunca mais passei na mesma rua .

  132. Eu concordo com as pessoas que dizem que não precisa chamar a garota de gostosa ou de rabuda pra conseguir falar com ela. Por mais nova que eu seja (11 anos), um garoto começou a puxar papo comigo e hoje fazem 9 meses que eu estou com ele, enquanto tem meninos de 12 anos que chamam as garotas da minha sala de gostosa, rabuda, novinha e etc e não conseguem nada com isso, e depois ficam chamando elas de metidas e tudo mais. Quando me chamam assim eu me sinto constrangida e com vergonha de viver num país onde garotos de 12 anos falam coisas que homens de 30 falam (infelizmente).

    Essa de me chamarem de gostosa já aconteceu comigo e com uma amiga minha. Eu estava em Guaraqueçaba ( uma ilha, se não me engano ) voltando de uma cachoeira sozinha com minha amiga, quando nós passamos na frente te uma casa que tinha dois caras bêbados, e um deles falou ” ah papai, obrigada! que lindas, meu deus papai “. No momento soou engraçado, até que um tempo depois ele gritou ” papai tá chegando aí! “. Ele estava nos perseguindo. A única coisa que eu disse pra minha amiga foi “CORRE! “, e nós tivemos que correr mais ou menos 1km só pra não ser pega por aquele imbecil. Fiquei traumatizada depois daquilo.

    • Uma criança de 12 anos relatando suas experiências e ainda com vergonha do nosso país, isso sim é lamentável.

    • Dizer não, não resolve. Não diminui a humilhação, não resolve a sensação de ser “invadida”, desrespeitada, não apaga marcas de agressão ou traumas. É fácil dizer estando do outro lado da situação. Tente usar a sua cabeça do jeito que deveria e se imagine no lugar da vítima.

    • Criei um perfil apenas para lhe responder. Você é o reflexo dessa sociedade machista babaca, o típico imbecil que aprova as atitudes que são descritas nesse post, babaca!

  133. Já passei por várias dessas situações, mas uma que ficou na minha mente e que me provou de uma vez por todas que os homens fazem isso por se sentirem superiores a nós, por acharem que estamos ali para servir e dar prazer a eles, foi quando uma vez que eu estava andando no meu bairro e estava chovendo, eu estava de guarda-chuva e capuz, de moletom e jeans, e uns caras mexeram comigo de dentro de um carro, gritando “linda” e assobiando e essas coisas. Gente, era totalmente impossível que eles conseguissem analisar, de onde eu estava e como eu estava, se eu era linda ou gostosa ou qualquer coisa. Viram uma guria na rua e já resolveram encher o saco.

    • É eu adoro fiu fiu e gostosa… já pensou se vc está passando pela rua e um bando de travestis começam a dizer o mesmo pra vc, o que vc iria achar disso, e se tivesse com algum familiar (com sau mãe, ou pai junto) ou com amigos, ou com uma peguete. E se isso acontecesse toda a vez que você sai pra rua, não ia fazer mal?

      • Morei muitos anos próximo a um ponto de prostituição, uma avenida movimentada cheia de travestis e elas sempre mexiam comigo, isso nunca me incomodou, eu até cumprimentava duas delas que moravam a algumas ruas longe dalí.
        Além disso, frequento baladas GLS com certa frequencia e quando mexiam comigo (não mexem mais pois tenho namorada e ela sempre vai) eu não me incomodava, na verdade me sentia bastante lisonjado e ficava sem graça rsrsrs.

        Mas, se alguma travesti ou algum homossexual tentasse me agarrar eu me sentiria agredido sim. Apenas não acredito que um “fiu-fiu” categoricamente seja o inicio de um abuso fisico.

  134. É preocupante a cultura do assédio sexual, E se a olharmos com um olhar mais amplo, veremos que ela está, em maior ou menor grau, não só nas atitudes verbais, mas no modo de alguns pais e mães educar e preparar seus filhos homens para lhe darem com o sexo oposto, em certas músicas, certas danças, certos olhares, na configuração mental de homens que ainda não entenderam (ou entenderam?) que a sua forma de pensar e agir não passa de violência e, muitas vezes, porta aberta para a agressão física à mulher e, não raro, para a cultura do estupro (que também é mais ampla que o ato sexual violento).

  135. Todos os dias, independente de hora, local e dia, eu escuto cantadas, e quando não escuto, sou observada com muitos olhares maliciosos. É horrível a sensação! E eu tenho apenas 15 anos! Pois é, não é fácil, ás vezes tenho medo de passar por alguns lugares, colocar certas roupas. Não só por ser cantada, mas por pior, estuprada! É muito desconfortável. Acho que os homens (desconhecidos, nos casos acima) NUNCA devem soltar gracinhas para as mulheres! Eles acham que é bom, que mulher gosta de ser elogiada, mas NÃO, não por pessoas que nos olham como se fôssemos VADIAS! Gostamos de ser elogiadas sim! Por amigos, familiares, namorados e maridos! São pessoas que nos fazem sentir bem com palavras como “linda”, “gata”…
    São um bando de ridículos!

  136. A pesquisa já foi, mas acho que cabe compartilhar minha experiência com as pessoas pra vermos que o problema é gigantesco e não se resume ao Brasil:
    Aos 22 anos em uma balada em Madrid, Espanha, fui cercada por 6 caras em uma balada. Eles fizeram uma roda e me deixaram no meio e começaram a passar a mão em mim em todos os lugares que alcançavam: pernas, bunda, peitos, barriga, cabelo. Precisei ser “resgatada” por um amigo que, como era alto, literalmente me puxou pelo braço por cima da roda e me tirou do meio, me colocando no chão em segurança em outro lugar, e depois tirando satisfação com os caras. Meu amigo nunca tentou nada comigo. Sobre os caras da roda, reconheci o sotaque de espanhois e handeses.
    Portanto, o absurdo do tratamento às mulheres não se resume ao Brasil. Os caras não haviam sequer conversado comigo para saber de onde eu era. O desrespeito é universal, e atinge às mulheres de todo lugar.

  137. Pingback: Algo está errado | etc

  138. Nossa, me identifiquei com tanta história, passei simplesmente por todas as situações da pesquisa. Compartilho 2 experiencias. A primeira foi com 17 anos, estava com um grupo de amigos em um show, qdo passou uma fila de meninos dançando e do nada senti uma mão apertando bem forte minha vagina… como estava muito cheio e foi muito rápido nem vi quem foi, fiquei roxa de vergonha e humilhação e um amigo que percebeu se colocou em volta de mim pra me proteger, passei o show inteiro me sentindo mal e constrangida e até hoje a lembrança me causa nojo. A segunda, foi um ano depois, qdo ja estava na faculdade. Eu estudava a noite e as vezes tomava uma cerveja com amigos até um pouco antes do metrô fechar as 23h, qdo cheguei na estação Maracanã, não havia ninguém na plataforma, o que era normal nesse horário, mas não me causava tanto medo, pois o Metro Rio é tido como seguro… do nada um homem saiu de traz de uma pilastra passando a mão e me mostrando o penis excitado. Tremi de medo como nunca na vida, qdo ele foi se aproximando o trem chegou e havia, por muita sorte, umas 3 pessoas em um vagão que corri pra entrar e ele, FDP acovardou-se e ficou na plataforma. Tenho calafrios de pensar em passar por isso de novo, pois sabemos que é possível o tempo todo. Sinceramente, acho dificilimo mudar, mas estamos na luta diaria tentando mostrar e sensibilizar pra essa questão que é milenar e arraigada na cultura planetária, praticamente. Abs a todxs.

  139. Concordo com as gurias que dizem que nao gostam quando sao “tocadas” de alguma forma…isso é agressão.
    Agora, uma cantada, mesmo que bem barata, nao faz mal a ninguem. Nao venham com essa!!! Mesmo algo tipo linda, gostosa…
    Se nao querem ouvir isso, fiquem em CASA!!! ou acham que eu nao tenho medo de sair na rua e ser assaltado, sequestrado…Nem por isso fico entocado em casa!

    • Desculpa filho, ninguém é obrigada a deixar de se locomover livremente pra não ouvir abobrinhas de um bruto que não sabe respeitar os outros (vc deve se incluir nesta categoria pelo jeito). Quem tem que ficar em casa e aprender a ser gente são esses animais, não as mulheres.

    • Tiago, nem vem com essa, você nunca vai entender como é insuportável você estar andando na rua sozinha e 90% dos caras que passam de carro reduzirem a velocidade pra falar gracinha. É chato e DESRESPEITOSO. É invasivo sim. Pode não fazer “mal”, mas só de estar incomodando já não deveria ser tão aceito assim. Minha mãe sempre falou pra mim e pro meu irmão: “Brincadeira só é legal quando os dois gostam.” E garanto que a maioria das mulheres não suporta isso.

    • Fique vc e seu vocabulário escroto em casa, estamos falando de mulheres decentes, que saem na rua para trabalhar, estudar e cumprir com suas obrigações, não para ficar ouvindo tipinhos feito vc defecarem pela boca pra cima da gente.

    • Típica resposta de um verme machista que justifica a cultura do estupro!

      Babaca! Vá à merda, potencial molestador de mulheres!
      Deveria ter vergonha de comentar nesse post!

    • Você comparou muito bem Tiago assalto, sequestro, cantada barata TUDO É VIOLÊNCIA. Que afirmação mais infeliz, temos que ficar em casa para não sermos agredidas? Cantada faz mal sim. Quantas vezes temos que repetir que odiamos toda forma de assédio?

    • É esse tipo de pensamento escroto que me da vontade de ficar em casa mesmo, não por concordar com seu pensamento idiota, mas sim por ter vergonha de morar no mesmo planeta que você, porco.
      Acha que as mulheres se sentem como quando andam na rua tranquilas (não importa a roupa) e vem um idiota dizer alguma coisa?
      Eu não sou nem maior de idade, e saí esse fim de semana no sábado e domingo, no primeiro dia de vestido curto e no segundo de calça de moletom, nos dois dias me cantaram, e eu como sou muito pequena, fraca e medrosa, não disse nada, só ficava pensando “Se eles tentarem alguma coisa além de falar aquele senhor na esquina vai me defender”. Só que o senhor também era um porco e disse as mesmas coisas.
      Pense um pouco se tu iria gostar, se não iria morrer de medo e ficar com isso na cabeça por semanas.

    • Vc tem medo de ser assaltado? Nós também temos medo de ser assaltadas e pior: estupradas. Então vc acha que a culpa pela violência é de quem sai de casa? Vc realmente acha que me sentimos elogiadas quando um idiota totalmente desconhecido e muito mais forte do que nós diz, sem vergonha alguma, sentir tesão? Vc realmente acha que as mulheres são um grupo homogêneo? E se eu não quiser ouvir? Vou ter que aguentar pq “é assim, afinal?”
      Você deveria ter um pouquinho mais de empatia por quem passa pelo medo de ser estuprada A TODO TEMPO. Olhe mais ao seu redor e quem sabe assim vc se torna mais humano e menos alienado.

    • Tiago, realmente não faz mal chamar uma mulher de “linda, gostosa” na rua, ela estando sozinha, à noite, com medo de assaltos, sequestros E ESTUPROS (medo esse que você não tem e provavelmente nunca terá). Assim como não há problema nenhum em eu passar por você e falar “e a mãe? tá boa?”
      Ficou ofendido? Por que? Não faz mal algum! Agora você, ó rebaixada criatura acéfala, que nunca foi agredido por simplesmente dizer “não quero” a alguém, apenas tente se colocar no lugar dessas mulheres que tem medo de dizer “sai daqui”, “não tô a fim” com medo de que o cara a espanque. Pense no HORROR psicológico que é isso! E se você acha que isso não existe, meu filho, você não leu o texto.

    • FODA-SE O QUE VOCÊ ACHA SEU MERDA, a pesquisa não é sobre você, a pesquisa é sobre as mulheres, que em sua MAIORIA ABSOLUTA se sentem incomodadas, humilhadas, com medo e ofendidas com isso que vocês chamam de elogio.

    • Cara, na boa vc tem mãe ? irmã ? fique em casa ? que argumento embasado, nossa que inteligente você é ein, te digo só uma coisa quando você é assaltado vc pensa OH PUXA POSSO SER MORTO blz né, sabe oq eu penso ? posso ser estuprada e morta, pra vc não faz sentido que um simples linda incomode, MAS INCOMODA, você é um completo estranho pra mim, eu ando com MEDO na rua, e olha ainda não sou rica, logo, preciso andar na rua pra trabalhar, seu comentário me lembrou essa frase :)
      Fique em casa, não ocupe espaços, não fale, ande na linha, não dance, não cante, não beba.

      Para resumir: não exista.

      (mas existimos.)

    • Porque você não pode calar a sua boca e respeitar uma pessoa que tem o direito de ir e vir como você, só que sem ser “avaliada” por você, né?

    • Caro Tiago,

      Ser chamada de “linda”, “gostosa”, “princesa” ou de qualquer outra coisa por alguém que vc nem conhece só pq cruzou com o infeliz na rua, é, sim, humilhante! Só perceber que o cara já tá olhando demais é humilhante! Quando isso acontece a minha vontade é de sair correndo pra casa! (E quando acho que vai acontecer e não acontece, vc não tem noção do meu alívio e do quanto o cara subiu no meu conceito, msm sem conhecê-lo!)

      Então, por favor, seja educado e PARE de “elogiar” as mulheres na rua!

    • Tiago, veja bem: ouvir “LINDA”, de uma maneira simpática e não incisiva, não agride ninguém. É até bom, às vezes.
      Agora, tu ouvir “nooooooosssa delícia” cheio dos tons pornográficos é TERRÍVEL. E é agressão moral, SIM.
      Sou advogada e eu desenvolveria uma tese muito elaborada no sentido de enquadrar isso, que tu julga tão inofensivo, como CRIME. =]
      A tua liberdade termina onde começa a da outra pessoa. Essa invasão é assédio, e PALAVRINHAS são assédio sexual SIM!
      Esse teu comentariozinho de “não quer ouvir, fica em casa” foi a pior abobrinha que tu poderia ter escrito. Tu foi gigantemente infeliz nessa tua colocação. Espero que eu tenha ajudado a clarear as tuas ideias equivocadas.

    • Vai se ferrar seu moleque, porque homem tu não é, tu e é um moleque, um pivete, que nunca vai saber como se deve tratar uma mulher,paga pra comer as piranhas no inferninho e acha que é um garanhão. Te aposenta meu querido.

  140. toda vez que um homem me canta na rua eu sinto nojo E RESPONDO, nao importa se ele é um ou se sao vinte, digo sempre o mesmo:

    voce diria isso para sua esposa ou p alguma mulher se soubesse q ela seria sua esposa? e p sua filha, vc diria?
    e mãe, vc tem?????? os que revidam a primeira pergunta nao tem coragem e raciocinio p revidar a segunda!

    EDUQUEMOS ESSES SAFADOS!!!!!!!

    • Adorei essa de colocar a mae no meio. Nas situacoes que respondi essas cantadas nojentas foi dizendo coisas assim “Espero que nenhum homem esteja dizendo coisas assim a sua mae onde quer que ela esteja…”No geral, cala a boca do palaco na mesma hora.

  141. Tenho 21 anos, e já perdi as contas de quantas vezes fui assediada na rua/balada/afins. Tanto verbal quanto fisicamente.
    Pode parecer exagero, mas infelizmente, não é.
    O último episódio que me recordo ocorreu no ano passado. Estava indo trabalhar, como morava longe, costumava sair bem cedo de casa. Muitas vezes, ainda antes de amanhecer/ficar claro. Estava sozinha, fazendo meu caminho de rotina, quando um carro começou a me ‘acompanhar’. Percebi, mas não olhei para ele. Continuei caminhando, ignorando. Logo notei que ele estava ao meu lado por muito tempo, percebi que a rua estava deserta, e que eu estava caminhando ao lado de um terreno vazio. Preocupada olhei para dentro do carro, e me surpreendi com um homem em torno dos seus 30 anos com o pênis para fora, se masturbando e dirigindo. Fiquei tão surpresa e desnorteada que minha primeira reação foi rir! Rir!!! Olhei para frente, me recompus e a real percepção caiu sobre mim. Eu estava só, ao lado de um terreno vazio. Ele podia me estuprar ali. Olhei com nojo para o homem e falei ‘Cara, olha pra minha cara de quem está gostando… Por favor, vá embora!’ O homem estava balbuciando palavras nojentas, não conseguia entender muito bem… Continuei andando rápido. A rua ainda vazia. Ele insistia em me seguir.
    Lembro que em um momento eu não consegui mais medir as consequências de nada, estava muito irritada e coagida… Comecei a chutar com todas as minhas forças a porta do carro do homem. Ele demonstrou não esperar por um comportamento desses, provavelmente estava acostumado a coagir suas presas, e sabe-se lá como isso terminava… Notei que começaram a aparecer pessoas curiosas na rua, pelo barulho, então comecei a gritar: “SOME DAQUI, FILHO DA PUTA ESCROTO” e outras coisas que qualquer pessoa desesperada diria…
    Tive que trabalhar o dia todo lembrando disso, ainda em choque.
    Todos os outros dias da semana fiz o mesmo caminho, amedrontada, esperando ele voltar… Nada. Ainda bem.
    Esse foi meu relato de UM assédio traumatizante que tive.
    Sofri alguns ainda quando criança. Hoje sou uma pessoa diagnosticada com depressão. Quase não sinto vontade de sair de casa.
    Até quando seremos obrigados a viver em um mundo opressivo, cego e doentio como esse?

  142. Creio que o principal problema da pesquisa é não definir assédio, elogio e cantada. O que acontece é que se coloca tudo no mesmo balaio, tirando conclusões que apontam para um mesmo fim, mesmo se tratando de situações diferentes.

    • Como foi colocado em um comentário, consideramos elogio quando vem de quem conhecemos: amigos, familiares, namorado, marido. Mulher nenhuma precisa de “elogios” de desconhecidos atraídos APENAS pelo seu corpo. Não a todo tipo de assédio!

    • Prezado, a partir do momento que você INVADE o espaço de alguém, é assédio. Não precisa passar a mão, tentar agarrar. Se uma mulher está bem vestida, e não está te dando bola, É PORQUE NÃO SE ARRUMOU PRA VOCÊ! Pode ter se arrumado para o namorado, para cantar OUTRO CARA, ou PARA ELA MESMA!!!!!! E, como mostra a pesquisa, na maioria dos casos não está a fim de saber a opinião de quem não interessa a ela. Simples assim.

    • Ao meu ver:

      Elogio: ‘Com licença, boa tarde (bom dia, boa noite), desculpe a intromissão, mas podemos conversar, meu nome é blábláblá e te achei linda, interessante’
      ou ‘Com licença, com todo respeito, estou te observando de longe faz um tempo, te achei muito bonita, será que podemos conversar para nos conhecermos melhor’

      Isso sem tocar ou invadir o corpo da mulher.
      Se o elogio é gratuito e sem objetivo de iniciar um contato respeitoso, não é válido. Tem mulher que aprecia um ‘gostosa!’ gritado no meio da rua? deve ter, mas você não tem como saber quais gostam e quais não gostam, porque não é a cara, o corpo ou a roupa que diz isso então respeite todas.

      Cantada: ‘Linda!’ ‘Gostosa!’ ‘Ô lá em casa!’ qualquer outra frase que tenha como objetivo expor sua opinião de forma gratuita e sem gentileza ou sem objetivo, pois esperar que uma mulher reaja a uma frase dessas, sem uma conversa, uma introdução, fica complicado.

      Abuso: Toques no corpo, puxar cabelo, segurar pelo braço, bloquear a passagem com o corpo.

      Abuso verbal: ‘Essa buc%$& deve ser muito boa!’, ‘vem fud%& comigo, sua put%’ entre outros.

      Nós mulheres acreditamos que vocês consigam perceber essa diferença, que não é tênue, muito pelo contrário, é bastante nítida.

    • Nao confunda elogio com assédio. Leia os relatos de novo e vai ver o que está escrito aqui é bem diferente de elogio. É invasao e desrespeito. Se o que você ainda pretende fazer é algo assim, deveria repensar sua atitude. Você pode estar criando um dano muito sério na vida de alguém…

    • Então quer dizer que se um negão de 1,90 de altura passar por você na rua e falar “Nossa, gostoso, te comeria agora” Você não vai se sentir violado?
      Aí vou dizer pra você: “Não quer ouvir cantada, não sai de casa”.

    • Você é um retardado mental que não entende que essas “cantadas” fazem parte de uma cultura sexista, que perpetua inclusive violência contra a mulher. Se elogios são tão inocentes, por que que quando estou com meu namorado de 2m de altura nenhum maluco vem falar nada? Covardes fdp.

  143. esperando meu namorado, fui abordada por um homem que começou a me assediar. Eu estava bem vestida e certamente iria chamar a atenção das pessoas. O homem perguntou se eu tinha namorado, pensei em ignorar mas, pelo tipo do sujeito, ele iria ficar insistindo, portanto respondi, “- estou esperando meu namorado”. Mas o homem começou com um assédio, perguntando “- porque você esta esperando seu namorado?” “- seu namorado está aqui”, se referindo a ele mesmo, típico de uma cantada bem barata. Eu certamente que pensei em sair do lugar que eu estava mas o homem iria atrás de mim, então aguentei e rezei que ele fosse embora. Continuou com um papo furado de “você é bem bonita, pega meu contato” e blá blá. Uma hora se cansou e se foi. Seria cômico se não fosse trágico. Nunca gostei realmente de receber cantadas furadas na rua, mas em um dia que me visto de um jeito que chama a atenção, sou abordada por tipo como esses. Mas espera, mulher não pode se arrumar que é cantada? Tem que sair com um moletom escondendo tudo pra evitar esse tipo de assédio?
    E essa nao foi a primeira vez, desde sempre isso ai. E olha que nao me visto ”vulgarmente” como a mentalidade diz.
    Nao se pode mais ter liberdade pra nada?
    Ser mulher ta dificil.

    • Mulher que usa moletom também é “cantada”. Mulher que usa burca também é “cantada”. Não é a roupa, é porque é mulher, é demonstração de ameaça, constrangimento, agressão.

  144. Já aconteceram várias dessas comigo, de ouvir piadinhas escrotas e eu sempre reajo com xingamentos de volta. Mas a pior foi em uma festa no interior aqui do CE em que um cara se abaixou (eu estava de cócoras, conversando com uma amiga e me deu uma ‘cantada’ daquelas bem grosseiras. Eu o empurrei de leve com a mão, querendo afastá-lo. Em resposta ele me derrubou, batendo minhas costas no meio feio, montou em cima de mim e me deu um tapa, em público, pessoas indo e vindo, totalmente surreal. Por sorte eu já tenho 6 anos de muay thai e sempre souber me sair das situações e cai em mim. Dei um cruzado, abrindo o supercilio dele e por sorte dois amigos viram e o puxaram de cima de mim. Mas ele me xingou e continuou vindo pra cima, mesmo com dois caras puxando e eu fui pra cima, dando todos os golpes que lembrava e conseguia até que alguém chamou a policia e o cara saiu correndo, todo machucado inclusive. Tive sorte de saber uma arte marcial e ele não ter revidado a altura, mas fiquei com o trauma e o hematoma por mais de mês. Mas se acontecer de novo não tenho dúvidas, desço o braço de novo. Se os homens se acham no direito de nos ofender verbalmente, invadir nosso espaço, desrespeitar e até mesmo nos agredir fisicamente, certamente devem aceitar que nós podemos e devemos reagir de volta. Aos neandertais de plantão, o de vocês está guardado.

  145. Que triste, sei que não é a solução, mas seria muito útil para as mulheres a prática de defesa pessoal, pelo menos dessa forma elas teriam mais chance contra pessoas desse tipo. Lendo isso senti vergonha por ser “semelhante” a esses caras

  146. Uns homens dizem ” ai xaveco nao é assedio”. é sim , se o cara ve que vc nao quer que vc ta ignorando ele e ele continua, é sim. é nojento. voce se sente invadida do mesmo jeito .Assédio nao é só sexual , é tambem moral . Nem homem gostaria de receber isso.

  147. Difícil demais para a galera entender que NÃO É ELOGIO!!!! NÃO É CORTÊS!!! NÃO É SEXY, NÃO É PORRA NENHUMA POSITIVA mulheres levando cantada na rua!!! Certa vez estava em um forró, quando eu e minha amiga nos vimos em uma rodinha de homens. Minha amiga passou primeiro, andando, e eles mexeram com ela, pegara em seu cabelo, e tal. Eu, imediatamente atrás, de mão dada com ela, quando fui passar, ele começaram a passar a mão em mim, e eu fui tirando com a mão que me sobrava, e fui abaixando até que minha amiga me deu um puxão de vez, e eu saí do meio daqueles ogros, enquanto eles ficavam lá, rindo…

  148. Eu amei essa pesquisa. Ela expressa tudo o que eu sinto a respeito desse assunto, é uma coisa que me incomoda profundamente e às vezes afeta o meu humor de um dia todo. O problema é que essa pesquisa não será lida por 99% dos caras que dão essas cantadas nojentas. Não é preconceito, é a mais pura verdade: a maioria esmagadora é peão de obra, cara sem instrução nenhuma que além de ignorar essas coisas, tá cagando e andando pra todo mundo, o que eles querem é incomodar, causar, e dane-se se a mulher fica mal com isso.

  149. É complicado a questão do assédio sexual, homens parecem não saber uma forma de chamar atenção sem utilizar os termos pejorativos ou atitudes desagradáveis. Para eles deviam entender que quando mulher se interessa demonstra ao menos um olhar e assim ele pode agir, caso o sinal não apareça, porque não criar uma oportunidade mais oportuna para utilizar sua “marca de acasalamento”? Homens realmente se comportam como animais, para uma possível evolução eles precisam de boas aulas de comportamento ético para saber qual o melhor modo de conquista de uma dama.

    • concordo com vc em todas as colocacoes… apenas nao generalize. nem todos os homens fazem esse tipo de coisa e sao animais.

  150. Não sei qual a vantagem que os homens veem em ficar chamando a atenção de mulheres na rua, não passa de mais um fator cultural imbecil do Brasil. Pior de tudo é que acho que eles tem noção de que é patético e grosseiro tentar chamar a atenção de mulheres dessa maneira, e NÃO, mulheres NÃO gostam desse tipo de elogio vindo de homens desconhecidos!

  151. Aconteceram já vários episódios de assédio comigo. A primeira vez foi quando eu tinha uns 8/9 anos — eu nem me lembro da idade, mas lembro que eu era muito nova! — eu tava de short no supermercado com a minha mãe. Ela disse pra eu ir pegando o meu biscoito favorito que ela ia adiantando pegando as coisas em outra ala. Como eu era nova, sem jeito e ainda não tinha discernimento de que esse tipo de coisa poderia acontecer, abaixei para pegar o biscoito sem flexionar as pernas. De repente sinto um tapa muito forte na minha bunda, eu comecei a chorar instantaneamente porque doeu muito. Quando eu olhei pra trás vi que era um velho. Ele saiu andando falando alguma coisa que eu não escutei. Corri pra contar pra minha mãe e ela ficou muito brava e quis confrontar o cara. Mas acho que ela ficou muito nervosa e com medo também que preferiu não falar nada. Mas tentou me acolher…

  152. Já aconteceu uma vez comigo também.. Era páscoa e eu estava na praia com a minha amiga. Ela não morava longe, apenas uns 2 quarteirões do calçadão então decidimos dar uma caminhada e ficar na praia. Só que em épocas como essa, não se tem muito movimento no litoral, até ai já sabemos e saímos mais ligeiras. Porém, estávamos andando na rua, bem ao lado da calçada, entre eu e a calçada devia ter menos de um metro e então ouvimos o barulho de uma moto, mas até ai nada de anormal. De repente quando percebi a moto entrou no espaço que havia entre eu e calçada e era um cara bem mais velho do que eu (que devia ter uns 14/15 anos). Ele simplesmente enfiou a mão dentro da minha saia,apertou e cutucou a minha vagina e saiu rindo.. Fiquei super assustada, mas achei que tinha passado, só que não.. Ele ficou rondando e fazendo barulho com a moto para nos assustar, assim nos seguindo. A sorte, foi que esbarramos com dois meninos que também estavam passeando por lá e eles nos viram assustadas e perguntaram o que havia acontecido. Depois disso, eles nos deixaram em casa. Mas poxa, eu era uma criança e não é só por que uma mulher se arruma ou usa saia curta que ela quer que mexam com ela. Cantar e achar bonita é uma coisa, agora tem pessoas que levam muito a sério e perdem total noção de respeito e senso.

  153. Homens? Ou gênero? Os animais fazem o mesmo para conquistar suas fêmeas, existe na natureza uma especie de simbolismo da conquista.

    • olha, não entendi muito bem seu comentário, mas estaria você “justificando” o comportamento desses homens com “instinto”?

    • Nossa cara, que coisa mais tosca que vc falou. As fêmeas de louva-Deus matam o parceiro depois da cópula, as de aranha comem o macho. Eu acho até difícil explicar o que é moral e o que diferencia os homens dos animais pra vc.

    • A diferença entre o ser humano e os outros animais é que em partes o ser humano é racional. Digo em partes porque depois de ler os comentários masculinos desse site estou pensando que a parte racional ficou só para as mulheres.

    • Se você dá pauladas nas outras pessoas e vive numa toca, árvore ou algo do gênero… Well… Suit yourself.

      Sociedade tem regras, tipo não dar pauladas nas outras pessoas… A menos que vc queira levar de volta. ^^

    • Como estudante de biologia da UFRJ, posso te dizer que NÃO, isso não é instinto animal. A evolução do comportamento também acontece e todos os nossos instintos são modificados para a convivência em sociedade. Isso não é instinto, é falta de respeito e cara de pau!! Pensa melhor antes de falar besteira.

  154. Não é apenas cantadas verbais, E os olhares? Os homens não respeitam de forma alguma as moças que passam em sua frente, estão sempre “conferindo”, as vezes até demais. Ficam encarando e fazendo caras e bocas, como se estivessem seduzindo alguém com esse tipo de atitude. Isso só faz as mulheres terem nojo, asco e repulsa por gente que age dessa forma.
    Buzinadas também são dispensáveis.
    Uma vez, caminhando pela calçada no sentido contrário do dos carros, o cara buzinou pra mim e ainda disse algo como “nossa, que linda” (não lembro direito). Outra vez, um velho (que tinha idade pra ser meu pai) passou e falou “que gostosa”. Senti nojo e vontade de dar na cara dele com o guarda-chuva que estava segurando, mas acabei ignorando, que é o que eu normalmente faço.
    É impossível ser mulher e nunca ter sido cantada/olhada de forma inapropriada/ ‘levado’ uma buzinada na vida.

  155. É muito, muito triste mesmo. Eu tenho muita raiva, acho que o caminho é a educação. Não entendo por que ainda em 2013 o mundo é tão machista e violento. Temos que ter noção da vida, do respeito. Excelente pesquisa, mas uma coisa fundamental que mudaria, a palavra “cantada” não cabe nesta pesquisa. Todas as situações colocadas são de violência sexual e moral. Sim, eu gosto de paquerar e ser paquerada, se gosto de receber uma cantada? claro que sim! Se gosto de ser agredida na rua, por um retardado gritando “delícia”? claro que não.
    Sonho com o dia que possa usar a roupa que bem entender, que possa sentar e beber uma breja sozinha se ser incomodada.

  156. Quando do eu tinha uns 11 ou 12 anos, estava indo a pé da minha casa para a aula de inglês. Estava usando uma daquelas calças de malha, estilo bailarina, e uma camiseta. Meu corpo demorou pra se desenvolver, então nessa época eu era bem magrinha, não tinha peito, bunda, nada. Um homem (adulto) que vinha andando na direção contrária passou por mim e falou: “Que bucetão, hein?”

    Lembro que fiquei muito assustada e passei dias lembrando daquilo, apesar de que eu não sabia o que era “buceta” e não tinha entendido bem o que tinha acontecido. Fiquei tão envergonhada que nem tive coragem de perguntar a ninguém o que aquela palavra significava.

    Para os imbecis que estão aí falando que muitas dessas coisas não são assédio: eu viveria MUITO melhor se todos vocês fossem bem timidozinhos e paranóicos e nunca fizessem absolutamente nenhum elogio, em nenhuma circunstancia, a mim. Estou ótima com os elogios da minha mãe, do meu namorado e das minhas amigas. Dispenso o de estranhos toscos que nem vocês.

    Mas não adianta, parece que tem homem sofre de um problema sério chamado FALTA DE AUTOCRÍTICA.

    • me conte como foi que você arrumou namorado? vai me dizer que ele era seu amigo de infancia… ele nunca te elogio antes de namorar você ?

  157. Queria só dizer que o que parece é que o ser humano do gênero masculino muitas vezes não consegue controlar a excitação sexual, sem se importar com AS VONTADES da outra pessoa, que fica sujeita a essa invasão.
    Ninguém aqui é mais homem das cavernas, cachorro… todos vivemos em sociedade, qual é a dificuldade de entender que qualquer forma de abuso (mesmo verbal) É ASSÉDIO

  158. Não entendo a dificuldade que alguns homens tem de entender o assunto. Estou considerando grave RETARDO MENTAL. Porque olha, é tenso esses caras serem tão burros!

    • Eles não conseguem entender que o nosso corpo é só nosso e que se malhamos, nos vestidos de certa forma, fazemos isso porque nos sentimos bonitas assim e não porque queremos que alguém estupre a gente. Eles não conseguem entender que nós não somos objetos. E eles não tem ideia do quão perigoso é pra uma mulher sair na rua em qualquer hora do dia, outro dia comentei pro meu primo de todas as vezes que me seguiram, me agarraram e mexeram comigo e ele disse que não tinha ideia de que fosse assim.

  159. Desde uns 12 anos sou assediada qualquer hora do dia, em qualquer lugar. As vezes a roupa que estou usando influencia muito, outras vezes não. O pior é ter que pensar realmente nas consequencias da roupa que vai usar pra QUALQUER lugar e na maioria das vezes ir com uma roupa querendo ir com outra, dita ”inapropriada”. Adorei a reportagem, muito triste porém, até por ter me identificado com várias situações.

  160. Meu Deus, onde estão os direitos HUMANOS??? Cadê a educação, o bom senso, o respeito ao próximo, nesse caso à próxima? Nem quero mais falar de direitos das mulheres, temos que colocar todos no patamar de seres humanos, desse jeito elas não parecem ser tratadas melhor que cães vira-latas! E esses homens esquecem completamente o que é ser evoluido, nem dá pra acreditar que possuem a capacidade de falar, dirigir, ou mesmo se vestir pela manhã! E não são só as pessoas de classe baixa, mas também esses playboys de merda que tem da melor educação do país! Uma coisa é ir lá bater um papo com a mina na balada, se ela não quer de boa, mas essa ameaça de estupro?? E ainda achar graça? Mas que cultura bizarra é essa?

  161. Ok, entendo que quanto partem para a ignorância está errado. Mas eu realmente tenho muitas dúvidas quanto a essa campanha. São dúvidas de verdade, gostaria que me explicassem sem deboches, pois realmente fico um pouco confuso. Não estou falando dos casos de agressão ou xingamentos ok? Mas vamos lá, desde quando “LINDA” é xingamento? perguntas como “você já foi assediada na balada”? Poxa, se nem na balada os homens podem chegar nas mulheres, então quando é que pode? Qual é o jeito certo de se aproximar de uma mulher se nem mesmo chamando-a de “linda”, nem numa balada, é permitido? Agora me expliquem, as mulheres não gostam de se sentir bonitas? não fazem academia pra ficar gostosa? e aí virou ofensa reconhecer isso? Agora vamos ser bem sinceros e falar sobre as mulheres que vestem um fio dental e uma calça branca totalmente enfiada na bunda, decotes que fazem os seios saltar para fora, shorts que deixam a “polpa” da bunda aparecendo, salto alto, etc. Vocês sabem muito bem do que estou falando, eu vejo mulheres vestidas assim diariamente. Aí me expliquem, nesses casos vocês também acham que a roupa não tem nada a ver? Uma calça branca, ou qualquer calça de suplex enfiada, não é pra se exibir? E as mulheres que publicam fotos “sensuais” no facebook, de biquini dizendo “ah o verão”, ou de cima pra baixo mostrando o decote… será que não estão provocando nada? Assim como todos os animais na face da terra os homens tem instintos, vivemos num país de muita gente sem educação (e portanto sem civilidade, sem censura dos instintos) não é lógico que quanto mais a mulher mostrar o corpo mais ela estará causando atração sexual? O contrario também é verdade, imaginem um homem lindo, musculoso, etc. andando por aí sem camisa, só de calção, ou quem sabe uma bermuda de suplex marcando o seu membro sexual… ou seja um homem que se veste provocativamente igual as mulheres. As meninas não vão olhar? não vão se sentir excitadas/atraídas? poxa isso faz parte da natureza e da sobrevivência. Volto a perguntar, se nem mesmo chamar de linda pode, então como é que pode? será que vão burocratizar a cantada? pessoas no futuro somente poderão se conhecer através de uma agência matrimonial? Conheço várias mulheres que ficam lisonjeadas com um fiu-fiu, ou um “sua linda”. E várias que se vestem provocativamente, especialmente quando vão para as baladas. Sei que o foco aqui é combater a “parte violenta” do processo, mas acho que estão generalizando a ponto de transformar toda e qualquer cantada (até as genuinamente elogiosas) em agressão, e isso não está certo. É preciso separar melhor essas coisas…

    • Oi Rafael, acredito que linda não seja uma ofensa, mas depende do jeito que se diz e depende da ocasião. Se você chegar abraçando, ou segurando o cabelo, ou qualquer forçação de barra aí linda é sim assédio. Mas não tem problema nenhum chegar na balada e dizer “Oi, reparei como você é linda e vim falar com vc” isso é tranquilo. E não me venha com essa história de “provocar”. Eu não me visto assim, mas pelo menos eu quero ter o direito de caso um dia me der na telha de se vestir de suplex branca eu não ser estuprada na rua. Homens usam roupas provocantes o tempo todo, só dar uma voltinha no parque pra ver um monte deles correndo sem camisa e de shortinho, e nenhum deles tem medo de ser assediado ou estuprado desse jeito. Acho que eu respondi a sua pergunta afinal.

    • amigo, qualquer pessoa pode usar a roupa que quiser sem ter o seu espaço invadido por um babaca. se eu quiser sair de decote e saia curta, eu posso e ninguém tem o direito de me apalpar, falar merda, bater foto ou me estuprar. não é porque to de decote que quero dar pra qualquer cara que aparecer.

      sobre a questão da balada: chegue se apresentando, falando seu nome, conversando sobre algo interessante. nem toda mulher gosta de ser chamada de gostosa por um estranho. e se você ler os relatos, vai ver que não é só um elogio.

      e violência não é só física, é também verbal.

    • Rafael, você realmente ainda não entendeu.
      Se você fosse mulher, já teria alguma memória traumática de abuso sexual ou ameaça, desrespeito, medo e humilhação. Só de um cara olhar para mim na rua ou pior, fazer menção de abrir a boca para falar alguma coisa em minha direção, já me sobe o sangue de medo, ódio, pânico. Eu não sei o que vai vir. Eu não sei se vou precisar gritar, correr, bater, se alguém vai me ajudar. Essa uma das grandes causas de “transtorno pós traumático” em muitas meninas e mulheres no mundo inteiro e os médicos ignoram o fato e nos pedem para minimizar as crises de ansiedade e desviar do assunto que trouxe esse medo à tona para não ter que discutir a cultura da violência contra a mulher. Para não ter que admiti-la.
      Pode ser que o homem que passou por mim na rua fosse apenas avisar que “minha bolsa estava aberta”, por exemplo e até fazer uma gentileza, mas se você ler outros depoimentos, verá que até alguns que se aproximam de maneira educada, ao sentirem que “acreditamos” neles, nos agridem, física, psicológica e/ou moralmente. Ou seja, difícil. Difícil demais.
      Quanto aos seus comentários de roupa, sinceramente, chega de mudar de assunto, como muitos agressores fazem para se “justificar”. Sim, porque mulheres de burca também são assediadas, estupradas e mortas. Porque andam por aí lascivamente? Não. Porque são mulheres.

    • Rafael, essas são as regras do homem civilizado no meu mundo ideal. Você pode escolher ser um troglodita ao invés de um cara civilizado, claro. E pra mim todos os caras que burlam essas regras são trogloditas, desculpa.

      1) TOCAR uma pessoa que você não conhece está TERMINANTEMENTE PROIBIDO.

      2) NÃO FAÇA elogios a uma estranha. Nunca, em nenhum lugar, em nenhuma circunstancia. Mesmo na balada. Mesmo que ela esteja usando uma saia do tamanho de um cinto. Mesmo que o elogio seja “linda”. APENAS NÃO FAÇA. Tem que ter CONTEXTO. Você nem sabe o nome dela, porra.

      2) Se a vontade de conhecer a menina em questão for muito grande, aborde-a gentilmente, com algum ASSUNTO, e não com um elogio tosco. NÃO IMPORTA A ROUPA que ela está usando. Seja gentil e respeitoso COM TODAS, mesmo que por acaso você ache ela vulgar. NÃO ME VENHA com essa historia de “ela não se dá o respeito”. O corpo é dela, a roupa é dela, ela não está invadindo o espaço de ninguem ali. Aja como você agiria com irmã do seu melhor amigo de infância (sim, a menina com a saia do tamanho de um cinto também pode ter irmão, pai carinhoso ou namorado. Se coloque no lugar deles, se for muito difícil se colocar no lugar dela).

      3) Se a menina não estiver interessada em falar com você, peça licença e se afaste. NÃO INSISTA. INSISTIR É ERRADO. SEJA CIVILIZADO.

      4) Se ela pareceu interessada e a conversa engatou, UM ELOGIO PODE CABER. Vai depender do seu bom senso.

      5) O elogio GOSTOSA é absolutamente inaceitável fora da cama ou se um amasso quente envolvido. PROIBIDO.

      LEMBRETES ÚTEIS:

      1) Apesar do que os filmes, novelas, desenhos animados e o diabo a quatro te ensinaram desde pequeno, você provavelmente não é nem nunca vai ser um pegador. Esqueça essa imagem irreal (e meio opressora) que plantaram no seu cérebro. 98% dos caras que conheço que se acham pegadores apenas o são em suas respectivas cabeças. Apenas aceite isso e se concentre em ser um cara tranquilo, legal, que quer conhecer meninas interessantes e transar com algumas delas, oras. Leia uns livros, veja uns filmes, estude, trabalhe, seja um ser humano bacana. Aposto que vale mais a pena do que dedicar sua vida a ser um PUTÃO. Reflita sobre isso, sério.

      2) A menina que veste a saia do tamanho de um cinto e um decote no umbigo não é motivo pra você agir como um babaca. É chocante ver com algumas meninas, às vezes bem jovens, se vestem, concordo. Mas apenas pense que elas são as maiores vítimas do machismo. São meninas que aprenderam desde pequenas que seu único valor enquanto mulheres é ser desejadas pelos homens. Ser talentosa, inteligente, estudiosa? Nada disso importa, o que importa é ser GATA. Todas nós recebemos essa mensagem, mas nem todas temos uma estrutura paralela (familiar, por exemplo) que nos diga o contrário. Isso é muito triste. Seja minimamente SENSÍVEL e TENTE não se aproveitar disso.

      Se você acha que seguir essas regras te torna um LOSER, só lamento por você. Você é um machão troglodita que realmente merece uma vidinha superficial e inteligência tacanha.

    • Não há problema nenhum em receber elogios, desde que quem esteja elogiando tenha intimidade com a mulher. Mesmo porque ela não fez nenhuma pergunta pro cara responder. Quando o elogio vem de alguém sem intimidade, sempre tem intenção sexual do cara por trás.

    • E os homens que andam sem blusa com o corpo todo malhado,? que tiram fotos e põe no facebook. Que adoram se exibir? E não é xingamento ser chamada de linda, mas convenhamos, uma pessoa que você nunca viu na vida te olha e acha que tem o direito de te chamar assim, ou de coisas piores. Tem formas e formas de falar, isso ai é só pra mostrar o quanto ele se acha no direito de fazer o que bem entender. Chegar na balada agarrando? Claro que não, você acha que as mulheres são qualquer objeto de loja que passou a mão porque achou bonito então pode pegar, levar pra casa, comprar e fazer o que quiser? Nenhuma mulher vai chegar e ficar gritando lindo, gostoso, nossa te pegava de jeito ein, não ia ser esquisito? Isso não é normal. A roupa não faz o caráter, a pessoa se veste do jeito que mais gosta, que se sente bonita. Então pronto. Vou ser sincera, não li todos seus questionamentos, mas são alguns pontos.

    • Rafael Garcia, entendo suas dúvidas. Não se trata de burocratizar a cantada, mas preste atenção que em muitas partes da pesquisa vai ver que as mulheres não gostam de ser incomodadas mesmo com um “linda”, pois, nesse caso, ele é dito num contexto puramente sexual – o que não agrada à maioria das mulheres. Existem aquelas que não se incomodam ou mesmo que gostam, mas são minoria.

      Nós, mulheres, estamos atrás de relações, não de ‘taras’ – sejam essas relações longas ou de apenas uma noite, mas sempre vamos dar sinais de nossos desejos com muito respeito e cientes do consentimento do outro. Coisa que anda em falta na nossa contraparte, como pode ver.

      Sobre as roupas e os instintos: mulheres gostam de elogios, não de cantadas. Todos temos instintos, mas só os primitivos dão vazão a eles como animais.

      Pense bem: uma das garotas se sentiu incomodada com os olhares dos homens no caminho até a academia, mas não há também homens dentro da academia? Qual a diferença entre eles? Por que ela não os cita como problema?

      Porque, provavelmente, eles não olham para ela como uma genitália e um par de peitos como os da rua, mas como uma igual: alguém para puxar um papo, se aproximar devagar, sentindo o clima e investindo nela como pessoa completa (com aparência e/ou personalidade). É assim que as mulheres adoram! (eu, pelo menos – kkkkkk)

      Você pode achar uma mulher gatíssima e ter vontades mil, eu também olho para homens gatíssimos. O que não pode é incomodar e desrespeitar! Como?
      – Mostrando a própria genitália e masturbando;
      – Passando a mão ou tocando de qualquer modo sem consentimento;
      – Perseguindo;
      – Usando palavras chulas;
      – E até mesmo “secando” a pessoa com um olhar desrespeitoso.

      Isso vale para ambos os lados. Temos que aprender que somos seres racionais e os seres racionais se ofendem quando esquecem que ele raciocina.

    • Eu realmente não ia responder ao seu comentário, visto que parte de suas dúvidas são decorrentes de desconhecimento e eu diria que até falta de raciocínio. Mas vamos lá: “Desde quando linda é xingamento?”, bom, existe um detalhe no meio dessas cantadas (que talvez não tenha ficado claro) é que não é apenas o que o assediador fala, mas COMO ele fala. Aparentemente chamar uma desconhecida de “linda” é inofensivo, mas na maioria das vezes esse “linda” é dito com malícia, muita, muita malícia. Não é com a intenção de elogiar. Quando se quer elogiar, dizem “Que moça linda!” que é diferente de “Nossa senhora, linda demais hein…” Possivelmente você não entenderá, mas uma mulher sabe do que eu estou falando.
      ” Poxa, se nem na balada os homens podem chegar nas mulheres, então quando é que pode? Qual é o jeito certo de se aproximar de uma mulher se nem mesmo chamando-a de “linda”, nem numa balada, é permitido?” Por favor, você leu a pesquisa? Leu como as mulheres são abordadas? São homens animalescos que simplesmente beijam a força uma mulher, puxam seu braço, usando muitas vezes da violência. Se você está questionando então o jeito ideal de se aproximar de uma mulher, é por que deve achar que isso é natural. Mulher está na balada para se divertir, assim como homens. Não são como bebidas, produtos de consumo. Então se você quer saber como se aproximar, apenas pense no óbvio: Converse, seja agradável, flerte. Não precisa beijar ninguém a força. E acima de tudo, respeite o espaço.”Agora me expliquem, as mulheres não gostam de se sentir bonitas? não fazem academia pra ficar gostosa? e aí virou ofensa reconhecer isso?” Por favor, entenda uma coisa: mulher faz academia para se sentir bem com ela mesma, para o bem da própria auto estima naturalmente assim como vocês homens fazem. Não tem homem que adora malhar pra ficar sarado, pq isso faz bem pra eles. Mulheres querem ficar “gostosas” (nojo desse adjetivo) pq isso faz bem pra elas também, caramba! Essa sua pergunta vem da ideia de que mulher só fica bonita com a única intenção de chamar a atenção do homem. Mais uma vez, pense no óbvio: mulher não é esse bicho desesperado com auto-imagem e louca para aprovação de homens não. Mulher quer “ficar gostosa” apenas pra ela mesma, pq é tão difícil assim entender isso? E para reconhecer essa beleza, como você mesmo diz, é realmente necessário faltar com respeito? Homens com corpos definidos saem comumente sem camisa pelas ruas e não são perturbados, por que as mulheres deveriam ser?
      “Agora vamos ser bem sinceros e falar sobre as mulheres que vestem um fio dental e uma calça branca totalmente enfiada na bunda, decotes que fazem os seios saltar para fora, shorts que deixam a “polpa” da bunda aparecendo, salto alto, etc.(…) não é lógico que quanto mais a mulher mostrar o corpo mais ela estará causando atração sexual? O contrario também é verdade, imaginem um homem lindo, musculoso, etc. andando por aí sem camisa, só de calção, ou quem sabe uma bermuda de suplex marcando o seu membro sexual… ou seja um homem que se veste provocativamente igual as mulheres. As meninas não vão olhar? não vão se sentir excitadas/atraídas?” Querido, mais uma vez perguntarei: Você leu os resultados da pesquisa? Viu os números? Já leu a respeito? Mulheres de todos os jeitos, de todos os tipos e de todas as idades são assediadas. Desde meninas com pré adolescentes até mulheres mais velhas. Leia os relatos mais uma vez. Você verá que são mulheres comuns, que foram assediadas durante sua rotina, em tudo quanto é lugar, hora do dia. Isso obviamente leva a crer que não se trata da roupa, mas sim de uma criação machista cultural de que mulher desacompanhada é enfeite de rua. (E me desculpe, mas jamais vi mulheres usando fio dental com calça branca enfiada na bunda ;x ). E quanto a homens semi-nus na rua… Bom, por mais que eu ache um homem atraído, eu não me sinto no direito de falar o que penso dele em voz alta e nem de passar a mão em seu corpo, pois isso seria invasivo e falta de respeito (O mesmo para as tais mulheres com fio dental e calça branca que você citou… Não é difícil entender, é?) “Assim como todos os animais na face da terra os homens tem instintos, vivemos num país de muita gente sem educação (e portanto sem civilidade, sem censura dos instintos)” Homens tem instintos assim como todo animal, mas diferente dos animais os homens são serem racionais. ;) Não são bichos que perdem o controle por causa de uma fêmea. Por favor, né. E como você mesmo diz: vivemos num país de gente sem educação. Então vamos investir nessa educação, em educar os homens a não incomodarem mulheres de forma desrespeitosa. ” Conheço várias mulheres que ficam lisonjeadas com um fiu-fiu, ou um “sua linda”, olhe novamente para a pesquisa, essa mulheres que você fala são uma minoria. E daí, por que algumas gostam, você irá incomodar todas elas?. “Sei que o foco aqui é combater a “parte violenta” do processo, mas acho que estão generalizando a ponto de transformar toda e qualquer cantada (até as genuinamente elogiosas) em agressão, e isso não está certo. ” Cantada é agressão. Apenas isso. Se cantada fosse coisa boa, se chamaria elogio. ;)

    • Cara, acho q vc so vai entender o cerne da discussão sendo mulher. Independente de ter homem ou mulher gostosos se exibindo ou náo, algum outro individuo tem o direito de invadir a privacidade alheia? No máximo esse tipo de gente exibicionista quer atrair olhares, e nao outras coisas indesejaveis! Se eu vejo um homem gostoso semi nu na minha frente, eu tenho o direito de sair passando a mao nele, agarrando?? E dependendo do contexto, eu acho que chamar de linda é nojento! Cansei de ouvir essas cantadas nojentas na rua, chamando de linda, gata e afins e você náo tem noção do nojo que sinto. Balada é balada, até rola chamar a menina de linda, mas na balada nego agarra mesmo! Nao se contentam so em mandar essas cantadas toscas, ate pq a musica eh alta. Chegar numa pessoa é uma coisa, agora, se achar no direito de falar o que quiser só pq eh homem, eh babaquice pura! Quero ver se no lugar das mulheres que aqui deram depoimentos, fosse um homem sendo assediado por um gay! No dos outros é refresco…

    • Rafael Garcia, é muito simples. É assédio e incômodo quando a mulher SEQUER estar emitindo sinais de que vc pode se aproximar dela, de que SEQUER está interessada em ser abordada. Ser chamada de “linda” no ambiente de trabalho com notórias 2ª, 3ª, 4ª intenções não é legal, não é agradável. Sabemos que isso é uma clara forma de estabelecer relações de poder. Mulheres no mercado de trabalho normalmente ganham menos, exercendo a mesma função, isso por si só já é uma injustiça, e ainda nos forçam muitas vezes a “tolerar” esse tipo de coisa se quisermos manter nosso trabalho. É simples saber quando é ofensivo aou não, certifique-se se a pessoa está te dando sinais positivos de aproximação. Não aborde mulheres que sequer estão notando sua presença.

    • Caro Rafael, não se “chega” em uma menina na balada já chamando ela de linda, ou de qualquer outra coisa. Um simples “oi, tudo bem?” já é o suficiente para engrenar um papo.
      Aprenda uma coisa: as mulheres têm todo o direito de usar as roupas que bem entenderem, onde quiserem, e quando quiserem. Infelizmente, ainda temos que nos preocupar com que roupa vestir quando vamos sair para qualquer lugar (e não tô falando de shorts minúsculo, não. Mas ainda que fosse, não é preciso tanto para ouvir uma palavra desagradável). Ser chamada de “linda”, “gostosa”, “princesa” ou de qualquer outra coisa por alguém que vc nem conhece só pq cruzou com o infeliz na rua, é, sim, humilhante! Só perceber que o cara já tá olhando demais é humilhante! Quando isso acontece a minha vontade é de sair correndo pra casa! (E quando acho que vai acontecer e não acontece, vc não tem noção do meu alívio e do quanto o cara subiu no meu conceito, msm sem conhecê-lo!)

      Dito isso, passamos a analisar o outro lado da historinha que vc contou…

      Se um cara muito bonito passar por uma menina, pode ter certeza que ela vai olhar. Mas vai APENAS olhar! Não vai ficar encarando, não vai ficar olhando pra bunda dele, muito menos pra outras partes! Não vai dizer nada, não vai chamá-lo de lindo, nem de gostoso, nem de príncipe, nem de nada. Não vai ser um corpinho bonito que vai deixar as mulheres “excitadas”, como vc msm diz. É preciso muito mais que isso para conseguir tal façanha (mas isso eu acho que vc já sabia).

      E, por fim, calça de suplex é o que há para fazermos academia, ou qualquer tipo de exercício, ou simplesmente para nos vestirmos de uma forma mais confortável. O fato de ela ficar colada incomoda muito, pois já sabemos o que há por vir quando a vestimos. Mas, se até de calça jeans não se escapa de ouvir besteiras na rua, não é com uma calça de ginástica que se causará mais alvoroço.

      Então, por favor, seja educado e PARE de “elogiar” as mulheres na rua!

    • Rafael, sou homem e quero tentar responder e levantar algumas coisas se é que eu posso.

      Confesso que achei curioso o “Linda” nos Xingamentos, mas acredito que esse linda vem associado com uma série de fatos não descritos na pesquisa, a forma, ocasião e de onde ele vem, voce pode chamar a sua colega de trabalho ou de faculdade de linda, agora a mulher pode se sentir ameaçada (Com toda razão) ao ser chamada de Linda por um cara aleatório 23h na rua escura (Uma extremidade) mas também pode se sentir ao 12h numa praça movimentava, veja só, eu quando criança fui passear na Orla com minha prima e minha irmã e me senti muito mal quando elas foram chamadas de lindas, “O Brasil é uma delicia” ou coisas assim por pessoas desconhecidas na rua, foi constrangedor pra mim (quanto criança e minha irmã/prima do lado sem poder fazer nada) e imagino quanto deve ter sido pra elas.

      Acredito que a questão da balada dá no mesmo, se a garota troca olhares ou faz seilá oq que REALMENTE deixe claro o interesse dela por um cara não vejo problema (espero que ngm veja também) mas sabemos que não é sempre assim que acontece, o cara que olha pra garota bonita e vai atras dela, sem perguntar sem querer saber de nada (Claro que não é sempre assim, mas o ponto é exatamente esse) com a ideia de “Se não quiser me empurra” (O que nem sempre quer dizer que ele vá deixa-la em paz), acho que é isso que o texto se refere.

      E outra coisa, não acho que quando uma mulher usa esse tipo de roupa ela quer dizer alguma coisa, Pode ser que sim, mas não é fato, mas sim, se uma mulher está com um decote muito grande não tem como não olhar, se está com uma roupa muito marcada também não, (Ou até tem, mas é dificil) Nos sentimos atraídos, lógico e tudo bem, que bom que isso existe, agora a roupa que ela está usando não quer dizer NADA além da roupa que ela está usando, Ela NÃO QUER dar pra ninguem por que está usando uma roupa de ginastica e Sinceramente acho que ngm tem direito de chama-la de gostosa aos gritos por causa disso, (Apesar dela ser muito gostosa) é constrangedor, o que se ganha com isso? Qual o motivo de algo assim? Ela está lá vivendo a vida dela e um cara se intromete assim na vida dela de uma forma agressiva. Voce pode olhar, há quem diga que deve, mas o olhar deve ser medido e a fala muito mais…

      Agora, não podemos pegar aquela que se veste assim para receber cantada ou que coloca o sutiã pra fora pra se mostrar pro cada e consequentimente dar pra ele como padrão. As mulheres tem q ser respeitadas, Nós amamos, admiramos e precisamos delas, temos que as ver da forma mais romantica e idealistica possivel e não trata-las como um prazer pessoal, até acho que devemos nos negar para satisfaze-las (nos melhores sentidos), não por caridade, mas por merecimento.

      E não estou dizendo que HOMEM precisa de MULHER, nem que SÓ os 2 se completam, ok?

    • Oi Rafael, entendi todos os pontos expostos por você. Acredito que a pesquisa tenha sido clara em relação a abordagem agressiva na balada. Eu que nem tenho tantos atributos físicos já sofri várias. Não adianta o cara ser gentil com palavras, mas ficar te puxando pelo cabelo, eu já apanhei em festa por recusar um beijo. Acredito que tenha sim, mulheres que gostam de cantadas, que talvez usem roupas provocativas para ouvir estas cantadas, mas também tem aquelas que usando roupas provocativas ou não não curtem este tipo de elogio, principalmente vindo de um desconhecido. Vi um comentário acima em que foi dito que não estamos sendo contra a abordagem, desde que de forma respeitosa. Chega e diz ‘Com licença, será que a gente pode conversar (trocar uma ideia), te vi de longe e achei linda, posso te conhecer melhor?’, acredito que dessa forma fica muito mais respeitoso do que simplesmente olhar para a mulher e soltar ‘linda!’ O que não gostamos é a abordagem rápida e agressiva, mas uma abordagem respeitosa e tranquila é totalmente válida. Com certeza deve ter mulher aí que deve achar bom ouvir um ‘Gostosa!’ pura e simplesmente e talvez até dê início a uma conversa ou algo mais, mas não são todas e não tem como você saber quais gostam e quais não gostam só de olhar para a cara e para o corpo/roupa e etc delas. Por outro lado acredito que a abordagem mais calma e respeitosa deve agradar a maioria, mesmo aquelas que gostam de ouvir um elogio puro e simplesmente. Espero ter conseguido explanar as suas dúvidas e ter tirado a radicalidade aparente do movimento.

    • Rafael, você é o real exemplo do “machismo inocente” de hoje. A cultura machista da nossa sociedade se implantou com raízes tão profundas que hoje é normal que os homens todos pensem assim como você, e sinto informar: aí que mora o problema! Respondendo às suas perguntas e esclarecendo bem pra você: SIM, chamar de “linda” é assédio também na balada. É como a Marília falou ali, é preciso que haja interesse mútuo, o que na maioria das vezes não existe (e pode apostar, se ela estiver interessada, ela vai te olhar e esperar voce falar o “linda” sem que você precise usá-lo para se aproximar e fazê-la te notar). Aliás, vamos cortar esse “chegar na mulher”? Como assim chegar na mulher, tipo, ela tá só esperando? Não é possível que ela tenha namorado (de verdade e não só pra te dar um fora), ou que só tenha saído com os amigos para se divertir? E mais um ponto machista ingênuo muito grave nos seus argumentos: NÃO, usar roupa provocativa não é um sinal de interesse por parte da mulher, e mesmo que fosse, quem foi que falou que é por você que ela está interessada? E se ela estiver indo encontrar o namorado? A roupa do corpo não deveria ter nada a ver com o assédio, e para ilustrar isso melhor vou usar o seu próprio exemplo: um homem andando sem camisa na rua. Cara, homens andam sem camisa na rua o tempo inteiro! “Ah mas se ele for lindo vai provocar”, bom, talvez! Mas quantas vezes você ouviu uma mulher cantando um homem? E será que ele respondeu com a mesma timidez que todos os relatos mostrados aqui? Eu duvido, porque o papel do homem na sociedade está “definido” como “caçador” e a mulher como “caça”, como, de novo, você mesmo disse. Por que diabos o caçador vai negar a caça, não é mesmo? (Daí entramos nos outros preconceitos como “viadinho” que correm por aí tão normais quanto o machismo, mas isso deve ser discutido com mais calma em outra oportunidade, para não perder o foco aqui). O fato é que já andamos por aí com tanto medo do mesmo “linda, princesa, etc” que parece tão inofensivo, que o simples fato de não querer ouvi-lo de ninguem já o torna assédio, sabe? To em paz, pô, não to procurando por nada. Aliás eu ia me sentir muito mais linda se percebesse que o cara ficou até sem graça, rs. É invasivo, entendeu? Claro que mulheres gostam de se sentir bonitas, fazem academia pra ficar gostosa, mas quem falou que é pra vocês? Quem falou que não é pra ela mesma? Ainda, voltando no assunto “homens andam sem camisa o tempo todo”, vamos ilustrar assim: se for um homem, hum, vamos só dizer BEM FEIO… tá OK né? Não tá provocando ninguem, tá de boa na dele. Mas, se você não sabia até agora, vai uma realidade chocante: até mulheres “bem feias” também são assediadas SIM se estão usando essas tais “roupas provocativas”. Porra, tá calor! Não é pra provocar ninguem que a gente sai mostrando a pele, é pra respirar!!! Sabe, o problema é achar normal só porque, se fosse você, não incomodaria (ou incomodaria? Já pensou nisso? Aquela menina que não te atrai nem um pouco te enchendo o saco?).
      Espero que eu tenha conseguido colocar bem a minha posição como mulher nos pontos que você questionou, qualquer coisa se restarem dúvidas bora continuar esse debate ai! Agradeço também o seu interesse e curiosidade em discutir sobre o assunto para esclarecer e agregar, não só falar o que acha e sair fora. Parabéns pela abertura :)

    • Ninguém disse que um linda é ofensivo, mas como vc pode ver em alguns depoimentos o medo está tão instaurado q ao ouvir um linda mtas mulheres já tremem de medo. Já tentaram me agarrar no metro a partir de um linda que ignorei, e muitas outras sofreram abusos piores de um linda. Estamos numa situação que um homem parado na rua que olha pra você já é motivo pra sair correndo ou atravessar a rua. E chamar a atenção pela forma sensual como uma pessoa se veste não dá o menor direito a qualquer pessoa de INVADÍ-LA com mãos ou palavras grosseiras. Tenho o direito de sair da academia de calça legging e ir pra casa sem cinco caras gritarem como cachorros uivando pra lua sobre o meu corpo, tanto direito quanto a moça com vestido abaixo do joelho e de mangas compridas. O tanto de pele a mostra não determina que o corpo é um espaço público aberto a ofensas.
      Sim, na forma como é dito e os objetivos que se tem ao usar um linda, um gostosa ou coisa do tipo é uma ofensa, é um assédio!
      Qdo meu namorado me chama de gostosa na cama é bom, eu gosto. Qdo o cara que me encoxa no onibus fala gostosa no meu ouvido eu me sinto humilhada. É tudo complicado e depende da interpretação, mas umacoisa é certa, o meu corpo é meu, eu faço o que quero dele e mostro quanto quero, isso não impede que alguem tenha pensamentos libidinosos a respeito dele mas não dá o direito de botar esses pensamentos em práticas ou mesmo o direito deles serem proferidos.

    • Rafael,você pode elogiar uma mulher quando conversa com ela.Se é numa balada,vc chega e pergunta se pode falar com ela e aí vc faz os elogios que quiser(com respeito,é claro!). Se é na rua vc se mantenha calado!Um olhar,um sorriso sutil valem muito mais,pode ter certeza!
      O sentimento de invasão não surge a partir do momento em que uma mulher é tocada sem seu consentimento,ele começa antes mesmo da gente sair de casa,quando repensamos por diversas vezes a roupa que estamos usando.
      E não é porque a mulher usa uma roupa ou outra que os outros podem sair por aí falando mil coisas pra ela!

    • Rafael Garcia,
      Como se sentiria se um homem chegasse em você passando a mão na sua bunda e te chamando de lindo/gostoso/ai se eu te pego? Ou um grupo de homens olhando sem parar na sua direção quando você está sozinho no escuro? E o pior de tudo, ser recriminado porque você achou ruim.
      E com relação ao seu comentário sobre provocação, a jóia/videogame/relógio está numa prateleira te tentando, você vai lá e passa a mão na peça?
      Uma coisa é chegar cumprimentando, se apresentando e depois mostrar apreço à beleza/outros atributos da pessoa, outra, completamente diferente, é chegar falando “Ô gostosa, vem que te mostro como se f*de”. Diferença brutal.
      Acho que a educação faz diferença em qualquer situação.

    • Rafael, o problema não é ser elogiada, mas a forma como se é elogiada. Uma palavra dita em tons diferentes, tem conotações diferentes.
      Eu gosto quando alguém diz que eu estou bonita, quando eu passo na rua e alguém olha… mas odeio quando eles me olham como se estivessem me engolindo e quando falam quase gemendo e/ou de forma pejorativa.
      A forma que algumas mulheres se vestem, não significa carta branca para ser assediada. Eu posso andar completamente nua na rua e isso não significara que quero transar e mesmo que eu esteja querendo, não significa que seja com todo e qualquer cara.
      Querem paquerar uma mulher? Fiquem a vontade. Não há mal nisso. Mas procurem entender que a violência também se dá de forma muito sutil. Um “simples” olhar, um “simples” suspiro, pode ser tão agressivo quanto um tapa na cara. Pode parecer exagero, mas não é.
      Instinto todos temos, De fato a sociedade machista reprimiu o nosso e para vocês tornou justificativa para o desrespeito. Infelizmente é uma questão cultural muito forte, mas não é por isso que não deva ser discutido e mudado.
      Deu para entender um pouco? Fique a vontade para questionar. ;)

    • Concordo demais… Imagina uma situação hipotética em que nenhum homem nunca “cantou” alguma mulher de forma nenhuma, e de repente um chama uma mulher de “gostosa” ou “delicia” na rua.. ela provavelmente se sentiria constrangida, mas imagina a mesma situacao, só que a frase seria: ei “linda”…. será q tem o mesmo peso? ela se sentiria acuada? na minha opniao soaria como elogio, entao nao concordo q esse tipo de cantada inocente seja colocada na mesma cesta das outras ai no texto citadas… tudo bem que a coisa ta banalizada… mas chamar uma menina de linda na rua nao é a mesma coisa de passar a mao nela, tanto q dependendo do jeito q a pessoa disser o linda no primeiro momento pode soar bem, agora o delicia e gostosa, dificilmente sem estar intimo de alguma forma

    • Rafael, você é o perfeito babaca de quem estas mulheres estão reclamando. Protótipo do “macho” que acha tudo isso muito natural. Você é tapado ou simplesmente não leu o texto completo e vem aqui dar a sua preciosa opinião? Se leu, não entendeu nada, deve estar muito confuso mesmo… Releia o texto e busque mais informações sobre o assunto, antes de sair falando bobagem. Então você é daqueles que pensam que a culpa é da mulher quando ela é assediada? Não existe pior machismo e cinismo que esse! Dos mais perigosos… Sabemos que, diariamente, milhares de mulheres sofrem assédio ou agressões nos mais variados níveis. Pior que isso, o machismo mata. Sabemos disso e, ainda assim, é chocante ler uma pesquisa e depoimentos como esses. É chocante porque nos dá uma dimensão mais real do quanto sofre a mulher brasileira. Não é possível que, depois de ler a matéria, você ainda queria relativizar o problema. Sinto muito que, ainda por cima, mulheres tenham de ler aos seus insultos. Perdeu a oportunidade de ficar quieto. Você deve ser adolescente e deve ter tido uma típica criação para se tornar um “macho de verdade”. Não é tarde para aprender. E a melhor coisa que pode fazer, é aprender a ficar quieto e ouvir o que as mulheres tem a dizer.

    • Rafael olá, então eu entendo que você esteja se perguntando sobre o simples e bonitinho elogio “linda”, elogios como esse vão depender da sua entonação, na minha opinião uma coisa é vc falar linda com a entonação na sua voz querendo dizer gostosa e outra coisa é vc dizer linda querendo ser gentil e simpático, mulher repara nessa diferença pelo menos eu né haha. Quanto a ser xavecada na balada acho que esse foi apenas um adendo a pesquisa, a pesquisa não quis dizer que nem na balada pode se elogiar. Quanto as roupas e as mulheres que se vestem querendo chamar a atenção, bom os homens tbm fazem isso e sim nós mulheres olhamos só que olhamos disfarçadamente e não secamos as pessoas e isso tem uma diferença imensa, meu os homens tem instintos tudo bem todos temos mas eles não conseguem controlar o pinto dentro da calça e tentar ter uma conversa normal com a menina ?!! Afinal quantas vezes você vê um cara sem camisa correndo pela praia e a mulherada gritando elogios para o mesmo (ou vc nunca viu, ou vc quase nunca viu) custa se controlar e ao invés de ficarem babando pela menina vcs apenas olham para ela, custa vcs pensarem em uma maneira sutil de puxar assunto com ela sem chegar já dizendo asneiras !! Olha na minha opinião sempre vai valer mais você puxar um assunto qualquer do que chegar na menina já dizendo um “oi linda” direto por mais lindinho que seja esse elogio !! Não sei se respondi tudo que você queria mas eu tentei haha

    • Rafael, eu vou responder sua pergunta pq senão morro de gastrite nervosa. Primeiro, balada não é necessariamente lugar de acasalamento, mtas pessoas vão só para dancar e se divertir. E, acredite se quiser, sua opinião a respeito da aparência de uma completa desconhecida pode não ser do interesse dela. Antes de chegar falando o que vc pensa dela (seja positivo ou negativo, elogio ou agressão, até pq a pesquisa está aí para mostrar que mtos homens não sabem a diferenca) ou tocá-la, se comporte como um ser humano e pergunte: “oi, tudo bem? Posso conversar com vc?” Só isso, cara. Não tem mistério. Sim, mulheres gostam de ser sentir bonitas, assim como homens, mas a gente não se arruma para completos estranhos e qdo um homem que a gente nem conhece vem falar nesse tom, ele causa medo. Não sei se vc sabe, mas mulheres são criadas com um medo CONSTANTE de abuso sexual, é só ler os comentários! Todas temos uma história pra contar! E vc, quantas vezes deixou de sair de casa por medo disso? Quantas vezes trocou de roupa, mudou o caminho, deixou de beber, pediu pra alguém ir te buscar pq vc teve medo de ser estuprado? Quantas vezes foi seguido na rua por alguém mto mais forte que vc? E eu não estou falando que homens não são assediados ou estuprados, mas as mulheres crescem aprendendo que seus próprios corpos são alvos de ataque constantes, que devem ser cobertos e protegidos. E isso pauta nosso comportamento. Essa é a diferenca.

      A segunda parte do seu comentário é nojento e machista. O corpo é da mulher, ela se veste como ela quer e isso não é crime. Tocá-la sem seu consentimento é, não importa o seu instinto. Atracão sexual é uma coisa normal, mas se vc acha que não consegue se controlar diante de uma mulher de decote ou calca branca, vc é um estuprador em potencial, só isso. Se fosse, assim, o número de estupros no verão ou na praia iria ser mto mais alto do que no inverno… Se vc conhece mulheres que curtem um fui-fui, assovie pra elas, mas não pra mulheres que vc nem conhecem e vc não sabe se se sentirão bem ou mal (alias, aqui vc está ignorando completamente a pesquisa). Se vc acha que mulher mostrando o corpo, ela causa mais atracão sexual, vc está 1. culpando as vítimas pelo violência sofrida e relativizando a papel do agressor, 2. ignorando que a maior parte dos estupros ocorrem dentro de casa, por uma pessoa próxima (que te vê de pijama, de calca, de shorts, de biquini…), 3. que mulheres de burca são estupradas. Isso pq estupro não é sexo, é violência. Assim como todas as “cantadas” acima.

    • Hahahaha mandou bem cara.. queria ter falado tudo o que você disse. Diria até mais coisas, de um jeito um pouco menos educado, mas você já disse tudo.

    • Tb achei que foi demais da conta. E fico me perguntando se a intenção é deixar de ser animal. Afinal, animais possuem ritusis de acasalamento e na espécie humana não deveria ser diferente.

    • Você pode chegar em alguém na balada, comece por um oi, pergunte o nome puxe assunto. Se ela te dr espaço pra conversa e você tiver oportunidade de dizer que a menina é linda ótimo. Chegar do nada e chamar alguém de linda, princesa ou gostosa é invasivo. De fato a pesquisa mostra que 17% não se ofendem com isso, mas até que você conversar com a menina você não tem como saber se ela faz parte desse grupo 83% de chance de ela não fazer. Nós estamos cansadas de sermos assediadas e agarradas na balada, ninguém está impedindo os homens de paquerarem, muitas vezes também estamos interessadas em quem se interessa por nós, mas vocês tem obrigação de respeitar nosso espaço e chegar de uma forma que nos permitam dizer não.

    • Meu caro, não sei se você tem namorada ou esposa; se tiver, fale com ela sobre isso. Eu e minha esposa discutimos bastante esse tipo de assunto, porque é aterrorizante a realidade da mulher no assunto assédio.

      Vou só destacar algumas partes do que você falou:
      1) “Desde quando elogio é ofensa?” Desde o momento em que o elogio não passa de um eufemismo para o assédio. O elogio gratuito do homem à mulher é dado como uma parte de uma espécie de contrato, em que o homem espera que a mulher dê um sorriso ou outra mostra de interesse. Tanto assim que as mulheres que reagem de outras formas (veja a pesquisa) são frequentemente xingadas e destratadas. Então não é um elogio, é um pretexto para exigir da mulher que mostre interesse.
      2) “A mulher se veste de saia/short/decote/etc para ficar gostosa.” Esta é uma imbecilidade, desculpe dizer dessa forma. Em primeiro lugar, a mulher se vestir para ficar atraente é uma coisa cultural. A mulher que se veste para ficar atraente/”gostosa” pode estar (e deveria se supor isso como primeira hipótese) se vestindo para ela mesma se achar bonita, não para chamar a atenção de desconhecidos. Pense bem. Quem em sã consciência, em uma cidade grande dos tempos atuais, quer chamar a atenção de estranhos – e ainda mais a atenção sexual deles? É uma ideia ridícula e FALSA de que a mulher existe e se comporta em função dos homens, conhecidos e desconhecidos.
      3) Chamar a mulher de “gostosa” é uma referência às sensações que ela te dá. Então chamar uma desconhecida de “gostosa”, em qualquer situação, é um desrespeito infinito. Essa palavra, para ser ouvida como elogio, requer uma intimidade preexistente.
      4) “Nem na balada o homem pode chegar na mulher?” Eu não sou nenhum especialista, mas me parece que existem jeitos certos e errados de “chegar” em alguém. Começar com um “oi” e tentar observar se a pessoa tem algum interesse ANTES de dar uma cantada é menos errado do que chegar agarrando ou chamando de “linda” e querer que a moça reaja bem.

      A história da humanidade se construiu em cima de violência, submissão e estupro. E ainda se constroi. É estupidez não levar isso em conta ao entrar em contato com outras pessoas. O respeito à liberdade, opinião e autonomia do(a) outro(a) é um pré-requisito para que se possa expressar o que se sente e pensa sem ser ofensivo. E isso, meu caro, é verdade quer você esteja falando com um amigo, com um desconhecido, com uma senhora, com uma mulher de microssaia (aliás, até mesmo se ela estivesse nua!), com um(a) homossexual, com um superior ou subordinado. Enfim, é preciso respeitar mesmo quem, intimamente, você achar que não se dá respeito. Porque uma coisa é ter um preconceito social/sexual embutido na sua psique; outra coisa é se achar no direito de agir como se esse preconceito tivesse primazia sobre as normas mais essenciais da convivência.

  162. Em uma viagem me distanciei do meu irmão e um homem árabe colocou a mão entre minhas pernas. Era inverno estava toda agasalhada (antes que digam que provoquei com as roupas). Fiz um escândalo e meu irmão espancou ele, mas logo em seguida 10 homens (amigos dele) apareceram para bater no meu irmão. Acabei levando dois socos na cara defendendo meu irmão. Levei meses para usar aquela calça de novo. Sentia nojo. Foi humilhante.

  163. É lamentável. Homens e mulheres muitas vezes se comportam como animais numa dita sociedade civilizada. Tem cara por aí achando que é homem das cavernas… Que vai dar uma porretada na mulher que achar interessante e levar para casa! Me digam aí, machões, o que vocês achariam se um outro homem (obviamente gay), lhes assediassem? É constrangedor! Evoluam, gente! Respeito é bom e todo mundo merece!

    Não vou dizer que sou santo. Já fiquei muitas vezes admirado com a beleza de algumas mulheres, mas somente elogiei (e só elogiei!) umas poucas quando pude fazê-lo gentilmente. Ao menos fiz elas sorrirem…

    Agora, mulheres, infelizmente admitamos. Por negligência de pais e mães, a nossa cultura ocidental banalizou o sexo e hoje o incentiva desregradamente. Desde de criança “os homens são caçadores e as mulheres são caça”. O que se pode esperar de pessoas assim? Que ao atingir a maioridade vão se educar magicamente?

    E olhe que hoje tem mulheres fazendo a mesma coisa com os homens! Mas isso ainda é socialmente aceitável… Não sei até quando.

    • Pois é Samuel, pelo que lemos aqui (vc leu?), só elogiar já é assédio, pois vc está dando sua opinião sem que a outra parte esteja pedindo. Vc realmente concorda com isso?

      • Drika, li sim o texto e por isso deixei claro que eu mesmo não sou santo.

        O que quis dizer é que já abordei mulheres apenas para dar elogios, e eles que foram muito bem recebidos, creio que pela forma como foi feito. O elogio vem depois de duas ou três frases trocadas. Não foi um “gostosa”, ou “linda”, ou “que delícia” sem prévio aviso. Acho isso um comportamento invasivo tanto quanto você.

        Eu, por exemplo, tenho amigos e conhecidos gays que me fazem elogios (dos mais baixos aos elegantes) e que aceito de boa. Diferente de passar próximo a um point gay e receber um assédio semelhante ao de vocês mulheres. E digo semelhante, não igual. Sei que vocês sentem medo, além do constrangimento… Medo do assédio se manifestar em atos além das palavras…

        O ponto a que acho que todos queremos chegar é o respeito. Respeito à integridade física e psicológica. Respeito que dê a segurança de andar na rua sem pensar que tantas coisas ruins podem acontecer. Infelizmente a sociedade se degradou ao ponto de vermos essas barbaridades. Todas as pessoas com um pouco de inteligência têm algum medo.

        Mas, infelizmente, coibir ou até mesmo matar os molestadores atuais não soluciona, devido ao fato que muitos meninos estão crescendo para se tornar iguais ou piores. Somos criados para olhar apenas para nossas necessidades individuais a tal ponto que estamos perdendo a capacidade de nos enxergar nos outros como seres humanos que também sentem medo e dor. Devemos procurar a raiz do problema na formação de caráter das crianças para que desenvolvam empatia. E a partir daí vem o respeito. Afinal, porque me respeitar o outro, por quem sinto desprezo?

    • Pois é Samuel, pela pesquisa que lemos (vc leu né?), elogiar já é uma forma de assédio. Vc realmente concorda com isso?

  164. O que me deixa mais assustada é ver que mesmo depois de uma pesquisa como esta ainda existam caras que defendam esse tipo de comportamento…

    Já tive literalmente que sair correndo de 2 caras que me perseguiram na rua. É uma sensação de terror na verdade. Espero que um dia vocês, rapazes que defendem tais atitudes, tenham filhas, só para terem que repensar esse assunto.

    • Isabela,
      o poir é que não adianta. Esse tipo de gente é daquelas que perguntam pra filha depois: E o que vc fez para provocá-lo? A empatia não existe pra essas pessoas…

    • Tenho uma, de um ano. Se meu filho encostar numa garota à força, bato nele. Se minha filha não levar jeito pra arte marcial, ela passa a carregar na bolsa uma arma ou spray de pimenta.
      Quero, porém, ensiná-los o valor da liberdade de expressão: ao ser cantada na rua, ela não ataca o cara fisicamente. Ela pode ignorá-lo ou rebater, xingando-o.

      E outra: se minha filha estiver com o namorado andando na rua, ela tomará a iniciativa de xingar o 3°, o cara que a cantou, embora uma reação do rapaz que está com ela também seja bem-vinda. Pois quando o garoto defende sua namorada, isso à 1ª vista soa como algo cavalheirístico, “o protetor que fez a coisa certa na hora que precisou”… Só que se a moça não faz ou diz nada… fica a suspeita de que ela no fundo gostou, pra elevar seu ego, de mexerem com ela na rua. Pretendo educá-la a não nutrir essas palhaçadas.

  165. É a cultura e o cultivo do medo.
    Saí de casa hoje atrasada… Perdi o ônibus e para não me atrasar ainda mais decidi atravessar a pista e pegar um bondinho..O problema é que a gente já saí de casa preocupada/com medo. O trajeto até a linha do bonde equivale a uns 3 quarteirões + travessia da passarela na pista + uma linha de trem (já em desuso). Ainda na quadra de casa, um homem num portão grita: Olha pra rua moça! (porque eu estava de cabeça baixa olhando pro celular) (‘Okay!’ Pensei) até dei um sorrisinho pensando que se tratava só de educação (pq afinal de contas é perigoso andar sem olhar o que vem a frente) mas, infelizmente o homem continuou parado me olhando. A poucos passos da frente do portão dele ele me diz: Moça bonita tem que prestar atenção na rua (¬¬’ ignorei e fui) já meio longe ele pergunta gritando: _Você é professora? (porque cargas d’água algumas pessoas acham que podem se intrometer na vida das outras e questioná-las sobre suas vidas?).. Fui embora desconfiada da educação/bondade dos seres humanos, cheguei na passarela e reparei que do lado oposto havia um homem sentado (esse reparar já continha a desconfiança embutida, infelizmente)… Atravessando, uma mulher vindo de encontro a mim diz: _Cuidado porque tem um homem estranho sentado lá embaixo, viu moça. Agradeci com a cabeça e fui.. O homem nem notou minha presença (mentalmente me senti aliviada) Fomos, eu e a moça, preconceituosas, mas são tantas as vezes que nos sentimos ameaçadas no dia a dia que infelizmente acabamos julgando rápido demais por conta do medo… Enfim, o trajeto que mais me preocupava era a linha do trem abandonada, lá é muito pouco movimentado e correr nunca foi meu forte ainda mais entre pedras, areia e trilhos. Felizmente passei sem problemas e já no ponto do bonde aliviada e distraída demorei pra perceber que no bar em frente 3 senhores me olhavam e faziam comentários abusivos sobre mim… Enfim, um trajeto de 15 minutos no máximo que parecia não acabar nunca e onde me senti invadida e apreensiva 4 vezes.

    Eu vejo homens e algumas mulheres defendendo a ideia romantizada da “cantada”, claro, parece bacana encontrar/conhecer quem sabe o amor da sua vida numa rua qualquer.. E é claro que sendo estranhos completos um dos dois teria que dizer algo… Mas existe uma diferença brutal entre puxar assunto educadamente tendo o bom senso de notar o nível de interesse do outro e simplesmente proferir palavras/frases ofensivas/desnecessárias.
    (_Ah, mas chamar de ‘Linda; Princesa; Gata,’ não é ofensivo!)
    Não é de fato uma ofensa, mas é uma forma completamente desnecessária e abusiva de impor sua opinião para alguém que não pediu. Guarde seus “elogios” para sua mãe; esposa; namorada; filha; irmã; vó; tia e amigas próximas.. Tenho certeza que nenhuma delas vai reclamar, mostrar o dedo, xingar ou correr de você!

    Não sou contra conhecer novas pessoas, sociabilizar coisa e tal… afinal não é como se você fosse me dizer: “bom dia, boa tarde ou boa noite” e eu fosse te ignorar, muito pelo contrário, eu aprecio e prezo esse tipo de educação, mas não seja invasivo, indiscreto e oportunista. Conversas surgem quando existem interesses mútuos.

    • “Mas existe uma diferença brutal entre puxar assunto educadamente tendo o bom senso de notar o nível de interesse do outro e simplesmente proferir palavras/frases ofensivas/desnecessárias.
      (_Ah, mas chamar de ‘Linda; Princesa; Gata,’ não é ofensivo!)
      Não é de fato uma ofensa, mas é uma forma completamente desnecessária e abusiva de impor sua opinião para alguém que não pediu. Guarde seus… ”

      Abusiva, o caralho! Quem impôs o que por aqui? O cara invadiu teu espaço físico? Ele te bateu? Encostou em ti? Ou ele só exerceu a liberdade de expressão dele?

      A maioria das mulheres gosta, sim, de ser cantada — pedreiralmente — na rua. Eu não faço pedreiragem com nenhuma, exatamente por isso. Não aceito ser usado por elas, o homem não pode aceitar. A lei natural das coisas é o inverso acontecer.

  166. Pingback: Chega de Fiu Fiu: uma pesquisa com sangue no olho | Rafael Braga

  167. Aos homens que justificam as cantadas, a pergunta: vocês ja foram alvo de cantadas na rua? Vocês ja foram alvo de assédio sexual? De estupro? Se sim, foi da parte de uma mulher? Aposto que não…

    Quando eu era adolescente, duas coisas me aconteceram no caminho para um curso de inglês. Uma vez um cara começou a me mostrar um folheto de propaganda de uma loja de serigrafia… que so tinha imagens de pornografia. Eu soltei um “por favor!” e continuei meu caminho. Outra vez passou um homem com o pênis de fora, assim, de boa, que nem me abordou. Mas mesmo sem ter falado comigo, ele me deixou suficientemente assustada de pegar aquele caminho durante o ano e meio que eu fiz esse curso de inglês…

    Quando passei meu ano novo em Paris, fui pra torre Eiffel à meia noite. Na grande muvuca de gente pra la e pra ca, em um dado momento alguém passou a mão na minha vagina e pressionou. Foi horrivel, fiquei arrasada de ser assediada dessa maneira justo na passagem do ano, quando eu so queria ter bons sentimentos no coração e chamar boas energias…

    Claro que isso não acontece so no Brasil. Quantas historias não se ouvem também do Oriente Médio e, engrossando mais o caldo, da India! A questão é: porque tanta falta de respeito pelas mulheres? Que necessidade sexual tremenda é essa que os homens têm que ultrapassa o aceitavel?

    Eu sou filha de mãe solteira e sempre tive dificuldade de me relacionar com o sexo oposto. Hoje namoro, estou numa relação saudavel de respeito mutuo e etc, mas foram muitas barreiras vencidas pra chegar até aqui. Uma que eu não consigo vencer, porém, é a eterna sensação de que a maioria dos homens vão ter algum interesse sexual por mim. Não porque me falta a imagem de pai, mas porque, infelizmente, é a realidade…

  168. Mas se um homem receber uma dessas cantadas de um homossexual e não gostar, aí não pode, aí é homofobia.

  169. Como homem, me sinto enojado por saber que pessoas capazes de tais abusos sao do mesmo genero que o meu. Amo minha mulher e nao estou o tempo todo presente para tentar evitar abusos com estes, que alias acontecem ate em minha presença. Seja por motoqueiros e motoristas ou por grupos de idiotas. Possuo marcas em meu corpo que retratam essa violencia ao confrontar 7 playboys para que, simplesmente, pudesse tirar a atençao da aparencia de minha esposa e servir de saco de pancada. Gostaria de ter a soluçao para esse problema e se alguem souber, me avise.

  170. Gostaria de saber como as mulheres que têm namorado conheceram seus namorados? um dia eles tiveram que chegar nelas e pra isso tiveram que soltar alguma cantada, tentar alguma coisa, caso contrário não teriam começado a namorar nunca.
    Se um homem ver uma mulher LINDA realmente LINDA na rua, e ele achar que vale a pena tentar alguma coisa porque ela é tão linda e a vida é curta e talvez eles nunca mais se vejam, o que ele deve fazer? da forma como vocês falam ele vai ser recebido como um bandido, estuprador, mas talvez ele seja um cara legal querendo te conhecer (NÃO estou falando do cara que chega com o pau pra fora).
    Também acho uma certa hipocrisia as gurias que vem aqui falar mal do cara que chama de gostosa e fica botando foto dos peitos no facebook pra ganhar LIKES, ou que sai na balada e toma porre e beija 2 ou 3 mulheres e homens ao mesmo tempo, às que saem com os caras e fazem sexo no carro, etc., etc…
    Eu não vou mentir, sou civilizado e não fico “agredindo” mulheres na rua, mas ao mesmo tempo me sinto altamente provocado, as roupas que as mulheres usam dia após dia são cada vez mais curtas, mais provocantes.
    A maioria delas é impossível que não faça de propósito para exibir o corpo, para se sentir atraente. E aí quando realmente atrai alguém, reclama do efeito. É meio contraditório.
    Toda nossa biologia foi programada para responder a esses estímulos. Aí vocês surgem com silicone, decote, salto alto, minissaia, maquiagens, perfumes, corpão de academia, tudo isso é super erótico e provocante. E quando sucumbimos ao ímpeto somos culpados. Não dá pra saber o que algumas mulheres querem, sinceramente. E mesmo sendo civilizado e controlado, vou dizer pra vocês, é super dificil ficar impassível. Certas mulheres deixam os homens completamente BOBOS, GAGOS, perdidos, de tão provocantes. E qualquer movimento é atacado como sendo assédio. Será que um decote provocante também não é uma forma de assédio?
    Sei que tem os casos de violência, mas o texto está colocando isso no “mesmo saco” das simples cantadas. E as mulheres se apresentam como santas e castas. O mundo real não é assim. Tem guria na balada fazendo coisas que eu não tinha coragem de fazer no meu tempo… e aí?
    Uma aí falou que “olhares maliciosos” a incomodam. Aí é demais. Todo mundo na rua tem direito de olhar para onde/para quem quiser! E se passar uma mulher linda, não pode nem chamar de linda (o que pra mim é quase uma necessidade, porque sinto que ela PRECISA saber, ela MERECE um reconhecimento. Quando eu chamo uma mulher de linda na rua é quase por SUBMISSÃO, algumas até devoção – de tão lindas! – e nunca por agressão!!) e agora não pode NEM OLHAR? Aí é demais!

    • Meu namorado, não me cantou da primeira vez que ficamos, nós conversamos, fizemos piadas, trocamos ideia na festa e ficamos. Eu nunca fique na minha vida com homens que me cantaram na rua e olha que eu já fiquei com muuuito homem e é engraçado, eu NUNCA ter ficado com um idiota que me cantou na rua, nem um idiota que passou a mão na minha cintura e tentou me chamar de linda na balada. Nunca fiquei…. Se isso responde a sua pergunta, um homem não precisa ficar olhando a bunda e falando gostosa, ou pegar na cintura e tentar me agarrar ele pode se aproximar e tentar conversar, já que sou ser humano normal que nem ele, costuma dar certo comigo.

  171. Quando eu fazia autoescola, no último dia de aula de direção, o instrutor disse que ia me ensinar a dirigir na rodovia e que ia me ensinar a dirigir com uma mão só. Não estranhei nada e fomos. Quando me dei conta, estava numa rodovia, com matagais em volta e não sabia como voltar. Ele freou o carro e colocou o penis dele para fora e mandou eu dirigir com uma mão só, enquanto a outra ia masturbar ele! Pensei em fugir, mas tive medo, pensei em arrancar com o carro, mas ele ia frear, e antes que chegasse em alguma solução, ele puxou minha mao pra dentro da calça dele e me obrigou a fazer isso. Foram momentos horríveis. Após essa aula, tive medo e não o denunciei, por medo de acabar virando alvo de comentários e prejudicar ainda mais minha vida. Perguntei para outra aluna na autoescola se ela ja tinha dirigido com uma mao só, a fim de saber se foi só comigo. Ela disse q nao, e eu nao consegui alerta-la sobre o perigo, por vergonha. Até hoje não consigo namorar dentro de um carro.

  172. Sou homem e defendo essa luta contra abusos. Porem, conflitante é ver que existem mulheres que tem a mesma postura de muitos idiotas. Por menor que seja a atitude, da para considerar abuso. Namoro e estou muito feliz, ainda sim tambem passo por muitas situacoes desconfortaveis. Sorte que nunca fui assediado violentamente. Mando força para as mulheres que merecem respeito e que passam por isso.

  173. Estava numa van indo para a escola, e um cara que sentou do meu lado, colocou a mochila de modo q só aparecia para mim e tirou o penis para fora e começou a bater punheta do meu lado, fiquei sem reação com medo dele me agredir. Levantei e sentei em outro lugar, fiquei horrorizada tinha apenas 14 anos.. Foi horrivel

  174. Vivo amedrontada. Creio que porque vivo em um país onde a mulher é tratada como objeto. Nossa mídia reproduz uma cultura machista (panicats, mulheres frutas, atrizes siliconadas, etc.).
    Temo sair de casa sozinha (de carro, de ônibus, a pé,…). Não saio a noite (só se for muito necessário ou acompanhada). Ando observando tudo e todos que estão em minha volta.
    Não chega a ser um medo que me impeça de viver. Mas é um medo CONSTANTE. É um medo que me faz desejar todos os dias ir embora do país para um que a cultura respeite e valorize a mulher.
    Ouço barbaridades (mesmo me vestindo de forma pensada para NÃO chamar a atenção), respondo com ódio, violência. Hoje não tolero mais. Antes me calava. Mas agora sinto raiva, sinto revolta. Percebo que é uma cultura medíocre. Os homens se sentem cada vez mais no direito de desrespeitar e eu não sei onde isso vai parar…

  175. Meninas, assino embaixo dos vossos comentários, mas é uma pena mesmo que muitos continuem com essa mentalidade imbecil, como foi demonstrado por certos rapazes nesse post. Ontem mesmo, no metrô com minha namorada, o vagão estava repleto de caras voltando da praia. Os olhares foram bem lascivos e fiquei tenso, mas não se atreveram. Não obstante haver várias mulheres no vagão, quando o trem parou em uma estação e passou uma mulher loura, sozinha, bem arrumada, alguns deles berravam e diziam barbaridades. Como pode? Sei lá, além de desrespeitoso, machista e grosseiro, me parece uma atitude covarde também, pois eles sempre escolhem alvos fáceis, como mulheres sozinhas e desprotegidas. Um alento para mim é ver pesquisas como essa, embora ainda se atenham a um círculo restrito, e observar a reação de algumas mulheres hoje em dia. Minha namorada mesmo não tolera mais esse tipo de cantadas na rua e sempre responde, o que eu acho que todas deveriam fazer, dentro das possibilidades do momento, claro. Outro dia, uns coroas bêbados em um botequim cantaram uma menina que passava, indo pra academia. A reação dela foi mostrar o dedo e mandar um ‘foda-se’ bem na cara deles, que ficaram inconformados. Admirei a atitude dela, que, se tomada pela maioria, pode mudar alguma coisa.

  176. Homens jamais entenderão isso, porque eles simplesmente, são, em sua maioria, mais fortes do que as mulheres, eles acham que o equivalente é uma mulher dar uma cantada neles, e eles acham que isso é algo bacana. Muitos dizem “se uma mulher me assediasse na rua eu ia curtir”, mas simplesmente não é assim que a equivalência deveria ser feita. Porque eles não tem medo de serem abusados simplesmente porque são mais fracos. Uma mulher dificilmente estupraria um homem, eles não sabem o que é ter esse medo. Mas eu pensei num exemplo bom pra isso, imagine que vocês homens heterossexuais estão passando na rua e ai um monte de homossexuais, malhados e altos, fortes pra caralho, fizessem essas mesmas coisas com vocês? Seria massa? Voces iam se sentir confortáveis? Pegassem na sua cintura, passassem a mão no seu cabelo e você lá totalmente vulnerável a ser estuprado no cu… Ai eu me pergunto, se a opinião continuaria a mesma. É porque não são com eles, é porque não é um outro ser humano, geralmente mais forte, tentando enfiar o pau dentro de você, porque se fosse, meus caros amigos, vocês não iam aguentar 1/10 do que a gente aguenta.
    Homem que acha que essas cantadas na rua são legais merecem ser estuprados coletivamente no cu, por homens grandes fortes e pintudos. Um beijo.

    • Você é desequilibrada mentalmente. Querer que um cantador seja estuprado por gays?!?? Não gostou da cantada dele, problema seu. Ele não lhe estuprou e nem defendeu tal coisa. Muita covardia sua se esconder atrás da posição de mais fraca, pra defender violência. Vá se tratar, e recuso seu beijo, guarde-o pros seus amiguinhos boiolas.

      • Não me estuprou mas conheço gente que já foi estuprada, me sinto enojada toda vez que um mascu vem com essas cantadinhas nojentas pro meu lado, a vontade que tenho é de dar um soco. Toda vez que vou na festa me tocam, na cintura, no cabelo, na bunda… Eu já to farta disso e isso meu caro amigo É VIOLÊNCIA, É ABUSO. Maior parte das mulheres já sofreu abuso na vida e comigo não é diferente. Então sim, espero que homens desse gênero sejam estuprados coletivamente no cu, se você se enquadra nesse gênero ou não, não é problema meu. Meus amigos “boiolas” não precisam de beijos, eles já são cheios de amor na vida e tem beijos pra guardar e vender

  177. Quando eu tinha uns 19 anos, estava caminhando pra academia com uma calça de lycra e um blusão. Não costumo usar blusinhas justas ou bermudas muito curtas. Era uma roupa normal de academia. No meio do caminho, que eu fazia todo dia, cruzei com um homem que segurou no meu braço com força e colocou a mão no meio das minhas pernas. No meio de uma avenida movimentada, não era nem noite, estava claro. Eu gritei e ele saiu correndo. Não tinha ninguém em volta, mas eu fiquei com vergonha e medo de continuar andando. Fui pra casa e chorei muito.

    Em outro momento posterior, estava em uma boate e um cara chegou em mim. Não quis ficar com ele ali. Com raiva ele me deu um tapa forte na bunda. Tentei falar com um amigo que estava com a galera e ele disse assim: também, com essa bunda grande, quer o quê?
    Me senti um lixo.

  178. Uma vez, quando eu tinha 15 anos, estava na parada esperando o ônibus com a minha amiga. Era dia de educação física então estava usando uma calça preta de suplex. De repente veio uns grupo de uns 4 ou 5 caras mais velhos e começaram a falar umas grosserias, me chamando de gostosa e falando outras coisas baixas. Até ai tudo bem. Ignorei. Eles eram grandes e fiquei com medo q me batessem caso eu respondesse. Eles ficaram em volta de nós por um tempo e do nada um deles me agarra por trás, coloca a mão na minha cintura e começa a passar a mão em mim. Inclusive no meio das minhas pernas. Eu e minha amiga ficamos sem reação. Senti vontade de chorar, mas paralisei totalmente. Depois de um tempo que pareceu muito eles foram embora rindo. Eu e minha amiga rimos de nervoso mas por dentro me sentia muito mal. Tinham várias pessoas na parada e ninguém fez nada. Até hoje eu ainda fico desconfiada quando alguém vem muito perto de mim na parada de ônibus. Essa foi uma das piores experiências que eu tive e ainda não esqueci. Ainda fico com receio de usar roupas muito curtas ou chamativas. Prefiro passar calor do que passar por esse tipo de assédio de novo.

  179. Em uma oficina a cerca de 50 metros da minha casa, eu esperava a van todos os dias pra ir pra faculdade e todos os dias um velho nojento se escondia atrás do portão da oficina e ficava mexendo comigo e se masturbando. No início eu me escondia pq achava que ele estava só mexendo, no dia que vi que ele se masturbava me senti muito mal por pensar que há mais de 2 anos ele fazia isso diariamente. Comecei a gritar muito com ele mesmo sabendo que ele estava armado, foi quando a van chegou e o motorista me perguntou porque eu estava chorando e ameaçou matar ele. Na mesma hora o motorista saiu de lá e foi na casa do dono da oficina, disse que se aquele cara não fosse demitido naquele dia, que no dia seguinte ele ia morrer. O cara nunca mais voltou na oficina.

    Também quando eu tinha 5 anos um cara tentou me obrigar a sentar no colo dele na praia.

    Outras vezes me agarraram na rua… Já tentaram me arrastar pra dentro de um carro, já me seguiram na rua também, eu já tive que bater em um cara numa festa e arrancar sangue do nariz dele pra ele me deixar em paz. E outras muitas coisas que já aconteceram.

    Quem diz que o que atrai é a roupa e o jeito da mulher, isso é balela. Eu sou a prova de que isso é mentira, eu só ando de coque no cabelo, de cara emburrada (foi um jeito que aprendi a espantar os homens) e nunca NUNCA uso short, saia ou bermuda.

    Vocês homens deveriam ter mais respeito. Elogiar não é problema nenhum vindo de um homem que tem intimidade, mas vindo de um que não tem intimidade é no mínimo suspeito e SEMPRE tem interesse sexual por trás.

  180. E ai que estávamos chegando na suíça (genebra) eu e uma amiga, num frio medonho (vestidas até a alma) e com duas malas gigas p 2 meses. Pegamos um taxi c um senhor de uns 70 anos, que nos levou para um lugar onde so se hospedavam pessoas que iam em missão diplomática, e ele sabia disso. No meio do caminho, minha amiga conversando c ele em francês, vira p mim perguntando se entendi: ele dizendo que poderiamos ter um “BOM MOMENTO” juntos, os tres. E comecou a ficar libidinoso. A vontade era abrir a porta e sair correndo, e teriamos feito isso nao fossem as malas. Eh isso, nao tem pais, nao tem dia, hora, nao tem respeito :(

  181. Já fui cantada na rua por uma criança de uns 3 anos de idade que não sabia nem falar direito o pai do lado mandou o menino me chamar de gostosa e caiu na risada, bom esse foi o mais bizarro porque se eu for começar a contar aqui as situações que me deixaram constrangidas não vou acabar nunca mais

  182. Sugiro que você leia a pesquisa novamente. Se não entender mais uma vez, leia de novo. Faça isso até entender, ou até cansar. Se ao final não entender, você sofre de um grave problema: machismo.

    • Homofóbico é quem tem preconceito contra gay. Se um homossexual flerta com outro, só haverá homofobia se o outro for hetero e agredí-lo de volta.

  183. Eu ia dobrar a esquina quando ouvi isso: sua gostosa bucetuda….fiquei tão irritada que me abaixei,peguei a primeira pedra que eu vi e taquei no vidro do carro quebrando o vidro do vagabundo e saí correndo…esse com certeza ia pensar 2 vezes em fazer isso de novo.
    Sem contar que eu estava com uma blusa de moleton enorme e pouco dava pra ver do meu corpo.
    Tem mtos homens que dizem que cantam mulheres na rua pq elas estão com roupa provocativa,mas isso não é verdade,eles fazem isso por puro machismo,parece que eles gostam qdo sentimos medo….

  184. Com 24 anos, já levei muita cantada/buzinada na rua sem nunca me vestir de forma vulgar (afinal, faculdade e trabalho não combinam com roupas provocativas). Na rua da minha casa passa muitos carros, mas poucas pessoas e tem muito mato em volta. Os “buzineiros” fazem a festa, e geralmente falam palavras de baixo calão junto com as buzinadas (a menos pior é “gostosa”). Quando finalmente pude dirigir, foi um dos maiores alívios da minha vida não precisar estar sujeita a essa escória da humanidade num momento tão simples do dia-a-dia. Mas há poucas semanas, saindo de carro de casa, o cara que estava dirigindo na minha frente estava andando bem devagar. Achei estranho e fiquei esperando o melhor momento para podá-lo, mas quando passamos por uma mulher que andava sozinha na calçada entendi o porque da lerdeza. Ele buzinou sem a menor vergonha, e isso se repetiu mais 2 vezes quando tinha mulheres andando sozinhas. Além de estar atrapalhando o trânsito, andando devagar como se a rua fosse dele, ele se achava também no direito de mexer com as mulheres como se fosse dono delas. Fiquei tão nervosa que tive vontade de bater na traseira do cara para ele parar de se achar o espertalhão… tive seriamente que me controlar para não fazer isso (o carro não é meu, e de qualquer forma o prejuízo seria muito grande por algo tão estúpido). Na hora eu lembrei de todas as buzinadas e “cantadas” que levei de babacas como ele naquela rua e a raiva quase superou o bom-senso. Se eu tivesse dinheiro para pagar o conserto do carro, eu teria metido o pé no acelerador sem dó.

  185. Fico muito triste em ler este tipo de coisa e saber que é nesse tipo de cultura em que nós vivemos. E eu, como todas essas outras mulheres, já passei e passo por situações parecidas desde bem novinha. Nós não merecemos e nem fomos feitas para isso.

  186. Fui criada até os 16 anos no Japão e quando minha família voltou para o Brasil fiquei muito chocada com a agressividade com que muitos homens brasileiros se referem às mulheres desconhecidas na rua ou em festas. Se no Japão os homens passavam por mim na rua olhando para o chão, aqui passavam insinuantes, falando qualquer coisa de mau gosto. Deprimente.

  187. Quando viajei com uma amiga minha ao Rio de Janeiro, fomos à Lapa e decidimos dançar um pouco em uma Boate, somos muito amigos e quase sempre fazíamos tudo juntos.

    Durante a noite, alguns meninos conversavam com a gente propondo amizade e conversas, mas eles estavam mesmo é interessados na minha amiga e só prolongavam o papo para depois investirem numa tentativa de beijo que nenhum de nós dois entendiamos como ele tinha chegado a conclusão que a conversa estava se encaminhando para esse rumo…

    Ele elogiou ela, e em seguida pediu a minha permissão para ela poder ficar comigo e eu naturalmente repliquei: “Quem é que tu queres beijar, ela ou eu? Pergunte a ela, que está na sua frente”. O garoto virou-se pra ela, que estava fumando um cigarro suficientemente distraída para não ouvir a minha resposta, e disse: O teu amigo consentiu.

    Deixamos o garoto pra trás, fomos dançar e agora só éramos nós dois na pista de dança, cada um no seu canto e estávamos ouvindo Interpol, Hole, The Smiths, Joy Division e algumas músicas que a gente aproveitava bastante pra dançar até que um garoto a cercou e forçou um beijo que ela não queria, e demorou um tempão até ela se livrar dele pra vir falar comigo. Eu nunca tinha presenciado, eu fiquei bem chocado e paralisado quando eu vi ela passar por essa situação, não gosto de bancar o guarda-costas das minhas amigas porque não acho que elas precisem de homens para serem protegidas, mas eu estava sendo tomado por um impulso de intervir e ajuda-la caso ele forçasse algo.

    Tem jeitos e jeitos de chegar em uma garota, e vou dizer que o melhor deles é quando você não a irrita, a assusta ou a coloque em uma fantasia mirabolante onde as coisas estão caminhando no rumo que você decide.

  188. CONCORDO QUE MUITAS DESSAS CANTADAS MENCIONADAS SÃO TOSCAS, SEM EDUCAÇÃO E IMBECIS. PIOR AINDA É PEGAR E ENCOSTAR NA MULHER. MAS ACHAR QUE UM SIMPLES “LINDA” É UMA CANTADA AÍ JÁ É DOENÇA…. A MAIORIA DAS MULHERES QUE RESPONDERAM ISSO DEVEM SER CURITIBANAS OU PAULISTANAS, QUE SÃO AS MAIS NOJENTAS DO UNIVERSO.

    • Lindinho, chamar uma mulher de linda, se acompanhado de uma língua pra fora ou uma chupada de lábios é tão nojento quanto falar quero te comer. Não sei qual curitibana ou paulista te magoou tanto pra você ser tão preconceituoso assim, mas espero que você supere isso!

    • Eduardo, “nojentas” nesse caso porque nao dao atencao para as tuas investidas??? Chamar uma menina de linda dentro de um certo contexto (por ex., alguem que voce conhece, esta tendo uma conversa, ja se apresentou, etc) dependendo da maneira como dito eh um elogio. Gritar “linda” pra uma mulher na rua ou na balada que voce nao conhece e que nao esta te perguntando nada…eh assedio sim.

  189. Total apoio a vocês mulheres nesta campanha! Espero que todos os homens se sensibilizem e tenha um pouco mais respeito com vocês!

  190. Pingback: Especial para os “machões” de plantão | Cão Uivador

  191. Excelente matéria! Única correção* que eu faria seria trocar o termo “cantada” por “assédio”! Isso é muito sério! E terrível. Cantada pode ser algo banal e até mesmo legal. Chamar de “linda”, numa boa, é elogio! Agora, “gostoooosa”, se lambendo todo é grotesco! Pra não comentar sobre os relatos ali… Também já passei por situações desesperadoras, nas quais morri de medo de ser estuprada =( e só o fato de digitar isso já encheu meus olhos de lágrimas…

  192. so uma pergunta aos babacas que tentam justificar esse tipo de comportamento. Algumas vez vcs já conseguiram ficar com uma mulher, ou namorá-la, por terem chamado-a de gostosa, tesuda, bunduda, ter passado a mão nela ou algo assim na primeira abordagem? A resposta é não né. Sabem por que. Porque babacas como vcs tem que se contentar, desculpem Ladies, em comer puta ou bater punheta. Certa vez flagrei um imbecil destes assediando fisicamente uma ex-namorada minha, enfiando a mão por dentro de sua saia, na frente. Par azar dele não me viu chegar. Para azar dele não viu que o namorado de quem ele assediava tinha quase 2 metros e 105ks. Resultado ele tomou uma surra tão grande que, literalmente, teve que ir para o hospital. Esse tipo de assedio me revolta tanto que se vejo uma mullher passando por isso, imediatamente enquadro o sujeito e sabe o mais engraçado. Nunca tive que bater nesses outros babacas. Normalmente o cara que assedia as mulheres dessa forma, é um belo dum covarde, borra-botas e não tem coragem de enfrentar alguém disposto a defendê-la.

    • Parabéns Paulo! Tive um colega de trabalho que bateu num cara no metrô que começou a encoxar uma menina de 15 anos e ela chorando desesperada. Conheci uma moça que era faixa preta em karatê e deu uma surra num cara de deu um soco na cara dela por causa de uma fechada no trânsito. A resposta nunca deveria ser a violência e sim o respeito entre os seres humanos. Mas sabemos que está ,muito difícil atingir esse patamar!

  193. Eu vivo passando por situações parecidas. Deixei de usar muitas roupas, por vergonha e medo. Desde que fui seguida por um carro numa rua deserta (no feriado de carnaval, quando todo mundo viajou), eu não consigo mais usar roupas que mostrem algo do meu corpo. Estou sempre de calça, tênis e blusa. Até mesmo em balada tenho ido assim, por já ter quase apanhado de um cara, por não beijá-lo. Além disso, estou sempre de óculos escuros e touca, porquê parece que mesmo que você esteja com apenas uma base no rosto pra esconder as espinhas, já é motivo pra soltarem “elogios” agressivos. É humilhante não poder sair com as roupas que quer usar, se sentir segura e bem consigo mesma, por medo de assédio. Quantas vezes eu tive que atravessar a rua porque no meu trajeto tinham construções e eu ouvia coisas como “gostosa” ou “delícia”, mesmo estando enfiada embaixo de pilhas de blusa e calça, e até fazer mudança de percurso, gastando mais tempo, chegando mais tarde em casa, apenas pra fugir dessas situações. Comecei a usar muito fone de ouvido em sons absurdamente altos, pra não ter que ouvir buzinas e cantadas abusivas, tenho me vestido como um garoto, já não saio mais de casa (nem pra buscar meu óculos no conserto ou algo na padaria), pra não passar por situações assim. Faz você se sentir impotente e apenas um pedaço de carne, ou um buraco pros outros enfiarem o pênis. Viver com medo e insegura por essas coisas, é vergonhoso. E esses homens não tem o menor senso ou vergonha na cara, e agem como se todas as mulheres do mundo, fossem apenas uma genital pra saciar e acabou. Sabe-se muito bem porquê a sociedade está assim, e muita gente defende isso como cultura, como se cantar que dar de 4 é legal e todo mundo quer saber. As crianças já estão crescendo com a mentalidade voltada apenas pro sexo, e quem já é adulto, acha que isso é divertido e quer levar a sério. É vergonhoso, principalmente porquê daí por meia dúzia de garotas que cantam de micro saia, sem calcinha e falam que deram pra não sei quantos na noite, fazem com que os homens generalizem e tratem qualquer mulher como uma vagabunda. Há um bom tempo não tenho me relacionado com ninguém, justamente por coisas assim. Esses dias mesmo no facebook, aceitei um cara porquê tínhamos amigos em comum, ele veio me perguntar se eu era fake, respondi que não, então ele mandou eu tirar uma foto dos seios, eu disse que não faria isso, ele respondeu que ou eu tirava, ou ele me denunciava porquê eu “era fake”. Respondi que ele poderia denunciar e eu faria o mesmo por abuso, ele me xingou de vagabunda e me excluiu. É decepcionante ver o nível que o ser humano está chegando. E tem sido preferível você ser e se sentir feia, apenas para não passar por situações do tipo.

  194. Esses relatos me fizeram lembrar de um caso que aconteceu comigo. Tinha por volta de 11, 12 anos e estava de férias em uma outra cidade. Ainda era dia e eu na rua conversando com uma colega quando um homem de moto se aproximou de nós pedindo informação, mas foi aí que percebi que ele estava segurando seu pênis para fora da calça. Minha única reação foi sair correndo sem gritar e nem nada.

  195. “Ninguém deveria ter medo de caminhar pelas ruas simplesmente porque nasceu mulher.”
    Gente… isso não é exagero, é verdade, e é sério! :(

  196. Estava voltando da faculdade a noite, por volta de 10 horas e passei na casa de uma amiga minha para acompanhá-la, desviei uma quadra do meu caminho usual, ela para compensar resolveu me acompanhar até metade do caminho, para ficar justo para ambas. Porém no caminho vi um rapaz passar de bicicleta, porém não me preocupei pois era uma cidade pequena e nunca tinha acontecido nada de perigoso. Quando me despedi da minha amiga e dobrei uma esquina percebi que o rapaz da bicicleta estava parado logo depois da esquina, ele me perguntou que horas eram e eu por medo de assalto disse que não sabia e que não tinha relógio e estava sem celular. o rapaz subiu na bicicleta e seguiu, entrando num terreno baldio que fica atrás da minha casa, na esquina que eu deveria entrar, quando eu alcancei a tal esquina, estava o rapaz virado de frente para a rua, com o pênis para fora da calça se masturbando e se exibindo para mim. Corri desesperadamente pois estava a 30 metros de casa. Entrei em casa apavorada, mas nunca contei o ocorrido para minha mãe, pois só serviria para deixa-la preocupada todas as noites.

    Já fui agarrada em festas a força, recebi puxão de cabelo, já usei até pulseira de alfinete para abrir caso o desgraçado segurasse no meu pulso. Já saí na porrada, nunca deixei barato abuso físico. Já xinguei em retorno a abuso verbal.

    Não só criticando os homens, pois apesar de ter idiotas há também aqueles que nos fazem ter esperança.
    Certa vez no carnaval fui abordada da seguinte forma:
    Ele: ‘Boa noite, será que você poderia me dar uma informação, é que eu não sou da cidade’
    Eu: ‘Se eu puder informar, claro que sim’
    Ele: ‘Eu gostaria de saber o seu nome’

    Conversamos o resto da noite, fiquei com o cara e ainda tive um relacionamento a distancia com ele que durou alguns meses, infelizmente ele não era da cidade e morava muito longe, éramos novos para dar certo.

    Mas fica a dica, meninos, não é proibido conversar, elogiar, só sejam respeitosos, não esperem que nós respondamos positivamente a um gostosa gritado a distância, eu queria muito entender o que se passa na cabeça de vocês quando fazem isso. Vocês realmente acham que isso vai evoluir numa conversa frutífera ou numa pegação? Já diz o ditado ‘respeito é bom e eu gosto’, você gosta, quem é que não gosta?

  197. A primeira coisa que os homens têm que ter em mente é que TODAS as mulheres têm medo de serem estupradas. E quem estupra é homem. Não, o contrário não é verdadeiro (a minoria dos homens estupra, não a maioria). Ou seja, as mulheres, mesmo que sejam heterossexuais e gostem muito de fazer sexo com homens, ao mesmo tempo, tem medo da sexualidade masculina. A sexualidade masculina é agressiva e pode estuprar.
    É uma contradição. Pq as mulheres (hétero, principalmente) querem ser atraentes aos homens e querem fazer sexo com homens. Mas, dependendo das circunstâncias, se o homem se mostrar sexualmente atraído, ele pode dar medo e se mostrar um estuprador em potencial. Queremos ser atraentes, mas não queremos ter medo por causa dessa atração.

    Isso faz com que haja situações cinzentas. Dependendo das circunstâncias, do dia, do que nos ocorreu anteriormente, da quantidade de gente por perto, da aparência do homem, etc., podemos entender como uma ameaça ou como elogio.

    Por exemplo, por que motivo chamar alguém de linda seria algo ruim? Só se (1) associamos a sexualidade masculina ao estupro e à violência, ou se (2) associamos a atratividade da mulher à sua diminuição como ser humano e sua transformação em objeto. Isso está errado. No entanto, é o que ocorre. Quando um homem chama “gostosa” para uma mulher na rua, ele sabe que está sendo desrespeitoso, ele odiaria que fizessem o mesmo com sua mãe. Mas não deveria ser assim. Demonstrar tesão não deveria ser algo ofensivo. E, no entanto, é. Tanto que os homens se ofendem mutuamente dizendo que vão se comer.

    Para mim, portanto, o furo é muito mais embaixo. É uma relação doente que temos com a sexualidade que tem que ser discutida muito mais a fundo.

  198. Fiquei impressionada com a pesquisa, assumo vivenciei no mínimo 90% dos exemplos citados aqui. E é estranho como acabamos nos acostumando com esse tipo de atitude degradante que o homem impõem.

    Mas o que eu mais fiquei pasma, é quantas vezes foram as mulheres se justificando que suas roupas não eram tão justas ou decotadas para tal comportamento, BASTA deste pensamento. Somos mulheres livres, não importa a roupa. Se uma garota esta de vestido justo e foi abusada, sua roupa não é o motivo.

    Os homens tem que melhorar o seu pensamento que as mulheres não vestem roupas justas, ou rebolam, ou usam salto alto para provocar todos os homens da rua.

    Saímos arrumadas e bonitas para nós mesmas, algumas para mostrar para as amigas, outras querem conquistar AQUELE (singular) garoto, mas com certeza não queremos que este mesmo garoto vire para a gente e fale ” vem cá gata que eu vou te ensinar como se trepa!”

    Vcs homens realmente acham que conseguem pegar alguma mulher com essa conversa, ou melhor, com esse Nível de conversa??

    O que eu penso a respeito dos homens que tomam esse tipo de atitude: são aqueles sem-noção que não pode ver uma propaganda de biquíni que já vai se trancar no banheiro. E quando eles veem uma mulher bonita, ele se transportam para um filme pornô bem barato e começa com aquele diálogo bem tosco, típico desse tipo de filme, como se a mulher estivesse lá somente para ele e que ela estivesse extremamente excitada com esses “comentários”.

    TENHA DÓ!

  199. Na volta da escola, nos dias que eu ia a pé para casa no horário depois do almoço, começando no final do ensino fundamental, às vezes cruzava com um homem na avenida que levava da escola até casa e ouvia “linda” “gostosa” “delícia”… é constrangedor, pior que o uniforme não era provocativo, a camiseta era folgada comprida com mangas grandes (curtas ainda) e sem decote, normalmente usava a calça mais folgada, em dias quentes usava no máximo shorts mas nem muito acima do joelho, no final do ensino médio criaram as calças legging.
    O pior caso foi depois da aula do técnico fui voltar para casa de ônibus porque sai mais cedo (era período noturno, umas 21h, normalmente saía 23h e minha mãe me buscava de carro pelo horário), meu namorado normalmente me acompanhava até em casa e depois pegava outro ônibus, nesse dia ele estava cansado e como ele mora muito longe de onde eu moro, decidi que iria sozinha e ele pegaria direto ônibus para a casa dele. Peguei um micro-ônibus um tanto cheio, no caminho consegui sentar. Em um determinado momento um senhor bem mais velho que eu ficou de pé do lado de onde estava sentada, até aí tudo bem, tinha mais gente para ele poder ficar em outro lugar, o problema ele se aproveitar da movimentação do ônibus e ficar esfregando o pênis dele (por cima de calça jeans) no meu ombro! Não tinha ninguém atrás dele para ele chegar tão perto, e qualquer um se manteria mais fixo de pé do que ele! Foi nojento! Quando percebi fiquei em choque, não sabia o que fazer, coragem para falar algo eu não tinha. Sorte que não faltava muito para o ponto da minha casa, quando levantei tomei mais coragem de olhar feio para ele antes de sair da visão dele. Demorei muito tempo para andar em micro-ônibus sem estar acompanhada novamente.

  200. O irônico é a hipocrisia. Eu vi o link desse site através de uma baladeira, daquelas que quando ninguém dá em cima/canta na balada ela se sente mal e sai reclamando aos 4 ventos que tem algo de errado com ela.
    A impressão em alguns comentários aqui é que algumas mulheres precisam de aprender a lidar com a vida. Acontece um monte de merda no dia a dia de todo mundo, e você não vê pesquisa de deficiente reclamando que as pessoas fazem cara torta pra eles ou finge que eles não existem quando precisam de ajuda, gordo que sofre bullying o dia inteiro,anão que é tratado com preconceito e por aí vai.
    Tem medo de estupro e assalto? volta da balada de táxi, evite andar sozinha em alguns lugares, volte de carona com alguém de confiança! Abram os olhos pra vida!! Putamerda, xingar muito no twitter que estupro é feio não vai fazer o doente do estuprador desistir de estuprar não, e nem os assaltantes de assaltarem.

    • Seria importante saber a diferença entre assédio sexual e paquera, afinal, provavelmente você deve ser homem e não tem que medir sua roupa para não ser estuprado, não deve temer perder o celular e a virgindade pra um assaltante, nem deve passar por situações constrangedoras como a de um cara te passando a mão sem nem te conhecer, como se ele fosse seu namorado de anos e tivesse liberdade e direito de fazer aquilo.
      O pior crime contra a mulher é achar que ela tem que aceitar ser estuprada, que ela tem que aceitar as passadas de mão, as palavras de baixo calão quando na verdade não tem. O estupro é a maior covardia que um homem pode cometer contra uma mulher e você, na sua ignorância, achar que é culpa da mulher, com certeza não vai entender o medo que sua filha sentirá ao sair de casa, se a caso vier a ser pai,

    • Cara, você é tão sem argumento que não tem coragem nem de pôr seu próprio nome! Lidar com a vida TODAS as pessoas tem dificuldade, uns mais e outros menos. Não sei em que mundo você vive pra dizer que deficiente não reclama seus direitos. Não se se você sabe que as cotas para contratação de deficientes vieram justamente da luta deles por seus direitos de trabalhar como qualquer outra pessoa. A questão do assédio, do modo como você fala, devia ser encarada como uma coisa normal da vida. Só é normal quando é consentida. E existe uma diferença muito grande entre se aproximar com interesse e se aproximar com um troglodita! Essa moça a qual se referiu, você disse bem: se o cara não se aproxima ELA ACHA QUE O PROBLEMA É COM ELA! Infelizmente, ela é machista também. Mas ela não é a regra! Você disse que se a mulher tem medo de ser estuprada ou assediada, que ela que tome providências! Por que não pode ser o contrário? O cara deixar de achar que ele tem o poder em cima de uma mulher pra ela ter liberdade de ir e vir como quiser e quando quiser? Eu sofri abuso sexual quando tinha 7 anos. Você acha que foi porque eu dei mole? Porque eu usei saia curta? Porque eu saí sozinha na rua de noite??? Reflita mais nessa sua vida e converse mais com as mulheres que te cercam! Escute as experiências delas! Você já parou pra conversar com a sua mãe pra saber o que ela acha? Se ela já sofreu com isso? Suas irmãs, filhas, primas, namorada, esposa? Talvez nenhuma nem fale com você sobre isso porque sabe o tamanho do machismo que mora ai dentro! E não adianta dizer que elas foram bem criadas e não passariam por isso. Com educação, você não evita que alguém te assalte, da mesma forma que não evita que alguém te assedie!

    • Tem razao. “Reclamar” de homem babaca e ignorante geralmente nao faz eles mudarem, voce eh um excelente exemplo disso. Eu acho que mulher – assim como os “gordos”, deficientes, e outras minorias perseguidas, como voce citou, tinham sim eh que andar armados e enfiar uma bala na cara de gente como voce. Nao da pra ensinar homem babaca a ser gente? Vamos eliminar da sociedade entao! Eu comecaria com voce.

    • Velho, tu é que não tem noção da realidade. As mulheres em geral lidam muito bem com a vida, sendo diariamente constrangidas na rua. Tenho 20 anos, com 15 fui sequestrada e estuprada quando estava voltando pra casa de um restaurante de carona no carro de um amigo de confiança, que foi rendido, trancado no porta malas pelo estuprador, enquanto eu fiquei suportando um tarado nojento me estuprando por horas no banco de trás no meio do mato. Só saí viva por muito sangue frio pra enrolar o cara. Tou de boa, já desconstruí essa questão e não tenho muitos problemas mais em relação a isso, mas ver um mimadinho que nem tu dar esse tipo de pitaco dá nojo da humanidade. É CLARO que acontece merda todos os dias, inclusive esse é um dos motivos que dá força pras mulheres estupradas, a consciência de que isso acontece diariamente com milhares de outras mulheres, mas e por isso a gente tem que aceitar calada a desumanidade das pessoas? Qualquer desumanidade será combatida, há de se reclamar sim, de se unir contra o machismo e qualquer forma de opressão, e isso não é se unir contra o homem sexo biológico, visto que muitos homens não são machistas, mas se unir contra uma instituição cultural e social construída durante séculos e que é fomentada inclusive por mulheres.

      Agora, em que mundo tu vive que tu acha que qualquer um tem grana pra voltar de táxi de uma festa? E as pessoas não devem achar que precisam se adequar à violência, mas que a violência deve ser combatida. Por mais que esse argumento possa te parecer querer dar um tiro no próprio pé, porque a violência não muda de uma hora pra outra só porque a gente quer, é assim que a gente vai, ano após ano, com atitudes de conscientização como essa pesquisa e também conversando com as pessoas no nosso dia a dia, educando nossos filhos nesses aspectos, mudando as coisas, mudando uma mentalidade coletiva. Acorda tu pra vida meu, pega a grana desses teus taxis e investe em alguma coisa pra abrir essa cabeça.

    • É ridículo a mulher ter que se preocupar se vai ou não ser estuprada. Qualquer pessoa deveria ter o direito de andar na rua sem se preocupar com estupros e assassinatos.
      Vejo em “mimadinhas do papai” um estuprador em potencial, que deveria ser denunciado.
      A cultura do estupro é algo construído socialmente. Por isso “xingar muito no twitter” faz diferença. Fazer barulho até as coisas mudem, que as pessoas pensem de forma igualitária.
      Você provavelmente é hetero. Agora eu queria ver, se você fosse abordado por outro homem duas vezes mais forte e maior, que te forçasse a dar pra ele. O que você faria? Muitas mulheres têm que conviver com isso sim. E as “cantadas” são o inicio de tudo. Muitas mulheres abrem seus olhos pra vida sim! Tentam se proteger, mas isso não é suficiente. Quem assedia não se importa com a roupa. Quem estupra pode esperar o momento ideal para que a mulher esteja sozinha. Quem assedia é o mesmo lixo do estuprador. Irá ensinar seus filhos a tratarem assim. Eu espero que um dia você tenha uma mulher que o ame e vice versa e que você possa ver o quanto sofre e o quanto ofende as inocentes cantadas. Eu adoraria saber qual a sua reação se visse a sua mãe ser estuprada diante de seus olhos, ou a sua irmã. Pense nisso.

    • Sabe, normalmente eu tento colocar argumentos válidos na esperança que pessoas ignorantes como você repensem sobre o assunto, mas no seu caso eu só desejo um estupro. Isso mesmo, homens também são estuprados e eu desejo muito que você seja. Beijão!!!

    • É demais querer andar na rua sem ouvir groselha? Poder ir e vir sem ter que ver homens competindo entre si.. mostrando pro amiguinho o quanto ele é macho? Quem tem que mudar SÃO VOCÊS e não nós. VOCÊS SÃO OS ERRADOS.

  201. Li muito apreensivo algumas historias de tratamento totalmente abusivo, chego a conclusão que o genero humano tem se degradado muito, no nosso pais principalmente.
    Vivemos um momento de total descaso o que nos faz perceber que esse descaso vem de cima para baixo, de todos os orgãos de estado, de todos.
    Precisamos rever nossos conceitos e partirmos para a auto-critica.
    Eu tenho duas filhas uma de 19 anos e outra de 12, eu fico pensando o que estas meninas passam ou já passaram por ai, fico imaginando o que eu como pai não faria a um filho de uma mãe que fizesse algo com uma de minhas filhas.
    Sou critão mas falo pra todos que este tipo de coisa a gente não aprende, a gente desenvolve, tanto ser bom como ser ruim, a sociedade tem a cada dia mais se deteriorado e parece não ter limite, parece que o buraco não tem fundo.
    Esperamos que as pessoas que leiam estes depoimentos se apropriem deles como se fossem suas próprias experiências.

  202. Isto é um assunto bem interessante a ser discutido.A saber qual é o limite entre assedio e paquera.Isso Alem quando se passa dos limites.quando saber quando a mulher esta disposta a se relacionar.A forma de como acha ser “agradável” “aproximação” para ter a possibilidade de um relacionamento ou simplesmente de um flerte.

    Estas questão geralmente são encaradas de forma simplista e ficaram a margem da superficialidade do senso comum.Elas envolvem o entendimento de “limites” e privacidade.Que são delimitados por um moral pessoal que advem da etica que pode ser tanto social ou religiosa.

    • Não estou apoiando o comportamento agressivo e estupido.Em nem se quer estou fazendo um julgamento de valor positivo ou negativo .Esta não é minha intenção.Mas levar a um reflexão mais profunda para achar os motivos que estas coisas acontecem. Sei que é provável que uma das repostas e a sociedade patriarcal e machista.Mas estas resposta ainda sim são superficiais.Sendo que não levamos em consideração um contexto com um todo.Levando em consideração a religião ou consciência de identidade pessoal e convivência em comunidade.

      Para ser mais claro.Se hoje existe um casal houve uma forma de aproximação.Onde ele s se conheceram.No trabalho , em uma balada?No baile funk? Como foia a “paquera”.Como se deu a conversa?Ouve conversa primeiro ou troca de olhares?

      Eu ja ouvi relatos de mulheres que acham “bonito” serem chamadas de “gostosas” .Já outras jamais se aproximaria de alguém que lhes chamariam de”gostosa”..

      Uns gostam de rock outros gostam de funk.Outros gostam musica gospel.Sera que a forma destas pessoas se relacionar seguira uma regra?

      Não se esquecendo também dos limites “físicos”. Entre o toque permitido e o não permitido.E e logico que ha uma grande diferença entre aproximação e perseguição.

      • Já que você perguntou, sou casada. Meu relacionamento começou com uma conversa civilizada entre um grupo de amigos. Nossa primeira ficada se deu também com uma conversa, e não um assedio. Homens que acreditam que assédio ajuda no acasalamento, pensam como animais.

        Outro ponto.

        Não é porque você não sabe se uma mulher curte ou não ser chamada de gostosa que você vai pagar pra ver. Como mostra a pesquisa, 83% das mulheres NAO gostam. Portanto, se você quer chamar a mulher de qualquer uma das coisas que foi citada na pesquisa, converse com ela e saque qual o gosto da mulher. E não já saia falando.

  203. acho que o mais triste, o pior de tudo é que a maioria das mulheres na pesquisa diz que não gosta dessas cantadas, que sentem MEDO e ainda tem animais aqui defendendo que vao continuar chamando de gostosa. blz, tem quem desconfie da pesquisa, mas a maioria dos comentários são mulheres, contando histórias de assédio. não adianta falar o contrário. por mais que o homem seja homossexual, quem sai na rua com medo de ser estuprada, e não pode se defender de quem a ofende são as MULHERES. ainda tem caras que usam o argumento de ‘começar um relacionamento, conhecer a pessoa’ não é chegando pra uma mulher e chamando de gostosa que voce vai encontrar o amor da sua vida cara. é simples, se voce sabe que uma pessoa (seja qual for o motivo) se sente seriamente ofendida com a sua atitude, o mínimo é evitar, por respeito!
    controlem-se! não é porque uma mulher usa short curto, decote, que ela está te dando liberdade. você não deve respeitar uma mulher, UMA PESSOA porque voce acha que ela merece, ou “se dá ao respeito”. SIMPLESMENTE RESPEITE AS PESSOAS.
    eu como mulher nao tenho culpa que vc nao sabe controlar seu ‘instinto’.

  204. Desde os 10/11 anos posso me lembrar de algum episódio em que me senti assediada. No primeiro eu tinha essa idade, esperando minha mãe me buscar na escola, e um homem passou e tiroi o pênis para fora. Eu era uma criança! Que tipo de doente faz isso? Mas a mesma
    coisa aconteceu quando eu estava ma faculdade, ou seja, não importa a idade, cor, tipo físico. Alguns homens apenas insistem em diminuir as mulheres, tratando-as como pedaços de carne. Eu já passei por todas aa circunstâncias da pesquisa, e por algumas das descritas nos comentários. Já fui assediada no ônibus por um nojento que se esfregava em mim, já fui assediada grávida! GRÁVIDA, gente! Já tive todas as reaçōes: já saí no tapa, já chamei os seguranças do local, já caí no choro pela vergonha e pela humilhação. Mas a sensação final é sempre a mesma: de violação. Para os homens que vem aqui e dizem que um elogio não é agressão, eu repito o que alguém disse aí embaixo. A mulher deixa claro o interesse. Se ela não olhou para você e não correspondeu eu seu contato, daí para frente é assédio, mesmo na balada e mesmo que ela esteja vestida de forma provocante. Ou se uma prostituta não quiser transar com vocês é certo estuprá-la só porque é prostituta e se veste provocante?! Por favor, é um apelo sincero. A maioria de nós é forte o suficiente para ultrapassar esses traumas, mas muitas simplesmente não conseguem, e acabam tendo suas vidas amorosas e sua parte emocional afetadas para sempre! Sejam gentis com mulheres estranhas como seriam com as mulheres da sua vida (mães, irmãs, primas, amigas). Por favor!

  205. Acho que já faz parte da cultura machista confundir esses dois termos: cantada e assédio.

    Acredito é um erro usar o termo CANTADA, que é uma conversa, algo agradável, e principalmente algo que sabe seu limite, ou seja, que respeita o outro; e não é nem de longe isso o que acontece nessas situações que ocorrem em locais públicos pelo país afora e fora dele. O que faz do uso do termo cantada nessas situações um eufemismo, já que cantada “s. f.[Brasil, Informal] Dito ou conversa que visa seduzir ou conquistar alguém. = GALANTEIO, XAVECO”.

    Essas situações não visam conquistar alguém, sim impor uma vontade, já que o homem, um desconhecido, incomoda / perturba o caminho de uma pessoa na rua / fala o que quiser e não se importa com o sentimento da mulher e nem aceita uma reação negativa a essa situação. Isso é agressão, isso é ASSÉDIO.” 3. Importunar com tentativas de contacto ou relacionamento sexual. = MOLESTAR.”

    Acho que usar o termo cantada é diminuir o sentimento de violência, de invasão que sentimos nas ruas.

  206. Eu devia ter uns 14 anos. Estava andando pelo centro da cidade (Recife). A rua estava bem movimentada, como sempre é no centro. Eu estava andando e um cara vinha andando também na direção oposta, quando passou por mim ele sussurrou no meu ouvido “chupa rola”. Eu fiquei muito assustada e não entendi nada. O cara não me conhecia, eu nem olhei pra ele, segui meu caminho como se nada tivesse acontecido, mas estava muito assustada.

  207. isso ai complica muito a paquera. Nao canto ninguem, absolutamente na rua ou em qq lugar. mas na night? serio ? la onde geral vai pra pegacao tb nao rola? como diabos eu vou deixar claro pra uma mulher que eu quero ficar com ela? bom foda-se eu vou parar de chegar na balada tb ja que nao ta funcionando tb. Facam um manifesto ou manual de como pode chegar que ai voces facilitam a minha vida, e a de voces. e nao vem com esse papinho de tem que ter feeling nao, porque esse bagulho de feeling e tao subjetivo quanto seus nomes proprios.

    • Cara, acho que você não entendeu. Tudo o que foi relatado aqui fala de ações grosseiras e invasivas. Você sabe o que é estar na rua e alguém passar a mão em você? Você voltando para casa e alguém ficar mexendo indiscretamente com você, muitas vezes com frases nojentas? Você estar na balada e ficarem passando a mão, te puxando pelo cabelo, pelo braço? Ninguém te impede de chegar gentilmente ao lado de uma mulher e puxar papo. As pessoas se conhecem assim. Mas temos o direito de botar o pé para fora sem ter alguém nos comendo com os olhos ou nos passando a mão quando bem entenderem e ainda termos que passar por isso caladas.

    • Que tal tentar se apresentar, bater um papo, puxar conversa? Parece bem obvio como deveria abordar uma mulher nao? Nem precisa muita sensibilidade pra isso, nem manual, soh bom senso mesmo pra entender que chamar alguem de “linda” – do nada, quando voce nem se apresentou ainda, nao vai te levar muito longe, nao acha?

      • Obrigada pela compreensão, amigo. É exatamente isso o que nós queremos. Assim como, imagino eu, alguns (ou muitos, não sei a estatística) homens também. Com certeza alguns homens devem gostar se uma mulher chegar neles e disser “Oi gostoso!”, mas a grande maioria, com certeza, vai julgar essa mulher como vulgar, ou vai achar que é pegadinha. Em contrapartida, com certeza alguns homens se sentirão invadidos. Eu acho que os homens, deveriam, simplesmente, imaginar o seguinte: imagine que sua mãe é separada ou viúva. Imagine que ela conhece um homem e que isso fez bem a ela. Como você, filho homem da sua amada mãe, gostaria que esse homem fizesse a primeira abordagem à sua mãe?? Com educação “Olá, meu nome é fulano, tudo bem? Podemos conversar?” ou “Nossa, que gostosa!”. ??? Se um dia minha mãe se separar do meu pai e conhecer outra homem, que seja de forma respeitosa para com ela e para com todos os envolvidos.

    • É a forma como se chega. Exatamente por isso não está funcionando mais. Há mulheres que não se dão o respeito, mas não são a maioria.
      Chegue com respeito, muito respeito, para conversar e não para atacar. E mantenha o respeito mesmo que a resposta seja negativa. Você vai ver a diferença.

    • Olha, sempre fui para balada por diversão, sempre escolhi baladas em que gostasse da musica e do ambiente, sempre fui com amigos dos quais gostava muito de conversar e de dar boas risadas e quem sabe fazer novos amigos. Nunca intendi quem instituiu que a balada é um espaço para pegação. Uma vez meu pai me deu o seguinte conselho quando era adolescente, uma noite e bebida não combinam com relacionamentos, nunca mais me esqueci disso e sempre tratei de me cuidar. Então chegar numa menina cantando ela de forma grosseira, ou agarra-la não é o caminho para conseguir algo com ela, uma noite que seja. Fazer amizade, elogiar e ser respeitoso pode sim, provavelmente estas atitudes vão te garantir maiores chances de ter algo bacana e prazeroso com uma mulher, caso esta não se interesse, aguente o não.
      Certa vez entre tantas situações das quais já passei listadas acima, eu fui a uma festa teen (pois tinha 15 anos), durante o dia, com meus irmãos e amigos e um babaca passou a mão em mim por entre as minhas pernas, dentro da minha saia de forma grosseira, deixando um vergão. Fiquei tão atônita e constrangida com a situação que quis ir embora na mesma hora. Estraguei a festa dos meus amigos que não entenderam nada pois não viram a situação. Fiquei doente, uns três dias de cama, com febre e dor no corpo. Nunca contei a ninguém esta situação. Depois disto por um bom tempo fiquei com medo de ficar com outros meninos, principalmente quando eles me apertavam muito ou queriam algo mais e ainda tinha de ouvir que eu tinha medo, que eu não me deixava ser feliz ou que era lésbica… coisas que ouvi muito outras vezes, até dentro de relacionamentos… enfim… respeito e liberdade é o que a mulheres exigem hoje e não o fim dos relacionamentos… entenda esta diferença, ai quem saiba você consiga alguém que em contrapartida te valorize e te respeite.

    • Um ‘Oi, tudo bem? Posso falar com você? :)’, é suficiente, respeitoso, franco e direito. Ninguém em sua sã consciência gostaria de estar andando na rua e do nada ouvir uma voz do além em seu ouvido elogiando seus órgãos genitais; nem de ser agarrada pelo braço em uma balada por um cara que ela nunca viu mais magro na vida. Questão de lógica e boas maneiras, aquelas básicas ensinadas pela nossa mamãe e papai. Simples assim.

    • Assinando o atestado de “eu não sei nem conversar”.
      Francamente, cara! Vi 300 situações constrangedoras aqui e nunca precisei passar por nenhuma delas na balada, simplesmente porque os caras chegavam me dando boa noite e pedindo pra conversar. Os poucos que tentaram fazer qualquer coisa desagradável, estavam mais bêbados que o mendigo da rua e só não apanharam, porque bastava um peteleco na orelha pra caírem no chão. Na última situação, eu quase joguei o cara pela escada (bebado e drogado que só). Só não o fiz porque a prejudicada seria eu e era despedida de solteira da minha amiga, mas o cara já tinha me incomodado a noite inteira. A mim e a todas as outras mulheres em volta.

  208. Eu acordei com muita dor no pescoço e fui em um hospital ortopédico na minha rua. Nem me arrumei só coloquei uma calça jeans e uma camisa larga, estava com dor. No hospital recebi o diagnóstico de torcicolo e colocaram um colar cervical em mim. Quando estava voltando a pé para casa escutei de uns três homens diferentes com algumas variações “tadinha, machucou o pescocinho, te faço uma massagem”.
    Recapitulando: eu, com dor , de calça jeans e camisa de malha usando um colar cervical.
    Só posso crer que foi minha aparência de fragilidade que motivou o assédio.

  209. Querid@s,

    A pesquisa sinaliza para questões muito preocupantes relacionadas a violência contra as mulheres. Essa violência passa a ser vista como “normal”, como aquela sobre o depoimento que disse: ““E o que você fez pra provocar o homem”.

    Sugiro ampla divulgação, talvez esses dados ajudem a justificar porque o Brasil está na 7ª posição mundial de assassinatos de mulheres.

    Atenciosamente Mazé

  210. Querid@s,

    A pesquisa sinaliza para questões muito preocupantes relacionadas a violência contra as mulheres. Essa violência passa a ser vista como “normal”, como aquela sobre o depoimento que disse: ““E o que você fez pra provocar o homem”.

    Sugiro ampla divulgação, talvez esses dados ajudem a justificar porque o Brasil está na 7ª posição mundial de assassinatos de mulheres.

    Atenciosamente Maria Jose

  211. estuprador nao liga pra roupa que a mulher veste. ele estupra pois a dor da vitima e a humlilhacao da prazer a ele. e mulheres nao sao as unicas vitmas. criancas e animais tambem. Agora voltando ao assunto, proposto pelo blog :
    Eu como homem acho o seguinte:
    -Fui criado em um ambiente familiar de muito respeito, fui criado pela maior parte do tempo por minha mae.Ela me ensinou a dar o devido respeito a todas as pessoas independente do sexo.
    -Nao canto mulher na rua ou no trabalho. Nao da, pois sou educado.
    – Nao deixo de olhar. porque olhar nao arranca pedaco.
    – A balada e um ambiente propricio pra chegar em mulher.
    – o cara que chega na mulher chamando de bucetuda, muito provavelmente nao vai comer ninguem muito menos comecar um relacionamento naquela noite.
    – Nao tenho radar pra perceber se a mulher ta dando mole ou nao. Mulheres geralmente sao muito simpaticas. Isso me confunde, entao se eu estiver afim eu chego sem ter certeza se ela quer ou nao, e respeito se ela disser que nao rola (com aqueles papos de “ah voce e um irmao pra mim”).

    Fiquei surpreso em saber que mulher nao gosta de cantada, mas se nao houver um elogio que passa pelo humor que e bem caracteristico do brasieliro, fica dificil quebrar o gelo pra ter uma interacao com uma pessoa que voce nao conhece. E conhecer pessoas e importante, pra ampliar seu circulo de amizades ou achar uma namorada. Mas se nem isso voces gostam, existem sempre os sites de relacionamento onde podemos pular essa etapa.

    • Prezado, eu tenho namorado, mas preciso te dizer uma coisa. Pela sua resposta aqui, você provavelmente é do tipo que não precisa se preocupar em agradar uma mulher. Você já soa como pessoa agradável. Mulher gosta de elogio sim, quando está disposta a receber um. Assim, como qualquer pessoa, para qualquer tipo de situação. Uma miga minha diz que TUDO na vida depende apenas de DUAS coisas: coerência e CONTEXTO. Quando uma mulher se veste para ir à academia, com uma roupa de lycra, que foi feita A PRINCIPIO, não para ser sensual, mas para ser uma roupa confortável para fazer exercícios, uma roupa que permita todos os movimentos do corpo, ela não está inserida no CONTEXTO de receber elogios. Então, incomoda – claro que tem as que gostam, como você vê na primeira pergunta, 17% das mulheres gostam – se você pensar em números absolutos, só na cidade de São Paulo temos cerca de 12 milhões de pessoas; se pensarmos grosseiramente que 6 são homens e 6 são mulheres, 17% significa que cerca de 1 milhão de mulheres gosta de ser cantada! É MUITA MULHER! Mas no geral, incomoda. Outro exemplo. Você se arruma pra ir pra balada. Balada é um lugar pra conhecer gente?! Depende. Não pra mim. Pra mim o contexto da balada é se divertir com os amigos que eu já tenho. Então, pra mim, cantada na balada incomoda. Como descobrir então qual é o momento?! Oras, a mulher vai dar sinais a você se está a fim ou não. E se não der?? E se eu estou lá, e não estou a fim de conhecer ninguém, você não pode tentar me conhecer??? Fica difícil mesmo, concordo. Então, sim, você pode, pelo contexto de socialização que a balada tem. Mas com educação. Eu não gosto que cheguem em mim de cara e digam “Nossa, você é linda!”. Acho invasivo. O cara chega, puxa papo, e se tiver abertura faz um elogio. E a mulher a mesma coisa se quiser xavecar um cara.

      Suelen

    • Sua resposta mostra que você não entendeu a pesquisa nem as situações em que ocorrem de fato constrangimentos à mulher. O problema não é chegar na mulher querendo conhecê-la. É respeitar a vontade dela de ser recíproca ou não, e a forma como se aborda. Existe uma linha tênue entre grosseria e invasão e uma cantada ou abordagem mais simpática e tranquila. Se o cara é educado e tudo o mais, faço questão de ser educada. Uma vez um carinha fez uma pisada e engatou uma conversa comigo. Eu tenho namorado… Mas conversei mesmo assim. Quando ele pediu pra gente sair e pra eu dar meu telefone, eu disse simplesmente que tinha namorado, mas que o papo foi legal. Pronto, não mata ninguém ser educado, né?! Agora se o cara pára no meio da rua, puxa meu cabelo (pegar em qualquer parte de meu corpo sem minha permissão é ofensivo e invasivo), me chama de gostosa, e diz: “oh, lá em casa!”, simplesmente vá pra puta que te pariu, porque vc pode até abrir a boca e falar o que quer, mas eu não tenho obrigação de corresponder às gracinhas alheias, correto?!

    • Se tu chegar pra uma mulher em uma balada, por exemplo e disser: “E aí, meu nome é mimimimi” e começar a conversar com ela, te garanto que tu vai conseguir quebrar o gelo sem ser mal educado e sem ser um imbecil… (não dizendo que tu seja, só comentei.)

    • olá, lancemaker.
      creio que há um pequeno equívoco na sua interpretação. sim, há muitas formas de se começar um assunto sendo simpático e descontraído sem ser chamando de linda, de gostosa ou fazendo algum elogio físico. há muitas formas de se quebrar o gelo sem ser assim, vc só acha que esse é o único caminho possível pq culturalmente foi treinado para tratar as mulheres dessa forma.
      não é que as mulheres não gostem de elogios, é que vc ser abordada com um “elogio” ao seu físico é um tanto invasivo, até mesmo pq há todo esse background que envolve a questão (um cara chegar na gente começando o assunto com “oi, linda” há uma enorme chance dele ser mais um babaca machista que acha que estamos numa vitrine para sermos apreciadas. e isso não é “preconceito”, é experiencia acumulada rs.). é ótimo receber elogios de quem vc curte, tá afim e tal. mas de quem vc não conhece e não tem nenhuma intimidade, não, não é legal.
      sugestão? ponha-se o desafio de se aproximar de uma mulher para uma conversa de uma forma simpática sem ser “elogiando” o físico dela. te garanto que ela vai te levar muito mais a sério e se interessar por vc do que se vc abordá-la com uma cantada.

  212. Ta… pra começar, confesso já ter chamado meninas de linda mais de uma vez enquanto passava de carro por elas, e em minha adolescência já fui babaca o suficiente para segurar meninas para que ficassem comigo e até mesmo xingar elas por me rejeitarem, esse é um assunto complicado que sinceramente e infelizmente demorei para entender a gravidade, mas na verdade, mudar isso é muito simples, você só precisa respeitar uma simples regra: “A sua liberdade ACABA quando começa a do outro.”, ou seja, NINGUÉM tem o DIREITO de interferir em NADA na vida do próximo, e não se pode e nem se deve maquiar isso usando o termo “Liberdade de expressão”, hahahaha chega a ser ridículo ler homens AQUI dizendo “óóó mais eu tenho direito de falar o que eu quiser” ou “aaaaa só um “linda” num faz mal a ninguém”, hoje pra mim, VOCÊ, escroto que pensa assim, é um sujeito digno de pena que nada se difere de um cachorro acasalando com a perna alheia, exceto pelo fato do cachorro ser engraçado e você ser repugnante.

  213. Queria ver esses homens cantando mulheres nos Estados Unidos, sinceramente lá é uma terra de leis e todos estariam atrás das grades.

    • Danielle, moro nos EUA agora e levo cantadas de baixo nível nas ruas quase todos os dias. Este tipo de coisa acontece no mundo todo, e precisaria de uma mobilização seria para resolver.

    • Esse complexo de vira-latas e complicado. Me formei nos EUA e sim as leis são mais respeitadas lá mas o machismo muitas vezes e o dobro.

    • ???? você tem alguma noção do que fala? Nos EUA acontece a mesma coisa. E na França, no Canadá, na Bélgica, na Holanda, na Alemanha, onde mais você quiser. Existem outros sites e documentários a respeito. Se informa antes de sair por aí falando qualquer coisa.

    • Isso não acontece somente aqui, idealizar o país dos outros não serve para nada, esse tipo de coisa acontece em todos os lugares do mundo até mesmo nos EUA e na Bélgica.

      http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/09/homens-que-assediam-mulheres-ruas-documentario-belgica.html

      O problema é a mentalidade machista da sociedade que castram as mulheres até dizer chega e acobertam ou dão desculpas para o comportamento inadequado e asqueroso dos homens que não controlam suas pulsões sexuais, como verdadeiras bestas que são.